A can­ção po­lí­ti­ca na voz de La­mar­ti­ne

In­tem­po­ra­li­da­de mu­si­cal ain­da con­ta­gia as emo­ções ro­mân­ti­cas da in­de­pen­dên­cia

Jornal de Angola - - PARTADA - JOMO FORTUNATO |

Com pro­du­ção do sau­do­so ra­di­a­lis­ta Se­bas­tião Coelho, o ál­bum “An­go­la ano 1” de Car­los La­mar­ti­ne fi­cou na his­tó­ria co­mo sen­do uma das mais im­por­tan­tes re­fe­rên­ci­as dis­co­grá­fi­cas do pe­río­do da can­ção po­lí­ti­ca, a par do em­ble­má­ti­co LP “Mu­tu­di uá ufo­lo”, viú­va da li­ber­da­de, do can­tor e com­po­si­tor Da­vid Zé, e do ál­bum “In­de­pen­dên­cia”, de Al­ber­to Te­ta Lan­do, três pres­ti­gi­a­dos mo­men­tos da dis­co­gra­fia re­vo­lu­ci­o­ná­ria.

Gra­va­do nos me­ses de Se­tem­bro e Ou­tu­bro de 1975, nos Es­tú­di­os Nor­te, em Lu­an­da, com cap­ta­ção e re­gis­to de som de João Ca­ne­do, su­per­vi­são mu­si­cal de Car­li­tos Vi­ei­ra Di­as, e acom­pa­nha­men­to do “Con­jun­to Me­ren­gue”, pe­la CDA, Com­pa­nhia de Discos de An­go­la, os ál­buns em vi­nil, “An­go­la ano 1” de Car­los La­mar­ti­ne, “Mu­tu­di uá ufo­lo” de Da­vid Zé e “In­de­pen­dên­cia” de Al­ber­to Te­ta Lan­do pos­su­em aná­lo­go sim­bo­lis­mo his­tó­ri­co e tor­na­ram-se re­fe­rên­ci­as dis­co­grá­fi­cas in­con­tor­ná­veis do pe­río­do áu­reo da can­ção re­vo­lu­ci­o­ná­ria, pe­la im­por­tân­cia po­lí­ti­ca e mag­ni­tu­de pe­da­gó­gi­ca dos tex­tos que, à épo­ca, exal­ta­vam o sig­ni­fi­ca­do da li­ber­da­de, e o va­lor so­ci­al da con­quis­ta da in­de­pen­dên­cia: É ir­mão/ ama o teu ir­mão/ não quei­ra ver a cor que ele tem / vê ne­le so­men­te um an­go­la­no/ an­go­la­no/ ama o teu ir­mão… / Ca­ma­ra­da a pa­la­vra de or­dem é união/ Pois com po­vo de An­go­la Uni­do o co­lo­ni­a­lis­mo não re­sis­ti­rá… can­ta­va nos­tál­gi­co Al­ber­to Te­ta Lan­do.

Cu­ri­o­sa­men­te, Car­los La­mar­ti­ne pre­viu, de for­ma vi­si­o­ná­ria, a in­tem­po­ra­li­da­de e im­por­tân­cia do seu ál­bum na his­tó­ria po­lí­ti­ca e dis­co­grá­fi­ca da Mú­si­ca Po­pu­lar An­go­la­na, com um tex­to apre­ci­a­ti­vo co­lo­ca­do na con­tra­ca­pa do dis­co: “A in­de­pen­dên­cia não se dá con­quis­ta-se, e o he­rói­co po­vo an­go­la­no bem sa­be que é as­sim. Foi atra­vés da lu­ta ar­ma­da que con­quis­tou a sua in­de­pen­dên­cia, com a sua per­se­ve­ran­ça e sa­cri­fí­cio de mui­tos dos seus fi­lhos mais que­ri­dos. O com­ba­te, a es­pe­ran­ça e al­guns des­ses he­róis, são evo­ca­dos nes­te LP que, mais tar­de ou mais ce­do, se ins­cre­ve­rá co­mo pe­ça an­to­ló­gi­ca da Re­vo­lu­ção An­go­la­na”, es­cre­veu Car­los La­mar­ti­ne.

Dis­co­gra­fia

Car­los La­mar­ti­ne gra­vou o seu pri­mei­ro sin­gle em 1970, com a eti­que­ta “Ngo­la”, um dis­co que in­clui as can­ções “Ba­zo­o­ka” e “Je­sus di­a­lá uá ki­di”. Em 1974, sur­giu o LP “An­go­la ano 1”, um mo­nu­men­to dis­co­grá­fi­co da can­ção po­lí­ti­ca. De­pois de um lon­go pe­río­do de si­lên­cio dis­co­grá­fi­co, cer­ca de 23 anos, sur­giu o seu pri­mei­ro CD, “Me­mó­ri­as”, 1997, com a eti­que­ta RMS, Produções Mu­si­cais, dis­co que vol­tou a pro­jec­tá-lo no qua­dro dos in­tér­pre­tes mais pres­ti­gi­a­dos da Mú­si­ca Po­pu­lar An­go­la­na. Des­te dis­co des­ta­ca­mos o sem­ba, “Nvun­da ku mus­se­que”, que foi um dos seus gran­des su­ces­sos, gra­va­do em 2014 por Ri­car­do Lem­vo. Com o CD “Me­mó­ri­as”, Car­los La­mar­ti­ne ini­cia um pro­ces­so de fu­são e mo­der­ni­za­ção da sua mú­si­ca, in­te­ra­gin­do com mú­si­cos de di­ver­sas es­co­las, cri­an­do um pro­du­to mu­si­cal que atin­giu ní­veis con­si­de­rá­veis de acei­ta­ção, jun­to da ge­ra­ção mais jo­vem. A can­ção “Ka­mui­ne”, do CD “Ci­drá­lia”, 2001, re­gis­tou um enor­me su­ces­so, e Car­los La­mar­ti­ne gran­je­ou gran­de pres­tí­gio, na in­ter­pre­ta­ção de te­mas do can­ci­o­nei­ro po­pu­lar. Qua­tro anos de­pois do lan­ça­men­to do CD “Ci­drá­lia, sur­giu o dis­co “Fru­tos do Chão, são coi­sas nos­sas”, 2005, um ál­bum que pri­vi­le­gi­ou o gé­ne­ro sem­ba, e te­ve as par­ti­ci­pa­ções dos ins­tru­men­tis­tas Be­ti­nho Fei­jó, Ci­ro Ber­ti­ni, João­zi­nho Mor­ga­do, Jor­ge Cer­van­tes, Car­los Ve­nân­cio, Gui Des­ti­no, Bot­to Trin­da­de e da Ban­da Ma­ra­vi­lha. Car­los La­mar­ti­ne es­tá in­cluí­do nu­ma co­lec­tâ­nea de can­to­res e com­po­si­to­res an­go­la­nos, de­no­mi­na­da “Êxi­tos de ho­je”, 1980, edi­ta­da com o se­lo da ENDIPU. O úl­ti­mo dis­co dá pe­lo tí­tu­lo “Ca­mi­nhos Lon­gos”, edi­ta­do e pu­bli­ca­do em 2007.

Can­ções

Es­tão ali­nha­das na se­guin­te sequên­cia, com tra­du­ção do kim­bun­do pa­ra lín­gua por­tu­gue­sa, as can­ções do LP “An­go­la ano 1”: “Etu­tua nan­go­la tua so­lo kia”, nós de An­go­la já es­co­lhe­mos, “Fa­ço-te es­te ape­lo, ca­ma­ra­da”, “Zam­bi zam­bi”, Deus, Deus, “Mui­jii mo­xi, ix`mo­xi”, Um só po­vo uma só na­ção, “Guia pa­ra a li­ber­ta­ção de Áfri­ca”, “Zu­a­te­nu mi­le­le la xi­ke­le­la”, Vis­tam-se de pa­nos pre­tos, “Ngo­la ki­lu­an­ji”, “Nga­na nga­na” , Fu­ma ia di­a­la ngon­go, se­nhor, se­nhor, Ba­lu­mu­ka Lu­mum­ba, acor­da Lu­mum­ba, “Ene An­do Bui­lée”, Eles hão-de se can­sar, “Ene adia ios­so”, Eles que­rem co­mer tu­do, e Ue ngi Bu­a­la ié, Não Há Tra­ba­lho, te­mas gra­va­dos, aliás co­mo os discos do Da­vid Zé e Te­ta Lan­do, com acom­pa­nha­men­to do con­jun­to “Me­ren­gues” cons­ti­tuí­do por ZéKe­no, vi­o­la so­lo, Ze­ca Ty­ri­le­ne, vi­o­la rit­mo, Car­los Vi­ei­ra Di­as, vi­o­la bai­xo, Va­te Cos­ta, di­kan­za, Gre­gó­rio Mu­la­to, bon­gós, e João­zi­nho Mor­ga­do nas tum­bas.

Per­cur­so

Jo­sé Car­los La­mar­ti­ne Sal­va­dor dos San­tos Cos­ta, Car­los La­mar­ti­ne, nas­ceu em Ben­gue­la no dia 29 de Mar­ço de 1943 e foi um dos fun­da­do­res dos gru­pos “Os Kis­su­ei­as” e “Ma­ko­ko Rit­mo”, tor­nan­do-se pos­te­ri­or­men­te vo­ca­lis­ta dos “Águi­as Re­ais”.

Po­li­ti­ca­men­te en­ga­ja­do, Car­los La­mar­ti­ne re­pre­sen­ta uma ge­ra­ção que ele­geu co­mo prin­cí­pi­os bá­si­cos de cri­a­ção ar­tís­ti­ca o tra­ta­men­to e va­lo­ri­za­ção do can­ci­o­nei­ro po­pu­lar, a exal­ta­ção da his­tó­ria po­lí­ti­ca de An­go­la, a li­ber­da­de, a emo­ti­va ce­le­bra­ção da in­de­pen­dên­cia e a de­fe­sa dos va­lo­res cul­tu­rais da afri­ca­ni­da­de. Acom­pa­nhou os mo­men­tos mais im­por­tan­tes da his­tó­ria da Mú­si­ca Po­pu­lar An­go­la­na, des­de o “pe­río­do de ou­ro” da épo­ca co­lo­ni­al, pas­san­do pe­la fa­se da in­de­pen­dên­cia, até à con­tem­po­ra­nei­da­de, e vem cons­truin­do uma carreira que, em­bo­ra va­lo­ri­zan­do a plu­ra­li­da­de es­ti­lís­ti­ca e con­cep­tu­al da mo­der­ni­da­de mu­si­cal, de­fen­de um seg­men­to ar­tís­ti­co que o pró­prio de­sig­na de “mú­si­ca an­go­la­na de raiz po­pu­lar”.

Ho­me­na­gem

Car­los La­mar­ti­ne foi ho­me­na­ge­a­do pe­la im­por­tân­cia do con­jun­to da sua obra, e en­gran­de­ci­men­to da cul­tu­ra na­ci­o­nal no do­mí­nio da mú­si­ca, no dia 20 Se­tem­bro de 2013, na XVI edi­ção do Fes­ti­val da Can­ção de Lu­an­da, no âm­bi­to das ce­le­bra­ções dos vin­te um ano de emis­são da LAC, Lu­an­da An­te­na Co­mer­ci­al, or­ga­ni­za­do­ra do cer­ta­me. Na oca­sião, Nei­de da Luz, Wal­de­mar Ca­ba­di, Eli­sa­beth Mam­bo, Rui To­más, Vla­di­mir Macedo, Oba­di­as Cor­reia, Gra­ça Baptista, Ni­ca Ca­xin­da, Te­re­sa Fi­li­pe e o duo Vi­e­gas e Eu­cli­des, in­ter­pre­ta­ram can­ções de Car­los La­mar­ti­ne.

In­de­pen­dên­cia

Um dos re­gis­tos mais im­por­tan­tes de Te­ta Lan­do, no uni­ver­so da can­ção po­lí­ti­ca mi­li­tan­te, acon­te­ceu com a gra­va­ção, em 1974, do ál­bum “In­de­pen­dên­cia” – a úl­ti­ma obra gra­va­da an­tes da sua par­ti­da pa­ra o exí­lio, em 1975, em Fran­ça. “In­de­pen­dên­cia” re­ce­beu o dis­co de ou­ro, e foi o pri­mei­ro lan­ça­men­to da CDA, de Se­bas­tião Coelho, e mar­ca a per­so­na­li­da­de de um ar­tis­ta pre­o­cu­pa­do com os des­ti­nos po­lí­ti­cos de An­go­la, en­ten­di­do co­mo país eman­ci­pa­do.

No LP “In­de­pen­dên­cia” in­clui as can­ções “FNLA e MPLA”, “Ir­mão Ama Teu Ir­mão”, Ce­cí­lia, Lu­len­doPa­xi, “Lu­vu­a­mo”, “Im­be­le, im­be­le”, “An­go­la­no se­gue em fren­te”, “Po­to po­to-bar­ro”, “Me­ni­na dos no­ve anos”, “Me­ni­na de no­ve anos”, “Pe­le es­cu­ra”. Te­ta Lan­do gra­vou pe­la pri­mei­ra vez a can­ção “Lu­gin­gu­lu­a­mi”, mi­nha vi­vên­cia, em 1968, de­pois de uma es­ta­dia de cin­co anos em Por­tu­gal, on­de che­gou em 1963. Se­gui­ram-se de­pois dois sin­gles que re­gis­ta­ram êxi­tos co­mo “Um as­so­bio meu” e “Ta­tan­ke­to”. Em 1973 gra­vou o te­ma “Kim­bem­ba”, uma can­ção de re­fe­rên­cia na carreira ar­tís­ti­ca de Te­ta lan­do.

De­poi­men­to

Al­ber­to Te­ta Lan­do, diz Do­min­gos Van-Dú­nem, “en­car­na o que­rer que per­so­ni­fi­ca o ho­mem lu­ta­dor. Que per­cor­re os ca­mi­nhos da vi­da com es­pí­ri­to de­ci­si­vo, con­tor­nan­do atro­pe­los rom­pen­do in­com­pre­en­sões, des­truin­do in­ve­jas e aca­ri­ci­an­do ma­les. Em miú­do, os vi­zi­nhos não com­pre­en­di­am que fi­lho de pais ri­cos, da li­nha­gem di­rec­ta do rei­no do Kon­go, pre­fe­ris­se o can­to ao ca­nu­do de me­di­ci­na, de di­rei­to ou en­ge­nha­ria. A mãe do­lo­ro­sa­men­te es­ma­ga­da pe­la mor­te do pai, pe­lo so­nho da in­de­pen­dên­cia, per­ple­xa, re­flec­tiu e, fi­nal­men­te, en­ten­deu que o can­to é a go­ta sa­gra­da que dul­ci­fi­ca co­ra­ções em­per­de­ni­dos...”

PAU­LI­NO DAMIÃO

Car­los La­mar­ti­ne é uma re­fe­rên­cia na­ci­o­nal

PAU­LI­NO DAMIÃO

Car­los La­mar­ti­ne é um dos ar­tis­tas mais pres­ti­gi­a­do in­tér­pre­te da mú­si­ca po­pu­lar an­go­la­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.