Ad­mi­nis­tra­dor do Ki­lam­ba mo­ra em Is­ra­el?

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA |

Na noi­te do úl­ti­mo Sá­ba­do, dia 29, hou­ve ki­zom­ba no Ki­lam­ba. Até de ma­dru­ga­da. Nin­guém dor­miu na cen­tra­li­da­de. Ko­tas, can­den­gues, jo­vens. Ga­tos, cães e pás­sa­ros. Até as ár­vo­res não dor­mi­ram. Só dor­miu quem ti­nha va­lium em ca­sa e o to­mou.

To­cou mú­si­ca al­tís­si­ma na ten­da do Ki­lam­ba. Vo­zes de ar­tis­tas can­ta­ram me­lo­di­as co­nhe­ci­das. Um DJ jun­tou-lhe os sons guar­da­dos no com­pu­ta­dor e fa­zia ape­los: - Fa­çam ba­ru­lho­oo! De­pois da meia-noi­te, os mo­ra­do­res do Ki­lam­ba vi­ve­ram um lon­go mo­men­to de tor­tu­ra psi­co­ló­gi­ca. Quem tra­ba­lhou to­da se­ma­na e qu­e­ria so­men­te uma noi­te de re­pou­so cri­ou ran­cor à mú­si­ca que su­bia nos céus e aos gri­tos dos es­pec­ta­do­res e do DJ.

Ain­da há di­as, cir­cu­lou uma no­tí­cia em que o di­rec­tor pro­vin­ci­al da Cul­tu­ra se reu­ni­ra com ou­tra en­ti­da­de, pa­ra col­ma­tar es­te mal que gras­sa, há anos, na so­ci­e­da­de lu­an­den­se: a po­lui­ção so­no­ra do fim­de-se­ma­na. Coi­ta­do do meu kam­ba Ma­nu­el Se­bas­tião! Reú­ne que reú­ne, ape­la que ape­la, mas, no fim, cai tu­do em sa­co ro­to. A pró­pria Po­lí­cia já ten­tou, há mui­tos, mui­tos anos, pren­der as co­lu­nas que fu­ram os tím­pa­nos das cri­an­ças e ma­tam o co­ra­ção já can­sa­do dos mais-ve­lhos, mas en­con­tra­ram co­lu­nas de mwa­tas e a Po­lí­cia per­deu o cré­di­to e a au­to­ri­da­de.

De­pois, uns xi­cos­per­tos an­da­ram a pro­pa­lar aos qua­tro ven­tos e até nas re­des so­ci­ais que nin­guém po­de im­pe­dir o ba­ru­lho en­sur­de­ce­dor na ci­da­de (que, mui­tas ve­zes, se le­van­ta até mes­mo em di­as de tra­ba­lho nor­mal) “por­que o mwan­go­lé gos­ta mes­mo de ba­ru­lho, por­que o mwan­go­lé é fes­ti­vo, por­que ka­pu­e­te, ka­mun­dan­da ni ka­po­lo­bo­so.”

Ora mui­to bem, se can­ta na Sé! Va­mos lá pôr os pon­tos nos is e os tra­ços nos tês. Quem é o an­go­la­no que não gos­ta de mú­si­ca? Quem é o an­go­la­no que não gos­ta de far­ra? Mes­mo que não sai­ba dan­çar, o an­go­la­no fi­ca ali na fes­ta a ver os ou­tros dan­çar, a es­cu­tar a vi­a­gem li­gei­ra da ki­zom­ba, o com­pas­so re­don­do do sem­ba, a ka­zu­ku­ta do ku­du­ro, en­quan­to var­re uns co­pos e abre no apa­re­lho di­ges­ti­vo no­vas ga­le­ri­as pa­ra os pe­tis­cos gre­lha­dos no car­vão, quan­do o ga­lo já can­ta.

Tam­bém é ver­da­de que a ju­ven­tu­de, a ida­de da adre­na­li­na pu­ra, tem ne­ces­si­da­de de es­pai­re­cer, de se di­ver­tir, de ex­pul­sar num es­pec­tá­cu­lo glo­bal to­do o stress acu­mu­la­do.

Mas es­sas ne­ces­si­da­des psi­co­cul­tu­rais do ci­da­dão não con­fe­rem aos or­ga­ni­za­do­res de es­pec­tá­cu­los o di­rei­to de man­cha­rem o so­no, de di­na­mi­ta­rem o si­lên­cio dos ino­cen­tes. Se é as­sim na Eu­ro­pa evo­luí­da, na Amé­ri­ca or­ga­ni­za­da, on­de a Po­lí­cia exer­ce uma fis­ca­li­za­ção aper­ta­da con­tra a po­lui­ção so­no­ra nos lo­cais de re­si­dên­cia, por­que é que em An­go­la, país que tam­bém quer ser evo­luí­do e or­ga­ni­za­do, não se co­me­ça, de uma vez por to­das, a con­tro­lar se­ri­a­men­te o ex­ces­so de po­lui­ção so­no­ra, o abu­so de ci­da­da­nia que é o es­pec­tá­cu­lo a céu aber­to? E quem diz no Ki­lam­ba, diz em qual­quer ou­tro lu­gar da nos­sa ur­be.

Quem é o an­go­la­no que tra­ba­lha to­da a se­ma­na, prin­ci­pal­men­te aque­le que, no Ki­lam­ba, acor­da às 4 da ma­nhã pa­ra se preparar e ir pró sa­lu na gran­de ci­da­de, e que gos­ta de ba­ru­lho no Sá­ba­do de ma­dru­ga­da? Quem é o an­go­la­no – di­gam-me por fa­vor! – que gos­ta de ou­vir ba­ru­lho de re­ben­tar os ou­vi­dos, quan­do es­tá na sa­la a as­sis­tir a um fil­me ou a ver as no­tí­ci­as na te­le­vi­são? Quem é o mwan­go­lê que con­se­gue ador­me­cer, quan­do já es­tá na ca­ma a ten­tar pre­gar o so­no e é in­va­di­do pe­lo som de co­lu­nas do ta­ma­nho de uma por­ta de en­tra­da?

Lem­brem-se dos be­bés. E das cri­an­ças até aos dez anos de ida­de. Que quan­do fa­lam, não fa­lam, mas gri­tam bem per­ti­nho de nós. Não ha­ve­rá aí al­go de es­tra­nho, que os mé­di­cos de­vam es­tu­dar?

Na­que­le Sá­ba­do, dia 29, o som lá ia dan­do o ar da sua tor­tu­ra au­di­ti­va so­bre os que, já na ca­ma, ten­ta­vam pre­gar o olho. Uma nu­vem que ia pas­san­do no céu olhou lá de ci­ma pa­ra aque­la re­bal­da­ria e se dis­se:

– Po­bres qui­lam­bas, es­tão a pas­sar por uma tor­tu­ra de vi­gí­lia obri­ga­tó­ria. Vou já pôr ter­mo ao so­fri­men­to de­les! – e co­me­çou a cho­ver. Eram já 2:30 h da ma­nhã, quan­do o ba­ru­lho pa­rou. Atra­vés da chu­va.

Dá pa­ra con­cluir que o ad­mi­nis­tra­dor do Ki­lam­ba, o Sr. Is­ra­el, mo­ra em Tel Avi­ve. Mes­mo que te­nha um apar­ta­men­to na cen­tra­li­da­de, não pas­sa lá os fins de se­ma­na. Se­não, há mui­to te­ria in­ter­di­ta­do es­se ti­po de es­pec­tá­cu­lo nas ime­di­a­ções da ci­da­de que é su­pos­to go­ver­nar.

Nas re­don­de­zas do Ki­lam­ba, exis­tem cen­tros ade­qua­dos pa­ra es­te gé­ne­ro de fes­ta mu­si­cal. Há até o pa­vi­lhão mul­ti-usos do Ki­lam­ba. Por­que não os alu­gam?

É que es­ta não é a pri­mei­ra ki­zom­ba a céu aber­to no Ki­lam­ba. Es­pe­ram os mo­ra­do­res da cen­tra­li­da­de que se­ja a úl­ti­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.