Co­li­ga­ção do Par­ti­do Pi­ra­ta ven­ce le­gis­la­ti­vas na Is­lân­dia

Ali­a­dos de cen­tro esquerda cha­ma­dos a for­mar o fu­tu­ro Go­ver­no

Jornal de Angola - - PARTADA -

A co­li­ga­ção li­de­ra­da pe­lo Par­ti­do Pi­ra­ta ven­ceu as elei­ções le­gis­la­ti­vas de sá­ba­do na Is­lân­dia por uma mar­gem mí­ni­ma, no­ti­ci­ou a te­le­vi­são es­ta­tal, que in­di­cou que o par­ti­do pas­sa a ser a se­gun­da for­ça po­lí­ti­ca do país.

De acor­do com a AFP, que ci­ta as es­ti­ma­ti­vas da te­le­vi­são pú­bli­ca is­lan­de­sa RUV, os “Pi­ra­tas”, que en­ca­be­çam uma co­li­ga­ção de cen­tro­es­quer­da, con­se­gui­ram ele­ger 12 de­pu­ta­dos pa­ra os 63 lu­ga­res dis­po­ní­veis no par­la­men­to da Is­lân­dia.

Fun­da­do por ac­ti­vis­tas em 2012, o Par­ti­do Pi­ra­ta ali­ou-se nas elei­ções le­gis­la­ti­vas antecipadas de sá­ba­do a três ou­tros par­ti­dos de esquerda: Esquerda-Ver­des, So­ci­ais-De­mo­cra­tas e o Mo­vi­men­to Fu­tu­ro Bri­lhan­te.

A co­li­ga­ção con­quis­tou 32 lu­ga­res no Althin­gi, o par­la­men­to is­lan­dês, com o mo­vi­men­to Esquerda-Ver­des a ele­ger 11 de­pu­ta­dos, os So­ci­ais-De­mo­cra­tas a con­quis­tar cin­co as­sen­tos e o Mo­vi­men­to Fu­tu­ro Bri­lhan­te qua­tro lu­ga­res, de acor­do com a son­da­gem da RUV.

Do la­do das for­ças po­lí­ti­cas à di­rei­ta que go­ver­nam o país des­de 2013, o Par­ti­do da In­de­pen­dên­cia (con­ser­va­dor), foi o mais vo­ta­do, ten­do con­quis­ta­do 19 lu­ga­res. Já o Par­ti­do do Pro­gres­so (cen­tro-di­rei­ta) con­quis­tou seis as­sen­tos no par­la­men­to. Jun­tos con­se­gui­ram 25 man­da­tos, fi­can­do atrás da co­li­ga­ção de esquerda.

Mes­mo con­tan­do com os lu­ga­res con­quis­ta­dos pe­lo Par­ti­do Res­sur­rei­ção, a di­rei­ta não ul­tra­pas­sa os 31 de­pu­ta­dos.

O Pre­si­den­te cha­ma, tra­di­ci­o­nal­men­te, o par­ti­do mais vo­ta­do a for­mar Go­ver­no. An­tes do es­cru­tí­nio, a co­li­ga­ção de di­rei­ta dis­se que es­pe­ra­va con­se­guir “des­vi­ar” um ou dois de­pu­ta­dos de ou­tras for­ma­ções mi­no­ri­tá­ri­as pa­ra atin­gir uma mai­o­ria viá­vel e man­ter-se no po­der.

As elei­ções le­gis­la­ti­vas antecipadas fo­ram anun­ci­a­das em Agos­to, na sequên­cia dos es­cân­da­los re­ve­la­dos pe­los “Pa­péis do Pa­na­má” que le­va­ram à de­mis­são do pri­mei­ro-mi­nis­tro.

No ca­so da Is­lân­dia, os “Pa­péis do Pa­na­má” pu­se­ram a des­co­ber­to si­tu­a­ções de eva­são fis­cal que im­pli­cam vá­ri­os ele­men­tos da clas­se po­lí­ti­ca de Reik­ja­vik.

Sig­mun­dur Da­vid Gunn­laugs­son foi obri­ga­do a de­mi­tir-se em Abril mas os res­tan­tes mem­bros do Exe­cu­ti­vo da Is­lân­dia man­ti­ve­ram-se em fun­ções.

Em Ju­nho, as elei­ções pre­si­den­ci­ais de­ram vi­tó­ria a Gud­ni Johan­nes­son, um po­lí­ti­co pou­co co­nhe­ci­do e que fez cam­pa­nha con­tra o sis­te­ma, ape­lan­do a re­for­mas pro­fun­das na Is­lân­dia.

Os Pa­péis do Pa­na­má re­pre­sen­tam mais de 11 mi­lhões de do­cu­men­tos da so­ci­e­da­de de ad­vo­ga­dos Mos­sack Fonseca, que fo­ram di­vul­ga­dos pe­lo Con­sór­cio In­ter­na­ci­o­nal de Jor­na­lis­tas de In­ves­ti­ga­ção e que re­ve­lam a uti­li­za­ção de pa­raí­sos fis­cais que es­con­dem os ren­di­men­tos de pes­so­as e em­pre­sas de to­do o mun­do.

AFP

Elei­to­res fo­ram às ur­nas pa­ra es­co­lher um no­vo Exe­cu­ti­vo de­pois dos es­cân­da­los fi­nan­cei­ros re­ve­la­dos pe­los “Pa­péis do Pa­na­má”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.