Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal re­cu­sa ad­mi­tir er­ros

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

Re­ac­ções de al­tos fun­ci­o­ná­ri­os do Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal e do Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU à de­ci­são do Bu­run­di, Áfri­ca do Sul e Gâm­bia de saí­rem da ju­ris­di­ção do TPI pa­re­cem in­di­car que es­te tri­bu­nal es­tá lon­ge de fa­zer um “mea cul­pa” e de pro­mo­ver as re­for­mas ne­ces­sá­ri­as pa­ra re­cu­pe­rar a cre­di­bi­li­da­de e evi­tar o co­lap­so da en­ti­da­de cri­a­da em 1998 pe­lo Es­ta­tu­to de Ro­ma.

A re­ac­ção de Ban Ki-mo­on pa­re­ce dar ra­zão ao Mo­vi­men­to dos NãoA­li­nha­dos e ao Gru­po dos 77, que o acu­sam de “aco­mo­dar os in­te­res­ses das na­ções mais ri­cas”, e as da pre­si­den­te e do an­ti­go pro­cu­ra­dor-che­fe do TPI aos que afir­mam que o tri­bu­nal “re­pro­duz uma ló­gi­ca de do­mi­na­ção na qual os paí­ses ri­cos do nor­te con­de­nam os paí­ses po­bres do sul.”

O TPI, acu­sa­do, com fac­tos com­pro­va­dos, de ser for­te com os fra­cos e fra­co com os for­tes, é cé­le­re nos pro­ces­sos con­tra di­ri­gen­tes e ex-di­ri­gen­tes afri­ca­nos - co­mo de­mons­tram os ca­sos dos pre­si­den­tes Omar al Bashir (Su­dão) e Uhu­ru Kenyat­ta (Qué­nia) e dos ex-pre­si­den­tes Lau­rent Gbag­bo (Cos­ta do Mar­fim) e Char­les Tay­lor (Li­bé­ria) - mas mo­ro­so em acu­sar au­to­res de cri­mes de guer­ra na Pa­les­ti­na, Afe­ga­nis­tão, Sí­ria e Ira­que, não ra­ro pro­mo­vi­dos por lí­de­res de po­tên­ci­as oci­den­tais.

O ca­so mais fla­gran­te é o do an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro bri­tâ­ni­co, Tony Blair. O Tri­bu­nal de Haia re­cu­sa jul­gá-lo por cri­mes de guer­ra de­pois Pre­si­den­tes afri­ca­nos são in­ves­ti­ga­dos pe­lo TPI que per­doa di­ri­gen­tes oci­den­tais de o “Re­la­tó­rio Chil­cot”, en­co­men­da­do em 2009 pe­lo en­tão pri­mei­ro­mi­nis­tro bri­tâ­ni­co Gor­don Brown, con­cluir que a par­ti­ci­pa­ção do Rei­no Uni­do na in­va­são do Ira­que em 2003 “foi pre­ci­pi­ta­da”, por­que “não es­ta­vam es­go­ta­das to­das as op­ções pa­cí­fi­cas”, que a ope­ra­ção li­de­ra­da pe­los EUA par­tiu de “in­for­ma­ções e es­ti­ma­ti­vas de­fi­ci­en­tes”, que o Pre­si­den­te Sad­dam Hus­sein “não era uma ame­a­ça imi­nen­te” e a es­tra­té­gia de con­ten­ção “era viá­vel e ade­qua­da na al­tu­ra da in­va­são.”

O TPI re­cu­sa jul­gar o an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro, com o ar­gu­men­to de que a in­va­são ao Ira­que “não foi uma de­ci­são de ape­nas Tony Blair”, mes­mo de­pois de fa­mi­li­a­res de 179 mi­li­ta­res bri­tâ­ni­cos mor­tos na guer­ra do Ira­que exi­gi­rem um jul­ga­men­to pa­ra o an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro.

Stépha­nie Mau­pas, ana­lis­ta do jor­nal fran­cês “Le Mon­de” que co­bre o TPI, afir­ma que, pa­ra fun­ci­o­nar, es­te tri­bu­nal “de­pen­de da co­o­pe­ra­ção com os pró­pri­os Es­ta­dos”, ra­zão pe­la qual “es­co­lhe sem­pre per­se­guir os opo­si­to­res e os der­ro­ta­dos da his­tó­ria, mas não ou­sa ir mais lon­ge por con­si­de­rar que, se o fi­zer, dei­xa de con­tar com a co­o­pe­ra­ção [dos Es­ta­dos for­tes].”

Os fac­tos, por con­se­guin­te, pa­re­cem in­di­car que o TPI, cri­a­do pa­ra evi­tar to­do o ti­po de im­pu­ni­da­de, foi cor­rom­pi­do ao per­mi­tir que os lob­bi­es e in­te­res­ses das po­tên­ci­as mun­di­ais al­te­ras­sem a sua gé­ne­se e o seu “mo­dus ope­ran­dis”.

Tri­bu­nal de Haia e ONU

Ao apre­sen­tar na se­gun­da-fei­ra o seu re­la­tó­rio anu­al à As­sem­bleia Ge­ral da ONU, a pre­si­den­te do TPI des­va­lo­ri­zou o anún­cio de saí­da dos três paí­ses e afir­mou que o apoio ao Tri­bu­nal de Haia “de­ve con­ti­nu­ar for­te pa­ra con­ti­nu­ar a le­var à jus­ti­ça os res­pon­sá­veis por cri­mes e pro­te­ger as ví­ti­mas por to­do o mun­do.”

As de­cla­ra­ções de Syl­via Gur­men­di fo­ram fei­tas de­pois de o Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU la­men­tar a de­ci­são do Bu­run­di, Áfri­ca do Sul e Gâm­bia de se re­ti­ra­rem do TPI e te­le­fo­nar ao Pre­si­den­te sul-afri­ca­no pa­ra “re­pen­sar” a saí­da do seu país.

Ban Ki-mo­on dis­se que o mun­do re­gis­tou “enor­mes avan­ços” com o TPI e que a de­ci­são de Bu­jum­bu­ra, Pre­tó­ria e Ban­jul “po­de en­vi­ar uma men­sa­gem er­ra­da ao mun­do so­bre o seu com­pro­mis­so com a jus­ti­ça.”

Ki-mo­on ad­mi­tu “fa­lhas e re­tro­ces­sos em al­guns ga­nhos do TPI”, mas de­fen­deu que a res­pos­ta “não é ob­ti­da atra­vés da di­mi­nui­ção de apoio” àque­le Tri­bu­nal.

Luís Mo­re­no Ocam­po, an­ti­go pro­cu­ra­dor-che­fe do Tri­bu­nal de Haia, afir­mou que a de­ci­são des­tes paí­ses é uma “de­cla­ra­ção de guer­ra con­tra as mi­no­ri­as afri­ca­nas e uma men­sa­gem dos lí­de­res afri­ca­nos de que po­dem co­me­ter cri­mes em mas­sa pa­ra se man­te­rem no po­der.”

Às acu­sa­ções de que o TPI “é par­ci­al”, ape­nas jul­ga afri­ca­nos e ci­da­dãos dos paí­ses da Eu­ro­pa do Les­te, ao mes­mo tem­po que “per­doa” os cri­mes co­me­ti­dos pe­lo Oci­den­te, res­pon­deu se­rem “uma des­cul­pa pa­ra co­me­ter cri­mes.”

Diá­lo­go en­tre afri­ca­nos

O TPI re­ba­te as acu­sa­ções de que “ape­nas jul­ga lí­de­res afri­ca­nos” com o ar­gu­men­to de que gran­de par­te dos ca­sos são in­ves­ti­ga­dos “a pe­di­do dos lí­de­res afri­ca­nos.”

A juí­za Syl­via Stei­ner do TPI diz que “não é o TPI que tem pre­fe­rên­cia por Áfri­ca, é a Áfri­ca que tem pre­fe­rên­cia pe­lo TPI”. Jus­ti­fi­ca com o fac­to de, dos pro­ces­sos afri­ca­nos in­ves­ti­ga­dos des­de 2006, cin­co fo­ram so­li­ci­ta­dos por go­ver­nos des­tes paí­ses, “por con­si­de­ra­rem não ter con­di­ções de li­de­rar as in­ves­ti­ga­ções.”

Mais do que con­fi­ar em ins­ti­tui­ções in­ter­na­ci­o­nais cri­a­das e pa­tro­ci­na­das por po­tên­ci­as oci­den­tais pa­ra re­sol­ver os seus pró­pri­os pro­ble­mas, as li­de­ran­ças dos 34 paí­ses afri­ca­nos que ra­ti­fi­ca­ram o Tra­ta­do de Ro­ma de­vem “man­ter as pon­tes de diá­lo­go cons­tru­ti­vo an­tes de pas­sar a re­so­lu­ção dos pro­ble­mas po­lí­ti­cos pa­ra o TPI”, co­mo de­fen­deu na se­ma­na pas­sa­da o Pre­si­den­te an­go­la­no e em exer­cí­cio da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal da Re­gião dos Gran­des La­gos (CIRGL), Jo­sé Eduardo dos San­tos.

De­mons­tra igual­men­te a ne­ces­si­da­de de as li­de­ran­ças afri­ca­nas cri­a­rem um Tri­bu­nal de Jus­ti­ça e Di­rei­tos Hu­ma­nos pa­ra o con­ti­nen­te.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.