Uma boa ex­pe­ri­ên­cia

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Tal co­mo na ci­ên­cia, on­de ca­da des­co­ber­ta de­ve ser par­ti­lha­da e di­vul­ga­da pa­ra o bem da hu­ma­ni­da­de, tam­bém na po­lí­ti­ca as bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as, os ca­sos de su­ces­so de­vem ser igual­men­te par­ti­lha­dos e di­vul­ga­dos, de­fen­deu na se­ma­na pas­sa­da o vi­ce-pre­si­den­te do MPLA, João Lou­ren­ço, no dis­cur­so de aber­tu­ra das XX jor­na­das téc­ni­co-ci­en­tí­fi­cas da fun­da­ção FESA.

As ini­ci­a­ti­vas bi­la­te­rais ou mul­ti­la­te­rais, en­vol­ven­do os Es­ta­dos afri­ca­nos, com ob­jec­ti­vos que di­gam res­pei­to à paz, se­gu­ran­ça e o re­lan­ça­men­to do de­sen­vol­vi­men­to de­vem ser da­das a co­nhe­cer no con­ti­nen­te e ser­vir de exem­plo. Os pre­ce­den­tes po­si­ti­va­men­te aber­tos no sen­ti­do de paz, es­ta­bi­li­da­de e nor­ma­li­za­ção da vi­da po­lí­ti­ca e ins­ti­tu­ci­o­nal em Áfri­ca de­vem pre­va­le­cer co­mo re­fe­rên­ci­as pa­ra so­lu­ci­o­nar pro­ble­mas que en­vol­vam a paz e a se­gu­ran­ça.

An­go­la tem pro­cu­ra­do, den­tro das li­mi­ta­ções e ca­pa­ci­da­des que pos­sui, em­pres­tar a sua mo­des­ta ex­pe­ri­ên­cia re­cen­te de paz, re­con­ci­li­a­ção e re­lan­ça­men­to da re­cons­tru­ção a ou­tros Es­ta­dos afri­ca­nos, de­se­jo­sos de par­ti­lhar a “fór­mu­la an­go­la­na”. Ao la­do de ou­tras re­a­li­da­des afri­ca­nas, que co­nhe­ce­ram com su­ces­so pro­ces­sos in­ter­nos de pa­ci­fi­ca­ção e es­ta­bi­li­za­ção, cons­ti­tui da­do im­por­tan­te o fac­to dos pro­ble­mas e de­sa­fi­os do con­ti­nen­te con­ta­rem com so­lu­ções afri­ca­nas.

No dis­cur­so de aber­tu­ra da 7ª reu­nião de al­to ní­vel do me­ca­nis­mo re­gi­o­nal de su­per­vi­são do Acor­do-Qua­dro pa­ra a paz, se­gu­ran­ça e co­o­pe­ra­ção na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go e re­gião dos Gran­des La­gos, no dia 26 de Ou­tu­bro, em Lu­an­da, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ti­nha re­a­fir­ma­do o pa­pel de An­go­la.

“A Re­pú­bli­ca de An­go­la vai con­ti­nu­ar a em­pe­nhar o me­lhor dos seus es­for­ços pa­ra con­tri­buir pa­ra a ma­nu­ten­ção da paz e da es­ta­bi­li­da­de na Áfri­ca Cen­tral e na Re­gião dos Gran­des La­gos e pa­ra ga­ran­tir que se re­for­ce o cli­ma de boa vi­zi­nhan­ça e de co­o­pe­ra­ção en­tre to­dos os paí­ses que in­te­gram es­sas sub-re­giões”, dis­se Jo­sé Eduardo dos San­tos.

A vi­si­ta de Es­ta­do efec­tu­a­da ao nos­so país pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na (RCA), Faus­tin Tou­a­dé­ra, a con­vi­te do Che­fe de Es­ta­do, Jo­sé Eduardo dos San­tos, re­pre­sen­ta o com­pro­mis­so, o em­pe­nho do Exe­cu­ti­vo e do po­vo an­go­la­no pa­ra a paz e es­ta­bi­li­da­de em Áfri­ca. Aten­den­do ao su­ces­so do pro­ces­so po­lí­ti­co e ins­ti­tu­ci­o­nal na­que­le país lo­ca­li­za­do no co­ra­ção da Áfri­ca Cen­tral, não há dú­vi­das de que com a con­tri­bui­ção de to­dos os ou­tros ac­to­res a RCA vai ser um exem­plo de paz e es­ta­bi­li­da­de.

Mui­tos de­sa­fi­os ain­da pai­ram so­bre aque­le país, co­mo re­co­nhe­ceu o Pre­si­den­te Faus­tin Tou­a­dé­ra, mas as coi­sas avan­çam com aber­tu­ra ao diá­lo­go, ex­ten­são do pro­ces­so de re­con­ci­li­a­ção a to­das as sen­si­bi­li­da­des e o re­for­ço da au­to­ri­da­de do Es­ta­do em to­do o território. Es­te úl­ti­mo de­si­de­ra­to efec­ti­va-se com a edi­fi­ca­ção de for­ças ar­ma­das re­pu­bli­ca­nas, su­bor­di­na­das ao po­der ci­vil de­mo­cra­ti­ca­men­te elei­to, bem co­mo es­for­ços pa­ra a for­ma­ção das for­ças pa­ra as­se­gu­ra­rem a or­dem pú­bli­ca.

De­pois do do­lo­ro­so pro­ces­so de tran­si­ção por que pas­sou a RCA, a ne­ces­si­da­de de for­ças de de­fe­sa e se­gu­ran­ça de­vi­da­men­te for­ma­das e pre­pa­ra­das pa­ra os de­sa­fi­os que o país en­fren­ta, tor­nou-se vi­tal pa­ra bem da­que­le país e de to­da a sub-re­gião.

Acre­di­ta­mos que a ac­ção con­cer­ta­da das di­ver­sas for­ças in­ter­nas e do con­tri­bu­to dos Go­ver­nos dos paí­ses da Áfri­ca Cen­tral, da União Afri­ca­na, das Na­ções Uni­das e da União Eu­ro­peia, que tor­na­ram pos­sí­vel a tran­si­ção e a nor­ma­li­za­ção da si­tu­a­ção na RCA, vai ge­rar fru­tos. Tra­ta-se de uma boa ex­pe­ri­ên­cia e de um ca­so de su­ces­so que de­ve ser par­ti­lha­do e di­vul­ga­do, in­de­pen­den­te­men­te da fa­se de­li­ca­da em que se en­con­tra ain­da to­do o pro­ces­so de nor­ma­li­za­ção po­lí­ti­ca e ins­ti­tu­ci­o­nal na RCA. Es­pe­re­mos que to­do o con­ti­nen­te sai­ba pre­ser­var e trans­for­mar o su­ces­so da RCA nu­ma es­pé­cie de pa­ra­dig­ma pa­ra fu­tu­ros pro­ble­mas do con­ti­nen­te li­ga­dos à paz e à es­ta­bi­li­da­de.

As ins­ti­tui­ções e po­pu­la­ções da RCA, acre­di­ta­mos nós, re­co­nhe­cem que, co­mo dis­se o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, por oca­sião da vi­si­ta do seu homólogo da RCA, “só num cli­ma de es­ta­bi­li­da­de e de res­pei­to pe­las ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas é pos­sí­vel cri­a­rem-se as con­di­ções pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to ple­no das po­ten­ci­a­li­da­des des­te país, dan­do sa­tis­fa­ção às ne­ces­si­da­des e as­pi­ra­ções des­se po­vo”.

In­de­pen­den­te­men­te dos de­sa­fi­os ime­di­a­tos e da de­li­ca­de­za do pro­ces­so in­ter­no da RCA, não há dú­vi­das de que a tra­ves­sia fei­ta por aque­le país des­de a fa­se da guer­ra ci­vil ao acor­do que per­mi­tiu a tran­si­ção e a re­a­li­za­ção das elei­ções cons­ti­tui pro­va de que o país es­tá no bom ca­mi­nho. O per­cur­so ac­tu­al de su­ces­so de­mons­tra cla­ra­men­te que se es­tá pe­ran­te uma ex­pe­ri­ên­cia e exem­plo dig­nos de no­ta em Áfri­ca.

A paz é es­sen­ci­al pa­ra ter­mos pro­ces­sos elei­to­rais e ins­ti­tui­ções es­tá­veis no nos­so con­ti­nen­te. Os po­vos afri­ca­nos es­pe­ram dos seus di­ri­gen­tes ac­ções pers­pi­ca­zes e em­pe­nho pa­ra se re­sol­ve­rem os seus pro­ble­mas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.