Fal­ta de con­fi­an­ça es­tá a tra­var a paz

An­ti­go Pre­si­den­te fa­la de diá­lo­go e de­fen­de co­e­são de to­dos pa­ra a cons­tru­ção da na­ção

Jornal de Angola - - PARTADA -

O an­ti­go Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no Jo­a­quim Chissano con­si­de­rou, em Ma­pu­to, que a fal­ta de con­fi­an­ça en­tre os par­ti­dos po­lí­ti­cos in­vi­a­bi­li­za a pre­va­lên­cia de uma paz du­ra­dou­ra no país. “Te­mos que cri­ar con­fi­an­ça, po­de­mos sen­tar, dis­cu­tir, di­ver­gir, mas con­ti­nu­ar a fa­lar pa­ra ir­mos agar­ran­do aque­las par­tes on­de a co­la fun­ci­o­na e nos unem e re­for­çam”, dis­se.

O an­ti­go Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no Jo­a­quim Chissano con­si­de­rou, em Ma­pu­to, que a fal­ta de con­fi­an­ça en­tre os par­ti­dos po­lí­ti­cos in­vi­a­bi­li­za a pre­va­lên­cia de uma paz du­ra­dou­ra no país e de­fen­deu uma mo­bi­li­za­ção ge­ral pa­ra a cons­tru­ção da na­ção.

“Te­mos que cri­ar con­fi­an­ça, po­de­mos sen­tar, dis­cu­tir, di­ver­gir, mas con­ti­nu­ar a fa­lar pa­ra ir­mos agar­ran­do aque­las par­tes on­de a co­la fun­ci­o­na e nos unem e re­for­çam”, dis­se Chissano, que fa­la­va sexta-fei­ra no lan­ça­men­to em Ma­pu­to da obra “Aná­li­se da Se­gu­ran­ça na Áfri­ca Aus­tral: No­vos Ris­cos e No­vas Abor­da­gens pa­ra a Se­gu­ran­ça Co­lec­ti­va”.

De acor­do com o an­ti­go Che­fe de Es­ta­do, o país de­via ser mais so­li­dá­rio em tor­no das su­as prin­ci­pais cau­sas e não ape­nas em ca­sos de ca­la­mi­da­des na­tu­rais.

Pa­ra Jo­a­quim Chissano, a de­pen­dên­cia das ins­ti­tui­ções afri­ca­nas em re­la­ção à co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal é um fac­tor de fra­gi­li­za­ção da de­mo­cra­cia no con­ti­nen­te.

“Ain­da não apren­de­mos a con­fi­ar nas nos­sas pró­pri­as for­ças e aque­les que apoi­am di­tam-nos, quem tem a flau­ta de­ter­mi­na o tom”, acres­cen­tou. Chissano exor­tou a clas­se aca­dé­mi­ca, que com­pu­nha a mai­o­ria dos pre­sen­tes no lan­ça­men­to da obra, a apre­sen­tar so­lu­ções mais prá­ti­cas pa­ra os pro­ble­mas que o país atra­ves­sa.

“É pre­ci­so ha­ver aque­les que fa­lam, fa­lam e fa­lam, mas en­tre os aca­dé­mi­cos, tem que ha­ver aque­les que fa­zem, fa­zem e fa­zem, por­que só as­sim é que po­de­mos pro­gre­dir”, as­si­na­lou o ex-Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no. Mo­çam­bi­que é ac­tu­al­men­te as­so­la­do pe­la vi­o­lên­cia mi­li­tar, opon­do as For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça e o bra­ço ar­ma­do da Re­na­mo (Re­sis­tên­cia Na­ci­o­nal Mo­çam­bi­ca­na), com ata­ques a al­vos ci­vis e mi­li­ta­res que o Go­ver­no atri­bui ao prin­ci­pal par­ti­do de opo­si­ção.

A Re­na­mo exi­ge go­ver­nar em seis pro­vín­ci­as do cen­tro e nor­te do país on­de rei­vin­di­ca vi­tó­ria nas elei­ções ge­rais de 2014, acu­san­do a Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que (Fre­li­mo) de frau­de no es­cru­tí­nio.

Ao mes­mo tem­po, o país es­tá com uma cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra e vai re­gis­tar em 2016 o seu pi­or cres­ci­men­to eco­nó­mi­co dos úl­ti­mos dez anos, com uma pro­jec­ção do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) abai­xo de qua­tro por cen­to até De­zem­bro.

“Eli­mi­nar pa­re­des de ódio”

A ac­ti­vis­ta so­ci­al mo­çam­bi­ca­na, Gra­ça Ma­chel, de­fen­deu quin­ta­fei­ra que Mo­çam­bi­que pre­ci­sa de eli­mi­nar as “pa­re­des de ódio” no seio da so­ci­e­da­de, aler­tan­do que a in­to­le­rân­cia po­lí­ti­ca co­me­ça a en­trar nas al­dei­as e is­so é ex­tre­ma­men­te pe­ri­go­so.

“Es­te con­fli­to, a ma­nei­ra co­mo es­tá a ser de­sen­ca­de­a­do, prin­ci­pal­men­te nos úl­ti­mos tem­pos, quan­do se ma­ta um se­cre­tá­rio do bair­ro, a coi­sa já não es­tá a ní­vel po­lí­ti­co, já es­tá a en­trar nas al­dei­as e is­so é ex­tre­ma­men­te pe­ri­go­so”, dis­se Gra­ça Ma­chel, em en­tre­vis­ta ao diá­rio “O País”.

O país pre­ci­sa de co­me­çar a cons­truir pon­tes pa­ra a re­con­ci­li­a­ção, co­mo for­ma de aca­bar com a cri­se po­lí­ti­ca e mi­li­tar que opõe o Go­ver­no mo­çam­bi­ca­no à Re­sis­tên­cia Na­ci­o­nal Mo­çam­bi­ca­na (Re­na­mo), prin­ci­pal par­ti­do de opo­si­ção, dis­se. Os mo­çam­bi­ca­nos pre­ci­sam tam­bém de apren­der a con­vi­ver na di­fe­ren­ça. “Quan­do di­ver­gi­mos, ha­ve­mos de fa­lar, mas não nos va­mos matar uns aos ou­tros”, de­cla­rou a pri­mei­ra mi­nis­tra da Edu­ca­ção de Mo­çam­bi­que após a in­de­pen­dên­cia. Pa­ra su­pe­rar a cri­se po­lí­ti­ca se­rá necessário fa­zer o im­pos­sí­vel, re­fe­riu.

“Te­mos de olhar uns aos ou­tros com o mes­mo sen­ti­do de per­ten­ça e des­ti­no co­muns”, de­cla­rou a viú­va do pri­mei­ro Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no, Sa­mo­ra Ma­chel.

É necessário pa­rar ime­di­a­ta­men­te com as con­fron­ta­ções mi­li­ta­res, que já dei­xa­ram um nú­me­ro des­co­nhe­ci­do de mor­tos, rei­te­rou. Mo­çam­bi­que pre­ci­sa de rein­ven­tar os seus pró­pri­os mo­de­los so­ci­ais, res­pei­tan­do a di­nâ­mi­ca e as exi­gên­ci­as dos no­vos tem­pos, den­tro do cli­ma de to­le­rân­cia e trans­pa­rên­cia pa­ra ga­ran­tir o fu­tu­ro dos mo­çam­bi­ca­nos.

Ao ana­li­sar os ac­tu­ais de­sa­fi­os eco­nó­mi­cos do país, a ac­ti­vis­ta so­ci­al dis­se que a ques­tão das dí­vi­das es­con­di­das, que to­ta­li­zam 1,4 mil mi­lhões de dó­la­res, con­traí­das em 2013 e 2014, atin­giu “pro­por­ções alar­man­tes”, aler­tan­do pa­ra o fac­to de as li­de­ran­ças po­lí­ti­cas mo­çam­bi­ca­nas es­ta­rem ca­da vez mais lon­ge do po­vo.

“A par­tir de um cer­to mo­men­to, nós to­le­rá­mos es­ta ma­nei­ra de fa­zer as coi­sas (cor­rup­ção) e acei­tá­mos es­sa for­ma de vi­ver co­mo se fos­se nor­mal”, la­men­tou a ac­ti­vis­ta mo­çam­bi­ca­na. Nes­tas con­di­ções, nem da­qui a 50 anos o país vai sair da po­bre­za, aler­tou Gra­ça Ma­chel.

AFP

Jo­a­quim Chissano lan­çou a obra in­ti­tu­la­da “Aná­li­se da Se­gu­ran­ça na Áfri­ca Aus­tral”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.