Em­pre­sa is­ra­e­li­ta cria mo­tor pa­ra a re­du­ção de con­su­mo

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JOE DYKE |

Uma em­pre­sa is­ra­e­li­ta cri­ou um mo­tor que po­de re­du­zir con­si­de­ra­vel­men­te o con­su­mo de com­bus­tí­vel e aju­dar a re­vo­lu­ci­o­nar a in­dús­tria au­to­mo­bi­lís­ti­ca, num mo­men­to em que os fa­bri­can­tes pro­cu­ram al­ter­na­ti­vas am­bi­en­tal­men­te cor­rec­tas.

O mo­tor de com­bus­tão in­ter­na rein­ven­ta­do te­rá, po­rém, que en­fren­tar a for­te con­cor­rên­cia dos car­ros eléc­tri­cos, cu­ja tec­no­lo­gia es­tá a avançar e a atrair ca­da vez mais in­ves­ti­do­res, apon­tam ana­lis­tas da in­dús­tria.

A em­pre­sa ga­ran­te que o seu mo­tor cus­ta­rá ape­nas 100 dó­la­res e que per­mi­ti­rá per­cor­rer 1.600 km com um só tan­que cheio, uma dis­tân­cia du­as ve­zes mai­or do que a dos mo­to­res ac­tu­ais.

A efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca dos mo­to­res é es­sen­ci­al no âm­bi­to dos es­for­ços glo­bais pa­ra re­du­zir as emis­sões de dió­xi­do de car­bo­no (CO2), uma das prin­ci­pais cau­sas das mudanças cli­má­ti­cas.

A tec­no­lo­gia des­te mo­tor, com­pos­to por me­nos de 20 pe­ças, subs­ti­tui os vá­ri­os pis­tões do mo­tor de com­bus­tão, que se mo­vem pa­ra ci­ma e pa­ra bai­xo, por um só pis­tão que se des­lo­ca de um la­do ao ou­tro.

Os tes­tes re­a­li­za­dos por uma com­pa­nhia de en­ge­nha­ria ale­mã de­mons­tra­ram que o mo­tor ti­nha uma efi­cá­cia du­as ve­zes mai­or do que os mo­to­res tra­di­ci­o­nais.

“É pro­va­vel­men­te a mai­or efi­ci­ên­cia que vo­cê vai en­con­trar”, dis­se o co-fun­da­dor da Aqua­rius Gal Frid­man, num es­cri­tó­rio da em­pre­sa, per­to de Te­la­vi­ve, a ca­pi­tal eco­nó­mi­ca is­ra­e­li­ta.

“Es­te mo­tor tem as emis­sões mais bai­xas (de CO2) e a me­lhor re­la­ção pe­so-po­tên­cia” do mer­ca­do, acres­cen­tou.

A fa­bri­can­te fran­ce­sa Peu­ge­ot já es­tá em con­tac­to com a Aqua­rius, “as­sim co­mo com mui­tas ou­tras start-ups, sem com­pro­mis­so nem um pro­jec­to es­pe­cí­fi­co”, de acor­do com um por­ta-voz da em­pre­sa.

Es­te mo­tor po­de­ria aju­dar a Peu­ge­ot e ou­tras em­pre­sas a com­pe­ti­rem com a po­pu­la­ri­da­de cres­cen­te dos car­ros eléc­tri­cos, dis­se John Ger­man, mem­bro sé­ni­or do Con­se­lho In­ter­na­ci­o­nal pa­ra o Trans­por­te Lim­po (ICCT).

Ger­man afir­ma que o mo­tor po­de­ria fun­ci­o­nar bem co­mo par­te de um carro hí­bri­do (com­bus­tí­vel e elec­tri­ci­da­de). Pa­ra os fa­bri­can­tes, tal­vez fos­se van­ta­jo­so “co­lo­car um ex­ten­sor de al­can­ce me­nor e mais ba­ra­to” jun­ta­men­te com uma ba­te­ria e um mo­tor.

O especialista res­sal­ta, po­rém, que o no­vo mo­tor re­que­re­ria mudanças nas li­nhas de pro­du­ção que po­de­ri­am dei­xar he­si­tan­tes os fa­bri­can­tes de au­to­mó­veis, um sec­tor mui­to sen­sí­vel ao ris­co.

Hí­bri­dos con­tra eléc­tri­cos

Segundo a Aqua­rius, es­ta tec­no­lo­gia tam­bém po­de ser apli­ca­da a ge­ra­do­res eléc­tri­cos e ou­tros pro­du­tos. A com­pa­nhia es­tá na sua ter­cei­ra fa­se de fi­nan­ci­a­men­to do pro­jec­to, com o ob­jec­ti­vo de ar­re­ca­dar en­tre 40 e 50 mi­lhões de dó­la­res.

Mas um dos seus mai­o­res de­sa­fi­os se­rá con­cor­rer com a po­pu­la­ri­da­de dos car­ros eléc­tri­cos, diz Ana Ni­cholls, especialista da Eco­no­mist In­tel­li­gen­ce Unit, que afir­ma que as evi­dên­ci­as mos­tram que “as pes­so­as es­tão a co­me­çar a dei­xar de la­do os car­ros hí­bri­dos e a ten­der pa­ra os veí­cu­los to­tal­men­te eléc­tri­cos”.

A fa­bri­can­te ame­ri­ca­na Tes­la pre­vê ven­der cer­ca de 50 mil veí­cu­los eléc­tri­cos no segundo se­mes­tre de 2016.

Segundo Ni­cholls, as gi­gan­tes do sec­tor, que ac­tu­al­men­te têm or­ça­men­tos de pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to re­du­zi­dos, po­dem ser cau­te­lo­sas em re­la­ção a in­ves­tir no mo­tor da Aqua­rius.

“Acho que a sen­sa­ção na in­dús­tria no mo­men­to é de que, se eles têm de co­lo­car os seus re­cur­sos nal­gu­ma coi­sa, en­tão pro­va­vel­men­te os mo­to­res to­tal­men­te eléc­tri­cos se­jam o me­lhor ca­mi­nho” dis­se.

Mas segundo Frid­man, co-fun­da­dor da Aqua­rius, os car­ros eléc­tri­cos são uma mo­da, ca­ros de­mais e pou­co va­ri­a­dos. “E 5o mil uni­da­des não são na­da”, dis­se em re­fe­rên­cia às pre­vi­sões da Tes­la.

Em­bo­ra os go­ver­nos te­nham pro­mo­vi­do mui­to os car­ros eléc­tri­cos, “quin­ze anos de­pois o sec­tor não es­tá a cres­cer”, ga­ran­te.

Franco Gon­za­lez, ana­lis­ta sé­ni­or de tec­no­lo­gia na con­sul­to­ra IDTe­chEx, con­si­de­ra que a Aqua­rius che­ga um pou­co tar­de, uma vez que as fa­bri­can­tes le­vam “en­tre se­te e dez anos pa­ra im­ple­men­tar uma no­va tec­no­lo­gia”.

As­sim, uma em­pre­sa que es­co­lha o Aqua­rius “te­rá que ace­le­rar mui­to a sua im­ple­men­ta­ção pa­ra em­pa­re­lhar com o que a Tes­la, a BYD, a Nis­san e ou­tras em­pre­sas que de­sen­vol­vem mo­de­los de car­ros eléc­tri­cos es­tão já a re­a­li­zar”.

Segundo Ger­man, o su­ces­so do mo­tor da Aqua­rius vai de­pen­der mui­to do ru­mo que a re­vo­lu­ção dos veí­cu­los eléc­tri­cos vai to­mar.

“Se as ba­te­ri­as uni­ca­men­te eléc­tri­cas ven­de­rem bem, en­tão pro­va­vel­men­te não ha­ve­rá mui­ta ne­ces­si­da­de des­te ti­po de mo­tor”, dis­se.

“Mas se as pes­so­as mos­tra­rem re­lu­tân­cia em re­la­ção ao tem­po lon­go de re­car­ga e aos ele­va­dos cus­tos dos car­ros mo­vi­dos só a ba­te­ria, en­tão sis­te­mas co­mo es­te po­dem ser o fu­tu­ro”.

AFP

Shaul Ya­ko­bi co-fun­da­dor da Aqua­rius En­gi­nes exi­be mo­tor de carro com um úni­co pis­tão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.