Ac­to­res do Nai fa­lam de hi­gi­e­ne e se­xo em pe­ça

Jornal de Angola - - CULTURA - MA­NU­EL ALBANO|

“Com ca­mi­si­nha ou sem ca­mi­si­nha” é te­ma de uma pe­ça de te­a­tro que vai ser apre­sen­ta­da ama­nhã, às 20 h00, na Li­ga Afri­ca­na, pe­lo gru­po Nai, cu­ja abor­da­gem des­ta­ca a hi­gi­e­ne se­xu­al.

A in­fi­de­li­da­de no seio de jo­vens ca­sais, de acor­do com o en­ce­na­dor Mis­ter Nack, tam­bém é re­tra­ta­da na pe­ça em que Oc­tá­vio, ca­sa­do com Su­la­mi­ta, trans­por­ta os seus ví­ci­os da vi­da de sol­tei­ro pa­ra o ca­sa­men­to, um com­por­ta­men­to cau­sa­dor de mui­tos pro­ble­mas no lar.

Agas­ta­da com a ati­tu­de do ma­ri­do e as hu­mi­lha­ções que tem so­fri­do, Su­la­mi­ta de­ci­de con­tar ao ma­ri­do os pi­o­res se­gre­dos da sua vi­da, dei­xan­do-o aba­la­do até se ins­tau­rar a ins­ta­bi­li­da­de.

A pe­ça tem a du­ra­ção de uma ho­ra, e além da in­fi­de­li­da­de con­ju­gal tra­ta da vi­o­lên­cia do­més­ti­ca e lu­ta con­tra o HIV/Si­da.

O gru­po Nai é for­ma­do por 16 in­te­gran­tes, tem no seu re­per­tó­rio as pe­ças “Ati­tu­des de uma virgem”, “Re­ve­la­ção do mi­lé­nio”, “Már­ti­res da in­de­pen­dên­cia”, e tem en­ce­na­do com frequên­cia te­mas his­tó­ri­cos e so­ci­ais tais co­mo vi­o­lên­cia do­més­ti­ca e abu­so se­xu­al.

O gru­po par­ti­ci­pa, de 9 a 13, no Fes­te­a­tro Di­pan­da, na pro­vín­cia do Na­mi­be, sob or­ga­ni­za­ção do gru­po “Omwe­nho Te­a­tro”.

Fun­da­do a 18 de Ou­tu­bro de 2007, na Es­co­la do Pu­niv, o gru­po par­ti­ci­pou, re­cen­te­men­te, no Fes­te­a­tro do Me­non­gue, re­a­li­za­do pe­lo Nú­cleo de Ar­tes Estrela em Pal­co, no Fes­te­be, em Ben­gue­la, re­a­li­za­do pe­lo gru­po de te­a­tro Tweya, além de ou­tros fes­ti­vais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.