O ro­tei­ro de Jo­sé Se­ve­ri­no

Jornal de Angola - - PARTADA - GUILHERMINO AL­BER­TO |

Avi­da pú­bli­ca na­ci­o­nal foi es­te mês mar­ca­da por in­te­res­san­tes ini­ci­a­ti­vas aca­dé­mi­cas vi­ra­das pa­ra o ac­tu­al mo­men­to eco­nó­mi­co por que pas­sa o país. Foi ex­tra­or­di­ná­ria a in­ter­ven­ção sem­pre opor­tu­na de Jo­sé Se­ve­ri­no, uma fi­gu­ra mar­can­te do nos­so mo­sai­co em­pre­sa­ri­al. Mas co­me­ce­mos do prin­cí­pio.

A Fa­cul­da­de de Eco­no­mia da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to trou­xe à dis­cus­são pú­bli­ca, na­que­las que fo­ram as su­as ter­cei­ras jor­na­das téc­ni­co-ci­en­tí­fi­cas, o te­ma “An­go­la­pers­pec­ti­vas so­ci­o­e­co­nó­mi­cas”, que per­mi­tiu uma pro­fun­da e in­te­res­san­te abor­da­gem so­bre as cau­sas pri­mei­ras da “nos­sa cri­se” e apon­tou as so­lu­ções à mão de se­me­ar pa­ra que o país pos­sa avan­çar e não mais con­ti­nu­ar a cho­rar pe­lo “pe­tró­leo der­ra­ma­do”.

O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção In­dus­tri­al de An­go­la (AIA), Jo­sé Se­ve­ri­no, in­can­sá­vel “gri­ot” e in­di­ca­dor de ca­mi­nhos pa­ra An­go­la cres­cer, no seu “Ro­tei­ro pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia an­go­la­na” re­a­fir­mou que é tem­po de pen­sar o país com os pés bem as­sen­tes na ter­ra, no seu vasto mar e nos seus inú­me­ros ri­os e la­go­as. É, en­fim, tem­po de não mais an­dar­mos a brin­car aos agri­cul­to­res e aos pes­ca­do­res.

Mais pa­la­vra me­nos pa­la­vra, Jo­sé Se­ve­ri­no quis di­zer que se qu­e­re­mos pro­du­zir bens ali­men­ta­res em quan­ti­da­de e qua­li­da­de, sem o re­cur­so sis­te­má­ti­co às im­por­ta­ções, que pres­si­o­nam as nos­sas re­ser­vas cam­bi­ais e “lá fo­ra” dão sem­pre cho­ru­das co­mis­sões pa­ra qu­em im­por­ta, o país de­ve en­ca­rar com ur­gên­cia e se­ri­e­da­de a isen­ção de im­pos­tos so­bre os sec­to­res da Agri­cul­tu­ra e das Pes­cas, vi­a­bi­li­zan­do as­sim um pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção que per­mi­ta mi­lha­res de pos­tos de tra­ba­lho, re­du­zir as im­por­ta­ções e al­can­çar ní­veis de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co de dois dí­gi­tos.

En­quan­to os sec­to­res da agri­cul­tu­ra e das pes­cas con­ti­nu­a­rem a pa­gar im­pos­to in­dus­tri­al, as su­as ac­ti­vi­da­des vão man­ter-se en­ca­re­ci­das, além de que os in­ves­ti­men­tos se­rão ini­bi­dos pe­la ele­va­da car­ga fis­cal. Co­mo con­sequên­cia, pou­cas pes­so­as se vão atre­ver a in­ves­tir na agri­cul­tu­ra de gran­de es­ca­la.

O pre­si­den­te da AIA dis­se tam­bém, pa­ra qu­em o quis ou­vir, que os com­bus­tí­veis con­su­mi­dos nos dois sec­to­res de­vem be­ne­fi­ci­ar de sub­sí­di­os es­ta­tais. Por­que não é pos­sí­vel com o im­pos­to in­dus­tri­al e o pre­ço al­to dos com­bus­tí­veis pro­du­zir em quan­ti­da­de e qua­li­da­de e re­em­bol­sar os em­prés­ti­mos aos ban­cos em tem­po opor­tu­no.

E quan­do is­so acon­te­ce, ban­cos pú­bli­cos co­mo o BPC e o BDA vão con­ti­nu­ar a re­gis­tar nú­me­ros ele­va­dos de cré­di­to mal­pa­ra­do, com pre­juí­zos in­cal­cu­lá­veis pa­ra o país “à la lon­gue”. Em­bo­ra as pre­vi­sões eco­nó­mi­cas va­lham o que va­le­rem e não de­vam de to­do ser to­ma­das co­mo fac­tos in­fa­lí­veis, o ve­te­ra­no da AIA ad­mi­te que os fra­cos in­di­ca­do­res de cres­ci­men­to de 2016, de­vi­do à si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra que vi­ve­mos, em 2017, com o pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo a cus­tar 52 dó­la­res, An­go­la po­de ob­ter uma ges­tão cam­bi­al mais có­mo­da. Mas ad­ver­tiu que os ban­cos co­mer­ci­ais têm de re­ver ra­pi­da­men­te a sua po­lí­ti­ca de em­prés­ti­mos e de­ve ha­ver re­cur­sos pa­ra as mi­cro e mé­di­as em­pre­sas em to­dos os cen­tros eco­nó­mi­cos do país, “por­que são o mo­tor da eco­no­mia e os in­ves­ti­do­res no in­te­ri­or não po­dem con­ti­nu­ar a ter di­fi­cul­da­des em che­gar aos cen­tros de de­ci­são”.

Jo­sé Se­ve­ri­no de­fen­de tam­bém uma mai­or fle­xi­bi­li­da­de pa­ra com os in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros, pos­to que, en­quan­to a lei de­ter­mi­nar que pa­ra es­tes in­ves­ti­rem no país têm de ter par­cei­ros an­go­la­nos com 30 por cen­to do ne­gó­cio, “vão pen­sar du­as ve­zes e, se pos­sí­vel, op­tar em in­ves­tir nou­tros paí­ses, aten­den­do a que os cus­tos aqui são al­tos”.

É pre­ci­so, pois, cri­ar um am­bi­en­te de ne­gó­ci­os que re­ti­re o país da cau­da da clas­si­fi­ca­ção mun­di­al e re­ac­ti­var nas nos­sas em­bai­xa­das a “di­plo­ma­cia eco­nó­mi­ca”, de que tan­to se fa­lou no tem­po em que o país trans­bor­da­va de pe­tro-dó­la­res. Afi­nal não é em tem­po de cri­se que se agu­ça o en­ge­nho?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.