Vi­et­na­me acei­ta a re­a­ber­tu­ra de uma uni­ver­si­da­de ca­tó­li­ca

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ERIC SAN JU­AN

Após qua­tro dé­ca­das de proi­bi­ção e lon­gas ne­go­ci­a­ções, o re­gi­me co­mu­nis­ta do Vi­et­na­me per­mi­tiu à Igre­ja Ca­tó­li­ca abrir a sua pri­mei­ra uni­ver­si­da­de no país, o Ins­ti­tu­to Ca­tó­li­co.

A inau­gu­ra­ção do cen­tro em Ho Chi Mi­nh de­no­ta a apro­xi­ma­ção do Va­ti­ca­no às au­to­ri­da­des vi­et­na­mi­tas nos úl­ti­mos tem­pos e che­ga cin­co anos de­pois de a Con­fe­rên­cia Epis­co­pal o so­li­ci­tar em car­ta pas­to­ral.

A uni­ver­si­da­de abriu as su­as por­tas em Se­tem­bro com o ob­jec­ti­vo de “apri­mo­rar o co­nhe­ci­men­to te­o­ló­gi­co e a ca­pa­ci­da­de de to­dos os sa­cer­do­tes, re­li­gi­o­sos e lai­cos”, se­gun­do o bis­po e rei­tor do Ins­ti­tu­to, Jo­seph Din Duc Dao, no dis­cur­so inau­gu­ral.

Os bis­pos vi­et­na­mi­tas pe­di­am que o go­ver­no abris­se a por­ta pa­ra “pes­so­as re­li­gi­o­sas de boa von­ta­de que de­se­jam en­vol­ver-se com a edu­ca­ção” e o pri­mei­ro fru­to foi es­ta fa­cul­da­de.

“É um so­nho pa­ra a Igre­ja no Vi­et­na­me. An­tes de 1975, eram du­as uni­ver­si­da­des ca­tó­li­cas no país e uma Uni­ver­si­da­de Pon­ti­fí­cia. De lá pa­ra cá, a edu­ca­ção pas­sou a per­ten­cer ao go­ver­no”, ex­pli­cou à Agên­cia Efe Anthony Nguyen Cao Si­eu, pa­dre e pro­fes­sor do cen­tro.

O Ins­ti­tu­to Ca­tó­li­co, ins­ta­la­do tem­po­ra­ri­a­men­te na se­de da Con­fe­rên­cia Epis­co­pal do Vi­et­na­me, nu­ma vi­la pró­xi­ma do cen­tro da ci­da­de, ofe­re­ce es­tu­dos de Te­o­lo­gia aos seus 19 es­tu­dan­tes (a mai­o­ria se­mi­na­ris­tas), mas acre­di­ta que am­pli­a­rá a ofer­ta de va­gas no fu­tu­ro.

“Es­pe­ra­mos abrir mais fa­cul­da­des, mas pri­mei­ro te­mos que en­con­trar um ter­re­no gran­de num lu­gar ade­qua­do pa­ra as nos­sas ins­ta­la­ções, e ter o di­nhei­ro pa­ra com­prá-lo. Tam­bém pre­ci­sa­mos de bons pro­fes­so­res ca­tó­li­cos de to­das as áre­as, mui­tos de­les tra­ba­lham ago­ra em uni­ver­si­da­des públicas”, diz Si­eu.

O Vi­et­na­me do Sul man­te­ve-se pró­xi­mo da Igre­ja Ca­tó­li­ca du­ran­te os seus 20 anos de exis­tên­cia (1955-1975) e con­tou com mais de 2 mil cen­tros edu­ca­ci­o­nais até 1975, quan­do o Vi­et­na­me do Nor­te ga­nhou a gu­er­ra e o país se reu­ni­fi­cou.

O ca­to­li­cis­mo, com mais de 6 mi­lhões de fiéis (o se­gun­do mai­or do país, de­pois do bu­dis­mo), não foi proi­bi­do, mas as re­la­ções di­plo­má­ti­cas com a San­ta Sé fo­ram rom­pi­das e a Igre­ja viu-se for­ça­da a dei­xar to­dos os seus ins­ti­tu­tos, que pas­sa­ram a ser ad­mi­nis­tra­dos pe­lo go­ver­no.

O ca­to­li­cis­mo vi­veu os seus mo­men­tos mais di­fí­ceis du­ran­te as du­as pri­mei­ras dé­ca­das do re­gi­me co­mu­nis­ta, quan­do eram fre­quen­tes as pri­sões de sa­cer­do­tes. As re­la­ções fo­ram me­lho­ran­do a par­tir dos anos 90, quan­do o re­gi­me apli­cou uma sé­rie de re­for­mas eco­nó­mi­cas e po­lí­ti­cas que o le­va­ram a abrir-se ao co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal.

Es­sa apro­xi­ma­ção per­mi­tiu nos úl­ti­mos anos a cri­a­ção de jar­dins da in­fân­cia ad­mi­nis­tra­dos por frei­ras, es­pe­ci­al­men­te em áre­as re­mo­tas ou es­pe­ci­al­men­te afec­ta­das pe­la po­bre­za.

O go­ver­no tam­bém acei­tou a cri­a­ção de es­co­las de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal di­ri­gi­das pe­la or­dem dos Sa­le­si­a­nos em vá­ri­as pro­vín­ci­as e de­vol­veu à Igre­ja a li­ber­da­de ple­na pa­ra es­co­lher os seus can­di­da­tos nos se­mi­ná­ri­os.

Em­bo­ra o Vi­et­na­me e o Va­ti­ca­no con­ti­nu­em sem man­ter re­la­ções di­plo­má­ti­cas, nos úl­ti­mos anos ocor­re­ram vi­si­tas dos lí­de­res do Par­ti­do Co­mu­nis­ta à San­ta Sé.

Em 2014, o pa­pa Fran­cis­co re­ce­beu Nguyen Tan Dung, à épo­ca pri­mei­ro-mi­nis­tro vi­et­na­mi­ta, um ano de­pois de o se­cre­tá­rio-ge­ral do Par­ti­do Co­mu­nis­ta, Nguyen Phu Trong, vi­si­tar Ben­to XVI.

A aber­tu­ra da uni­ver­si­da­de ca­tó­li­ca acon­te­ceu num mo­men­to em que a As­sem­bleia Na­ci­o­nal de­ba­tia uma no­va lei pa­ra re­gu­la­men­tar os cul­tos re­li­gi­o­sos.

De­pois das Fi­li­pi­nas, o Vi­et­na­me é o se­gun­do país da Ásia com o mai­or nú­me­ro de adep­tos do ca­to­li­cis­mo, re­li­gião pre­sen­te no país des­de a che­ga­da dos pri­mei­ros mis­si­o­ná­ri­os por­tu­gue­ses no sé­cu­lo 15.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.