Ar­tis­ta plás­ti­co Man­go­vo mos­tra as su­as vi­vên­ci­as

Jornal de Angola - - CULTURA - MA­NU­EL ALBANO |

As cons­tan­tes in­ter­fe­rên­ci­as das prin­ci­pais po­tên­ci­as mun­di­ais nos as­sun­tos po­lí­ti­cos e eco­nó­mi­cos dos afri­ca­nos, a cons­ci­en­ci­a­li­za­ção e a pre­ser­va­ção dos há­bi­tos cul­tu­rais são os te­mas da 4ª ex­po­si­ção in­di­vi­du­al do ar­tis­ta plás­ti­co Cris­ti­a­no Man­go­vo, de­no­mi­na­da “Que di­rec­ção?”, a ser inau­gu­ra­da ama­nhã, às 18h30, no Cen­tro Cul­tu­ral Bra­silAn­go­la, em Lu­an­da.

Pa­ten­te du­ran­te 15 di­as, a ex­po­si­ção, ide­a­li­za­da há um ano, é com­pos­ta por 27 qua­dros, nos quais o ar­tis­ta uti­li­za as téc­ni­cas acrí­li­co e mis­ta so­bre te­la, en­quan­to nas qua­tro es­cul­tu­ras, o jo­vem ar­tis­ta plás­ti­co, de 34 anos, re­ci­clou fer­ros, plás­ti­cos, cha­pas e re­cu­pe­rou carcaças de mo­to­ri­za­das nas ru­as, que têm si­do os ele­men­tos in­dis­pen­sá­veis nas su­as cri­a­ções.

Cris­ti­a­no Man­go­vo, em de­cla­ra­ções on­tem ao Jor­nal de An­go­la, dis­se que os seus tra­ba­lhos são mul­ti­fa­ce­ta­dos, va­ri­an­do do re­tra­to ao im­pres­si­o­nis­mo e ao sur­re­a­lis­mo, pas­san­do pe­la ins­ta­la­ção, na qual ex­pe­ri­men­ta no­vas téc­ni­cas e di­fe­ren­te ma­te­ri­al.

Em qual­quer des­tas cor­ren­tes ou ten­dên­ci­as, pos­sui já um tra­ço pró­prio e in­con­fun­dí­vel, que dis­tin­gue o seu es­ti­lo no con­tex­to da pin­tu­ra con­tem­po­râ­nea an­go­la­na: a uti­li­za­ção da mo­to­ri­za­da nas su­as obras.

Pa­ra­le­la­men­te, Cris­ti­a­no Man­go­vo abra­ça a es­cul­tu­ra con­tem­po­râ­nea pe­la pai­xão e pe­la von­ta­de de dar uma se­gun­da vi­da a pro­du­tos que se­ri­am des­car­ta­dos pa­ra o li­xo, a fim de con­tri­buir pa­ra a pre­ser­va­ção am­bi­en­tal.

Hu­ma­nis­mo

Mo­men­tos an­tes da aber­tu­ra da ex­po­si­ção, há uma per­for­man­ce de­no­mi­na­da “Pre­o­cu­pa­ção dum gui­a­dor”, on­de o pro­ta­go­nis­ta prin­ci­pal da ex­po­si­ção, Cris­ti­a­no Man­go­vo con­tra­ce­na com o ar­tis­ta Lan­dryck Ra­mos. “A ideia é cri­ar uma ou­tra pers­pec­ti­va e cri­ar um ou­tro im­pac­to so­bre o con­cei­to de ar­te. Apa­re­ço co­mo o sal­va­dor de al­guém que es­ta­va a ne­ces­si­tar de aju­da ao re­len­to.”

Com­ple­men­ta ain­da a sua cri­a­ção ar­tís­ti­ca com a ver­ten­te de per­for­man­ce, atra­vés da qual en­car­na di­fe­ren­tes per­so­na­gens e in­te­ra­ge com as su­as obras ex­pos­tas, nu­ma re­la­ção pa­ter­nal cri­a­dor-cri­a­ção, co­mo se as­sim lhes des­se a opor­tu­ni­da­de de ga­nha­rem vi­da mo­men­tâ­nea e saí­rem da te­la pa­ra se ex­pres­sa­rem, por bre­ves mo­men­tos, atra­vés do seu cor­po.

O op­ti­mis­mo do ar­tis­ta, co­mo es­tá re­flec­ti­do na obra “Áfri­ca Uni­ted”, faz-lhe acre­di­tar nas po­ten­ci­a­li­da­des e na ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al dos afri­ca­nos em re­sol­ver e su­pe­rar os seus pró­pri­os pro­ble­mas, pe­los quais têm so­fri­do in­fluên­ci­as ne­ga­ti­vas das gran­des po­tên­ci­as mun­di­ais, que con­tri­bu­em pa­ra a ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e eco­nó­mi­ca.

Nos seus qua­dros, o pin­tor, faz tam­bém um ape­lo à ne­ces­si­da­de de os paí­ses do con­ti­nen­te con­ti­nu­a­rem a apos­tar for­te­men­te na di­ver­si­fi­ca­ção das su­as eco­no­mi­as, que de­vem es­tar as­sen­tes na cons­tru­ção e na re­a­bi­li­ta­ção das in­dús­tri­as, e no sec­tor da agri­cul­tu­ra.

PAU­LI­NO DA­MIÃO

Ar­tis­ta apos­ta na di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.