CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - APOLINÁRIO DA CON­CEI­ÇÃO | Qui­ça­ma LAU­RA BER­NAR­DO | Cas­sen­da LU­CAS AN­TÓ­NIO | Pren­da

A agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar

Mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas an­go­la­nos en­ten­dem que se de­ve dar im­por­tân­cia à agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, pois es­ta po­de ge­rar um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo da pro­du­ção no campo. Ou­vi há di­as um eco­no­mis­ta di­zer que não nos de­ve­mos ape­nas con­cen­trar na ac­ti­vi­da­de agrí­co­la em­pre­sa­ri­al. Es­te eco­no­mis­ta, que é an­go­la­no, e que vi­si­ta re­gu­lar­men­te áre­as agrí­co­las, en­ten­de que as uni­da­des de pro­du­ção fa­mi­li­a­res po­dem dar um gran­de im­pul­so ao de­sen­vol­vi­men­to ru­ral.

Segundo o mes­mo eco­no­mis­ta, as fa­mí­li­as que vi­vem no campo po­dem pro­du­zir em gran­de quan­ti­da­de, de­ven­do-se cri­ar es­tru­tu­ras efi­ci­en­tes que ga­ran­tam o bom acon­di­ci­o­na­men­to dos pro­du­tos e a sua dis­tri­bui­ção pe­lo país.

No­to por exem­plo que o pre­ço da ba­ta­ta e de ou­tros pro­du­tos agrí­co­las da nos­sa ter­ra es­tão a bai­xar con­si­de­ra­vel­men­te. O que mui­tas ve­zes falha é a con­ser­va­ção dos pro­du­tos e o seu es­co­a­men­to pa­ra os lo­cais on­de os con­su­mi­do­res de­les pre­ci­sam. As gran­des su­per­fí­ci­es co­mer­ci­ais de­vi­am va­lo­ri­zar a pro­du­ção na­ci­o­nal, in­do ao en­con­tro do que os cam­po­ne­ses an­go­la­nos pro­du­zem, en­quan­to es­tes não ti­ve­rem con­di­ções de eva­cu­ar ra­pi­da­men­te a sua pro­du­ção pa­ra o mer­ca­do.

A de­fe­sa do am­bi­en­te

O am­bi­en­te é as­sun­to que tem me­re­ci­do a aten­ção, não só das nos­sas au­to­ri­da­des, mas tam­bém de or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil que tra­tam­de ques­tões am­bi­en­tais. É com­pre­en­sí­vel que as au­to­ri­da­des e a so­ci­e­da­de ci­vil se pre­o­cu­pem com as ques­tões am­bi­en­tais, por­que até exis­te uma re­la­ção en­tre o am­bi­en­te e a pro­mo­ção da qua­li­da­de de vi­da das po­pu­la­ções .

To­dos nós qu­e­re­mos vi­ver num am­bi­en­te sau­dá­vel , pe­lo que te­mos de con­tri­buir pa­ra ele­var a nos­sa qua­li­da­de de vi­da. A re­co­lha e o tra­ta­men­to do li­xo é uma ques­tão im­por­tan­te, e aper­ce­bi-me que as nos­sas au­to­ri­da­des têm po­lí­ti­cas de­fi­ni­das pa­ra re­sol­ver um dos nos­sos gran­des pro­ble­mas que tem a ver com a des­trui­ção dos re­sí­du­os só­li­dos. De­se­jo que to­das as ins­ti­tui­ções (do Es­ta­do e da so­ci­e­da­de ci­vil) que li­dam com o am­bi­en­te pros­si­gam o seu tra­ba­lho no sen­ti­do de ter­mos uma ter­ra com ca­da vez me­lho­res con­di­ções pa­ra se vi­ver.

Cri­an­ças e co­mér­cio

Te­nho cons­ta­ta­do que mui­tos pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção man­dam os seus fi­lhos me­no­res, mui­tos de­les com me­nos de dez anos, a es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais.

Já vi cri­an­ças que às 22 ho­ras se en­con­tram num es­ta­be­le­ci­men­to co­mer­ci­al. Há pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção que , por pre­gui­ça, man­dam os seus fi­lhos ou edu­can­dos a es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais, não se im­por­tan­do com os ris­cos que a sua con­du­ta re­pre­sen­ta pa­ra os me­no­res.

Pen­so que é uma gran­de ir­res­pon­sa­bi­li­da­de man­dar-se uma cri­an­ça com seis anos de ida­de pa­ra um es­ta­be­le­ci­men­to co­mer­ci­al às 21 ou 22 ho­ras. Há ca­sos ain­da de cri­an­ças que vão à noi­te e a man­do dos pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção de­po­si­tar li­xo em con­ten­to­res. Não po­de ser. As cri­an­ças não de­vem ser usa­das pa­ra es­te ti­po de tra­ba­lho. O que an­dam a fa­zer os adul­tos, que não se po­dem des­lo­car aos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais ou aos con­ten­to­res de li­xo? Há tam­bém si­tu­a­ções de cri­an­ças que fi­cam a co­mer­ci­a­li­zar pro­du­tos di­ver­sos à noi­te em fren­te às su­as ca­sas, por or­dem dos pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção. Mui­tas des­tas cri­an­ças têm de ir à es­co­la no dia se­guin­te de ma­nhã ce­do.

Fim do ano lec­ti­vo

O ano lec­ti­vo es­tá qua­se a ter­mi­nar e de­se­ja­va que mui­tos dos pro­ble­mas que ocor­re­ram es­te ano fos­sem re­sol­vi­dos no pró­xi­mo ano. Os pro­ble­mas são qua­se sem­pre os mes­mos. Tem de ha­ver von­ta­de pa­ra os so­lu­ci­o­nar. Gos­ta­va, por exem­plo, na qua­li­da­de de pai, que hou­ves­se, sem in­ter­rup­ção, dis­tri­bui­ção de me­ren­da es­co­lar às cri­an­ças das es­co­las pri­má­ri­as pú­bli­cas.

De­se­jo ain­da que se pres­te aten­ção às ins­ta­la­ções em que as nos­sas cri­an­ças es­tu­dam, par­ti­cu­lar­men­te às ca­sas de ba­nho. Era bom tam­bém que hou­ves­se es­pa­ços pa­ra a prá­ti­ca de des­por­to nas nos­sas es­co­las pri­má­ri­as e se­cun­dá­ri­as. MAR­GA­RI­DA SILVA | Ca­zen­ga

AR­MAN­DO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.