CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ELISA PIN­TO AL­FRE­DO DO­MIN­GOS JOAQUINA JOÃO ADÉLIO DA CONCEIÇÃO JE­RÓ­NI­MO SIL­VA

Água com mau chei­ro

Mo­ro no Sa­gra­da Es­pe­ran­ça e no­tei na sexta-fei­ra pas­sa­da que a água que saía da tor­nei­ra ti­nha mau chei­ro. Não sei a que se de­ve es­te mau chei­ro, mas era bom que a Epal ave­ri­guas­se a si­tu­a­ção. É que nós os con­su­mi­do­res fi­ca­mos sem sa­ber se de­ve­mos ou não be­ber a água que nos é for­ne­ci­da. Apro­vei­to es­te es­pa­ço pa­ra in­cen­ti­var os tra­ba­lha­do­res da Epal a con­ti­nu­a­rem a en­vi­dar es­for­ços pa­ra a me­lho­ria do abas­te­ci­men­to de água à po­pu­la­ção em quan­ti­da­de e em qua­li­da­de. A água é in­dis­pen­sá­vel, mas é pre­ci­so ga­ran­tir que es­te pro­du­to che­gue sem­pre ao con­su­mi­dor com qua­li­da­de. inun­da­ções com con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas pa­ra as po­pu­la­ções.

Par­ques in­fan­tis

Eu tam­bém de­fen­do, a exem­plo de ou­tros lei­to­res que já es­cre­ve­ram nes­te es­pa­ço, que os par­ques in­fan­tis não de­vem ser­vir pa­ra es­pec­tá­cu­los mu­si­cais , pri­van­do as cri­an­ças de es­pa­ços que fo­ram cons­truí­dos pa­ra elas. Às cri­an­ças o que é das cri­an­ças. Em mi­nha opi­nião, os par­ques in­fan­tis de­vem ser­vir ex­clu­si­va­men­te as cri­an­ças. Fui há di­as a um par­que in­fan­til com cri­an­ças e de­pa­rei-me com a re­a­li­za­ção nes­te es­pa­ço de um es­pec­tá­cu­lo mu­si­cal, em que não po­di­am en­trar cri­an­ças. As cri­an­ças não po­di­am en­trar num es­pa­ço que lhes es­tá re­ser­va­do. As ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais de­vem to­mar as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra que os par­ques in­fan­tis se­jam um lu­gar pa­ra o la­zer das cri­an­ças e não se­jam trans­for­ma­dos em lo­cais pa­ra far­ras de adul­tos.

O cam­pe­o­na­to de fu­te­bol

Gos­tei mui­to da par­te fi­nal do nos­so cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal de fu­te­bol, tam­bém co­nhe­ci­do por Gi­ra­bo­la. É bom que te­nha­mos cam­pe­o­na­tos com­pe­ti­ti­vos em to­das as mo­da­li­da­des, pa­ra que ha­ja qua­li­da­de. Acre­di­to que os trei­na­do­res con­tri­buí­ram imen­so pa­ra que o cam­pe­o­na­to de fu­te­bol fos­se mui­to com­pe­ti­ti­vo. De­se­jo que o cam­peão na­ci­o­nal se pre­pa­re bem pa­ra as com­pe­ti­ções afri­ca­nas. Te­mos de vol­tar a pra­ti­car fu­te­bol de al­to ní­vel em Áfri­ca.

Já ago­ra, apro­vei­to pa­ra de­se­jar ao Gel­son, do 1º de Agos­to, boa sor­te na sua carreira fu­te­bo­lís­ti­ca em Por­tu­gal, ao ser­vi­ço do Spor­ting. Gel­son é, quan­to a mim, um gran­de jo­ga­dor que po­de evo­luir mui­to.

Os nos­sos clu­bes em An­go­la não po­dem per­der de vis­ta a apos­ta sé­ria nas ca­ma­das jo­vens. O de­sem­pe­nho ex­tra­or­di­ná­rio de Gel­son no 1º de Agos­to per­mi­tiu con­ven­cer mui­tos di­ri­gen­tes des­por­ti­vos de que afi­nal é pos­sí­vel en­con­trar jo­vens jo­ga­do­res an­go­la­nos com ta­len­to. Nin­guém tem dú­vi­da de que Gel­son foi um jo­ga­dor de­ci­si­vo pa­ra o 1º de Agos­to du­ran­te o Gi­ra­bo­la. O nú­me­ro de go­los que mar­cou diz bem da sua qua­li­da­de de “ma­ta­dor”. Tem de aca­bar o há­bi­to de só se olhar pa­ra o mer­ca­do es­tran­gei­ro, quan­do se quer con­tra­tar bons jo­ga­do­res. Te­mos de pas­sar tam­bém a olhar pa­ra o mer­ca­do in­ter­no.

Au­las de al­fa­be­ti­za­ção

Te­nho mui­tos vi­zi­nhos que es­tão a apren­der a ler e a es­cre­ver. Mui­tos de­les têm mais de cin­quen­ta anos de ida­de. São vá­ri­as as ra­zões que le­vam pes­so­as des­ta ida­de a ir às au­las de Al­fa­be­ti­za­ção. Umas que­rem ler a Bí­blia, ou­tras de­se­jam fa­zer bem as con­tas, por cau­sa dos seus ne­gó­ci­os, ou­tras ain­da pre­ten­dem ter uma for­ma­ção mé­dia.

CASIMIRO PEDRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.