Lewis Ha­mil­ton es­te­ve em ris­co na úl­ti­ma pro­va

Jornal de Angola - - DESPORTO -

A Mer­ce­des te­meu pe­lo pi­or no úl­ti­mo GP do Mé­xi­co, com me­do de que Lewis Ha­mil­ton fos­se obri­ga­do a de­sis­tir da pro­va de­pois de ter fa­lha­do a tra­va­gem pa­ra a cur­va 1 lo­go no ar­ran­que da cor­ri­da. Ha­mil­ton quei­xou-se de­pois de vi­bra­ções no pneu, com a sua equi­pa a re­ve­lar ago­ra que po­de­ria ter op­ta­do por tra­zê­lo às bo­xes qu­an­do o "sa­fety-car" en­trou em pis­ta, mas que pre­fe­riu não fa­zê-lo pa­ra dar ao bri­tâ­ni­co uma mai­or hi­pó­te­se de ven­cer a cor­ri­da, mes­mo cor­ren­do o ris­co do seu pi­lo­to aban­do­nar a cor­ri­da.

“Com to­do o azar que o Lewis tem so­fri­do ao lon­go da tem­po­ra­da, ele con­se­guiu re­cu­pe­rar al­gu­ma sor­te de vol­ta, por­que ele re­al­men­te deu ca­bo do pneu”, re­fe­riu To­to Wolff.

“A vi­bra­ção foi as­sus­ta­do­ra ao iní­cio. Ti­ve­mos uma con­ver­sa com ele no rá­dio so­bre se ele de­ve­ria ou não pa­rar nas bo­xes por ra­zões de se­gu­ran­ça. Em qual­quer ou­tra pro­va ele te­ria parado e per­di­do a cor­ri­da. Mas o man­ti­ve­mos de mo­do a não des­truir por com­ple­to as su­as hi­pó­te­ses de ven­cer o cam­pe­o­na­to. Em ca­da vol­ta, em ca­da rec­ta da me­ta, nós mo­ni­to­ri­zá­mos as vi­bra­ções”, avan­çou o di­rec­tor des­por­ti­vo da Mer­ce­des.

Wolff acres­cen­tou: “A nos­sa equi­pa fez um tra­ba­lho fan­tás­ti­co em man­ter tu­do sob con­tro­lo e de­pois qu­an­do o man­dá­mos pa­rar um pou­co mais ce­do, uma vez que a vi­bra­ção es­ta­va ca­da vez mai­or e uma falha na sus­pen­são po­de­ria ter ocor­ri­do fa­cil­men­te”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.