Es­pe­ci­a­lis­ta da ONU pe­de ac­ção ime­di­a­ta

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A es­pe­ci­a­lis­ta in­de­pen­den­te em di­rei­tos hu­ma­nos, Ik­ponwo­sa Ero, pe­diu aos paí­ses re­pre­sen­ta­dos na As­sem­bleia-Ge­ral das Na­ções Uni­das que to­mem me­di­das rá­pi­das pa­ra aca­bar com o cres­cen­te e gra­ve pro­ble­ma da vi­o­lên­cia e dis­cri­mi­na­ção con­tra pes­so­as com al­bi­nis­mo.

Ik­ponwo­sa Ero, que foi in­di­ca­da pe­lo Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos da ONU pa­ra re­la­tar a pro­ble­má­ti­ca do al­bi­nis­mo no Mun­do, iden­ti­fi­ca, no seu re­la­tó­rio, de acor­do com a Rá­dio das Na­ções Uni­das, as cau­sas dos ata­ques e da dis­cri­mi­na­ção às pes­so­as com al­bi­nis­mo e in­di­ca as me­di­das le­gais con­cre­tas que de­vem ser to­ma­das pa­ra me­lho­rar a si­tu­a­ção.

A re­la­to­ra da ONU apon­ta co­mo cau­sas dos ata­ques as per­cep­ções er­ró­ne­as so­bre a con­di­ção do al­bi­nis­mo, en­rai­za­das na cul­tu­ra de vá­ri­os paí­ses. En­tre es­tas, se­gun­do o re­la­tó­rio, so­bres­sai o mi­to de que as pes­so­as com al­bi­nis­mo “são fan­tas­mas, que não mor­rem, mas de­sa­pa­re­cem”. Is­to, no en­ten­di­men­to de Ik­ponwo­sa Ero, con­tri­bui pa­ra mi­ni­mi­zar o im­pac­to so­ci­al dos ata­ques e ser­ve pa­ra jus­ti­fi­car su­pos­tos de­sa­pa­re­ci­men­tos.

Um dos im­pac­tos mais pre­o­cu­pan­tes de tais cren­ças é que co­mu­ni­da­des, famílias e, às ve­zes, até as mães, aban­do­nam as cri­an­ças com al­bi­nis­mo.

A re­la­to­ra re­fe­riu ain­da que em mui­tas re­giões acre­di­ta-se, por exem­plo, que “beber o san­gue de pes­so­as com al­bi­nis­mo traz po­de­res má­gi­cos ou po­de au­men­tar a vi­ta­li­da­de ou a ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al, que os os­sos de pes­so­as com al­bi­nis­mo po­dem aju­dar a descobrir ou­ro em mi­nas, ou que as su­as mãos, quei­ma­das até vi­ra­rem cin­zas e mis­tu­ra­das nu­ma pas­ta, po­dem cu­rar der­ra­mes ce­re­brais”.

Mer­ca­do ne­gro

Prá­ti­cas co­mo as men­ci­o­na­das, se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­tos hu­ma­nos, pro­vo­ca­ram o sur­gi­men­to e au­men­to de um mer­ca­do ne­gro que va­lo­ri­za os mem­bros dos cor­pos das pes­so­as al­bi­nas. As­sim, o po­ten­ci­al de ga­nhar di­nhei­ro cons­ti­tui um gran­de in­cen­ti­vo pa­ra os ata­ques.

Pa­ra Ik­ponwo­sa Ero, além dos “mi­tos, da prá­ti­ca de fei­ti­ça­ria e da po­bre­za, há ou­tros fac­to­res agra­van­tes, in­cluin­do a vi­si­bi­li­da­de das pes­so­as com al­bi­nis­mo, es­pe­ci­al­men­te nas re­giões on­de elas se des­ta­cam de­vi­do à sua pig­men­ta­ção” e os fil­mes e li­vros que ca­rac­te­ri­zam pre­con­cei­tu­o­sa­men­te as pes­so­as al­bi­nas e “per­pec­tu­am equí­vo­cos”.

E há ain­da a ques­tão da “im­pu­ni­da­de e da res­pos­ta ju­di­ci­al fra­ca aos ata­ques”.

A es­pe­ci­a­lis­ta en­co­ra­ja o fo­men­to de cam­pa­nhas con­tí­nu­as, de lon­go pra­zo, de cons­ci­en­ci­a­li­za­ção das so­ci­e­da­des e de apoio às mães de cri­an­ças com al­bi­nis­mo. Se­gun­do a re­la­to­ra, é igual­men­te pre­ci­so pres­tar aten­ção às prá­ti­cas de fei­ti­ça­ria, ti­das co­mo uma das prin­ci­pais cau­sas da vi­o­lên­cia con­tra albinos.

Ik­ponwo­sa Ero, de na­ci­o­na­li­da­de ni­ge­ri­a­na, é a pri­mei­ra es­pe­ci­a­lis­ta in­de­pen­den­te no­me­a­da pe­lo Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos da ONU pa­ra mo­ni­to­ri­zar, re­la­tar e acon­se­lhar so­bre a si­tu­a­ção das pes­so­as com al­bi­nis­mo em to­do o Mun­do.

Os es­pe­ci­a­lis­tas in­de­pen­den­tes tra­ba­lham de for­ma vo­lun­tá­ria, não são fun­ci­o­ná­ri­os da ONU ou de qual­quer Go­ver­no e or­ga­ni­za­ção e ser­vem a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal na ple­ni­tu­de da sua ca­pa­ci­da­de in­di­vi­du­al, sem re­ce­be­rem sa­lá­rio.

AFP

Re­la­to­ra in­de­pen­den­te Ik­ponwo­sa Ero

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.