Mú­si­co quer mai­or apos­ta do sec­tor pri­va­do

Jornal de Angola - - CULTURA -

O mú­si­co e com­po­si­tor Mi­to Gaspar, ven­ce­dor do Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­te na ca­te­go­ria de mú­si­ca, de­fen­deu uma mai­or apos­ta do sec­tor pri­va­do nos seg­men­tos cul­tu­rais, com des­ta­que pa­ra a mú­si­ca, dan­ça, li­te­ra­tu­ra, pin­tu­ra e te­a­tro, por cons­ti­tuí­rem ver­da­dei­ros pi­la­res que sus­ten­tam a uni­da­de e a co­e­são na­ci­o­nal.

Fa­lan­do a pro­pó­si­to da con­quis­ta do Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes, o mú­si­co dis­se que tal me­di­da ser­ve igual­men­te de in­di­ca­ti­vo pa­ra a va­lo­ri­za­ção da cul­tu­ra an­go­la­na e dos ar­tis­tas, que ac­tu­al­men­te en­fren­tam mui­tas di­fi­cul­da­des, não obs­tan­te a evo­lu­ção e ma­tu­ra­ção ar­tís­ti­ca que os mes­mos de­mons­tram.

“La­men­to o fac­to de fa­cil­men­te os nos­sos em­pre­sá­ri­os apos­ta­rem em far­má­cia, qui­tan­das ou lo­jas do que em cen­tros cul­tu­rais, sa­la de ex­po­si­ção ou ou­tros es­pa­ços de cri­a­ção e di­vul­ga­ção da cul­tu­ra, o que re­pre­sen­ta uma apa­tia de­cla­ra­da do em­pre­sa­ri­a­do”, dis­se.

Mi­to Gaspar fri­sou que tal re­a­li­da­de de­ve mu­dar com vis­ta à de­fe­sa dos tra­ços iden­ti­tá­ri­os an­go­la­nos, as­sim co­mo pa­ra a per­pe­tu­a­ção do le­ga­do cul­tu­ral às pró­xi­mas ge­ra­ções.

De acor­do com Mi­to Gaspar, o Exe­cu­ti­vo, ao seu ní­vel, tem fei­to um gran­de tra­ba­lho nes­te do­mí­nio, mas, ain­da as­sim, de­ve ha­ver um mai­or en­vol­vi­men­to do sec­tor pri­va­do nes­ta ta­re­fa com vis­ta ao apoio aos fa­ze­do­res de cul­tu­ra.

Quan­to à atri­bui­ção do Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­te na ca­te­go­ria de mú­si­ca, o ar­tis­ta con­si­de­rou co­mo sen­do um re­co­nhe­ci­men­to do seu per­cur­so ar­tís­ti­co, ten­do por is­so re­ce­bi­do com gran­de jú­bi­lo, pois se tra­ta de um ga­lar­dão que eno­bre­ce e en­gran­de­ce a cul­tu­ra na­ci­o­nal. Pa­ra ele, o Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­te de­mons­tra o en­ga­ja­men­to do Go­ver­no an­go­la­no no que to­ca à pro­mo­ção da cul­tu­ra e dos fac­to­res de re­fe­rên­cia iden­ti­tá­ria.

O ar­tis­ta apon­tou a cons­tan­te in­ves­ti­ga­ção do ma­nan­ci­al cul­tu­ral an­go­la­no, so­bre­tu­do a sim­bi­o­se en­tre a lín­gua e a li­te­ra­tu­ra, en­quan­to ele­men­tos di­nâ­mi­cos e reu­ti­li­zá­veis mu­si­cal­men­te, co­mo se­gre­do pa­ra a cons­tru­ção de uma car­rei­ra co­e­sa e de mé­ri­to.

“Tal in­te­res­se fez-me trans­por­tar pa­ra a mú­si­ca po­e­mas de Agos­ti­nho Ne­to, no­me­a­da­men­te “Ha­ve­mos de vol­tar”, “Re­nún­cia im­pos­sí­vel” e ou­tras que ain­da não es­tão gra­va­dos”, re­ma­tou. Mi­to Gaspar nas­ceu a 5 de Ou­tu­bro de 1957, no mu­ni­cí­pio de Ca­cu­so, pro­vín­cia de Ma­lan­je.

No ano de 1978, após a con­clu­são do en­si­no mé­dio (5º ano do li­ceu), imi­gra pa­ra a pro­vín­cia da Huí­la e che­fia o De­par­ta­men­to de Cul­tu­ra, Re­cre­a­ção e Des­por­tos (DCRD) da JMPLA, ini­ci­an­do uma car­rei­ra ac­ti­va no ra­mo ar­tís­ti­co-cul­tu­ral.

Nes­ta épo­ca, for­ma o Trio Hen­da, que vi­ria a con­quis­tar lu­ga­res ci­mei­ros em fes­ti­vais na­ci­o­nais, tais co­mo Fes­ti­val Ju­ve­nil da Can­ção, Fes­ti­val de Mú­si­ca Po­pu­lar Va­ri­an­te e Fes­ti­val Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra (Fe­na­cult).

“Man Po­lê”(1980), Lu­an­da, “Mi­tos &Tra­di­ções” (1986), Pa­ris, e “Pham­bu ya Nji­la” (2004), Áfri­ca do Sul, fa­zem par­te do con­jun­to da dis­co­gra­fia do ar­tis­ta.

Mi­to Gaspar tam­bém pas­sou pe­la ac­ti­vi­da­de jor­na­lís­ti­ca, is­to na Emis­so­ra Pro­vin­ci­al da Huí­la da Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la (RNA), on­de as­su­miu as fun­ções de che­fe de de­par­ta­men­to de In­for­ma­ção e de Pro­gra­mas, du­ran­te mais de 9 anos. Aí, re­par­tiu-se em se­mi­ná­ri­os de for­ma­ção e es­tá­gi­os nos Es­tú­di­os Cen­trais da RNA.

Fre­quen­tou e con­cluiu o 2º ano da Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção (Is­ced) ain­da no Lu­ban­go (Huí­la). Com o eclo­dir da gu­er­ra, em 1992, ins­ta­la-se em Lu­an­da e par­ti­ci­pa de um con­cur­so, jun­to das Na­ções Uni­das, sen­do in­di­gi­ta­do pa­ra as fun­ções de che­fe lo­gís­ti­co do PAM (Pro­gra­ma Ali­men­tar Mun­di­al) nas pro­vín­ci­as de Ma­lan­je, Bié, Cu­an­do Cu­ban­go e Cu­an­za Sul.

Ter­mi­na­do o vín­cu­lo con­tra­tu­al com o PAM, re­gres­sa às li­des cul­tu­rais, no Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, de­sem­pe­nhan­do vá­ri­os car­gos de che­fia, den­tre eles che­fe de de­par­ta­men­to de Ac­ção Cul­tu­ral (De­le­ga­ção Pro­vin­ci­al de Lu­an­da), che­fe de de­par­ta­men­to de Ar­tes e Mas­si­fi­ca­ção Cul­tu­ral (Di­rec­ção Na­ci­o­nal de Ac­ção Cul­tu­ral), di­rec­tor ar­tís­ti­co (em co­mis­são de ser­vi­ço) nas Ex­po de Por­tu­gal, Es­pa­nha (Se­vi­lha), Ja­pão e Co­reia do Nor­te (Piyong Yang).

PAULINO DAMIÃO

Au­tor de “Man Po­lê” foi o ven­ce­dor do Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes na ca­te­go­ria de Mú­si­ca pe­lo con­jun­to da sua obra e car­rei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.