Gu­er­ra na Sí­ria sem fim à vis­ta

Es­ta­dos Uni­dos pre­pa­ram ofen­si­va pa­ra ex­pul­sar o Es­ta­do Is­lâ­mi­co da ci­da­de de Raqa

Jornal de Angola - - PARTADA - ALTINO MA­TOS |

O Pre­si­den­te da Rús­sia, Vla­di­mir Pu­tin, ad­mi­tiu di­as pi­o­res na Sí­ria, apon­tan­do o de­do aos Es­ta­dos Uni­dos, por, na sua óp­ti­ca, di­fi­cul­ta­rem os es­for­ços pa­ra uma so­lu­ção po­lí­ti­ca do con­fli­to. Pu­tin re­fe­riu que os acor­dos pes­so­ais com o Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Ba­rack Oba­ma, a qu­em atri­bui bo­as prá­ti­cas, fo­ram im­pe­di­dos de avan­çar por mem­bros da Ca­sa Bran­ca.

O Pre­si­den­te da Rús­sia, Vla­di­mir Pu­tin, ad­mi­tiu di­as pi­o­res na Sí­ria, apon­tan­do o de­do aos Es­ta­dos Uni­dos, por, na sua óp­ti­ca, di­fi­cul­ta­rem os es­for­ços pa­ra uma so­lu­ção po­lí­ti­ca do con­fli­to.

Vla­di­mir Pu­tin re­fe­riu que os acor­dos pes­so­ais com o Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Ba­rack Oba­ma, a qu­em atri­bui no­ta de bo­as prá­ti­cas, fo­ram im­pe­di­dos de avan­çar por mem­bros da Ca­sa Bran­ca. “Em Washing­ton, hou­ve cír­cu­los que fi­ze­ram o pos­sí­vel pa­ra que não fos­sem le­va­dos à prá­ti­ca”, ga­ran­tiu o Pre­si­den­te rus­so.

As afir­ma­ções fo­ram pro­fe­ri­das nu quin­ta-fei­ra na con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal em So­chi, às mar­gens do Mar Ne­gro, que tam­bém re­gis­ta por es­ta al­tu­ra mo­vi­men­ta­ções mi­li­ta­res. O lí­der rus­so la­men­tou que não se­ja pos­sí­vel de­ter o der­ra­ma­men­to de san­gue na Sí­ria e ini­ci­ar um pro­ces­so po­lí­ti­co sé­rio e sus­ten­tá­vel.

“Pa­re­cia que, após lon­gas ne­go­ci­a­ções, enor­mes es­for­ços e com­pro­mis­sos di­fí­ceis, fi­nal­men­te con­se­gui­ría­mos ar­ti­cu­lar uma fren­te úni­ca de lu­ta con­tra o ter­ro­ris­mo, mas is­so não acon­te­ceu”, dis­se o che­fe do Krem­lin.

Vla­di­mir Pu­tin, que propôs uma fren­te úni­ca con­tra o ter­ro­ris­mo in­ter­na­ci­o­nal há um ano na As­sem­bleia-Ge­ral das Na­ções Uni­das, ga­ran­tiu que a pro­pos­ta con­ti­nua so­bre a me­sa, des­de que o Pre­si­den­te dos EUA, Ba­rack Oba­ma, acei­te lu­tar pe­lo su­ces­so de de­la. “Tu­do is­so de­mons­tra o afã inex­pli­cá­vel dos paí­ses oci­den­tais de re­pe­tir vá­ri­as ve­zes os seus er­ros ou, co­mo diz o di­ta­do po­pu­lar, de tro­pe­çar sem­pre na mes­ma pe­dra”, afir­mou o Pre­si­den­te rus­so. Vla­di­mir Pu­tin ad­ver­tiu que os que pro­mo­to­res do ter­ro­ris­mo per­dem sem­pre, em alu­são ao fac­to de que os EUA, se­gun­do o Krem­lin, es­ta­ri­am a pro­te­ger a Fren­te da Con­quis­ta do Le­van­te, a an­ti­ga Fren­te al Nus­ra, que era o bra­ço sí­rio da Al Qa­e­da na Sí­ria.

“Que­ro-me di­ri­gir mais uma vez a es­sas pes­so­as, fa­zen­do per­ce­ber que nes­te ca­so os ex­tre­mis­tas são mais as­tu­tos, mais pron­tos e mais for­tes que eles, e ao ali­nhar com eles vão per­der”, ar­gu­men­tou.

Se­gun­do ale­ga­ções do Krem­lin, gru­pos ter­ro­ris­tas con­ti­nu­am a ser ar­ma­dos e ins­truí­dos pe­los EUA e ou­tros paí­ses do Oci­den­te com a es­pe­ran­ça de que pos­sam ser uti­li­za­dos, co­mo ocor­reu no pas­sa­do, pa­ra con­cre­ti­zar os seus ob­jec­ti­vos po­lí­ti­cos, que pas­sa por impôr uma or­dem po­lí­ti­ca sub­mis­sa.

Ofen­si­va em Raqa

A co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal li­de­ra­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos es­tá a es­tu­dar a pos­si­bi­li­da­de de lan­çar uma ofen­si­va pa­ra ex­pul­sar o “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” (“EI”) de Raqa, na Sí­ria, co­mo a que es­tá em mar­cha pa­ra li­ber­tar Mos­sul, no Ira­que.

Es­pe­ci­a­lis­tas em cam­pa­nhas de res­ga­te nor­te-ame­ri­ca­nos con­cluí­ram que a ope­ra­ção po­de ser mui­to mais di­fí­cil que a de Mos­sul, de­vi­do ao gran­de nú­me­ro de gru­pos an­ta­go­nis­tas no con­fli­to sí­rio. Nes­te ca­so, a ope­ra­ção pa­ra re­to­mar Raqa de­via co­me­çar na pró­xi­ma se­ma­na, ad­mi­tem os es­pe­ci­a­lis­tas. O se­cre­tá­rio nor­te-ame­ri­ca­no da De­fe­sa, Ash­ton Car­ter, e o seu ho­mó­lo­go bri­tâ­ni­co, Mi­cha­el Fal­lon, con­fir­ma­ram o pla­no, mas fo­ram eva­si­vos em re­la­ção à ca­pa­ci­da­de de man­ter du­as li­nhas de fo­go de gran­de in­ten­si­da­de, co­mo Mos­sul e Raqa.

“Te­mos es­se pla­no há mui­to tem­po e de­pen­de uni­ca­men­te da nos­sa

Pen­tá­go­no ad­mi­te que ope­ra­ção mi­li­tar na Sí­ria é mais com­pli­ca­da que no Ira­que

ca­pa­ci­da­de de man­ter ao mes­mo tem­po as du­as ofen­si­vas con­tra Mos­sul e con­tra Raqa”, ga­ran­tiu Ash­ton Car­ter. Até ago­ra, os mem­bros da co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal con­tra o “EI” não de­ram in­for­ma­ções so­bre quan­do ata­ca­ri­am os ex­tre­mis­tas na Sí­ria. Pe­lo avan­ço con­si­de­rá­vel na ofen­si­va no Ira­que, es­pe­ci­a­lis­tas acre­di­tam que gru­pos de mi­li­ta­res oci­den­tais te­ri­am que en­trar di­rec­ta­men­te nas ope­ra­ções em Mos­sul e Raqa. Exis­tem apre­ci­a­ções me­nos op­ti­mis­tas. “Ho­je em dia, se­ria di­fí­cil pa­ra a co­li­ga­ção sin­cro­ni­zar, or­ga­ni­zar os mo­vi­men­tos en­tre as du­as ba­ta­lhas, as­sim co­mo di­vi­dir de for­ma efi­caz os mei­os aé­re­os”, re­co­nhe­ce um al­to res­pon­sá­vel mi­li­tar nor­te-ame­ri­ca­no.

“Es­tá cla­ro que não es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra ama­nhã (es­ta se­ma­na) pa­ra Raqa”, con­si­de­ra uma fon­te fran­ce­sa que ad­mi­te que, na lu­ta con­tra o “EI”, a con­jun­tu­ra sí­ria é mui­to mais com­ple­xa.

Ca­os na Sí­ria

O jor­nal li­ba­nês “L'Ori­ent le Jour” no­ti­ci­ou que, em com­pa­ra­ção com o ca­os na Sí­ria, o que­bra-ca­be­ças ira­qui­a­no pa­re­ce qua­se brin­ca­dei­ra de cri­an­ça. A ofen­si­va con­tra Mos­sul, to­ma­da pe­los ex­tre­mis­tas is­lâ­mi­cos em Ju­nho de 2014, foi pla­ne­a­da du­ran­te mais de um ano, en­tre a co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal, o Go­ver­no de Bag­da­de e as au­to­ri­da­des do Cur­dis­tão ira­qui­a­no. No ter­re­no, es­tão for­ças ira­qui­a­nas e os “pesh­mer­gas” cur­dos, apoi­a­dos por aviões da co­li­ga­ção. A gran­de ques­tão é co­mo e com qu­em fa­zer uma ofen­si­va na Sí­ria. O país es­tá to­tal­men­te de­vas­ta­do por uma gu­er­ra ci­vil que cau­sou mais de 300.000 mor­tos des­de 2011 e en­con­tra-se di­vi­di­do em múl­ti­plos gru­pos an­ta­go­nis­tas, que con­tam com o apoio di­rec­to, ou in­di­rec­to, de po­tên­ci­as re­gi­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais.

“Há uma di­fe­ren­ça es­sen­ci­al en­tre o Ira­que e a Sí­ria. No Ira­que, in­ter­vi­mos a pe­di­do das au­to­ri­da­des de Bag­da­de”, dis­se a fon­te fran­ce­sa.

Os paí­ses que for­mam a co­li­ga­ção con­tra o “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” opõem-se ao Go­ver­no sí­rio e que­rem evi­tar qual­quer ti­po de ope­ra­ção que pos­sa fa­vo­re­cê-lo.

Ou­tra ques­tão: Qu­em po­de li­de­rar a ba­ta­lha em Raqa e de que for­ças dis­põem? “As­sim co­mo em Mos­sul, o prin­cí­pio es­tra­té­gi­co é que de­vem ser for­ças lo­cais efi­ca­zes e mo­ti­va­das”, ale­ga Ash­ton Car­ter, o se­cre­tá­rio (mi­nis­tro) da De­fe­sa dos Es­ta­dos Uni­dos.

“Tem que ser uma for­ça ára­be pa­ra re­to­mar Raqa”, co­men­tou um al­to res­pon­sá­vel nor­te-ame­ri­ca­no, que pe­diu ano­ni­ma­to. Raqa, uma ci­da­de de 200.000 ha­bi­tan­tes de mai­o­ria su­ni­ta, não po­de ser re­con­quis­ta­da pe­los cur­dos, in­sis­tem vá­ri­as fon­tes oci­den­tais.

“Nes­te mo­men­to, há so­men­te du­as for­ças na Sí­ria que lu­tam con­tra o ‘EI’: as For­ças De­mo­crá­ti­cas Sí­ri­as (uma co­li­ga­ção ára­be e cur­da apoi­a­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos) e os re­bel­des sí­ri­os do ASL (Exér­ci­to Sí­rio Li­vre, apoi­a­do pe­la Tur­quia)”, com­ple­tou a fon­te fran­ce­sa.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.