Des­ta­ca­dos mei­os aé­re­os pa­ra o re­gis­to nas al­dei­as

Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio vai ter dis­po­ní­veis mei­os aé­re­os e vi­a­tu­ras mi­li­ta­res to­do-o-ter­re­no

Jornal de Angola - - PARTADA - ISIDORO SAMUTULA* | Dun­do

O pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral na pro­vín­cia da Lun­da Nor­te pas­sa, a par­tir des­te mês, a ser ex­ten­si­vo às al­dei­as de di­fí­cil aces­so, por es­ta­rem cri­a­das as con­di­ções ma­te­ri­ais e hu­ma­nas pa­ra es­te de­sa­fio, anun­ci­ou o director pro­vin­ci­al dos Re­gis­tos. Fre­de­ri­co Bar­ro­so, que fa­la­va na ses­são or­di­ná­ria do Con­se­lho Pro­vin­ci­al de Aus­cul­ta­ção e Con­cer­ta­ção So­ci­al, dis­se que o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio vai dis­po­ni­bi­li­zar mei­os aé­re­os e vi­a­tu­ras mi­li­ta­res to­do-o-ter­re­no, pa­ra que os bri­ga­dis­tas pos­sam atin­gir as áre­as con­si­de­ra­das de di­fí­cil aces­so. A ní­vel do Go­ver­no Pro­vin­ci­al e das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais, re­fe­riu, tam­bém há dis­po­ni­bi­li­da­de de mei­os e de re­cur­sos hu­ma­nos pa­ra apoi­ar as bri­ga­das a trans­por as bar­rei­ras que as im­pe­dem de atin­gir de­ter­mi­na­das lo­ca­li­da­des da re­gião.

O pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral na pro­vín­cia da Lun­da Nor­te pas­sa, a par­tir des­te mês, a ser ex­ten­si­vo às zonas de di­fí­cil aces­so, por es­ta­rem cri­a­das as con­di­ções ma­te­ri­ais e hu­ma­nas pa­ra es­te de­sa­fio, anun­ci­ou on­tem o director pro­vin­ci­al dos Re­gis­tos.

Fre­de­ri­co Bar­ro­so, que fa­la­va na ses­são or­di­ná­ria do Con­se­lho Pro­vin­ci­al de Aus­cul­ta­ção e Con­cer­ta­ção So­ci­al, dis­se que o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio vai dis­po­ni­bi­li­zar mei­os aé­re­os e vi­a­tu­ras mi­li­ta­res to­do-o-ter­re­no, pa­ra que os bri­ga­dis­tas pos­sam atin­gir as áre­as con­si­de­ra­das de di­fí­cil aces­so.

A ní­vel do go­ver­no pro­vin­ci­al e das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais, re­fe­riu, tam­bém há dis­po­ni­bi­li­da­de de mei­os e de re­cur­sos hu­ma­nos pa­ra apoi­ar as bri­ga­das a trans­por as bar­rei­ras que as im­pe­de de atin­gir de­ter­mi­na­das lo­ca­li­da­des da re­gião. “Es­ta­mos a con­tar com apoi­os do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio e do go­ver­no pro­vin­ci­al pa­ra que o re­gis­to che­gue a to­das as lo­ca­li­da­des da pro­vín­cia”, in­for­mou Fre­de­ri­co Bar­ro­so, que re­al­çou a for­ma­ção de 17 bri­ga­dis­tas que pas­sam a co­or­de­nar as ac­ti­vi­da­des das bri­ga­das re­cen­te­men­te cri­a­das.

O director pro­vin­ci­al dos Re­gis­tos anun­ci­ou, pa­ra os pró­xi­mos di­as, a en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to de 35 bri­ga­das a ní­vel da pro­vín­cia da Lun­da Nor­te, pa­ra as­se­gu­rar o re­gis­to e a emis­são da se­gun­da via de car­tões de elei­tor.

Fre­de­ri­co Bar­ro­so anun­ci­ou tam­bém, ain­da pa­ra es­ta se­ma­na, a re­a­li­za­ção de um se­mi­ná­rio so­bre o re­gis­to elei­to­ral, com in­ci­dên­cia pa­ra a edu­ca­ção cí­vi­ca, de mo­do a es­cla­re­cer o ci­da­dão so­bre a im­por­tân­cia do re­gis­to elei­to­ral na pro­mo­ção dos va­lo­res de­mo­crá­ti­cos e con­so­li­da­ção do Es­ta­do de di­rei­to em Angola. O ci­clo de se­mi­ná­ri­os de edu­ca­ção cí­vi­ca é ex­ten­si­vo às co­mu­ni­da­des, nas di­fe­ren­tes mu­ni­ci­pa­li­da­des, e tem tam­bém co­mo ob­jec­ti­vo a for­ma­ção de agen­tes de edu­ca­ção cí­vi­ca que vão tra­ba­lhar na mo­bi­li­za­ção da po­pu­la­ção nas zonas ru­rais e su­bur­ba­nas. Os re­pre­sen­tan­tes dos par­ti­dos po­lí­ti­cos pre­sen­tes na reu­nião do Con­se­lho de Aus­cul­ta­ção e Con­cer­ta­ção So­ci­al re­cla­ma­ram a su­pos­ta re­co­lha de car­tões elei­to­rais aos alu­nos em al­gu­mas es­co­las, prá­ti­ca que, se­gun­do eles, con­tra­ria a lei.

Es­ta si­tu­a­ção foi de­vi­da­men­te es­cla­re­ci­da pe­lo director pro­vin­ci­al dos Re­gis­tos. Fre­de­ri­co Bar­ro­so, que dis­se ter si­do cri­a­da uma co­mis­são que in­te­grou mem­bros da Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção e cons­ta­tou que as re­fe­ri­das es­co­las es­ta­vam ape­nas a re­a­li­zar cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção aos alu­nos pa­ra ade­ri­rem ao pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral. “Ave­ri­guá­mos com trans­pa­rên­cia o as­sun­to e no­tá­mos que a in­for­ma­ção é in­con­sis­ten­te, por ca­re­cer de con­fir­ma­ção”, dis­se Fre­de­ri­co Bar­ro­so, su­bli­nhan­do que não exis­te ne­nhu­ma ori­en­ta­ção pa­ra a re­co­lha de car­tões de elei­to­res, ten­do de­fen­di­do que qu­em as­sim pro­ce­der de­ve ser de­nun­ci­a­do aos ór­gãos da jus­ti­ça.

A reu­nião do Con­se­lho Pro­vin­ci­al de Aus­cul­ta­ção e Con­cer­ta­ção So­ci­al foi pre­si­di­da pe­lo go­ver­na­dor da Lun­da Nor­te, Er­nes­to Mu­an­ga­la. Du­ran­te o en­con­tro, fo­ram abor­da­das ques­tões co­mo a pro­pos­ta de Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017, o im­pac­to so­bre o con­su­mo de sal não io­di­za­do, bem co­mo as ac­ti­vi­da­des de­sen­vol­vi­das em 2016, prin­ci­pal­men­te, as obras em cur­so e a sua exe­cu­ção fí­si­ca.

Crí­ti­cas aos po­lí­ti­cos

Os lí­de­res po­lí­ti­cos de­vem evi­tar as­sun­tos que en­co­ra­jam os jo­vens e os ci­da­dãos de uma for­ma ge­ral a fur­ta­rem-se aos com­pro­mis­sos que for­ti­fi­cam a de­mo­cra­cia, co­mo a ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral, ape­lou on­tem, no Lubango, o ar­ce­bis­po ca­tó­li­co Dom Ga­bri­el Mbi­lin­gui.

O pre­la­do, que fa­la­va à An­gop so­bre a quin­ta pe­re­gri­na­ção ao San­tuá­rio da Mu­xi­ma do To­co, ma­ni­fes­tou-se in­sa­tis­fei­to com al­guns pro­nun­ci­a­men­tos de lí­de­res po­lí­ti­cos que de­sen­co­ra­jam os jo­vens a pro­ce­der ao re­gis­to elei­to­ral.

“De­ve­mos to­dos, nes­ta fa­se, dei­xar de la­do mui­tas am­bi­gui­da­des que po­dem ma­ni­pu­lar os ci­da­dãos a dei­xa­rem de cum­prir o seu de­ver”, de­fen­deu.

Dom Mbi­lin­gui dis­se que os lí­de­res po­lí­ti­cos, re­li­gi­o­sos e a so­ci­e­da­de de­vem em­pe­nhar-se pa­ra que o pro­ces­so de re­gis­to te­nha êxi­to e que to­dos pos­sam vo­tar e es­co­lher os di­ri­gen­tes do país. Su­bli­nhou que só com a par­ti­ci­pa­ção de to­dos é que o Go­ver­no vai re­a­li­zar os an­sei­os de to­dos angolanos. “Nes­te sen­ti­do, a te­má­ti­ca é in­cen­ti­var os jo­vens pa­ra que se sin­tam par­te des­te país e com­pro­me­ti­dos com ele”, de­fen­deu.

O al­can­ce des­de ob­jec­ti­vo, con­si­de­rou, pas­sa pe­lo em­pe­nho na for­ma­ção. “De­vem cul­ti­var-se e não se dei­xar le­var pe­lo de­sâ­ni­mo”, in­cen­ti­vou. O ar­ce­bis­po do Lubango con­de­nou a op­ção pe­la cor­rup­ção co­mo for­ma de se al­can­çar os ob­jec­ti­vos da vi­da. “A ga­so­sa não dá in­te­li­gên­cia e não vai per­mi­tir que pos­sa­mos ex­plo­rar com sa­be­do­ria os re­cur­sos na­tu­rais de que dis­po­mos”, aler­tou.

No Mo­xi­co, o director pro­vin­ci­al dos An­ti­gos Com­ba­ten­tes e Ve­te­ra­nos da Pá­tria, Rú­ben Bar­na­bé, in­cen­ti­vou terça-fei­ra os as­sis­ti­dos a afluí­rem aos pos­tos de re­gis­to elei­to­ral. Em de­cla­ra­ções à An­gop, no Lu­e­na, Rú­ben Bar­na­bé en­co­ra­jou os as­sis­ti­dos a irem às bri­ga­das elei­to­rais pa­ra ac­tu­a­li­za­rem seus da­dos e es­ta­rem ha­bi­li­ta­dos a exer­ce­rem o seu di­rei­to de vo­to nas elei­ções de 2017

O mes­mo ape­lo foi es­ten­di­do aos jo­vens que com­ple­tam 18 anos até Agos­to de 2017. “To­dos são cha­ma­dos ao re­gis­to e ac­tu­a­li­za­ção elei­to­ral, pa­ra cum­pri­rem com o seu de­ver cí­vi­co e em 2017 es­co­lhe­rem os seus di­ri­gen­tes, da­da a im­por­tân­cia do car­tão de elei­tor”, fri­sou Rú­ben Bar­na­bé.

DO­MIN­GOS CADENCIA

Mais bri­ga­dis­tas fo­ram for­ma­dos pa­ra tra­ba­lha­rem nas áre­as de di­fí­cil aces­so e as­se­gu­rar a emis­são da se­gun­da via do car­tão de elei­tor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.