Lan­ça­do de­tec­tor pa­ra tu­ber­cu­lo­se

UNI­VER­SI­TÁ­RI­OS BOLIVIANOS

Jornal de Angola - - OPINIÃO - VA­LE­RIA MENDIZÁBAL |

Dois uni­ver­si­tá­ri­os bolivianos cri­a­ram um chip pa­ra mi­cros­có­pi­os que de­tec­ta au­to­ma­ti­ca­men­te a tu­ber­cu­lo­se em amos­tras de saliva, um pro­ces­so que na Bo­lí­via e nou­tros paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to se re­a­li­za com ba­ci­los­co­pi­as nem sem­pre pre­ci­sas.

Ro­dri­go Lo­za, de 22 anos, e Kha­lil Nal­lar, de 21, es­tu­dan­tes de bi­o­me­di­ci­na e me­ca­tró­ni­ca, res­pec­ti­va­men­te, na Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca Bo­li­vi­a­na, con­si­de­ram o dis­po­si­ti­vo uma al­ter­na­ti­va aos “mé­to­dos an­ti­gos e pou­co pre­ci­sos” usa­dos pa­ra di­ag­nos­ti­car a do­en­ça.

“Pro­po­mos um dis­po­si­ti­vo ba­ra­to, au­to­má­ti­co (sem ne­ces­si­da­de de ma­ni­pu­la­ção hu­ma­na) e 100 por cen­to se­gu­ro”, afir­mou Lo­za à Agên­cia Efe.

A tu­ber­cu­lo­se é uma das pri­mei­ras cau­sas de mor­ta­li­da­de no mun­do com 1,3 mi­lhões de ví­ti­mas por ano. No en­tan­to, as ta­xas de mor­ta­li­da­de mais al­tas pe­la do­en­ça es­tão nos paí­ses po­bres ou em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to de Áfri­ca, Ásia e Amé­ri­ca La­ti­na.

Lo­za e Nal­lar co­me­ça­ram o seu tra­ba­lho com uma vi­si­ta ao Hos­pi­tal do Tó­rax de La Paz, ins­ti­tui­ção que di­ag­nos­ti­ca a tu­ber­cu­lo­se com ba­se na ba­ci­los­co­pia, tes­te efec­tu­a­do em três di­as con­se­cu­ti­vos, on­de se co­lhe uma amos­tra de saliva pa­ra de­tec­tar a do­en­ça.

No en­tan­to, ex­pli­cou Nal­lar, o mé­to­do tem “vá­ri­as li­mi­ta­ções”, já que é um pro­ces­so “lon­go e can­sa­ti­vo” pa­ra o mé­di­co, por­que ele tem que fi­car vá­ri­as ho­ras a olhar pa­ra o mi­cros­có­pio. Além dis­so, é “pou­co con­fiá­vel” por­que não es­ta­be­le­ce com cer­te­za se o pa­ci­en­te é por­ta­dor do ví­rus, o que di­fi­cul­ta a sua pre­ven­ção.

Lo­za res­sal­tou que é mui­to im­por­tan­te di­ag­nos­ti­car a do­en­ça a tem­po, mas às ve­zes is­so não acon­te­ce.

“Fo­ram cri­a­dos no­vos mé­to­dos de ti­po mo­le­cu­lar pa­ra de­tec­tar a do­en­ça, mas não são im­ple­men­ta­dos em paí­ses po­bres de­vi­do à fal­ta de re­cur­sos eco­nó­mi­cos e de pessoal ca­pa­ci­ta­do na área”, acres­cen­tou.

Di­an­te dis­to, os in­ven­to­res pen­sa­ram em au­to­ma­ti­zar o di­ag­nós­ti­co da tu­ber­cu­lo­se atra­vés de um chip in­te­li­gen­te que per­mi­te ao mi­cros­có­pio iden­ti­fi­car au­to­ma­ti­ca­men­te a do­en­ça e pro­ces­sar os re­sul­ta­dos num apli­ca­ti­vo que os mé­di­cos pos­sam usar.

“O bom do nos­so dis­po­si­ti­vo é que é pre­ci­so, rá­pi­do e ba­ra­to, cus­ta 130 dó­la­res e, in­clu­si­ve, po­de­ria ser me­nos se a pro­du­ção for mas­si­fi­ca­da. Por­tan­to, nós pro­po­mos a es­pe­ci­fi­ci­da­de e pre­ci­são de di­ag­nós­ti­cos a um bai­xo cus­to”, res­sal­tou Lo­za.

O dis­po­si­ti­vo pro­pos­to pe­los jo­vens é for­ma­do por uma par­te me­câ­ni­ca e ou­tra com um hard­ware (su­por­te fí­si­co) e um soft­ware (su­por­te ló­gi­co).

Segundo Lo­za, na par­te me­câ­ni­ca de­sen­vol­ve­ram-se mo­de­los em 3D aju­da­dos por fer­ra­men­tas de soft­ware que per­mi­ti­ram dar mo­vi­men­to ao mi­cros­có­pio e au­to­ma­ti­zar to­dos os seus ei­xos.

“Pa­ra o soft­ware de­sen­vol­veu-se a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al do dis­po­si­ti­vo e o con­tro­le da par­te me­câ­ni­ca”, acres­cen­tou Nal­lar.

O pri­mei­ro pro­tó­ti­po do dis­po­si­ti­vo es­tá pron­to e ago­ra é ob­jec­to de tes­tes no la­bo­ra­tó­rio de ba­ci­los­co­pia do Hos­pi­tal do Tó­rax.

O res­pon­sá­vel pe­lo la­bo­ra­tó­rio, o mé­di­co Anel Ál­va­rez, co­men­tou que o dis­po­si­ti­vo “fun­ci­o­na bem” e, em­bo­ra “fal­te tra­ba­lhar um pou­co” com a iden­ti­fi­ca­ção pre­ci­sa dos ba­ci­los, o tra­ba­lho do chip é “im­pres­si­o­nan­te”. Dis­se que nor­mal­men­te no la­bo­ra­tó­rio são fei­tas en­tre 30 e 40 ba­ci­los­co­pi­as diá­ri­as e que, mui­tas ve­zes, dão co­mo re­sul­ta­dos fal­sos ne­ga­ti­vos.

“Apli­car o chip cri­a­do pe­los ra­pa­zes se­ria al­go ge­ni­al por­que nos aju­da­ria bas­tan­te na pre­ci­são e ra­pi­dez do di­ag­nós­ti­co, o que con­tri­bui­ria pa­ra a pre­ven­ção da do­en­ça”, acres­cen­tou Ál­va­rez.

Lo­za e Nal­lar apre­sen­ta­ram o seu dis­po­si­ti­vo no Hac­ka­day Pri­ce, con­cur­so ame­ri­ca­no que con­ta com a par­ti­ci­pa­ção de mil re­pre­sen­tan­tes de di­fe­ren­tes par­tes do mun­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.