Fes­tas do Mar

Jornal de Angola - - DIVIRTA-SE -

As Fes­tas do Mar da ci­da­de do Lobito, em que par­ti­ci­pam pes­ca­do­res, é re­a­li­za­da no Bair­ro Egip­to-Praia. Os pes­ca­do­res e as famílias jun­tam-se an­tes da épo­ca das ca­le­mas (ma­rés vi­vas), que ocor­rem en­tre Fe­ve­rei­ro e Mar­ço, vi­si­tam os lo­cais on­de es­tão se­pul­ta­dos an­ti­gos pes­ca­do­res, lim­pam os tú­mu­los e re­a­li­zam a ce­ri­mó­nia do “var­rer das cin­zas”, du­ran­te a qual in­ge­rem ali­men­tos tra­di­ci­o­nais e be­bi­das es­pi­ri­tu­o­sas. No fi­nal da ce­ri­mó­nia, o so­ba gran­de, a mu­lher e as cri­an­ças to­mam ba­nho no mar. As Fes­tas do Mar são um ri­tu­al que pas­sa de pais pa­ra fi­lhos, com o in­tui­to de pre­ser­var os há­bi­tos dos an­te­pas­sa­dos na re­gião.

O Egip­to-Praia fi­ca si­tu­a­do a Nor­te da ci­da­de do Lobito, pro­vín­cia de Ben­gue­la. on­de de­sa­gua o Rio Ba­lom­bo. No lo­cal, es­tá pre­vis­ta a cons­tru­ção de um he­li­por­to, pos­tos de abas­te­ci­men­to de com­bus­tí­veis, ho­téis, res­tau­ran­tes, bun­ga­lós, um cen­tro de apoio à pes­ca ar­te­sa­nal e vi­as as­fal­ta­das. meio têm atra­pa­lha­do o seu dia-a-dia, co­me­ça a ver uma luz no fim do tú­nel. Po­de­rá con­cluir acor­dos e par­ce­ri­as mui­to úteis no cam­po pro­fis­si­o­nal, mas a sua vi­da amo­ro­sa tam­bém ga­nha óp­ti­mas vi­bra­ções, tor­nan­do­se a ca­da dia mais agra­dá­vel e fir­me.

Ca­pri­cór­nio

Ape­sar do es­for­ço re­que­ri­do e das pres­sões que en­fren­ta de to­dos os la­dos, as con­quis­tas al­me­ja­das es­tão ca­da vez mais per­to. Por es­sa ra­zão, si­ga adi­an­te fir­me­men­te com os seus pla­nos, po­rém não se es­que­ça de que po­de pre­ci­sar usar al­gu­ma es­tra­té­gia pes­so­al, ca­so as cir­cuns­tân­ci­as mu­dem e is­so não es­tá ex­cluí­do.

Aquá­rio

Gran­des con­quis­tas não são con­se­gui­das por aca­so, pois são fru­to de mui­to es­for­ço pes­so­al. Por es­ta ra­zão, não de­ve de­sis­tir di­an­te de even­tu­ais obs­tá­cu­los e pre­ci­sa usar mui­ta fle­xi­bi­li­da­de pa­ra cri­ar no­vas cir­cuns­tân­ci­as fa­vo­rá­veis que o aju­dem a al­can­çar os seus ob­jec­ti­vos. Nes­ta se­ma­na, po­de re­ce­ber um con­vi­te inu­si­ta­do: per­mi­ta-se ex­pe­ri­men­tar coi­sas no­vas.

Pei­xes

Nem to­das as cir­cuns­tân­ci­as são fa­vo­rá­veis nes­te mo­men­to, po­rém, mes­mo di­an­te das di­fi­cul­da­des que a vi­da lhe apre­sen­ta, po­de con­se­guir pe­que­nos êxi­tos pes­so­ais se con­ti­nu­ar a em­pe­nhar-se. Lem­bre-se de ali­men­tar a sua au­to-es­ti­ma pa­ra não es­mo­re­cer di­an­te dos obs­tá­cu­los. Pro­cu­re acor­dos e par­ce­ri­as que pos­sam en­ri­que­cê-lo com bo­as su­ges­tões e apoio mo­ral. O Có­di­go Da Vin­ci é um ro­man­ce po­li­ci­al do es­cri­tor nor­te-ame­ri­ca­no Dan Brown, pu­bli­ca­do em 2003 pe­la edi­to­ra Ran­dom Hou­se nos EUA. Ven­deu mais de 80 mi­lhões de exem­pla­res em to­do o Mun­do até 2009, tor­nan­do-se um dos li­vros mais ven­di­dos de to­dos os tem­pos. O ro­man­ce abor­da te­mas po­lé­mi­cos, co­mo a hu­ma­ni­da­de de Cris­to e o seu su­pos­to ca­sa­men­to com Ma­ria Ma­da­le­na. O Có­di­go Da Vin­ci con­sis­te na se­gun­da aven­tu­ra de Ro­bert Lang­don, per­so­na­gem ide­a­li­za­da por Ban Brown. Abor­dan­do no­va­men­te te­mas que en­vol­vem pre­la­dos, sei­tas e fra­ter­ni­da­des, o li­vro ver­sa so­bre ir­man­da­des co­mo o “Pri­o­ra­do de Sião”, a Opus Dei e a Ma­ço­na­ria.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.