Ma­nu­el Vi­cen­te e Te­mer têm en­con­tro em Bra­sí­lia

An­tó­nio Gu­ter­res agra­de­ce “apoio de­ci­si­vo” da­do por Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos pa­ra a sua elei­ção

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO DI­AS | Bra­sí­lia

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, e o Pre­si­den­te do Bra­sil, Mi­chel Te­mer, ti­ve­ram on­tem um en­con­tro, no Pa­lá­cio do Pla­nal­to, se­de da Pre­si­dên­cia bra­si­lei­ra, à margem da XI Cimeira dos Chefes de Es­ta­do e de Go­ver­no da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa, que de­cor­re até ho­je em Bra­sí­lia.

Ma­nu­el Vi­cen­te, que re­pre­sen­ta na Cimeira o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, te­ve ain­da en­con­tros se­pa­ra­dos com o Che­fe de Es­ta­do por­tu­guês, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, e com o fu­tu­ro Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das, An­tó­nio Gu­ter­res.

O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, que tam­bém es­tá em Bra­sí­lia, anun­ci­ou que téc­ni­cos bra­si­lei­ros e an­go­la­nos de­vem reu­nir-se bre­ve­men­te pa­ra, em con­jun­to, equa­ci­o­na­rem ques­tões re­la­ci­o­na­das com a con­clu­são da bar­ra­gem de Laú­ca, que con­ta com fi­nan­ci­a­men­to do Bra­sil.

A in­for­ma­ção foi avan­ça­da pe­lo mi­nis­tro an­go­la­no na noi­te de do­min­go, em Bra­sí­lia, após um en­con­tro com o seu ho­mó­lo­go bra­si­lei­ro, Jo­sé Ser­ra.

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, foi re­ce­bi­do na ma­nhã de on­tem, em Bra­sí­lia, pe­lo Che­fe de Es­ta­do por­tu­guês, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa. O en­con­tro de­cor­reu no Ho­tel Royal Tu­lip.

Ain­da on­tem, ho­ras de­pois, Ma­nu­el Vi­cen­te tam­bém foi re­ce­bi­do, no Pa­lá­cio do Pla­nal­to, pe­lo Pre­si­den­te bra­si­lei­ro, Mi­chel Te­mer, que, na sequên­cia, te­ve um ou­tro en­con­tro com o seu ho­mó­lo­go por­tu­guês.

Não fo­ram for­ne­ci­dos da­dos so­bre os te­mas abor­da­dos du­ran­te os dois en­con­tros. As du­as au­di­ên­ci­as ocor­re­ram à margem da Cimeira dos Chefes de Es­ta­do e de Go­ver­no que te­ve iní­cio on­tem à tar­de, em Bra­sí­lia (noi­te em An­go­la), no Pa­lá­cio do Ita­ma­raty (se­de da di­plo­ma­cia bra­si­lei­ra). A cimeira foi an­te­ce­di­da pe­la reu­nião dos mi­nis­tros das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res.

An­go­la re­a­fir­mou on­tem, em Bra­sí­lia, o com­pro­mis­so po­lí­ti­co de re­for­çar o me­ca­nis­mo de co­mu­ni­ca­ção ori­en­ta­da pa­ra a apro­xi­ma­ção da Co­mu­ni­da­de de Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP) aos ci­da­dãos e apro­fun­dar a co­o­pe­ra­ção bi, tri e mul­ti­la­te­ral, vi­san­do o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, in­clu­si­vo e har­mo­ni­o­so.

Es­ta po­si­ção foi ex­pres­sa pe­lo che­fe da di­plo­ma­cia an­go­la­na, quan­do dis­cur­sa­va no de­ba­te po­lí­ti­co do XXI Con­se­lho de Mi­nis­tros da CPLP. Na oca­sião, Ge­or­ges Chi­ko­ti afir­mou que An­go­la pre­ten­de, igual­men­te, re­for­çar a pro­mo­ção de po­lí­ti­cas di­rec­ci­o­na­das à igual­da­de de gé­ne­ro e ao em­po­de­ra­men­to da mu­lher, as­sen­tes na jus­ti­ça so­ci­al, no res­pei­to dos di­rei­tos hu­ma­nos e no in­te­res­se dos po­vos da co­mu­ni­da­de.

Um ou­tro de­sa­fio da or­ga­ni­za­ção, dis­se, é tor­nar a sua es­tru­tu­ra fun­ci­o­nal, ca­paz de res­pon­der mais efi­caz­men­te às exi­gên­ci­as das au­to­ri­da­des na­ci­o­nais, ten­do em con­ta a no­va di­nâ­mi­ca da di­plo­ma­cia pro­ac­ti­va no re­for­ço da co­o­pe­ra­ção mul­ti­la­te­ral, as­sen­te no in­te­res­se dos seus po­vos ao de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel e har­mo­ni­o­so, em con­for­mi­da­de com os pos­tu­la­dos da De­cla­ra­ção Cons­ti­tu­ti­va da CPLP. “Es­ta­mos aqui pa­ra par­ti­lhar mo­men­tos de re­fle­xão so­bre co­mo po­de­re­mos me­lhor con­tri­buir pa­ra o fu­tu­ro da nos­sa or­ga­ni­za­ção”, fri­sou Ge­or­ges Chi­ko­ti, pa­ra quem, vol­vi­dos 20 anos da sua cri­a­ção, a CPLP apre­sen­ta-se co­mo uma co­mu­ni­da­de plu­ral, en­ri­que­ci­da pe­la di­ver­si­da­de e uni­da em tor­no do fac­tor lin­guís­ti­co co­mum.

Pe­ran­te os seus ho­mó­lo­gos, o mi­nis­tro an­go­la­no das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res vol­tou a de­fen­der que a “No­va Vi­são Es­tra­té­gi­ca da CPLP” pa­ra o fu­tu­ro da or­ga­ni­za­ção de­ve do­tar tam­bém a or­ga­ni­za­ção de uma es­tra­té­gia no âm­bi­to da co­o­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca, em­pre­sa­ri­al e da iden­ti­fi­ca­ção de pos­sí­veis me­ca­nis­mos pa­ra a atrac­ção de in­ves­ti­men­to e ne­gó­ci­os no es­pa­ço co­mu­ni­tá­rio, além da va­lo­ri­za­ção da di­men­são do por­tu­guês, co­mo lín­gua de co­nhe­ci­men­to e de ino­va­ção.

Ge­or­ges Chi­ko­ti sau­dou a ini­ci­a­ti­va do Bra­sil pe­lo te­ma pro­pos­to, “A CPLP e a Agen­da 2030 pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel” que con­si­de­rou glo­bal, pois co­bre não só o fim da po­bre­za e a re­du­ção das de­si­gual­da­des, mas tam­bém a ga­ran­tia de sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bi­en­tal e a cons­tru­ção de ins­ti­tui­ções efec­ti­vas, res­pon­sá­veis e in­clu­si­vas, em to­dos os ní­veis.

O mi­nis­tro re­al­çou os pro­gres­sos al­can­ça­dos pe­los Es­ta­dos-mem­bros da CPLP na lu­ta con­tra a fo­me, na ex­pan­são da edu­ca­ção, na pro­mo­ção do em­po­de­ra­men­to de gé­ne­ro, bem co­mo no re­for­ço da par­ce­ria in­ter­na­ci­o­nal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to. No ca­so par­ti­cu­lar de An­go­la, su­bli­nhou que o Pro­gra­ma Ali­men­tar Mun­di­al (PAM), a Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Ali­men­ta­ção e a Agri­cul­tu­ra (FAO) e o Fun­do In­ter­na­ci­o­nal pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to Agrí­co­la (FIDA) con­fir­ma­ram o êxi­to de An­go­la ao al­can­çar o pri­mei­ro ob­jec­ti­vo do de­sen­vol­vi­men­to do mi­lé­nio: a re­du­ção pa­ra me­ta­de da pro­por­ção de pes­so­as com fo­me.

O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res re­pu­tou de im­pe­ri­o­sa a ne­ces­si­da­de de os Es­ta­dos-mem­bros da CPLP pri­ma­rem por va­lo­res de in­te­res­se co­mum ca­pa­zes de con­tri­buí­rem pa­ra o re­lan­ça­men­to das su­as res­pec­ti­vas eco­no­mi­as, a ele­va­ção do ní­vel de vi­da dos seus po­vos, dan­do res­pos­ta aos de­sa­fi­os do mun­do glo­bal ac­tu­al, tais co­mo os di­rei­tos hu­ma­nos, as mi­gra­ções, o co­mér­cio, as gran­des pan­de­mi­as e a se­gu­ran­ça, en­tre ou­tros.

No pla­no po­lí­ti­co in­ter­na­ci­o­nal, Chi­ko­ti fa­lou da si­tu­a­ção po­lí­ti­ca na Gui­né-Bis­sau, ten­do re­al­ça­do a as­si­na­tu­ra do Acor­do de Co­na­cry, ce­le­bra­do a 14 de Ou­tu­bro de 2016, co­mo pri­mei­ra eta­pa do ro­tei­ro de seis pon­tos adop­ta­do a 10 de Se­tem­bro de 2016, por ini­ci­a­ti­va da mis­são da CEDEAO (Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca de De­sen­vol­vi­men­to dos Es­ta­dos da Áfri­ca Oci­den­tal). O Acor­do de Co­na­cry vi­sa a for­ma­ção de um no­vo Go­ver­no in­clu­si­vo, no qual de­vem par­ti­ci­par as prin­ci­pais forças po­lí­ti­cas do país, pa­ra a es­ta­bi­li­za­ção po­lí­ti­ca, a con­se­quen­te con­so­li­da­ção do Es­ta­do de Di­rei­to De­mo­crá­ti­co e a pro­mo­ção do de­sen­vol­vi­men­to do país.

Gu­ter­res vol­ta a agra­de­cer

O no­vo Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das, An­tó­nio Gu­ter­res, vol­tou a agra­de­cer on­tem, em Bra­sí­lia, o “apoio de­ci­si­vo de An­go­la” e o “em­pe­nho pes­so­al do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca”, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, pa­ra a sua elei­ção ao ca­dei­rão má­xi­mo da ONU.

“Se ho­je sou Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das, em gran­de me­di­da, foi gra­ças ao apoio de An­go­la e à ac­ção ex­tre­ma­men­te de­ci­si­va de An­go­la no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, e, atra­vés da di­plo­ma­cia an­go­la­na jun­to de mui­tos ou­tros paí­ses. Qu­e­ro aqui dei­xar ao Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, ao Go­ver­no e ao po­vo an­go­la­no uma pa­la­vra de gran­de agra­de­ci­men­to”, dis­se An­tó­nio Gu­ter­res, mo­men­tos após ter sau­da­do o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, no Hall do Ho­tel Royal Tu­lip, on­de de­cor­reu o en­con­tro com Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa.

O an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês e ex-al­to co­mis­sá­rio das Na­ções Uni­das pa­ra os Re­fu­gi­a­dos ma­ni­fes­tou a sua sa­tis­fa­ção pe­lo fac­to de, 20 anos de­pois da sua fun­da­ção, a CPLP con­ti­nu­ar vi­va e ser “um pi­lar da or­dem in­ter­na­ci­o­nal.”

So­bre o que o con­ti­nen­te afri­ca­no po­de es­pe­rar do no­vo Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU, An­tó­nio Gu­ter­res dis­se ser pri­o­ri­da­de es­sen­ci­al o seu de­sen­vol­vi­men­to, a Agen­da 20-30, que em seu en­ten­der tem que se ali­nhar per­fei­ta­men­te com a Agen­da de 2063 da União Afri­ca­na. Além dis­so, re­fe­riu, é pri­o­ri­da­de olhar pa­ra a paz, a sua cons­tru­ção e a co­la­bo­ra­ção mui­to ín­ti­ma com to­dos os ór­gãos das na­ções afri­ca­nas.

An­tó­nio Gu­ter­res des­ta­cou a im­por­tân­cia do te­ma da reu­nião da CPLP que es­tá re­la­ci­o­na­da com a Agen­da 20-30, um te­ma cen­tral na co­o­pe­ra­ção en­tre as Na­ções Uni­das e a co­mu­ni­da­de lu­só­fo­na. “Es­pe­ro que a CPLP, co­mo to­das as or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais, te­nha um pa­pel mui­to im­por­tan­te no sen­ti­do da ques­tão dos di­rei­tos hu­ma­nos se trans­for­mar num pon­to es­sen­ci­al da agen­da in­ter­na­ci­o­nal”, su­bli­nhou Gu­ter­res.

O no­vo Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das, que en­tra em fun­ções a 1 de Ja­nei­ro de 2017, dis­se acre­di­tar que a CPLP vai exer­cer um pa­pel mui­to im­por­tan­te so­bre os pas­sos a se­rem da­dos em ma­té­ria de di­rei­tos hu­ma­nos na Gui­né Equa­to­ri­al.

MOTA AMBRÓSIO | BRA­SÍ­LIA

Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Ma­nu­el Vi­cen­te du­ran­te o en­con­tro no Pa­lá­cio do Pla­nal­to com o Pre­si­den­te Mi­chel Te­mer

MOTA AMBRÓSIO | BRA­SÍ­LIA

Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca foi re­ce­bi­do pe­lo Che­fe de Es­ta­do bra­si­lei­ro à margem da Cimeira da CPLP que de­cor­re des­de on­tem em Bra­sí­lia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.