O an­go­la­no é ca­paz

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Des­de os pri­mór­di­os da His­tó­ria da hu­ma­ni­da­de, o ho­mem sem­pre in­ven­tou, sem­pre cri­ou, in­de­pen­den­te­men­te da con­di­ção ou épo­ca, ra­zão pe­la qual nin­guém ou ne­nhu­ma so­ci­e­da­de de­vem ser con­si­de­ra­dos alhei­os a es­ta cir­cuns­tân­cia ina­ta do ser hu­ma­no. In­ven­tar é con­di­ção na­tu­ral do ho­mem e is­so de­ve ser en­co­ra­ja­do, em vez de ser en­ca­ra­do, co­mo mui­tas ve­zes su­ce­de, sob o sig­no do char­la­ta­nis­mo, da dú­vi­da e da des­cren­ça.

Ter­mi­nou on­tem na ci­da­de de Nu­rem­ber­ga, Ale­ma­nha, a 68ª edi­ção da fei­ra de cri­a­do­res e in­ven­to­res, em que An­go­la es­te­ve bem re­pre­sen­ta­da com ho­mens e mu­lhe­res cu­ja ar­te e en­ge­nho pas­sam mui­tas ve­zes des­per­ce­bi­dos à so­ci­e­da­de em ge­ral, às em­pre­sas e às fa­mí­li­as, em par­ti­cu­lar.

Te­mos de ad­mi­tir que mui­tas ve­zes, co­mo so­ci­e­da­de, não le­va­mos de­vi­da­men­te a sé­rio os in­ven­to­res e cri­a­do­res que, nas co­mu­ni­da­des, dão nas vis­tas com as su­as no­vi­da­des. Mas da par­te do Es­ta­do há o com­pro­mis­so le­gal e ins­ti­tu­ci­o­nal pa­ra que to­da a ini­ci­a­ti­va no sen­ti­do da in­ven­ção e da cri­a­ção te­nha o de­vi­do acom­pa­nha­men­to e tra­ta­men­to.

“É li­vre a cri­a­ção in­te­lec­tu­al, ar­tís­ti­ca, ci­en­tí­fi­ca e tec­no­ló­gi­ca”, diz o ar­ti­go 43.º, so­bre a li­ber­da­de de cri­a­ção cul­tu­ral e ci­en­tí­fi­ca, da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca, um expediente que com­pro­va a di­men­são que o Es­ta­do an­go­la­no re­ser­va à in­ven­ção, cri­a­ção e ino­va­ção.

Em­bo­ra os nos­sos in­ven­to­res, que con­ce­bem do na­da, e cri­a­do­res, aque­les que par­tem de al­go já exis­ten­te, não se­jam sem­pre le­va­dos a sé­rio, na ver­da­de, “a lei as­se­gu­ra aos au­to­res de in­ven­tos in­dus­tri­ais, pa­ten­tes de in­ven­ções e pro­ces­sos tec­no­ló­gi­cos o pri­vi­lé­gio tem­po­rá­rio pa­ra a sua uti­li­za­ção, bem co­mo a pro­tec­ção às cri­a­ções in­dus­tri­ais, à pro­pri­e­da­de das mar­cas, aos no­mes de em­pre­sas e a ou­tros sig­nos dis­tin­ti­vos, ten­do em vis­ta o in­te­res­se so­ci­al e o de­sen­vol­vi­men­to tec­no­ló­gi­co e eco­nó­mi­co do País”.

O Mi­nis­té­rio da Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia tu­do faz pa­ra que os nos­sos in­ven­to­res e cri­a­do­res con­ti­nu­em de­vi­da­men­te acom­pa­nha­dos, sen­do im­por­tan­te da par­te da­que­les úl­ti­mos a pre­o­cu­pa­ção de in­te­rac­ção com a ins­ti­tui­ção pa­ra, en­tre ou­tros fins, efec­tu­ar o re­gis­to.

Mas não há dú­vi­das de que to­da a so­ci­e­da­de de­ve igual­men­te fa­zer o seu pa­pel, aco­lhen­do as ini­ci­a­ti­vas que in­ci­dam so­bre in­ven­ção ou cri­a­ção en­quan­to vi­as atra­vés das quais a nos­sa so­ci­e­da­de de­ve avan­çar.

Afi­nal, vi­ve­mos uma eta­pa em que o co­nhe­ci­men­to e as idei­as ten­dem a ge­rar um im­pac­to ine­gá­vel no de­sen­vol­vi­men­to das so­ci­e­da­des. Es­ta é uma das ra­zões por via da qual in­sis­ti­mos que, ao la­do dos es­for­ços e ini­ci­a­ti­vas do Es­ta­do, de­vem es­tar igual­men­te o das fa­mí­li­as e em­pre­sas.

Os nos­sos in­ven­to­res e cri­a­do­res de­vem ser es­ti­mu­la­dos a par­tir do seio fa­mi­li­ar pa­ra que, no qua­dro das su­as ini­ci­a­ti­vas pes­so­ais ou de gru­po, con­ti­nu­em na sen­da em que se en­con­tram pa­ra bem de to­da a so­ci­e­da­de.

Há al­gu­mas em­pre­sas an­go­la­nas que acom­pa­nham e, atra­vés do seu em­pe­nho, co­nhe­ce­mos já al­gu­mas apli­ca­ções prá­ti­cas de cri­a­ções an­go­la­nas, que pre­ci­sam de con­ti­nu­ar a ser en­co­ra­ja­das.

Re­la­ti­va­men­te à fei­ra de Nu­rem­ber­ga, uma ini­ci­a­ti­va pri­va­da, tra­ta­se do no­no ano con­se­cu­ti­vo em que in­ven­to­res e cri­a­do­res an­go­la­nos par­ti­ci­pam na­que­le im­por­tan­te en­con­tro de “ca­be­ças pen­san­tes”, ofi­ci­al­men­te de­sig­na­do de “Fei­ra das Idei­as, In­ven­ções e No­vos Pro­du­tos” (si­gla em in­glês pa­ra IENA).

No ano pas­sa­do, in­ven­to­res an­go­la­nos ar­re­ba­ta­ram du­as me­da­lhas de ou­ro, qua­tro de bron­ze a al­gu­mas de pra­ta e es­pe­ra­mos que nes­ta 68ª edi­ção se­jam igual­men­te ca­pa­zes de no­vas dis­tin­ções. Mas ao lon­go dos no­ve anos de par­ti­ci­pa­ção, fo­ram ar­re­ba­ta­das por par­te de in­ven­to­res e cri­a­do­res an­go­la­nos, no to­tal, 48 me­da­lhas.

Co­mo so­ci­e­da­de e Es­ta­do, pre­ci­sa­mos de fa­zer mais pa­ra que os nos­sos in­ven­to­res e cri­a­do­res te­nham con­di­ções pa­ra não de­sis­ti­rem e, fun­da­men­tal­men­te, os as­pi­ran­tes se­jam mo­ti­va­dos. Tra­ta-se de uma apos­ta ne­ces­sá­ria que as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, as em­pre­sas e to­da a so­ci­e­da­de de­ve fa­zer por­que se tra­ta tam­bém de um es­for­ço co­lec­ti­vo pa­ra a bus­ca de so­lu­ções pa­ra os nos­sos pro­ble­mas.

Acre­di­ta­mos to­dos que os nos­sos in­ven­to­res es­tão aten­tos aos prin­ci­pais de­sa­fi­os en­fren­ta­dos pe­la nos­sa so­ci­e­da­de, em­pe­nhan­do-se tam­bém pa­ra, ao seu ní­vel, dar res­pos­tas aos de­sa­fi­os en­fren­ta­dos por An­go­la.

Au­gu­ra­mos que to­dos sai­ba­mos con­ti­nu­ar a es­ti­mu­lar os nos­sos in­ven­to­res e cri­a­do­res por­que a cons­tru­ção de uma so­ci­e­da­de mo­der­na, ca­paz de res­pon­der aos de­sa­fi­os e pro­ble­mas por via da in­ven­ção e cri­a­ção dos seus fi­lhos, pas­sa tam­bém por is­so.

Em vez do char­la­ta­nis­mo, da dú­vi­da e da des­cren­ça com que, mui­tas ve­zes, são en­ca­ra­das as in­ven­ções e cri­a­ções, pre­ci­sa­mos de acre­di­tar mais por­que os an­go­la­nos e an­go­la­nas são ca­pa­zes.

Chu­vas em Lu­an­da

Es­ta­mos já em épo­ca de chu­vas e é bom que a re­co­lha do li­xo con­ti­nue a ser cé­le­re. Te­nho gos­ta­do do tra­ba­lho que tem si­do fei­to pe­las ope­ra­do­ras de re­co­lha de li­xo nos úl­ti­mos tem­pos, em Lu­an­da, sen­do im­por­tan­te que pros­si­gam com es­te seu bom tra­ba­lho nes­ta épo­ca de chu­vas, pa­ra se evi­ta­rem con­cen­tra­ções de re­sí­du­os. Uma efi­ci­en­te re­co­lha de li­xo vai evi­tar que sur­jam do­en­ças. Sei que as au­to­ri­da­des man­da­ram já fa­zer tra­ba­lhos de lim­pe­za nas va­las de dre­na­gem, a fim de se evi­ta­rem pro­ble­mas em tem­po de chu­vas. Os mo­ra­do­res dos di­fe­ren­tes bair­ros de­vem en­tre­tan­to evi­tar fa­zer das va­las de dre­na­gem de­pó­si­tos de li­xo. Se hou­ver li­xo nas va­las, as águas das chu­vas não flu­em, po­den­do daí de­ri­var

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.