Mul­ti­per­fil re­a­li­za fó­rum so­bre a me­di­ci­na fa­mi­li­ar

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - EDIVALDO CRIS­TÓ­VÃO |

A Clí­ni­ca Mul­ti­per­fil re­a­li­za ama­nhã, no Cen­tro de Con­ven­ções do Ta­la­to­na, em Lu­an­da, o pri­mei­ro Fó­rum de Saú­de Co­mu­ni­tá­ria, sob o le­ma “Cons­truin­do uma Saú­de Glo­bal”, com o ob­jec­ti­vo de me­lho­rar a as­sis­tên­cia mé­di­ca e o aten­di­men­to es­pe­ci­a­li­za­do aos ci­da­dãos.

O pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Mul­ti­per­fil, Ma­nu­el Fe­li­pe Di­as dos San­tos, dis­se on­tem ao Jor­nal de An­go­la que o fó­rum vai con­tar com três pai­néis, no­me­a­da­men­te, “Cons­truin­do uma saú­de glo­bal em An­go­la”, “De­sa­fi­os e res­pon­sa­bi­li­da­de em saú­de co­mu­ni­tá­ria” e “In­ter­ven­ção co­mu­ni­tá­ria”. Du­as me­sas re­don­das vão abor­dar o pa­pel do mé­di­co de fa­mí­lia no con­tro­lo de sur­tos epi­dé­mi­cos de do­en­ças in­fec­ci­o­sas e a ac­ção co­mu­ni­tá­ria em saú­de.

Ma­nu­el Fe­li­pe Di­as dos San­tos dis­se que a saú­de glo­bal co­me­ça em ca­da um de nós, no exer­cí­cio da ci­da­da­nia, de­sen­vol­ven­do-se de­pois, a ní­vel co­mu­nal, mu­ni­ci­pal e pro­vin­ci­al, por meio de ali­an­ças for­tes que per­mi­tam eli­mi­nar a po­bre­za, au­men­tar a equi­da­de e me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da das pes­so­as e co­mu­ni­da­des.

A Clí­ni­ca Mul­ti­per­fil foi cri­a­da em 2013, ba­se­an­do-se no pro­gra­ma do Mi­nis­té­rio da Saú­de de mu­ni­ci­pa­li­za­ção dos ser­vi­ços de Saú­de. “Não bas­ta equi­par os cen­tros, é ne­ces­sá­rio qua­li­fi­car os re­cur­sos hu­ma­nos que vão in­ter­vir di­rec­ta­men­te nos pro­jec­tos”, dis­se o PCA da Mul­ti­per­fil.

Des­de 2013 a clí­ni­ca já es­pe­ci­a­li­zou 24 mé­di­cos em me­di­ci­na ge­ral e fa­mi­li­ar. A van­ta­gem da apos­ta na me­di­ci­na fa­mi­li­ar é li­gar os mé­di­cos di­rec­ta­men­te às co­mu­ni­da­des. Ca­da mé­di­co tem um de­ter­mi­na­do nú­me­ro de fa­mí­li­as a quem pres­ta a aten­ção.

Não exis­te con­tra­to en­tre o mé­di­co e a fa­mí­lia; ge­ral­men­te o mé­di­co de fa­mí­lia es­tá li­ga­do ao Mi­nis­té­rio da Saú­de e ca­be a es­ta ins­ti­tui­ção de­fi­nir o mo­de­lo de tra­ba­lho. Ma­nu­el Fe­li­pe Di­as dos San­tos é de opi­nião de que o Sis­te­ma Na­ci­o­nal de Saú­de não po­de es­tar li­mi­ta­do aos hos­pi­tais. “É ne­ces­sá­rio le­var a me­di­ci­na às po­pu­la­ções, atra­vés dos cen­tros de saú­de, pa­ra que nos hos­pi­tais che­guem ape­nas os ca­sos mais gra­ves ou com­ple­xos.

A ideia é evi­tar que os hos­pi­tais cen­trais se trans­for­mem em gran­des cen­tros de aten­di­men­to”. Ma­nu­el Fe­li­pe Di­as dos San­tos dis­se ao Jor­nal de An­go­la que o Mi­nis­té­rio da Saú­de, atra­vés dos ser­vi­ços mu­ni­ci­pa­li­za­dos, já tem le­va­do o aten­di­men­to mé­di­co às co­mu­ni­da­des, mas “é ne­ces­sá­rio que ha­ja ago­ra mai­or divulgação e im­ple­men­ta­ção, pa­ra que tu­do pos­sa cor­rer de ma­nei­ra mais rá­pi­da”.

Des­sa for­ma, su­bli­nhou, é pos­sí­vel di­mi­nuir o nú­me­ro de do­en­tes que che­gam aos hos­pi­tais de re­fe­rên­cia. “Ho­je, por uma sim­ples fe­ri­da ou fu­rún­cu­lo as pes­so­as acor­rem aos hos­pi­tais, por­que sa­bem que nos cen­tros de saú­de mui­tas ve­zes não en­con­tram con­di­ções ou a ca­pa­ci­da­de de aten­di­men­to de­se­já­vel. Sen­tem-se mais se­gu­ras qu­an­do pro­cu­ram os hos­pi­tais”.

A Mul­ti­per­fil dis­põe de 54 mé­di­cos e 16 téc­ni­cos su­pe­ri­o­res de en­fer­ma­gem pa­ra aten­di­men­to em saú­de co­mu­ni­tá­ria.

EDUARDO PE­DRO

PCA da Mul­ti­per­fil Ma­nu­el Di­as dos San­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.