Tou­a­dé­ra agra­de­ce apoio

PRE­SI­DEN­TE JO­SÉ EDUARDO DOS SAN­TOS RE­CE­BE HOMÓLOGO DA RCA

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA RO­SA e CÂN­DI­DO BESSA |

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na (RCA), Faus­tin Tou­a­dé­ra, agra­de­ceu on­tem o apoio de­ci­si­vo do Pre­si­den­te Jo­sé Eduardo dos San­tos no pro­ces­so de pa­ci­fi­ca­ção do seu país, re­co­nhe­cen­do An­go­la co­mo um exem­plo a se­guir por quem vi­veu si­tu­a­ções de con­fli­to in­ter­no. Faus­tin Tou­a­dé­ra,que con­cluiu on­tem uma vi­si­ta de Es­ta­do a An­go­la, con­vi­dou o seu homólogo a vi­si­tar a Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na. O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Eduardo dos San­tos, elo­gi­ou o êxi­to do pro­ces­so po­lí­ti­co da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, cu­jo mé­ri­to atri­buiu à “ac­ção con­cer­ta­da das di­ver­sas for­ças in­ter­nas e ao con­tri­bu­to dos go­ver­nos dos paí­ses da Áfri­ca Cen­tral, da União Afri­ca­na, das Na­ções Uni­das e da União Eu­ro­peia”. Ao dis­cur­sar na aber­tu­ra das con­ver­sa­ções en­tre de­le­ga­ções go­ver­na­men­tais, an­tes do en­con­tro pri­va­do que man­te­ve com o seu homólogo cen­tro-afri­ca­no, re­cor­dou que a lin­gua­gem das ar­mas, com que al­guns gru­pos ten­ta­ram en­tão fa­zer va­ler os seus pro­pó­si­tos, ja­mais con­du­ziu a qual­quer so­lu­ção viá­vel. Pe­lo con­trá­rio, dis­se, ela só con­duz à des­trui­ção e a um mai­or au­men­to do so­fri­men­to das po­pu­la­ções. Jo­sé Eduardo dos San­tos tam­bém fez elo­gi­os à pos­tu­ra “aber­ta e di­nâ­mi­ca” de Faus­tin Tou­a­dé­ra, des­de que as­su­miu o car­go de Pre­si­den­te da RCA. “É a mai­or ga­ran­tia de que não fo­ram em vão to­dos os es­for­ços até aqui fei­tos pa­ra a pa­ci­fi­ca­ção, re­con­ci­li­a­ção e a nor­ma­li­za­ção da vi­da po­lí­ti­ca nes­te país”, su­bli­nhou. Pa­ra o Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no, a “ac­ção es­cla­re­ci­da” do Pre­si­den­te Faus­tin Tou­a­dé­ra vai con­du­zir à nor­ma­li­za­ção do fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas na RCA, que é a par de An­go­la, mem­bro da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal dos Gran­des La­gos.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Eduardo dos San­tos, elo­gi­ou o êxi­to do pro­ces­so po­lí­ti­co da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, cu­jo mé­ri­to atri­buiu à “ac­ção con­cer­ta­da das di­ver­sas for­ças in­ter­nas e do con­tri­bu­to dos go­ver­nos dos paí­ses da Áfri­ca Cen­tral, da União Afri­ca­na, das Na­ções Uni­das e da União Eu­ro­peia”.

Ao dis­cur­sar na aber­tu­ra das con­ver­sa­ções en­tre de­le­ga­ções go­ver­na­men­tais, an­tes do en­con­tro pri­va­do que man­te­ve com o seu homólogo cen­tro-afri­ca­no, re­cor­dou que a lin­gua­gem das ar­mas, com que al­guns gru­pos ten­ta­ram en­tão fa­zer va­ler os seus pro­pó­si­tos, ja­mais con­du­ziu a qual­quer so­lu­ção viá­vel. Pe­lo con­trá­rio, dis­se, ela só con­duz à des­trui­ção e a um mai­or au­men­to do so­fri­men­to das po­pu­la­ções.

Jo­sé Eduardo dos San­tos tam­bém fez elo­gi­os à pos­tu­ra “aber­ta e di­nâ­mi­ca” de Faus­tin Tou­a­dé­ra, des­de que as­su­miu o car­go de Pre­si­den­te da RCA. “É a mai­or ga­ran­tia de que não fo­ram em vão to­dos os es­for­ços até aqui fei­tos pa­ra a pa­ci­fi­ca­ção, re­con­ci­li­a­ção e a nor­ma­li­za­ção da vi­da po­lí­ti­ca nes­te país”, su­bli­nhou.

Pa­ra o Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no, a “ac­ção es­cla­re­ci­da” do Pre­si­den­te Faus­tin Tou­a­dé­ra vai con­du­zir à nor­ma­li­za­ção do fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas na RCA. E lem­brou que o êxi­to de qual­quer pro­ces­so po­lí­ti­co, que vi­sa a paz e a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal, as­sen­ta sem­pre na se­ri­e­da­de de pro­pó­si­tos dos an­ta­go­nis­tas, no res­pei­to es­cru­pu­lo­so pe­los acor­dos as­si­na­dos, já que os in­te­res­ses da na­ção de­vem sem­pre es­tar aci­ma dos in­te­res­ses pes­so­ais ou par­ti­dá­ri­os.

Jo­sé Eduardo dos San­tos cha­mou a aten­ção pa­ra o cui­da­do a ter com as po­pu­la­ções des­lo­ca­das das su­as áre­as de ori­gem de­vi­do à ins­ta­bi­li­da­de, mas tam­bém com as mi­no­ri­as re­li­gi­o­sas. O lí­der an­go­la­no acom­pa­nhou de per­to o de­sen­ro­lar do pro­ces­so po­lí­ti­co na RCA e lem­brou que fo­ram pre­ci­sa­men­te as mi­no­ri­as re­li­gi­o­sas as que mais fa­cil­men­te fo­ram in­flu­en­ci­a­das pe­lo ra­di­ca­lis­mo das for­ças re­bel­des, que tra­ta­ram de pôr em cau­sa a au­to­ri­da­de do go­ver­no cen­tral so­bre to­do o território da RCA.

Co­bi­ça­do e res­pei­ta­do

An­go­la é um “gi­gan­te ad­mi­ra­do, co­bi­ça­do e res­pei­ta­do por to­dos”, dis­se on­tem, em Lu­an­da, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, Ar­chan­ge Tou­a­dé­ra, num dis­cur­so que abriu as con­ver­sa­ções en­tre de­le­ga­ções go­ver­na­men­tais dos dois paí­ses, na sa­la de reu­niões do Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al da Ci­da­de Al­ta. “Es­tou cá co­mo um alu­no na es­co­la pa­ra ins­pi­rar-me na vos­sa gran­de ex­pe­ri­ên­cia”, afir­mou Ar­chan­ge Tou­a­dé­ra, di­ri­gin­do-se ao Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no, a quem re­co­nhe­ceu um pa­pel de­ci­si­vo pa­ra que o seu país se re­er­gues­se após o pe­río­do “con­tur­ba­do e di­fí­cil” que vi­veu du­ran­te vá­ri­os anos.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na afir­mou mes­mo que An­go­la ser­ve de mo­de­lo pa­ra o seu país, pe­la for­ma co­mo sou­be mos­trar ao mun­do a von­ta­de do seu po­vo em vi­rar a pá­gi­na de um pas­sa­do som­brio e pa­ra ser o que é ho­je: “um gi­gan­te ad­mi­ra­do, co­bi­ça­do e ao mes­mo tem­po res­pei­ta­do por to­da a gen­te”. Elei­to em Fe­ve­rei­ro des­te ano, em elei­ções que mar­ca­ram o fim de um lon­go pro­ces­so de tran­si­ção po­lí­ti­ca, Tou­a­dé­ra ad­mi­tiu que a si­tu­a­ção na RCA “ain­da é frá­gil”, mas que vi­ve ul­ti­ma­men­te al­gu­ma tran­qui­li­da­de gra­ças a uma “vas­ta efu­são de solidariedade”, que en­vol­veu or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais e re­gi­o­nais e par­cei­ros bi­la­te­rais co­mo An­go­la.

Men­sa­gem de gra­ti­dão

Em vi­si­ta ofi­ci­al a An­go­la, a pri­mei­ra des­de que as­su­miu o car­go, Ar­chan­ge Tou­a­dé­ra con­si­de­rou a oca­sião so­be­ra­na pa­ra ex­pres­sar “pes­so­al­men­te” a sua gra­ti­dão pe­lo apoio “mul­ti­fa­ce­ta­do e di­ver­si­fi­ca­do” dis­po­ni­bi­li­za­do pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Eduardo dos San­tos, o seu Go­ver­no e os an­go­la­nos de um mo­do ge­ral, pa­ra que a RCA con­se­guis­se dar sequên­cia à tran­si­ção e se­guis­se em fren­te.

“Re­co­nhe­ce­mos os enor­mes de­sa­fi­os que ain­da te­mos, pois pre­ci­sa­mos de pa­ci­fi­car o país, re­for­mar as nos­sas for­ças de se­gu­ran­ça, re­con­ci­li­ar a na­ção cen­tro-afri­ca­na, ras­gar o ca­pí­tu­lo da guer­ra na nos­sa his­tó­ria, re­cons­truir a nos­sa eco­no­mia pa­ra co­me­çar o ca­mi­nho do de­sen­vol­vi­men­to”, de­fen­deu Tou­a­dé­ra.

O lí­der cen­tro-afri­ca­no ma­ni­fes­tou-se, en­tre­tan­to, con­fi­an­te no pro­ces­so em cur­so no seu país, que es­tá “for­te­men­te em­pe­nha­do”, co­mo dis­se, em “ga­ran­tir uma paz duradoura e a for­mar um exér­ci­to re­pu­bli­ca­no, mul­ti-ét­ni­co e dig­no de res­pei­to”.

Em re­la­ção ao exér­ci­to, Tou­a­dé­ra adi­an­tou que os cen­tro-afri­ca­nos têm con­ta­do com a União Eu­ro­peia, atra­vés da for­ma­ção e ca­pa­ci­ta­ção das for­ças de de­fe­sa e se­gu­ran­ça, mas ga­ran­tiu que te­rá sem­pre as por­tas aber­tas pa­ra An­go­la, que tem um “pa­pel a de­sem­pe­nhar e um lu­gar pa­ra as­su­mir”, quer bi­la­te­ral­men­te quer atra­vés das or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais, re­gi­o­nais e sub-re­gi­o­nais.

Ar­chan­ge Tou­a­dé­ra pe­diu que o Pre­si­den­te Jo­sé Eduardo dos San­tos con­ti­nue a ser um “por­ta-voz fiel” da si­tu­a­ção vi­vi­da pe­los cen­tro­a­fri­ca­nos jun­to das or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais, pa­ra que se po­nha fim ao em­bar­go que pe­sa so­bre as For­ças Ar­ma­das Cen­tro-Afri­ca­nas, uma vez que foi re­pos­ta a le­ga­li­da­de cons­ti­tu­ci­o­nal.

Ba­ses pa­ra co­o­pe­rar

O lí­der cen­tro-afri­ca­no re­cor­dou que di­as atrás fo­ram as­si­na­dos dois acor­dos com An­go­la, um que es­ta­be­le­ce o qua­dro ge­ral pa­ra a fu­tu­ra co­o­pe­ra­ção bi­la­te­ral. O Acor­do que aguar­da ape­nas pe­la apro­va­ção dos par­la­men­tos dos dois paí­ses, abran­ge pra­ti­ca­men­te to­das as áre­as de co­o­pe­ra­ção, des­de a po­lí­ti­ca, di­plo­ma­cia, se­gu­ran­ça, de­fe­sa, co­mér­cio, trans­por­te, mi­ne­ra­ção, eco­no­mia e cul­tu­ra.

O segundo acor­do é um me­mo­ran­do de en­ten­di­men­to en­tre os dois Mi­nis­té­ri­os dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, com efei­tos ime­di­a­tos, com vis­ta a re­vi­ta­li­zar a co­o­pe­ra­ção en­tre os dois paí­ses, os mei­os de tro­ca e con­sul­tas po­lí­ti­cas pe­rió­di­cas.

“O nos­so país tem múl­ti­plas po­ten­ci­a­li­da­des e abre os bra­ços pa­ra re­ce­ber in­ves­ti­do­res an­go­la­nos a quem des­de lo­go da­mos bo­as-vin­das fra­ter­nais”, de­cla­rou Ar­chan­ge Tou­a­dé­ra, su­bli­nhan­do que espera mui­to que em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos pos­sam apro­vei­tar as bo­as re­la­ções e fa­zer in­ves­ti­men­tos pa­ra que os Es­ta­dos se tor­nem mais ri­cos e os jo­vens te­nham tra­ba­lho e opor­tu­ni­da­de de pros­pe­rar.

Ho­me­na­gem a Ne­to

An­tes de ru­mar ao Pa­lá­cio da Ci­da­de Al­ta, o Pre­si­den­te da RCA vi­si­tou o Me­mo­ri­al Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to e des­ta­cou o con­tri­bu­to do Fun­da­dor da na­ção an­go­la­na na li­ber­ta­ção dos po­vos afri­ca­nos.

Faus­tin Tou­a­dé­ra de­po­si­tou uma co­roa de flo­res e in­cli­nou-se an­te a ur­na com os res­tos mor­tais de Agos­ti­nho Ne­to, fa­le­ci­do a 10 de Se­tem­bro de 1979, em Mos­co­vo, ex-URSS, por do­en­ça.

De­pois de ter pas­sa­do pe­lo sar­có­fa­go, bi­bli­o­te­ca e pe­la sa­la de ex­po­si­ções do Me­mo­ri­al, Faus­tin Tou­a­dé­ra dis­se: “o que vi aqui le­va-me a com­pre­en­der por que An­go­la é um exem­plo vi­vo do su­ces­so do pro­ces­so de re­con­ci­li­a­ção”.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na vi­si­tou de­pois o Mu­seu da His­tó­ria Mi­li­tar, on­de ren­deu ho­me­na­gem aos mi­li­ta­res an­go­la­nos tom­ba­dos na lu­ta pe­la li­ber­ta­ção dos po­vos e pe­los sa­cri­fí­ci­os con­sen­ti­dos em be­ne­fí­cio da na­ção.

Faus­tin Tou­a­dé­ra con­si­de­rou o Me­mo­ri­al e o Mu­seu de His­tó­ria Mi­li­tar dois lu­ga­res de gran­de va­lor pa­ra a His­tó­ria de An­go­la, de­mons­tra­ti­vos da vi­são dos lí­de­res an­go­la­nos que con­ti­nu­am a tra­ba­lhar pa­ra fa­zer de An­go­la um país mo­der­no.

O Che­fe de Es­ta­do su­bli­nhou que o Mu­seu guar­da um acer­vo im­por­tan­te da his­tó­ria de lu­ta do po­vo an­go­la­no, o que aju­da a en­ten­der co­mo os an­go­la­nos al­can­ça­ram a re­con­ci­li­a­ção e as ba­ses pa­ra o fun­da­men­to de uma An­go­la mo­der­na, re­co­nhe­ci­da no mun­do in­tei­ro.

O es­ta­dis­ta cen­tro-afri­ca­no afir­mou que es­tá em An­go­la pa­ra “be­ber da edi­fi­can­te ex­pe­ri­ên­cia da re­cons­tru­ção e re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal”, num mo­men­to em que o seu país atra­ves­sa mo­men­tos di­fí­ceis.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Jo­sé Eduardo dos San­tos re­ce­beu on­tem no Pa­lá­cio da Ci­da­de Al­ta o seu homólogo da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na Faus­tin-Ar­chan­ge Tou­a­dé­ra

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Pre­si­den­te Jo­sé Eduardo dos San­tos elo­gi­ou a pos­tu­ra aber­ta e di­nâ­mi­ca de Faus­tin Tou­a­dé­ra que con­si­de­ra um ga­ran­te da pa­ci­fi­ca­ção e re­con­ci­li­a­ção na Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na

RO­GÉ­RIO TUTI

Pre­si­den­te da RCA vi­si­tou o Me­mo­ri­al Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to e o Mu­seu de His­tó­ria Mi­li­tar e des­ta­cou a fi­gu­ra do Fun­da­dor da Na­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.