É pre­ci­so re­pen­sar a CPLP

Murade Murargy fa­la dos de­sa­fi­os e re­ve­la que os ci­da­dãos es­pe­ram os be­ne­fí­ci­os

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO DI­AS|

O se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP), Murade Murargy, ins­tou sex­ta-fei­ra, em Bra­sí­lia, os Es­ta­dos-mem­bros a re­pen­sa­rem os ob­jec­ti­vos da or­ga­ni­za­ção, ten­do em con­ta os de­sa­fi­os im­pos­tos pe­la glo­ba­li­za­ção e ou­tros even­tos in­ter­na­ci­o­nais de que não de­ve per­ma­ne­cer in­di­fe­ren­te. Murargy ces­sa o man­da­to du­ran­te a Ci­mei­ra de Bra­sí­lia.

O se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP), Murade Murargy, ins­tou sex­ta-fei­ra, em Bra­sí­lia, os Es­ta­dos-mem­bros a re­pen­sa­rem os ob­jec­ti­vos da or­ga­ni­za­ção, ten­do em con­ta os de­sa­fi­os im­pos­tos pe­la glo­ba­li­za­ção e ou­tros even­tos in­ter­na­ci­o­nais de que não de­ve per­ma­ne­cer in­di­fe­ren­te.

“Ao fim de du­as dé­ca­das de exis­tên­cia era pre­ci­so que a CPLP re­pen­sas­se os seus ob­jec­ti­vos, ten­do em con­ta as mu­dan­ças que o mun­do es­tá a vi­ver, atra­vés da glo­ba­li­za­ção e ou­tros even­tos in­ter­na­ci­o­nais de que a or­ga­ni­za­ção não po­dia fi­car alheia”, su­ge­riu o mo­çam­bi­ca­no à im­pren­sa.

Em fim de man­da­to após qua­tro anos no se­cre­ta­ri­a­do exe­cu­ti­vo da or­ga­ni­za­ção, Murade Murargy re­co­nhe­ceu que dei­xa uma CPLP ain­da em cons­tru­ção e que era che­ga­da a ho­ra de os Che­fes de Es­ta­do apro­va­rem uma no­va vi­são es­tra­té­gi­ca pa­ra a pró­xi­ma dé­ca­da, ten­do em con­ta os pro­ble­mas que o mun­do vi­ve.

Mu­ra­da Murargy de­fen­deu mai­or apro­xi­ma­ção da or­ga­ni­za­ção aos ci­da­dãos dos res­pec­ti­vos Es­ta­dos­mem­bros, pois en­ten­de ser o mo­men­to de a CPLP sair da “con­cha e fa­zer com que o ci­da­dão se apro­xi­me e sin­ta que a or­ga­ni­za­ção es­tá pa­ra ele”. Em tor­no do Acor­do Or­to­grá­fi­co vol­tou a afir­mar que o in­ves­ti­men­to fei­to foi enor­me e que “os paí­ses afri­ca­nos tal­vez não es­ti­ves­sem pre­pa­ra­dos pa­ra um in­ves­ti­men­to des­sa en­ver­ga­du­ra”, na me­di­da em que as im­pli­ca­ções fi­nan­cei­ras pa­ra paí­ses co­mo Mo­çam­bi­que e Gui­né-Bis­sau e ou­tros são enor­mes. “É pre­ci­so per­ce­ber que es­tes paí­ses têm ou­tras pri­o­ri­da­des. Há ques­tões que di­zem res­pei­to ao com­ba­te à fo­me e à po­bre­za que são mais im­por­tan­tes que al­te­rar es­ta ou aque­la for­ma de es­cre­ver”, jus­ti­fi­cou.

O di­plo­ma­ta vol­tou a de­fen­der tam­bém uma mai­or mo­bi­li­da­de den­tro do es­pa­ço CPLP, o que per­mi­ti­ria que os es­tu­dan­tes, in­ves­ti­ga­do­res, pes­qui­sa­do­res, ho­mens de ne­gó­ci­os, des­por­tis­tas, jor­na­lis­tas e ar­tis­tas pu­des­sem cir­cu­lar li­vre­men­te den­tro do es­pa­ço co­mu­ni­tá­rio e bus­car as va­lên­ci­as cul­tu­rais, téc­ni­cas e ci­en­tí­fi­cas ne­ces­sá­ri­as pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to. “Não po­de­mos di­zer que a Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa é vi­sí­vel e pró­xi­ma ao ci­da­dão se não pu­der­mos fa­zer is­so”, as­se­ve­rou Murade Murargy, que fa­lou da re­so­lu­ção apro­va­da pe­los Che­fes de Es­ta­do e que bai­xa ins­tru­ções aos mi­nis­tros do In­te­ri­or e Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na a ace­le­ra­rem a apli­ca­ção dos Acor­dos de Bra­sí­lia que es­ta­be­le­cem que cer­tos gru­pos co­me­cem já a cir­cu­lar li­vre­men­te no es­pa­ço co­mu­ni­tá­rio. Murargy re­co­nhe­ceu ha­ver al­gu­ma re­sis­tên­cia na efec­ti­va­ção des­tes pro­jec­tos e ex­pli­cou que al­guns dos paí­ses da CPLP per­ten­cem a cer­tas zo­nas com li­mi­ta­ções de mo­vi­men­tos, co­mo Por­tu­gal, que es­tá in­se­ri­do no es­pa­ço Schen­gen e tem uma sé­rie de re­gras. Ca­so es­te­ja dis­pos­to a adop­tar o Acor­do de Mo­bi­li­da­de no Es­pa­ço Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa, vai ter de ne­go­ci­ar pa­ra en­con­trar for­mas de as ul­tra­pas­sar. O Go­ver­no por­tu­guês, dis­se, es­tá sen­sí­vel a is­so e vê na mo­bi­li­da­de uma ques­tão pri­o­ri­tá­ria.

“Quan­do um dia, o ci­da­dão sen­tir que há mo­bi­li­da­de no es­pa­ço, es­sa vai ser a gran­de vi­tó­ria da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa. Quan­do um dia for pos­sí­vel ma­tri­cu­lar-se nu­ma uni­ver­si­da­de de qual­quer país da co­mu­ni­da­de sem en­tra­ves ou ter uma bol­sa da CPLP, es­sa vai ser uma vi­tó­ria. Por en­quan­to to­do o mun­do se quei­xa e eu tam­bém me quei­xo de que a Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa ain­da não se faz sen­tir”, su­bli­nhou o mo­çam­bi­ca­no ao ser­vi­ço da or­ga­ni­za­ção.

Mo­bi­li­da­de na co­mu­ni­da­de

Quan­to ao es­ta­tu­to do ci­da­dão lu­só­fo­no, Murade Murargy jus­ti­fi­cou que a Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa tem ape­nas 20 anos e que a mai­or par­te dos nos­sos paí­ses tem ain­da ques­tões in­ter­nas por re­sol­ver e ou­tros que pre­ci­sam de se con­so­li­dar co­mo Es­ta­dos ou na­ções. “Não po­de­mos quei­mar eta­pas. Ter um Es­ta­tu­to de Ci­da­dão Lu­só­fo­no tem mui­tas im­pli­ca­ções, uma de­las por exem­plo, se­ria a de um ci­da­dão de de­ter­mi­na­do país ter di­rei­tos cí­vi­cos e po­lí­ti­cos num ou­tro. O cer­to é que mui­tos dos nos­sos paí­ses não es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra es­ta fa­se”, ar­gu­men­tou.

Pa­ra uma Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa ac­tu­an­te, vi­va e prag­má­ti­ca, o di­plo­ma­ta dis­se que é pre­ci­so des­per­tar a aten­ção dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no pa­ra se en­con­trar uma agen­da co­mum que per­mi­ta que o ci­da­dão se sin­ta mais pró­xi­mo e que não se fa­ça da or­ga­ni­za­ção ape­nas uma ban­dei­ra pa­ra ca­da país usar em tor­no da sua po­lí­ti­ca ex­ter­na e ob­jec­ti­vos in­di­vi­du­ais. “Pa­ra al­guns a agen­da é a lín­gua, pa­ra ou­tros, a co­o­pe­ra­ção po­lí­ti­ca e di­plo­má­ti­ca e ain­da exis­te qu­em a uti­li­ze pa­ra as su­as re­la­ções bi­la­te­rais. Uma CPLP as­sim não tem ra­zão de exis­tir. Te­nho-me ba­ti­do pa­ra uma agen­da úni­ca em que a edu­ca­ção, saú­de e re­la­ções co­mer­ci­ais Se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo ces­san­te da CPLP afir­ma que or­ga­ni­za­ção de­ve fa­zer mais e de in­ves­ti­men­to se­jam tor­na­das re­a­li­da­de”, re­fe­riu. Ape­sar dis­so, dis­se exis­ti­rem pe­que­nas ac­ções a acon­te­cer den­tro do es­pa­ço co­mu­ni­tá­rio, co­mo a se­gu­ran­ça ali­men­tar e nu­tri­ci­o­nal que mo­ti­va­ram a cri­a­ção da cam­pa­nha “Jun­tos con­tra a fo­me”, vi­san­do in­cen­ti­var e apoi­ar pe­que­nos agri­cul­to­res a pro­du­zir ali­men­tos pa­ra ali­vi­ar a po­bre­za nas zo­nas ru­rais, além de es­tar a de­cor­rer uma cam­pa­nha so­bre a ”Lu­ta con­tra o Tra­ba­lho In­fan­til”, en­tre ou­tras ac­ções e pro­jec­tos.

O se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo da CPLP em fim de man­da­to de­fen­deu igual­men­te que os Es­ta­dos mem­bros de­vem con­cen­trar-se na ques­tão do de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no, olhan­do pa­ra a área da edu­ca­ção, saú­de e ener­gia, pois “se não ti­ver­mos o ho­mem pre­pa­ra­do pa­ra os de­sa­fi­os não vai ha­ver de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co”. So­bre a ques­tão ener­gé­ti­ca dis­se ser pre­ci­so re­co­nhe­cer que to­dos os paí­ses da or­ga­ni­za­ção têm gran­de po­ten­ci­al e que tor­na-se im­pe­ri­o­so co­o­pe­rar pa­ra for­mar qua­dros e ins­ti­tui­ções pa­ra re­gu­la­ção das po­lí­ti­cas de pro­du­ção de ener­gia. Ti­mor-Les­te, por exem­plo, propôs a cri­a­ção de uma em­pre­sa con­jun­ta pa­ra ex­plo­ra­ção de pe­tró­leo.

Na área do tu­ris­mo, de­fen­deu que os paí­ses tra­cem po­lí­ti­cas de fa­ci­li­ta­ção tu­rís­ti­ca, e na agri­cul­tu­ra de­vem ser fei­tas par­ce­ri­as pa­ra con­tra­por o dé­fi­ce ali­men­tar, já que na sua opi­nião exis­tem con­di­ções cli­má­ti­cas fa­vo­rá­veis e ter­ras fér­teis. “Po­día­mos apro­vei­tar as ca­pa­ci­da­des téc­ni­cas do Bra­sil pa­ra pes­qui­sa e in­ves­ti­ga­ção na área da agri­cul­tu­ra e pro­du­zir ali­men­tos, não só pa­ra con­su­mo in­ter­no, mas tam­bém pa­ra a ex­por­ta­ção”, dis­se. Na área da agri­cul­tu­ra, lem­brou, há já um exem­plo de co­o­pe­ra­ção que en­vol­ve Mo­çam­bi­que, Ja­pão e Bra­sil. Não se po­de dis­per­sar mui­to. É pre­ci­so de­fi­nir pou­cas áre­as e fo­car-se ne­las.

Co­o­pe­ra­ção mais igual

O se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo da CPLP de­fen­de uma co­o­pe­ra­ção mais igual en­tre os paí­ses da or­ga­ni­za­ção. “A CPLP de­ve ser uma or­ga­ni­za­ção em que to­dos os paí­ses co­o­pe­rem em pé de igual­da­de, mas is­so não acon­te­ce. Há paí­ses com ní­vel de anal­fa­be­tis­mo ele­va­do e que lu­tam ain­da pa­ra en­si­nar o seu po­vo a ler e a es­cre­ver”, dis­se.

Nu­ma al­tu­ra em que An­go­la en­fren­ta um re­vés eco­nó­mi­co e fi­nan­cei­ro, Mo­çam­bi­que um pro­ble­ma po­lí­ti­co, tal co­mo a Gui­né-Bis­sau e o Bra­sil, o di­plo­ma­ta lem­brou que os pro­ble­mas que os paí­ses da or­ga­ni­za­ção en­fren­tam ac­tu­al­men­te fa­zem-no re­gres­sar a 1986, quan­do foi cri­a­da. Mas dis­se acre­di­tar que os go­ver­nos dos “nos­sos paí­ses têm a ca­pa­ci­da­de de ul­tra­pas­sar a si­tu­a­ção”. Lem­brou que a cri­se in­ter­na­ci­o­nal veio agra­vá-la ain­da mais. Po­rém, acre­di­ta es­tar a dei­xar uma Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa vi­va e ac­ti­va e que os paí­ses vão ul­tra­pas­sar to­das as si­tu­a­ções des­fa­vo­rá­veis que vi­vem. “Te­mos um po­ten­ci­al enor­me que não po­de­mos des­per­di­çar. Se ana­li­sar os nos­sos paí­ses, vai no­tar que ca­da um de­les tem um po­ten­ci­al eco­nó­mi­co e hu­ma­no de­ma­si­a­da­men­te for­te pa­ra se dei­xar ven­cer pe­las cri­ses cí­cli­cas”, re­fe­riu Murade Murargy.

Qua­dros da CPLP

Nu­ma al­tu­ra em que a CPLP con­ta com qua­se 90 por cen­to de qua­dros por­tu­gue­ses e inex­pres­si­vos três por cen­to de afri­ca­nos, Murade Murargy ad­mi­tiu que tal cons­ti­tui pre­o­cu­pa­ção pa­ra to­dos os paí­ses. Mas, pros­se­guiu, o gran­de pro­ble­ma es­tá no or­ça­men­to da CPLP, que é mui­to bai­xo. Quan­do foi cri­a­da a or­ga­ni­za­ção, ex­pli­cou, ela fi­cou ins­ta­la­da em Por­tu­gal e 90 por cen­to dos fun­ci­o­ná­ri­os são por­tu­gue­ses.

O di­plo­ma­ta lem­brou que al­te­rar is­so vai sig­ni­fi­car al­te­rar o or­ça­men­to. “Os sa­lá­ri­os que são pra­ti­ca­dos não são atrac­ti­vos pa­ra ci­da­dãos de ou­tros paí­ses. Pa­ra um an­go­la­no ou gui­ne­en­se trans­fe­rir-se pa­ra Por­tu­gal, o ide­al é ter um sa­lá­rio que fa­ça fa­ce às des­pe­sas de um ci­da­dão num país es­tran­gei­ro”, ex­pli­cou. Ain­da as­sim, de­fen­deu que é pre­ci­so adop­tar cri­té­ri­os de ad­mis­são em que ca­da Es­ta­do-mem­bro, ele pró­prio, es­co­lhes­se qua­dros com ca­pa­ci­da­de pa­ra a CPLP, por um la­do. Por ou­tro, os can­di­da­tos de­vi­am can­di­da­tar-se e sub­me­ter-se a um con­cur­so pú­bli­co. “É uma de­ci­são a ser ana­li­sa­da. Mas o cer­to é que nin­guém quer au­men­tar o or­ça­men­to, em­bo­ra se­ja ne­ces­sá­rio uma mai­or equi­lí­brio na re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de de qua­dros na Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa”, re­fe­riu.

O em­bai­xa­dor Murade Murargy des­ta­cou o fac­to de a or­ga­ni­za­ção es­tar a tor­nar-se ca­da vez mais vi­sí­vel a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal e a jus­ti­fi­cá-lo, en­tre ou­tros as­pec­tos, es­tão as can­di­da­tu­ras de paí­ses de vá­ri­os con­ti­nen­tes pa­ra mem­bros ob­ser­va­do­res da CPLP. A Re­pú­bli­ca Che­ca, Hun­gria, Es­lo­vá­quia, Geór­gia, Se­ne­gal e Uru­guai can­di­da­ta­ram-se a mem­bros ob­ser­va­do­res da or­ga­ni­za­ção e jun­tam-se as­sim às Mau­rí­ci­as, Tur­quia, Na­mí­bia e Ja­pão. “Eles pre­ten­dem mais co­o­pe­ra­ção. A Tur­quia usou is­so pa­ra en­trar no mer­ca­do mo­çam­bi­ca­no e an­go­la­no, en­tre ou­tros. Os ja­po­ne­ses têm gran­de pe­ne­tra­ção no Bra­sil. Além dis­so, há um gran­de in­te­res­se cul­tu­ral e eco­nó­mi­co”, con­cluiu, au­gu­ran­do uma pre­si­dên­cia bra­si­lei­ra ca­paz de tor­nar a or­ga­ni­za­ção mais cre­dí­vel ain­da e in­con­tor­ná­vel nas re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais.

MO­TA AM­BRÓ­SIO | BRASÍLA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.