Pes­ca­do pro­ces­sa­do com mei­os avan­ça­dos

In­se­ri­da no Pro­gra­ma Di­ri­gi­do de Pro­du­ção de Pes­ca­do e Crus­tá­ce­os, a fá­bri­ca foi er­gui­da no “co­ra­ção do mu­ni­cí­pio” e pos­sui va­lên­ci­as que a tor­nam úni­ca no país

Jornal de Angola - - PARTADA - ANDRÉ DOS ANJOS |

Os pro­du­tos “ma­de in An­go­la” ga­nha­ram no­vos veí­cu­los es­ta se­ma­na, com a en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to da fá­bri­ca de pro­ces­sa­men­to de pes­ca­do da Sol­mar, que pas­sa a co­lo­car no mer­ca­do, en­tre ou­tros, ham­búr­gue­res, fi­le­tes e pos­tas de pei­xe, com es­ta mar­ca. A uni­da­de fa­bril tem ou­tras va­lên­ci­as, co­mo a va­lo­ri­za­ção das es­pé­ci­es com bai­xa im­por­tân­cia eco­nó­mi­ca, a hi­gi­e­ni­za­ção do pes­ca­do e o apro­vei­ta­men­to dos re­sí­du­os.

A fá­bri­ca, com ca­pa­ci­da­de de pro­ces­sa­men­to de 15 to­ne­la­das de pes­ca­do por dia, foi aber­ta, for­mal­men­te, na ter­ça-fei­ra, com a bên­ção do pa­dre An­te­ro Be­ji, a que se se­guiu o cor­te de fi­ta pe­la mi­nis­tra das Pes­cas, Vic­tó­ria de Bar­ros Ne­to. A ce­ri­mó­nia inau­gu­ral foi mar­ca­da por uma ra­ra sim­pli­ci­da­de. Por al­guns ins­tan­tes, a tri­bu­na re­ser­va­da às en­ti­da­des ofi­ci­ais é trans­for­ma­da em púl­pi­to pa­ra per­mi­ti­tir que o sa­cer­dor­te exer­ça o seu ofí­cio.

A vi­si­ta gui­a­da pe­lo in­te­ri­or do edi­fí­cio co­me­ça com um “workshop”. Ma­nu­el Castro, o di­rec­tor da Sol­mar, fa­la da “ana­to­mia da fá­bri­ca” pa­ra um au­di­tó­rio cons­ti­tui­do por go­ver­nan­tes, ho­mens de ne­gó­cio, jor­na­lis­tas, au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e re­li­gi­o­sas.

De­pois das ex­pli­ca­ções téc­ni­cas, par­te pa­ra a re­co­men­da­ção dos cui­da­dos a ob­ser­var pe­los in­te­res­sa­dos em co­nhe­cer as áre­as de con­ge­la­ção, con­ser­va­ção, pro­ces­sa­men­to e tra­ta­men­to de pes­ca­do.

Aos in­te­res­sa­dos, são dis­tri­bui­dos equi­pa­men­tos ade­qua­dos às con­di­ções tér­mi­cas e hi­gié­ni­cas pré-es­ta­be­le­ci­das. A mai­or par­te do equi­pa­men­to é des­car­tá­vel. É de­po­si­ta­do num bal­de de li­xo lo­go à saí­da.

Lo­ca­li­za­da na rua dos Pes­ca­do­res, em Ca­cu­a­co, a fá­bri­ca es­tá do­ta­da de equi­pa­men­tos que per­mi­tem, pa­ra além da con­ge­la­ção, a lim­pe­za e o cor­te de pei­xe em fi­le­tes e pos­tas, atra­vés de du­as li­nhas de pro­ces­sa­men­to.

A sump­tu­o­si­da­de do equi­pa­men­to não es­ca­pa ao “olhar clí­ni­co” do go­ver­na­dor pro­vin­ci­al de Lu­an­da, pre­sen­te na ce­ri­mó­nia inau­gu­ral. “Fi­quei sur­pre­en­di­do com o que vi”, afir­ma Hi­gi­no Carneiro. O go­ver­na­dor de Lu­an­da é o segundo a in­ter­vir.

As pri­mei­ras pa­la­vras de Hi­gi­no Carneiro são de “al­gu­ma sur­pre­sa pe­lo em­pre­en­di­men­to aca­ba­do de inau­gu­rar pe­la se­nho­ra mi­nis­tra da Pes­cas”, co­me­ça por di­zer. “É o pri­mei­ro com es­tas ca­rac­te­rís­ti­cas que ti­ve a opor­tu­ni­da­de de ver”, con­fes­sa. “É o no­vo ex-lí­bris do sec­tor das Pes­cas no país”, re­for­ça.

O pri­mei­ro dis­cur­so é de Eli­za­be­te Di­as dos San­tos. A ad­mi­nis­tra­do­ra da Sol­mar lem­bra que a em­pre­sa é de­ti­da na to­ta­li­da­de por ca­pi­tais an­go­la­nos e ac­tua no sec­tor pes­quei­ro, nas áre­as de trans­for­ma­ção e em­ba­la­gem de pes­ca­do, há sen­si­vel­men­te 20 anos.

A em­pre­sá­ria diz não ter dú­vi­das de que, se o país qui­ser ti­rar mai­or pro­vei­to dos sec­to­res da pes­ca ex­trac­ti­va e da aqui­cul­tu­ra, tem de apos­tar na di­na­mi­za­ção e fo­men­to de es­ta­be­le­ci­men­tos in­dus­tri­ais, co­mo es­te que aca­ba de ser inau­gu­ra­do, ca­pa­zes de ga­ran­tir com­pe­ti­ti­vi­da­de aos ope­ra­do­res na­ci­o­nais. “En­ten­de­mos, en­quan­to par­cei­ros es­tra­té­gi­cos do Exe­cu­ti­vo, que es­te é o ca­mi­nho que nos le­va­rá a bom por­to”, afir­ma a em­pre­sá­ria, que de­fen­de uma mai­or apos­ta na ex­por­ta­ção, ain­da que de for­ma tí­mi­da.

Úl­ti­ma a in­ter­vir, a mi­nis­tra das Pes­cas diz tra­tar-se de uma in­fra­es­tru­tu­ra mo­der­na, que vem en­ri­que­cer o par­que industrial do sec­tor das Pes­cas, no que to­ca ao pro­ces­sa­men­to, trans­for­ma­ção, dis­tri­bui­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção de pes­ca­do no país. A in­fra-es­tru­tu­ra “veio con­tri­buir pa­ra a re­du­ção das per­das pós-cap­tu­ra”, que re­sul­tam da fal­ta de con­di­ções hi­gié­ni­cas ou sa­ni­tá­ri­as pa­ra a con­ser­va­ção.

Pro­gra­mas di­ri­gi­dos

O in­ves­ti­men­to, de acor­do com a mi­nis­tra das Pes­cas, en­qua­dra-se per­fei­ta­men­te no Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to 2013-2017 e no Pro­gra­ma Di­ri­gi­do de Pro­du­ção de Pes­ca­do e Crus­tá­ceo, apro­va­do es­te ano pe­lo Exe­cu­ti­vo, com o ob­jec­ti­vo de au­men­tar a ofer­ta de pes­ca­do no mer­ca­do in­ter­no, po­ten­ci­ar as ex­por­ta­ções e cri­ar no­vos pos­tos de tra­ba­lho.

Or­ça­da em cer­ca de 26 mi­lhões de dó­la­res, a in­fra-es­tru­tu­ra fi­nan­ci­a­da pe­lo Ban­co An­go­la­no de In­ves­ti­men­tos (BAI) foi cons­truí­da a meio da cri­se fi­nan­cei­ra que o país atra­ves­sa, o que alar­gou pa­ra qua­tro o pra­zo de dois anos, ini­ci­al­men­te pre­vis­to, pa­ra a con­clu­são das obras.

Eli­za­be­te Di­as dos San­tos, sa­tis­fei­ta com a inau­gu­ra­ção da fá­bri­ca, afir­ma que “o mais im­por­tan­te não é o tem­po que uma obra le­va a ser exe­cu­ta­da, mas sim a sua con­cre­ti­za­ção.”

“Aca­bar a obra é um mar­co, inau­gu­ra-la é um even­to, mas man­tê-la ope­ra­ci­o­nal, di­a­ri­a­men­te, é um de­sa­fio de to­dos nós”, aler­ta a ad­mi­nis­tra­do­ra da Sol­mar, di­ri­gin­do-se aos seus co­la­bo­ra­do­res.

Eli­za­be­te Di­as dos San­tos as­se­gu­ra que a equi­pa que di­ri­ge vai dar o seu me­lhor pa­ra fa­zer com que o em­pre­en­di­men­to con­tri­bua pa­ra a re­du­ção da fo­me, da ta­xa de de­sem­pre­go e pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia.

A fá­bri­ca é um in­ves­ti­men­to da em­pre­sa com o mes­mo no­me, par­te do gru­po Di­si­de. Até 2012, no lu­gar on­de foi ins­ta­la­do o no­vo em­pre­en­di­men­to, a com­pa­nhia ti­nha uma uni­da­de de con­ge­la­ção e con­ser­va­ção de pes­ca­do que a da­da al­tu­ra se re­ve­lou de­sa­jus­ta­da aos in­te­res­ses do gru­po.

De­pois de uma sé­rie de pon­de­ra­ções so­bre o des­ti­no a dar à mes­ma, “de­ci­di­mos avançar pa­ra a cons­tru­ção de um no­vo em­pre­en­di­men­to”, re­ve­la Eli­za­be­te Di­as dos San­tos.

Em­bo­ra te­nha pre­sen­te es­ta fun­ção, a ver­da­de é que es­ta fá­bri­ca não se li­mi­ta a con­ge­lar pes­ca­do, pois, tem ca­pa­ci­da­de pa­ra trans­for­mar e pro­ces­sar a ma­té­ria-pri­ma das mais va­ri­a­das for­mas e ga­ran­tir o apro­vei­ta­men­to in­te­gral dos re­sí­du­os. Quem en­ten­de de pes­cas diz tra­tar­se de um ni­cho da in­dús­tria pes­quei­ra nun­ca an­tes ex­plo­ra­do no país. Um dos ob­jec­ti­vos do Pro­gra­ma Di­ri­gi­do pa­ra a Cap­tu­ra de Pes­ca­do é a ma­xi­mi­za­ção do apro­vei­ta­men­to de tu­do o que é cap­tu­ra­do. Da es­ca­ma à es­pi­nha. E a Sol­mar, de acor­do com a mi­nis­tra, ofe­re­ce es­sas ga­ran­ti­as téc­ni­cas. A ca­pa­ci­da­de de con­ser­va­ção de pes­ca­do no país é li­mi­ta­da, o que re­sul­ta em per­das pós-cap­tu­ras con­si­de­rá­veis, co­mo, aliás, re­co­nhe­ce a mi­nis­tra. Ini­ci­a­ti­vas co­mo a da Sol­mar, se­gu­ra­men­te, aju­dam a re­ver­ter o qua­dro.

Da­dos da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra Agri­cul­tu­ra e Ali­men­ta­ção (FAO) in­di­cam que o país per­de anu­al­me­men­te cer­ca de trin­ta mil to­ne­la­das de pei­xe por in­su­fi­ci­ên­cia de mei­os de cap­tu­ra, so­bre­tu­do de con­ser­va­ção, si­tu­a­ção con­tra a qual o Mi­nis­té­rio tem vin­do a lu­tar, apoi­an­do to­das as ini­ci­a­ti­vas ten­den­tes a re­ver­ter o qua­dro.

Ape­sar da de­sa­ce­le­ra­ção do rit­mo de cres­ci­men­to do sec­tor, em con­sequên­cia do mau mo­men­to fi­nan­cei­ro que o país atra­ves­sa, as me­tas es­ta­be­le­ci­das pa­ra a pes­ca ex­trac­ti­va, no qua­dro do Pro­ga­ma Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to (PND) pa­ra o quinqué­nio 2013/2017, de acor­do com a mi­nis­tra , não es­tão ame­a­ça­das.

Me­tas tan­gí­veis

No âm­bi­to do PND 2013/2017, o Exe­cu­ti­vo es­ta­be­le­ceu co­mo me­ta a cap­tu­ra anu­al de 400.000

to­ne­la­das de pei­xe e de crus­tá­ce­os, ci­fra que a mi­nis­tra ga­ran­te que vai ser al­can­ça­da es­te ano. “Se não atin­gir­mos os ob­jec­ti­vos do quinqué­nio, fi­ca­re­mos mui­to pró­xi­mo dis­so”, va­ti­ci­na.

Em re­la­ção à aqui­cul­tu­ra, so­bre­tu­do a pro­du­ção da ti­lá­pia, as me­tas es­tão lon­ge de ser al­can­ça­das de­vi­do à es­cas­sez de cam­bi­ais pa­ra a im­por­ta­ção de ra­ção.

O Pro­gra­ma Di­ri­gi­do pa­ra o Au­men­to da Pro­du­ção e Pro­mo­ção da Ex­por­ta­ção da Ti­lá­pia 2016-2017 tem, en­tre ou­tros, o ob­jec­ti­vo de ele­var pa­ra 30 mil to­ne­la­das a pro­du­ção aquí­co­la no país, até fi­nais do pró­xi­mo ano.

A es­tra­té­gia do Exe­cu­ti­vo nes­te sec­tor vai no sen­ti­do de trans­for­mar o país, a mé­dio pra­zo, de im­por­ta­dor em ex­por­ta­dor de ti­lá­pia. Da­dos da Di­rec­ção Na­ci­o­nal de Aqui­cul­tu­ra in­di­cam que, em 2015, An­go­la em­pre­gou mais de qua­tro mi­lhões e tre­zen­tos mil dó­la­res na com­pra des­sa es­pé­cie no es­tran­gei­ro.

Es­tu­dos des­ti­na­dos a de­ter­mi­nar o po­ten­ci­al aquí­co­la do país con­cluí­ram que An­go­la tem ex­ce­len­tes con­di­ções pa­ra es­se ti­po de ac­ti­vi­da­de, ex­cep­to na província do Na­mi­be, on­de a es­cas­sez de re­cur­sos hí­dri­cos, por cau­sa do de­ser­to, di­fi­cul­ta a prá­ti­ca da aqui­cul­tu­ra. De­sen­vol­vi­do pe­lo Mi­nis­té­rio das Pes­cas, em par­ce­ria com o Fun­do das Na­ções Uni­das pa­ra a Agri­cul­tu­ra e Ali­men­ta­ção (FAO), o es­tu­do, or­ça­do em 200 mil dó­la­res, con­sis­tiu no ma­pe­a­men­to das áre­as com mai­or po­ten­ci­al pa­ra a aqua­cul­tu­ra. O pro­jec­to foi co­or­de­na­do por uma especialista na­ci­o­nal em par­ce­ria com pe­ri­tos in­ter­na­ci­o­nais com vas­ta ex­pe­ri­ên­cia no ra­mo, que re­a­li­za­ram um tra­ba­lho de campo em vá­ri­as pro­vín­ci­as, com a aju­da de pro­du­to­res lo­cais. “As áre­as iden­ti­fi­ca­das per­mi­tem aos ope­ra­do­res de­sen­vol­ver as su­as ini­ci­a­ti­vas em lo­cais apro­pri­a­dos”, con­cluí­ram os es­pe­ci­a­lis­tas.

Fru­to da cres­cen­te con­tri­bui­ção pa­ra a ofer­ta de pes­ca­do no país, o Mi­nis­té­rio das Pes­cas pas­sou a in­cluir, des­de 2014, os pro­du­tos aquí­co­las nas fei­ras in­ter­na­ci­o­nais que re­a­li­za anu­al­men­te em Lu­an­da.

Es­te ano, a Fei­ra In­ter­na­ci­o­nal das Pes­cas e Aqui­cul­tu­ra, mar­ca­da pa­ra pró­xi­mo mês, de­cor­re sob o le­ma “Pes­cas e aqui­cul­tu­ra con­tri­buin­do pa­ra a riqueza na­ci­o­nal”.

Na edi­ção an­te­ri­or, par­ti­ci­pa­ram 70 ex­po­si­to­res na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros li­ga­dos ao sec­tor, sob o le­ma “Pes­cas e aqui­cul­tu­ra ma­ré de opor­tu­ni­da­des”.

Os prin­cí­pi­os de ges­tão das pes­cas e a abor­da­gem dos ecos­sis­te­mas, as­sim co­mo a im­por­tân­cia da in­ves­ti­ga­ção na ges­tão sus­ten­tá­vel dos re­cur­sos pes­quei­ros, in­cluin­do a aqui­cul­tu­ra são te­mas sem­pre pre­sen­tes nes­te ti­po de even­tos.

Por al­tu­ra da apro­va­ção do Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to (2013/2017), as me­tas de pro­du­ção anu­ais es­ta­be­le­ci­das pa­ra a aqui­cul­tu­ra eram de 60 mil. De­vi­do à cri­se fi­nan­cei­ra, o Exe­cu­ti­vo re­viu es­te ano as me­tas pa­ra me­ta­de.

A pes­ca ex­trac­ti­va e a aqui­cul­tu­ra in­te­gram os 58 pro­gra­mas di­ri­gi­dos apro­va­dos es­te ano pe­lo Exe­cu­ti­vo. Por li­mi­ta­ções fi­nan­cei­ras, ape­nas 23 es­tão a ser exe­cu­ta­dos, cin­co dos quais no sec­tor das Pes­cas.

Nes­te mo­men­to, segundo apu­rou o Jor­nal de An­go­la, a mai­or par­te dos aqui­cul­to­res de­pen­de da ra­ção im­por­ta­da, com to­dos os in­con­ve­ni­en­tes re­sul­tan­tes da es­cas­sez de cam­bi­ais no país.

O país já fez al­guns in­ves­ti­men­tos no do­mí­nio de fa­bri­co de ra­ção pa­ra pei­xe, mas a pro­du­ção na­ci­o­nal ain­da não atin­giu a qua­li­da­de e as quan­ti­da­des ne­ces­sá­ri­as pa­ra sa­tis­fa­zer a pro­cu­ra que au­men­ta à me­di­da que sur­gem no­vos cri­a­do­res. Pa­ra re­du­zir as im­por­ta­ções, foi cons­truí­da no mu­ni­cí­pio da Qui­ba­la, província do Cu­an­za Sul, uma fá­bri­ca de ra­ções.

A en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to, em Maio, da fá­bri­ca de pro­ces­sa­men­to de fa­ri­nha e óleo de pei­xe, no mu­ni­cí­pio do Tombwa, província do Na­mi­be, era es­pe­ra­da com ex­pec­ta­ti­va de aju­dar a me­lho­rar a ofer­ta de ra­ções, mas pas­sa­dos cin­co me­ses a si­tu­a­ção con­ti­nua inal­te­ra­da.

DO­MIN­GOS CADÊNCIA

Eli­za­be­te dos San­tos de­fen­de a ex­por­ta­ção

DO­MIN­GOS CADÊNCIA

Vi­tó­ria de Bar­ros Ne­to sa­tis­fei­ta com o pro­jec­to

DO­MIN­GOS CADÊNCIA

DO­MIN­GOS CADÊNCIA

Mi­nis­tra das Pes­cas acom­pa­nha­da pe­lo go­ver­na­dor de Lu­an­da Hi­gi­no Carneiro re­ce­be ex­pli­ca­ções so­bre o fun­ci­o­na­men­to da em­pre­sa

DO­MIN­GOS CADÊNCIA

A in­fra-es­tru­tu­ra con­tri­bui pa­ra a va­lo­ri­za­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção dos pro­du­tos na­ci­o­nais

DO­MIN­GOS CADÊNCIA

A uni­da­de pro­ces­sa­do­ra do pes­ca­do po­ten­cia as ex­por­ta­ções e cria pos­tos de tra­ba­lho

DO­MIN­GOS CADÊNCIA

A fá­bri­ca tem equi­pa­men­tos que per­mi­tem a lim­pe­za e o cor­te de pei­xe em fi­le­tes e pos­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.