PE­LO TER­CEI­RO DIA CONSECUTIVO Ter­ra vol­tou a tre­mer na Itá­lia

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Pe­lo ter­cei­ro dia consecutivo, a ter­ra vol­tou a tre­mer on­tem na Itá­lia e as­sus­tou a po­pu­la­ção da re­gião cen­tral do país, de­vas­ta­da pe­lo ter­ra­mo­to de 6,5 graus de mag­ni­tu­de de do­min­go úl­ti­mo, que não fez ví­ti­mas mor­tais, e pe­lo sis­mo de 6 graus ocor­ri­do em Agos­to. Uma ré­pli­ca de 4,7 graus foi sen­ti­da on­tem por vol­ta das 8h56 lo­cais nas re­giões de Mar­cas e Um­bria.

A ter­ra tam­bém tre­meu em An­co­na, Pe­rú­gia, e em al­guns pon­tos de Ro­ma, a ca­pi­tal da Itá­lia. Os tre­mo­res de ter­ra têm ocor­ri­do sem in­ter­rup­ções des­de o dia 24 de Agos­to, pe­río­do em que se re­gis­tou o pri­mei­ro gran­de ter­ra­mo­to, que des­truiu as ci­da­des de Ama­tri­ce e Ac­cu­mo­li, com um sal­do de 300 mor­tos e cen­te­nas de de­sa­bri­ga­dos.

Em 1908, es­ti­ma-se que pe­lo me­nos 70 mil pes­so­as mor­re­ram qu­an­do um tre­mor de ter­ra de mag­ni­tu­de 7,2 atin­giu a ci­da­de si­ci­li­a­na de Mes­si­na, on­de um tsu­na­mi, tam­bém as­so­ci­a­do ao ter­ra­mo­to, dei­xou a re­gião nu­ma si­tu­a­ção ca­tas­tró­fi­ca. Em 1915, hou­ve um ou­tro ter­ra­mo­to, em Avez­za­no, que dei­xou pe­lo me­nos 30 mil mor­tos e uma ci­da­de com­ple­ta­men­te ar­ra­sa­da. Da­li em di­an­te, fo­ram mui­tos os aba­los sís­mi­cos que fi­ze­ram a his­tó­ria da Itá­lia. Es­pe­ci­a­lis­tas acre­di­tam que os ter­ra­mo­tos in­flu­en­ci­a­ram tu­do na Itá­lia, des­de a dis­tri­bui­ção da po­pu­la­ção, Par­te da Ba­sí­li­ca cen­te­ná­ria de São Ben­to foi des­truí­da pe­lo sis­mo de do­min­go adap­ta­ção da ar­qui­tec­tu­ra até o di­a­lec­to fa­la­do em di­fe­ren­tes par­tes do país. E tra­ta-se de uma in­fluên­cia mui­to bem do­cu­men­ta­da. Ca­da vez que um ter­ra­mo­to des­trói uma igre­ja, os mo­ra­do­res in­sis­tem em re­for­má-la ou re­cons­truí-la e is­so aca­ba sem­pre re­gis­ta­do em li­vros - que se mos­tra­ram uma ri­ca fon­te de in­for­ma­ções pa­ra os ci­en­tis­tas que ten­tam en­ten­der a his­tó­ria sís­mi­ca da Itá­lia. Os pro­ble­mas sís­mi­cos que aba­lam o país po­dem ser ana­li­sa­dos no con­tex­to de uma gran­de co­li­são das pla­cas tec­tó­ni­cas afri­ca­na e eu­ro­a­siá­ti­ca na re­gião. Mas qu­an­do se ob­ser­va a si­tu­a­ção da Itá­lia em de­ta­lhe, fi­ca di­fí­cil en­con­trar o mo­ti­vo de ha­ver tan­tos ter­ra­mo­tos.

A pla­ca de Áfri­ca tem-se mo­vi­men­ta­do to­dos os anos cer­ca de 2 cm pa­ra o nor­te. Sen­do as­sim, a Itá­lia tem ex­pe­ri­men­ta­do mo­vi­men­tos com­ple­xos. O Mar de Tir­re­no, que se en­con­tra a oes­te do país, en­tre o con­ti­nen­te e Sar­de­nha/Cór­se­ga, es­tá a abrir-se pou­co a pou­co.

Segundo os es­pe­ci­a­lis­tas, is­so es­tá a con­tri­buir pa­ra uma se­pa­ra­ção dos Mon­tes Ape­ni­nos, a cor­di­lhei­ra que se es­ten­de por to­do o país, que es­ta­ria a mo­ver-se cer­ca de 3mm por ano.

Adi­ci­o­ne-se a is­so os mo­vi­men­tos no Adriá­ti­co, on­de há evi­dên­ci­as de que a cros­ta da ter­ra con­ti­nua a mo­ver-se num sen­ti­do an­tiho­rá­rio sob a Itá­lia. Ou se­ja, o país es­tá a ser li­te­ral­men­te em­pur­ra­do e pu­xa­do por to­dos os la­dos.

“Os Ape­ni­nos tam­bém são mui­to al­tos, a cros­ta é mui­to es­pes­sa e há um pro­ces­so de co­lap­so gra­vi­ta­ci­o­nal”, dis­se Richard Wal­ters, da Uni­ver­si­da­de de Durham, no Rei­no Uni­do.

“En­tão, há uma dis­se­mi­na­ção da cor­di­lhei­ra dos Ape­ni­nos, que tam­bém le­va à ex­ten­são, o tal mo­vi­men­to do ca­bo-de-guer­ra, e, por­tan­to, aos ter­ra­mo­tos.

O es­cri­tor e aca­dé­mi­co Pa­trí­cio Batsî­ka­ma vai pro­ce­der, no pró­xi­mo dia 10, em Ca­xi­to, ao lan­ça­men­to e as­si­na­tu­ra de au­tó­gra­fos da sua no­va obra, in­ti­tu­la­da “O Po­der Po­lí­ti­co Mbun­du”, no qua­dro das fes­ti­vi­da­des alu­si­vas ao Dia da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal. A ce­ri­mó­nia de lan­ça­men­to do li­vro vai de­cor­rer das 10h00 às 12h00 na Es­co­la Su­pe­ri­or do Ben­go. O li­vro, com 108 pá­gi­nas e di­vi­di­do em qua­tro ca­pí­tu­los, pro­cu­ra dis­cu­tir as amos­tras so­ci­o­lin­guís­ti­cas ban­tu re­la­ci­o­na­das com os Mbun­du pa­ra per­ce­ber o po­der no pas­sa­do, as­sim co­mo te­cer um fio di­a­cró­ni­co ex­ten­si­vo da evo­lu­ção his­tó­ri­ca do con­jun­to mbun­du.

O rei de Mar­ro­cos en­car­re­gou o mi­nis­tro do In­te­ri­or de ten­tar acal­mar os âni­mos da po­pu­la­ção que es­tá a sair às ru­as em vá­ri­as ci­da­des e já anun­ci­ou a aber­tu­ra de um inqué­ri­to pa­ra apu­rar o que se pas­sou so­bre a mor­te sex­ta-fei­ra à noi­te em Al-Ho­cei­ma de Mouh­ci­ne Fi­kri, um ven­de­dor de pei­xe de 31 anos es­ma­ga­do por um camião do li­xo, qu­an­do ten­ta­va opor-se à apreensão e des­trui­ção da sua mer­ca­do­ria por agen­tes de fis­ca­li­za­ção da ci­da­de.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.