Elo­gi­a­do mo­de­lo an­go­la­no de ex­plo­ra­ção de re­cur­sos

Fó­rum re­gi­o­nal de mi­nis­tros do sec­tor mi­nei­ro re­for­ça me­di­das de com­ba­te à ex­plo­ra­ção ile­gal

Jornal de Angola - - POLÍTICA -

A ex­pe­ri­ên­cia de An­go­la de au­to­fi­nan­ci­ar a re­cons­tru­ção do país após dé­ca­das de con­fli­to ar­ma­do es­te­ve em evi­dên­cia, em Braz­za­vil­le, na mais re­cen­te reu­nião de mi­nis­tros en­car­re­ga­dos do sec­tor mi­nei­ro da re­gião dos Gran­des La­gos.

A qu­ar­ta reu­nião dos mi­nis­tros en­car­re­ga­dos do sec­tor da ge­o­lo­gia e mi­nas da re­gião dos Gran­des La­gos vi­sou ana­li­sar a im­ple­men­ta­ção das re­co­men­da­ções saí­das da an­te­ri­or reu­nião, há seis anos, em Lu­za­ka.

O mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas re­cor­dou que há seis anos ha­vi­am si­do to­ma­das de­ci­sões mui­to im­por­tan­tes quan­to à ex­plo­ra­ção ile­gal de re­cur­sos na­tu­rais na re­gião. “Che­gou-se mes­mo a apro­var um pro­to­co­lo so­bre es­sa ma­té­ria, mas que, in­fe­liz­men­te, por ques­tões con­jun­tu­rais de ca­da um dos paí­ses e de to­dos os paí­ses na sua glo­ba­li­da­de, mui­tas des­sas re­co­men­da­ções não fo­ram apli­ca­das”, dis­se Fran­cis­co Queiroz.

O mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, que pre­si­diu à reu­nião de Braz­za­vil­le, con­si­de­rou de ex­tre­ma im­por­tân­cia o exer­cí­cio fei­to mais re­cen­te­men­te pe­los pa­res na ca­pi­tal con­go­le­sa, de on­de par­tiu a re­co­men­da­ção no sen­ti­do de os Es­ta­dos ve­rem o que po­de ser fei­to pa­ra ace­le­rar a im­ple­men­ta­ção des­sas me­di­das.

Se­gun­do o mi­nis­tro Fran­cis­co Queiroz, as me­di­das que fo­ram adop­ta­das são de na­tu­re­za ins­ti­tu­ci­o­nal e fi­nan­cei­ra. Por um la­do, o co­mi­té de mi­nis­tros pre­ten­de ver re­for­ça­dos os ins­tru­men­tos de con­tro­lo de mo­do a tor­nar mais efi­caz o com­ba­te à ex­plo­ra­ção ile­gal de mi­ne­rais, ba­si­ca­men­te o ou­ro, a cas­si­te­ri­te (es­ta­nho), o col­tan e as ter­ras ra­ras.

An­go­la ain­da não ex­plo­ra qual­quer um des­tes mi­ne­rais, dis­se o mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, an­tes de fa­zer uma res­sal­va: “Den­tro de pou­co tem­po co­me­ça­re­mos com a ex­plo­ra­ção do ou­ro”. Fran­cis­co Queiroz re­fe­ria-se à ex­plo­ra­ção in­dus­tri­al de ou­ro nas mi­nas de Mpo­po, na pro­vín­cia da Huí­la.

Além do re­for­ço dos me­ca­nis­mos de con­tro­lo da ex­plo­ra­ção ile­gal de re­cur­sos na­tu­rais, o co­mi­té de mi­nis­tros adop­tou me­di­das de ca­rác­ter fi­nan­cei­ro, prin­ci­pal­men­te no que res­pei­ta à au­to­no­mia fi­nan­cei­ra do ór­gão de im­ple­men­ta­ção des­sas me­di­das, que so­bre­vi­ve de do­a­ções de par­cei­ros.

“Quem ge­re is­so é o se­cre­ta­ri­a­do exe­cu­ti­vo da CIRGL, mas te­mos um sub-co­mi­té só pa­ra as mi­nas por­que é um sec­tor mui­to im­por­tan­te e com um cer­to grau de de­li­ca­de­za acen­tu­a­do. Es­te co­mi­té vai pas­sar a ter um or­ça­men­to pró­prio e não fi­car de­pen­den­te dos do­a­do­res que tam­bém têm os seus in­te­res­ses por trás, e nes­tas ques­tões de re­cur­sos na­tu­rais pre­ci­sa­mos de ter al­gum cui­da­do.”

Na reu­nião de Braz­za­vil­le fo­ram de­fi­ni­das quo­tas pa­ra ca­da um dos Es­ta­dos mem­bros, na pro­por­ção das con­tri­bui­ções de ca­da um dos paí­ses pa­ra o fun­ci­o­na­men­to da CIRGL. Se­gun­do o mi­nis­tro, a im­ple­men­ta­ção des­sas de­ci­sões de­ve­rão ser ava­li­a­das nu­ma pró­xi­ma reu­nião em De­zem­bro ou em Ja­nei­ro pró­xi­mo.

A reu­nião ser­viu pa­ra fa­lar da ex­pe­ri­ên­cia de ca­da um dos Es­ta­dos­mem­bros em ma­té­ria de pro­gres­sos na ex­plo­ra­ção de re­cur­sos na­tu­rais. E o ca­so de An­go­la foi uma vez mais re­fe­ren­ci­a­do co­mo um dos ca­sos de es­tu­do pa­ra os de­mais mem­bros, que se mos­tram ca­da vez mais in­te­res­sa­dos, se­gun­do o mi­nis­tro, em per­ce­ber co­mo o país con­se­guiu re­cons­truir-se com ba­se nos seus pró­pri­os re­cur­sos na­tu­rais.

“De fac­to a nos­sa ex­pe­ri­ên­cia tem si­do mui­to va­lo­ri­za­da pe­los de­mais Es­ta­dos afri­ca­nos, por­que sal­va­guar­da os in­te­res­ses so­be­ra­nos do país em re­la­ção aos re­cur­sos na­tu­rais, em que ou­tros paí­ses afri­ca­nos têm ti­do al­gu­ma di­fi­cul­da­de.”

Se­gun­do Fran­cis­co Queiroz, o fac­to de An­go­la ter op­ta­do por um mo­de­lo que as­sen­ta na pro­pri­e­da­de ori­gi­ná­ria pe­lo Es­ta­do dos re­cur­sos na­tu­rais, faz to­da a di­fe­ren­ça, na me­di­da em que per­mi­te a cri­a­ção de con­ces­si­o­ná­ri­as na­ci­o­nais e ga­ran­tir a pre­sen­ça do Es­ta­do nas ex­plo­ra­ções.

O mi­nis­tro fa­lou tam­bém da im­por­tân­cia da po­lí­ti­ca de en­ga­ja­men­to de em­pre­sá­ri­os na­ci­o­nais pa­ra a ex­plo­ra­ção de re­cur­sos na­tu­rais, atra­vés da con­ces­são de li­cen­ças com as quais os em­pre­sá­ri­os es­ta­be­le­cem par­ce­ri­as com os es­tran­gei­ros pa­ra pro­cu­rar ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra e tec­no­ló­gi­ca. “É sem dú­vi­da uma boa po­lí­ti­ca que nos per­mi­te com os nos­sos re­cur­sos na­tu­rais fa­zer fa­ce aos gran­des de­sa­fi­os que te­mos, e foi com ba­se nes­sa po­lí­ti­ca que re­cons­truí­mos o país”, re­al­çou.

RO­GÉ­RIO TUTI

Mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas Fran­cis­co Queiroz pre­si­diu em Kinsha­sa à reu­nião dos ti­tu­la­res da pas­ta nos Gran­des La­gos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.