Con­de­na­da a pro­fa­na­ção de ce­mi­té­ri­os

Igre­ja Ca­tó­li­ca la­men­ta maus com­por­ta­men­tos e re­a­li­za ac­tos re­li­gi­o­sos nos ce­mi­té­ri­os de Lu­an­da

Jornal de Angola - - PARTADA - VIC­TO­RI­NO JOAQUIM |

O se­cre­tá­rio da Co­mis­são Epis­co­pal do Cle­ro da Con­fe­rên­cia Epis­co­pal de An­go­la e São To­mé (CEAST), pa­dre Cor­reia Hi­lá­rio, la­men­tou on­tem, em Lu­an­da, o com­por­ta­men­to das pes­so­as que não res­pei­tam os tú­mu­los nos ce­mi­té­ri­os, qu­an­do vão a en­ter­rar os seus en­tes que­ri­dos.

“É ta­re­fa de to­dos nós ci­da­dãos, cren­tes e não cren­tes, pro­te­ger e cui­dar dos ce­mi­té­ri­os on­de re­pou­sam aque­les que par­ti­ram an­tes de nós e que nos aguar­dam a qual­quer mo­men­to. É o des­ti­no de to­dos, nin­guém tem co­mo es­ca­par da mor­te. Se­ja na ju­ven­tu­de ou na ve­lhi­ce, a mor­te é um da­do exis­ten­ci­al ine­vi­tá­vel”, dis­se o pa­dre Cor­reia Hi­lá­rio pa­ra acres­cen­tar: “Nes­te dia de­di­ca­do aos que par­ti­ram an­tes de nós, de­ve­mos ma­ni­fes­tar a nos­sa fé, o nos­so ca­ri­nho, o nos­so sen­ti­men­to de saudade, le­van­do flo­res, o ter­ço ou ou­tro ob­jec­to de de­vo­ção ou pi­e­da­de que nos aju­de a man­ter uma re­la­ção de in­ti­mi­da­de com aque­les que dor­mem na paz do Se­nhor”.

O re­li­gi­o­so afir­mou que os ce­mi­té­ri­os de­vi­am es­tar tão lim­pos co­mo se fos­sem as nos­sas pró­pri­as ca­sas ha­bi­ta­das e que a sua lim­pe­za não de­ve ser fei­ta ape­nas na pro­xi­mi­da­de do dia dos mor­tos. “Que­ren­do ou não, é o lu­gar que nos espera a to­dos”, sa­li­en­tou.

Ou­tra me­di­da que se po­de to­mar pa­ra que os mor­tos des­can­sem em paz, segundo o pa­dre, é não ven­der bebidas al­coó­li­cas nos ar­re­do­res dos ce­mi­té­ri­os e os ser­vi­ços de se­gu­ran­ça não dei­xa­rem en­trar pes­so­as em­bri­a­ga­das ou que es­te­jam a con­su­mir bebidas al­coó­li­cas.

O pa­dre no­tou que qu­an­do re­a­li­zam os fu­ne­rais as pes­so­as pi­sam nas campas, fa­zem uso de bebidas al­coó­li­cas, pro­mo­vem gri­ta­ri­as e dan­ças pro­fa­nas, ao in­vés de se re­me­te­rem ao si­lên­cio e re­flec­ti­rem so­bre a vi­da.

Hon­ra e me­mó­ria

Em An­go­la é tra­di­ção as fa­mí­li­as ren­de­rem ho­me­na­gem aos en­tes que­ri­dos fa­le­ci­dos com re­zas, lim­pe­za das campas e de­po­si­ção de co­ro­as de flo­res. On­tem a equi­pa de re­por­ta­gem do Jor­nal de An­go­la en­con­trou a ci­da­dã Ana Maria, mais co­nhe­ci­da por Nai­ta, no Ce­mi­té­rio da Ca­ma­ma. Ela dis­se que, à se­me­lhan­ça dos anos an­te­ri­o­res, o Dia dos Fi­na­dos não vai pas­sar em bran­co. “Vim até aqui pre­pa­rar a cam­pa e no Dia dos Fi­na­dos, co­mo tem si­do há­bi­to, vou acen­der ve­las e vol­tar a orar pa­ra que a al­ma da mi­nha mãe des­can­se em paz”, dis­se.

Ana Maria “Nai­ta” tem cons­ci­ên­cia de que a sua mãe, fa­le­ci­da há dez anos, já não vol­ta. Pa­ra mi­ni­mi­zar a dor da per­da, ela faz ques­tão de lem­brar os mo­men­tos de vi­da par­ti­lha­dos e tem sem­pre em men­te a ne­ces­si­da­de de hon­rar a sua me­mó­ria. “Uma pes­soa que tu­do fez pa­ra que eu fos­se ho­je uma mu­lher dig­na e res­pei­ta­da na so­ci­e­da­de”. É sua con­vic­ção que “as pes­so­as mor­rem pa­ra o mun­do, mas nas­cem pa­ra Deus” e que “em to­da a mor­te de­ve ha­ver uma no­va vi­da”.

Fé e con­vic­ção

No ce­mi­té­rio da Sant’Ana, An­tó­nia Oc­tá­vio var­ria e lim­pa­va o pó na cam­pa on­de es­tão se­pul­ta­dos a mãe e o tio. “Te­nho a fé e a con­vic­ção de que eles es­tão com Deus e dão-me for­ça”, dis­se à re­por­ta­gem do Jor­nal de An­go­la.

Mis­sas em to­dos os ce­mi­té­ri­os

Es­ta pre­vis­ta pa­ra ho­je, em to­dos os ce­mi­té­ri­os de Lu­an­da, a ce­le­bra­ção de mis­sas. No Al­to das Cru­zes a mis­sa de­cor­re às 9h00, pre­si­di­da por Dom Fi­lo­me­no Vi­ei­ra Di­as, Ar­ce­bis­po de Lu­an­da. No Ce­mi­té­rio da Ca­ma­ma, à mes­ma ho­ra, a mis­sa é ofi­ci­a­da por Dom Anas­tá­cio Kahan­go, Bis­po Au­xi­li­ar Emé­ri­to de Lu­an­da, e no de Ben­fi­ca, tam­bém às 9h00, é pre­si­di­da pe­lo Vi­gá­rio Epis­co­pal da Vi­ga­ra­ria de São Pe­dro. Dom Ze­fe­ri­no Ze­ca Martins, Bis­po Au­xi­li­ar de Lu­an­da, pre­si­de à mis­sa as 15h00 no ce­mi­té­rio de Sant'Ana. Às 10h00 Dom Joaquim Fer­rei­ra Lo­pes, Bis­po de Vi­a­na, ofi­cia a mis­sa no ce­mi­té­rio de Vi­a­na.

EDUARDO PE­DRO

Segundo a Igre­ja Ca­tó­li­ca é ta­re­fa de to­dos os ci­da­dãos pro­te­ger e cui­dar dos ce­mi­té­ri­os on­de re­pou­sam “aque­les que par­ti­ram an­tes de nós”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.