Sér­via e o lim­bo de mi­lha­res de re­fu­gi­a­dos

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LUIS LIDÓN

Ape­sar do frio, da du­re­za da mon­ta­nha pou­co tran­si­ta­da e do me­do da bru­ta­li­da­de da Po­lí­cia da Bul­gá­ria, em mé­dia, 200 imi­gran­tes e re­fu­gi­a­dos che­gam di­a­ri­a­men­te à Sér­via pe­la Ro­ta dos Bal­cãs.

Es­se ca­mi­nho, ofi­ci­al­men­te ex­tin­to em Mar­ço com o en­cer­ra­men­to da fron­tei­ra da Ma­ce­dó­nia, na ver­da­de con­ti­nua aber­to, em­bo­ra ago­ra não se­jam mi­lha­res os que o usam, mas cen­te­nas, e a tra­ves­sia ago­ra é mais di­fí­cil e con­tro­la­da por tra­fi­can­tes.

No cen­tro de Bel­gra­do, em fren­te ao par­que da Fa­cul­da­de de Eco­no­mia, es­tão de­ze­nas de imi­gran­tes que es­pe­ram uma opor­tu­ni­da­de pa­ra se­guir a vi­a­gem ru­mo à Ale­ma­nha ou a ou­tros paí­ses da Eu­ro­pa Oci­den­tal em bus­ca de asi­lo.

Ah­med, de 17 anos, veio do Afe­ga­nis­tão, atra­ves­san­do o Irão e a Tur­quia. Cru­zou o so­lo tur­co a pé até à Bul­gá­ria, on­de pa­gou 100 dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos pa­ra que um tra­fi­can­te aju­das­se os seus ami­gos e a ele nu­ma re­gião mon­ta­nho­sa que le­va­va à Sér­via.

“Na Bul­gá­ria, a Po­lí­cia fi­ca atrás dos es­tran­gei­ros, mas aqui na Sér­via tra­tam-nos bem”, re­la­tou à Agên­cia Efe. Ham­xa, um pa­quis­ta­nês de 18 anos, con­ta que fi­ca­rá em Bel­gra­do ape­nas dois di­as e se­gui­rá an­dan­do até ao nor­te.

Os dois jo­vens afir­mam que a Po­lí­cia da Sér­via nun­ca os iden­ti­fi­cou nem re­co­lheu as im­pres­sões di­gi­tais. Ira­qui­a­no, Ha­mid tem 22 anos e diz que es­tá à es­pe­ra que fa­mi­li­a­res lhe en­vi­em al­gum di­nhei­ro.

“Sem di­nhei­ro é mui­to mais di­fí­cil con­ti­nu­ar”, re­su­miu ele na­que­la que é a si­tu­a­ção das mi­lha­res de pes­so­as que es­tão pa­ra­das na Sér­via.

Di­a­ri­a­men­te, a Hun­gria per­mi­te um re­du­zi­do nú­me­ro de en­tra­das le­gais, en­quan­to ou­tros ten­tam atra­ves­sar a pé por al­gum pon­to frá­gil da cer­ca que o go­ver­no ins­ta­lou na fron­tei­ra. Qu­em tem di­nhei­ro, po­de pa­gar a um tra­fi­can­te que o le­va­rá es­con­di­do num veí­cu­lo até à Hun­gria ou à Áus­tria. Ape­sar de ar­ris­ca­do, mui­tos pre­fe­rem is­so a es­pe­rar na Sér­via. Re­cen­te­men­te, as au­to­ri­da­des sér­vi­as in­for­ma­ram que o país já tem 7 mil re­fu­gi­a­dos e os seus cen­tros de am­pa­ro pos­su­em ape­nas 6 mil va­gas.

Num en­con­tro com jor­na­lis­tas in­ter­na­ci­o­nais, a mi­nis­tra pa­ra a In­te­gra­ção na UE, Ja­dran­ka Jok­si­mo­vic, cri­ti­cou a pou­ca aju­da da­da pe­lo blo­co.

“Não es­pe­rá­va­mos mui­to di­nhei­ro por­que não so­mos um país-mem­bro, mas quan­do es­cu­ta­mos que a Gré­cia re­ce­beu mi­lhões e a Bul­gá­ria tam­bém, de­ve­mos lem­brar que qu­em che­ga aqui veio de um des­ses paí­ses”, des­ta­cou Jok­si­mo­vic.

Ela re­cor­da que o seu país não quis le­van­tar cer­cas, co­mo fi­ze­ram a Hun­gria, Croá­cia, Ma­ce­dó­nia e Bul­gá­ria, e que a po­pu­la­ção sér­via tem “em­pa­tia” com o te­ma por con­ta de sua trá­gi­ca ex­pe­ri­ên­cia nas guer­ras da an­ti­ga Ju­gos­lá­via.

Mas la­men­ta que, de­pois do acor­do mi­gra­tó­rio com a Tur­quia, “a si­tu­a­ção nos Bál­cãs Oci­den­tais pa­rou de ser as­sun­to”, en­quan­to as pes­so­as con­ti­nu­am a che­gar em­bo­ra em me­nor nú­me­ro.

Mes­mo sen­do sen­sí­vel ao te­ma, ela res­sal­ta que o fo­co es­tá a mu­dar aos pou­cos em re­la­ção ao ti­po de imi­gran­te que tem che­ga­do em com­pa­ra­ção a 2015.

“Há um ano, re­ce­bía­mos sí­ri­os da clas­se mé­dia, famílias com cri­an­ças. Ho­je, os imi­gran­tes que che­gam são, na sua mai­o­ria, ho­mens jo­vens do Afe­ga­nis­tão e do Pa­quis­tão”, dis­se.

A mi­nis­tra lem­bra que a Sér­via é um país de pas­sa­gem e que os re­fu­gi­a­dos não que­rem fi­car, por is­so é ques­tão de tem­po até irem em­bo­ra.

“Mas se as pes­so­as vi­ve­rem ou per­ce­be­rem in­ci­den­tes ou pro­vo­ca­ções com es­sas pes­so­as, o am­bi­en­te po­de­ria mu­dar ra­pi­da­men­te” e ser usa­do por sec­to­res ul­tra­di­rei­tis­tas, ad­ver­tiu Jok­si­mo­vic.

Fon­tes ofi­ci­ais sér­vi­as dis­se­ram que dos cer­ca de 200 imi­gran­tes e re­fu­gi­a­dos que en­tram por dia no país, 75 por cen­to di­zem vir do Afe­ga­nis­tão.

No iní­cio des­te mês, cen­te­nas de re­fu­gi­a­dos fi­ze­ram uma pas­se­a­ta de Bel­gra­do até à fron­tei­ra hún­ga­ra, si­tu­a­da a cer­ca de 190 qui­ló­me­tros, pa­ra rei­vin­di­car a sua aber­tu­ra.

O pro­tes­to aca­bou de for­ma pa­cí­fi­ca e os re­fu­gi­a­dos fo­ram en­vi­a­dos pa­ra abri­gos, mas es­sa é uma mos­tra do de­ses­pe­ro de mui­tos pe­la im­pos­si­bi­li­da­de de con­ti­nu­ar a des­gas­tan­te vi­a­gem.

“Não po­de­mos pre­ver se o nú­me­ro de mi­gran­tes vai cres­cer ou man­ter-se nes­te ní­vel, mas a ex­pe­ri­ên­cia mos­tra-nos que com o In­ver­no di­mi­nui o nú­me­ro de che­ga­das”, ex­pli­cou a por­ta-voz do Al­to Co­mis­sa­ri­a­do das Na­çõesU­ni­das pa­ra os Re­fu­gi­a­dos (Ac­nur) na Sér­via, Mir­ja­na Mi­len­kovs­ki.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.