A li­ber­da­de e o me­do

O CÁGADO E AS PA­LA­VRAS DO SI­LÊN­CIO

Jornal de Angola - - PARTADA - MA­NU­EL RUI |

Quer-me pa­re­cer que des­de que o ho­mem exis­te, mais, qu­an­do co­me­çou a pen­sar, a de­se­nhar na pe­dra e de­pois es­cre­ver, que seus es­con­de­ri­jos e ím­pe­tos pa­ra ca­çar e so­bre­vi­ver fo­ram mais co­man­da­dos pe­lo me­do. Não pen­sa­va que ti­nha di­rei­tos que de­vi­am ser res­pei­ta­dos e ele res­pei­tar os di­rei­tos dos ou­tros co­mo li­mi­te do exer­cí­cio da li­ber­da­de e, ob­vi­a­men­te, res­pei­tar o po­der que de­ter­mi­na­va as re­gras so­ci­ais. A his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de es­tá mar­ca­da por ta­tu­a­gens e ci­ca­tri­zes do me­do mais do que o po­der de ter au­to­no­mia e es­pon­ta­nei­da­de.

E a pro­pri­e­da­de pri­va­da? Os que são do­nos da ter­ra e os que pa­ra eles tra­ba­lham, obri­ga­to­ri­a­men­te, com me­do. Aqui, os ho­mens que me­di­tam so­bre a opres­são co­lo­cam con­tra o me­do a ideia de li­ber­da­de. Li­mi­tan­do-nos ao re­du­zi­do es­pa­ço de uma cró­ni­ca que não é um en­saio de ci­ên­ci­as so­ci­ais, ti­ra­mos lo­go uma con­clu­são. Des­de a Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa em 1793, a per­so­ni­fi­ca­ção das ide­o­lo­gi­as li­be­rais ti­nham co­mo pa­la­vra de or­dem (ho­je se­ria pas­sword) Li­ber­da­de, Igual­da­de e Fra­ter­ni­da­de. No en­tan­to, no seio dos Ja­co­bi­nos an­te­pas­sa­dos da ma­ço­na­ria, não ha­via li­ber­da­de por se tra­tar de so­ci­e­da­des se­cre­tas. Es­te fe­nó­me­no é ex­ten­si­vo a ou­tros gru­pos que lu­ta­ram pe­la li­ber­da­de, as­sim, na lon­ga marcha de Mao Tsé Tung, que era pa­ra con­quis­tar a li­ber­da­de… não ha­via li­ber­da­de. E, nes­te ca­so da Chi­na, de­pois da vi­tó­ria pa­ra con­quis­tar a li­ber­da­de, mui­to mais tar­de, quem por ela se ma­ni­fes­tou foi ig­no­bil­men­te “mal­tra­ta­do.” Es­tu­dan­tes, in­te­lec­tu­ais, e tra­ba­lha­do­res, ma­ni­fes­ta­vam-se con­tra a cor­rup­ção, o ca­pi­ta­lis­mo de es­ta­do e as li­mi­ta­ções, is­to en­tre 15 de abril e 4 de ju­nho de 1989, dia do mas­sa­cre. O po­der proi­biu e de­pois

man­dou blin­da­dos fa­ze­rem fo­go em ple­na pra­ça Ti­a­nan­men

(Pra­ça da Paz Ce­les­ti­al) no­me en­tre o trá­gi­co e o sa­tí­ri­co das ide­o­lo­gi­as que se ba­te­ram pe­la li­ber­da­de e de­pois a amor­da­ça­ram.

O fe­nó­me­no do me­do e a au­sên­cia de li­ber­da­de es­te­ve pre­sen­te em to­dos os mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção on­de o me­do fa­zia par­te da cul­tu­ra in­ti­ma de ca­da um, o me­do de fa­lhar, de ador­me­cer num pos­to ou, fa­ce às tor­tu­ras, de­nun­ci­ar cor­re­li­gi­o­ná­ri­os, a li­ber­da­de era in­com­pa­tí­vel com a dis­ci­pli­na e o se­cre­tis­mo, exac­ta­men­te por­que o me­do fa­zia par­te da ar­ma­du­ra pa­ra con­quis­tar a li­ber­da­de. De­pois, ca­da um se­ria li­vre de pen­sar e de ex­pres­sar as su­as opi­niões.

Tam­bém, a Re­vo­lu­ção de Ou­tu­bro e a União So­vié­ti­ca, pa­ra li­ber­tar o po­vo do to­ta­li­ta­ris­mo do Czar, ven­ceu e aca­bou nou­tro to­ta­li­ta­ris­mo, da no­men­cla­tu­ra, de te­ses que nun­ca fun­ci­o­na­ram co­mo o cen­tra­lis­mo de­mo­crá­ti­co, a au­sên­cia de li­ber­da­de, a obe­di­ên­cia por me­do, a ne­ces­si­da­de de ser mem­bro do par­ti­do pa­ra di­zer sim por­que quem, com mui­to pou­co, ques­ti­o­nou o re­gi­me, in­clu­so gran­des es­cri­to­res, pen­sa­do­res e mú­si­cos, por en­ten­de­rem não ser aque­la prá­ti­ca a do pen­sa­men­to de Marx, fo­ram pa­rar aos cam­pos de con­cen­tra­ção.

O mun­do pas­sou por du­as guer­ras mun­di­ais pro­ta­go­ni­za­das por quem do­mi­na­va a eco­no­mia e o fa­bri­co de ar­mas. Na ba­se des­sas guer­ras es­ti­ve­ram in­te­res­ses de he­ge­mo­nia eco­nó­mi­ca e mi­li­tar. Mi­lhões de pes­so­as, in­cluin­do as que já vi­nham da ressaca da Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa que pas­sa­ra por di­ta­du­ras co­mo a de Na­po­leão Bo­na­par­te – ve­jam só uma re­vo­lu­ção pa­ra pa­rir im­pe­ra­do­res – de re­pen­te, do me­do pas­sa­ram a fi­car ater­ro­ri­za­das, cha­ma­das a pres­tar ser­vi­ço mi­li­tar obri­ga­tó­rio, ou­tras or­ga­ni­zan­do-se em gru­pos de guer­ri­lha pa­ra im­pe­dir o pi­or, atra­ves­sar a fron­tei­ra do me­do, ou­tra vez por cau­sa da li­ber­da­de.

No post guer­ra da 2ª pa­ra eu­ro­pa, veio o pla­no Marshall dos ame­ri­ca­nos de­di­ca­do à re­cons­tru­ção dos paí­ses ali­a­dos da eu­ro­pa nos anos se­guin­tes. Sta­li­ne, do la­do co­mu­nis­ta, não ali­nhou com re­ceio do for­ta­le­ci­men­to do oci­den­te.

Par­ti­ram-se paí­ses ao meio co­mo a Ale­ma­nha com o mu­ro de Berlim ou a Co­reia em du­as. O me­do e a li­ber­da­de es­ti­ve­ram no meio dis­to tu­do.

E ho­je, no au­ge da no­va Ida­de Mé­dia que é a glo­ba­li­za­ção, por cau­sa do me­do e da li­ber­da­de, é mes­mo nas acró­po­les da li­ber­da­de, co­mo Pa­ris, o me­do é ul­tra­pas­sa­do pa­ra o ter­ror, as pes­so­as não são li­vres e acei­tam ac­tos do po­der con­tra os di­rei­tos hu­ma­nos.

Mui­to me­do é por pro­fes­sar uma re­li­gião. Não es­que­cer que en­tre o me­do e a li­ber­da­de apa­re­ce a vi­o­lên­cia co­mo “mo­de­ra­do­ra.”

Aqui, no nos­so país, im­pe­di­da que foi a con­quis­ta da li­ber­da­de pe­la in­tro­mis­são da guer­ra fria pa­ra nos di­vi­dir, aqui, nes­tes tem­pos da glo­ba­li­za­ção da guer­ra, da “sel­va” de Ca­lais e da des­gra­ça da Sí­ria, en­tre ou­tros exem­plos, aqui é pre­ci­so sal­va­guar­dar a paz que não dei­xa de ser um iní­cio de har­mo­ni­za­ção que nos dis­tin­gue de uma boa par­te do nos­so con­ti­nen­te. Por is­so é pre­ci­so não ter me­do. Um pri­mei­ro exer­cí­cio é não ter me­do de vo­tar. Não ter me­do do me­do que às ve­zes se in­ven­ta. En­ten­der a li­ber­da­de co­mo al­go que se exer­ce sem pre­ju­di­car o ou­tro. Sem es­que­cer a ver­da­de sem a qual não ha­ve­rá o di­rei­to de ser­mos li­vres. Is­so é o nos­so vi­ver. E de so­nhar. Pois quem não so­nha nem po­de acen­der fo­go nem apa­gar bra­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.