An­go­la­nos con­quis­ta­ram dez me­da­lhas na Fei­ra In­ter­na­ci­o­nal de Nu­rem­ber­ga

Jú­ri ren­di­do à qua­li­da­de dos pro­jec­tos le­va­dos ao pres­ti­gi­a­do even­to in­ter­na­ci­o­nal

Jornal de Angola - - PARTADA - NHUCA JÚ­NI­OR |

An­go­la con­quis­tou na 68º Fei­ra In­ter­na­ci­o­nal de Idei­as, In­ven­ções e No­vos Pro­du­tos, ter­mi­na­da on­tem, em Nu­rem­ber­ga, na Ale­ma­nha, dez me­da­lhas, o mes­mo nú­me­ro ar­re­ca­da­do na an­te­ri­or edi­ção.

En­tre as dez me­da­lhas con­quis­ta­das por An­go­la es­te ano es­tão três de ou­ro, du­as de pra­ta e cin­co de bron­ze. A di­fe­ren­ça sig­ni­fi­ca­ti­va com o qua­dro do ano pas­sa­do es­tá no fac­to de te­rem si­do atri­buí­das três me­da­lhas de ou­ro, quan­do em 2015 o país ti­nha con­quis­ta­do du­as.

Es­te ano, An­go­la le­vou à Fei­ra de Nu­rem­ber­ga 16 pro­jec­tos, me­nos três em com­pa­ra­ção com o nú­me­ro apre­sen­ta­do na edi­ção de 2015 do pres­ti­gi­a­do even­to in­ter­na­ci­o­nal, on­de o país par­ti­ci­pa inin­ter­rup­ta­men­te des­de 2009.

Uma das três me­da­lhas de ou­ro con­quis­ta­das por An­go­la foi atri­buí­da ao Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção e In­for­ma­ção de Me­di­ca­men­tos e To­xi­co­lo­gia (CIMETOX), da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji A’Nkon­de, pe­lo so­ro ex­pe­ri­men­tal Mu­ri­no con­tra ve­ne­nos de ser­pen­tes.

O re­mé­dio, ain­da ex­pe­ri­men­tal, re­sul­ta de um tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca de­sen­vol­vi­do pe­la Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na de Ma­lan­je, da Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji A’Nkon­de, em par­ce­ria com o Ins­ti­tu­to Bu­tan­tã, do Bra­sil, e o La­bo­ra­tó­rio de To­xi­co­lo­gia da Fa­cul­da­de de Far­má­cia da Uni­ver­si­da­de do Por­to, de Por­tu­gal.

A in­ves­ti­ga­ção que deu ori­gem à pro­du­ção do so­ro Mu­ri­no foi de­sen­vol­vi­da por uma equi­pa de dez in­ves­ti­ga­do­res, li­de­ra­da pe­la mé­di­ca an­go­la­na Paula Oli­vei­ra, e da qual fa­zem par­te dois ci­en­tis­tas do Ins­ti­tu­to Bu­tan­tã e um do La­bo­ra­tó­rio de To­xi­co­lo­gia da Fa­cul­da­de de Far­má­cia da Uni­ver­si­da­de do Por­to.

Sis­te­ma au­to­ma­ti­za­do

As ou­tras du­as me­da­lhas de ou­ro fo­ram con­quis­ta­das pe­los in­ven­to­res Ri­car­do Fi­guei­re­do e Pedro Qu­e­ta, ten­do es­te re­pre­sen­ta­do a As­so­ci­a­ção An­go­la­na de In­ven­to­res e Ino­va­do­res An­go­la­nos. A Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji A’Nkon­de con­quis­tou ain­da por in­ter­mé­dio do CIMETOX, uma das me­da­lhas de bron­ze pe­lo pro­jec­to De­sas­trof, um sis­te­ma au­to­ma­ti­za­do que per­mi­te dar uma res­pos­ta ime­di­a­ta a emer­gên­ci­as quí­mi­cas.

O De­sas­trof, cu­jo pro­jec­to é co­or­de­na­do pe­lo pro­fes­sor Ro­de­lin Oli­ve­ros, é um “soft­ware” que per­mi­te iden­ti­fi­car ra­pi­da­men­te as ca­rac­te­rís­ti­cas fi­sio-quí­mi­cas das subs­tân­ci­as en­vol­vi­das, o seu ní­vel de to­xi­ci­da­de e as­ses­so­rar o aten­di­men­to pré-hos­pi­ta­lar e hos­pi­ta­lar das ví­ti­mas. O De­sas­trof é um dos três ele­men­tos fun­da­men­tais de um pro­gra­ma cri­a­do pe­lo CIMETOX pa­ra a pre­ven­ção, pre­pa­ra­ção e res­pos­ta rá­pi­da às emer­gên­ci­as quí­mi­cas. Os ou­tros dois ele­men­tos são a iden­ti­fi­ca­ção dos prin­ci­pais ob­jec­ti­vos quí­mi­cos em An­go­la e a cri­a­ção de um pla­no de re­cep­ção mas­si­va de in­to­xi­ca­dos pa­ra aten­di­men­to hos­pi­ta­lar. A Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji A’Nkon­de cri­ou o pro­gra­ma pe­la ne­ces­si­da­de de co­nhe­ci­men­to das subs­tân­ci­as quí­mi­cas exis­ten­tes em ca­da país e dos seus efei­tos na saú­de e no meio am­bi­en­te.

A Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to con­quis­tou três me­da­lhas, sen­do uma de pra­ta e du­as de bron­ze. A se­gun­da me­da­lha de pra­ta foi atri­buí­da ao in­ven­tor Co­xi Ar­te­são, que já ti­nha con­quis­ta­do, há qua­tro anos, uma me­da­lha de ou­ro. Tam­bém me­da­lha­dos com bron­ze fo­ram o in­ven­tor Már­cio Rai­mun­do e a pró­pria As­so­ci­a­ção An­go­la­na de In­ven­to­res e Ino­va­do­res An­go­la­nos.

Com as dez me­da­lhas con­quis­ta­das es­te ano, au­men­ta pa­ra 58 o nú­me­ro de pré­mi­os se­me­lhan­tes ar­re­ba­ta­dos pe­lo país des­de que co­me­çou a par­ti­ci­par na Fei­ra de Idei­as, In­ven­ções e No­vos Pro­du­tos, sen­do 11 de ou­ro, 20 de pra­ta e 27 de bron­ze.

Os re­pre­sen­tan­tes de An­go­la no even­to são ha­bi­tu­al­men­te es­co­lhi­dos na Fei­ra Na­ci­o­nal do In­ven­tor e Cri­a­dor, mas o Mi­nis­té­rio da Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia de­ci­diu can­ce­lar a edi­ção des­te ano.

Por es­te mo­ti­vo, os me­lho­res tra­ba­lhos e idei­as se­lec­ci­o­na­dos es­te ano nas “an­te-câ­ma­ras”, no­me por que são de­sig­na­das as fei­ras de âm­bi­to pro­vin­ci­al, es­tão pre­sen­tes no even­to. Anu­al­men­te, a fei­ra apre­sen­ta mais de 700 in­ven­ções pro­ve­ni­en­tes de cer­ca de 30 paí­ses, ava­li­a­das por um jú­ri com­pos­to por in­ves­ti­ga­do­res e aca­dé­mi­cos das áre­as da eco­no­mia, in­ves­ti­ga­ção, de­sen­vol­vi­men­to, me­di­ci­na e tec­no­lo­gia.

A Fei­ra de Nu­rem­ber­ga apre­sen­ta uma am­pla ga­ma de in­ven­ções, ino­va­ções e so­lu­ções pa­ra os di­fe­ren­tes pro­ble­mas do Mun­do.

O prin­ci­pal fo­co das in­ven­ções es­tá posto nas áre­as de en­ge­nha­ria me­câ­ni­ca, in­dús­tria da cons­tru­ção, “hob­bi­es”, des­por­to, en­ge­nha­ria e aces­só­ri­os pa­ra au­to­mó­veis, me­di­ci­na, cos­mé­ti­ca, agri­cul­tu­ra, pro­tec­ção do meio am­bi­en­te, equi­pa­men­to de es­cri­tó­rio, elec­tró­ni­ca, com­pu­ta­ção, pu­bli­ci­da­de e “de­sign” grá­fi­co.

DR

As uni­ver­si­da­des Lu­e­ji A’Nkon­de e Agos­ti­nho Ne­to sa­em com me­da­lhas da Fei­ra In­ter­na­ci­o­nal de Nu­rem­ber­ga on­de têm par­ti­ci­pa­ção re­gu­lar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.