MA­RI­A­NO RA­JOY FOI EMPOSSADO CO­MO PRI­MEI­RO-MI­NIS­TRO Es­pa­nha vol­ta a ter go­ver­no elei­to

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Ma­ri­a­no Ra­joy, in­ves­ti­do sá­ba­do pe­lo Par­la­men­to es­pa­nhol pa­ra a che­fia do exe­cu­ti­vo, vai anun­ci­ar na quin­ta-fei­ra a com­po­si­ção do fu­tu­ro go­ver­no es­pa­nhol, ha­ven­do gran­de ex­pec­ta­ti­va em tor­no dos no­mes que vão ser es­co­lhi­dos pa­ra o fu­tu­ro elen­co go­ver­na­ti­vo.

Ra­joy ob­te­ve 170 vo­tos “sim”, vin­dos do seu par­ti­do, do Ci­da­dãos (C’s, cen­tro li­be­ral), da Co­li­ga­ção Ca­ná­ria (CC, na­ci­o­na­lis­tas mo­de­ra­dos) e de ou­tras for­ma­ções re­gi­o­nais, e 111 vo­tos “não”, emi­ti­dos pe­lo res­to do ar­co par­la­men­tar.

A vi­tó­ria de Ra­joy foi ob­ti­da gra­ças à abs­ten­ção da gran­de mai­o­ria (68) dos de­pu­ta­dos do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Ope­rá­rio Es­pa­nhol (PSOE, so­ci­al-de­mo­cra­ta), que obe­de­ceu ao ema­na­do do Co­mi­té Fe­de­ral do par­ti­do. Não obs­tan­te, 15 de­pu­ta­dos des­ta for­ma­ção fu­ra­ram a dis­ci­pli­na par­ti­dá­ria, con­tra­ri­an­do a Co­mis­são Ges­to­ra que di­ri­ge os so­ci­a­lis­tas des­de a de­mis­são de Pedro Sán­chez e vo­tan­do “não” à in­ves­ti­du­ra de Ra­joy.

Ma­ri­a­no Ra­joy, 61 anos, é pre­si­den­te do Go­ver­no des­de 2011, quan­do foi elei­to de­pois do Par­ti­do Po­pu­lar (PP) ga­nhar com uma mai­o­ria ab­so­lu­ta as elei­ções ao PSOE. O lí­der do PP to­mou pos­se co­mo che­fe do go­ver­no on­tem à tar­de, mo­men­tos de­pois do Rei Fi­li­pe VI ter re­gres­sa­do de Car­ta­ge­na das Ra­joy anun­cia quin­ta-fei­ra os no­mes es­co­lhi­dos pa­ra o elen­co go­ver­na­men­tal Ín­di­as, Colôm­bia, on­de par­ti­ci­pou na XXV Ci­mei­ra Ibe­ro-Ame­ri­ca­na.

O can­di­da­to de di­rei­ta vai ago­ra go­ver­nar apoi­a­do por uma mi­no­ria no Con­gres­so dos De­pu­ta­dos (Par­la­men­to) ten­do-se já ma­ni­fes­ta­do “cons­ci­en­te do que is­so sig­ni­fi­ca” e dis­pos­to a pe­dir a co­la­bo­ra­ção de ou­tros par­ti­dos, prin­ci­pal­men­te ao Ci­da­dãos e ao PSOE. Ma­ri­a­no Ra­joy as­se­gu­rou an­tes da vo­ta­ção dos de­pu­ta­dos que iria “cor­ri­gir tu­do o que me­re­ça cor­rec­ção, me­lho­rar tu­do o que me­re­ça ser me­lho­ra­do e ce­der em tu­do o que se­ja ra­zoá­vel”, mas não “der­ru­bar tu­do o que foi cons­truí­do”.

O che­fe do gru­po par­la­men­tar do PSOE, An­tó­nio Her­nan­do, avi­sou sá­ba­do Ma­ri­a­no Ra­joy de que os so­ci­a­lis­tas vão vi­gi­ar ca­da pas­so que es­te der e que irão apro­var ini­ci­a­ti­vas que con­si­de­rem ne­ces­sá­ri­as. No iní­cio da tar­de de sá­ba­do, o ex-lí­der do PSOE, Pedro Sán­chez, re­nun­ci­ou ao lu­gar de de­pu­ta­do pa­ra evi­tar a obri­ga­ção de res­pei­tar a dis­ci­pli­na de vo­to do seu par­ti­do e abs­ter-se na vo­ta­ção.

A mu­dan­ça de po­si­ção do PSOE foi mui­to cri­ti­ca­da por to­da a ex­tre­ma-esquerda reu­ni­da na co­li­ga­ção Uni­dos Po­de­mos que, ape­sar de ter me­nos de­pu­ta­dos do que os so­ci­a­lis­tas, quer li­de­rar a opo­si­ção a Ra­joy a par­tir de ago­ra.

Os so­ci­a­lis­tas es­tão mui­to di­vi­di­dos, ten­do-se Pedro Sán­chez de­mi­ti­do em 1 de Ou­tu­bro por não con­cor­dar com a mai­o­ria do seu par­ti­do que de­ci­diu que o PSOE se de­via abs­ter pa­ra evi­tar umas ter­cei­ras elei­ções no es­pa­ço de um ano.

Na pri­mei­ra vo­ta­ção de in­ves­ti­du­ra, na quin­ta-fei­ra, a can­di­da­tu­ra de Ma­ri­a­no Ra­joy foi chum­ba­da pe­los mes­mos 170 vo­tos a fa­vor e 180 con­tra de to­da a esquerda (in­cluí­do o PSOE) e par­ti­dos re­gi­o­nais.

O PP foi o par­ti­do mais vo­ta­do, mas sem con­se­guir a mai­o­ria ab­so­lu­ta, tan­to nas elei­ções que se re­a­li­za­ram a 20 de De­zem­bro de 2015 co­mo nas elei­ções de 26 de Ju­nho em que au­men­tou a per­cen­ta­gem de vo­tan­tes e o nú­me­ro de de­pu­ta­dos. O PP te­ve em Ju­nho 33 por cen­to dos vo­tos e 137 de­pu­ta­dos, se­gui­do pe­lo PSOE com 22,7 por cen­to e 85 de­pu­ta­dos, Uni­dos Po­de­mos com 21,1 por cen­to e 71 de­pu­ta­dos, e Ci­da­dãos com 13 por cen­to e 32 de­pu­ta­dos.

O Con­se­lho da Eu­ro­pa vol­tou a aler­tar a Tur­quia con­tra o res­ta­be­le­ci­men­to da pe­na de mor­te, lem­bran­do que es­ta me­di­da é in­com­pa­tí­vel com a en­tra­da do país na or­ga­ni­za­ção eu­ro­peia. “Apli­car a pe­na de mor­te é in­com­pa­tí­vel com a per­ma­nên­cia no Con­se­lho da Eu­ro­pa”, lem­brou o por­ta-voz do Con­se­lho, de­pois de o pre­si­den­te Er­do­gan ter con­fir­ma­do o en­vio da pro­pos­ta de lei ao par­la­men­to pa­ra apro­va­ção.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.