CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - DÁRIO CABRAL AIDA FERNANDES LUZIA NASCIMENTO

Me­da­lha de Ou­ro

Nem to­dos os di­as ou­vi­mos que a in­ven­ção e a cri­a­ção de angolanos são mo­ti­vo de ou­tor­ga de me­da­lha ou re­co­nhe­ci­men­to “mag­na cum lau­de”, co­mo di­zi­am os la­ti­nos em alu­são às gran­des hon­ras. Re­cen­te­men­te, na Fei­ra de Nu­rem­ber­ga, na Ale­ma­nha, in­ven­to­res angolanos le­va­ram o pro­du­to do seu tra­ba­lho, ten­do me­re­ci­do a de­vi­da aten­ção da or­ga­ni­za­ção.

O so­ro ex­pe­ri­men­tal de­no­mi­na­do “Mu­ri­no” pa­ra tra­ta­men­to de ví­ti­mas de mor­de­du­ras de ser­pen­tes, de­sen­vol­vi­do por uma equi­pa de dez in­ves­ti­ga­do­res, li­de­ra­da pe­la mé­di­ca angolana Pau­la Oli­vei­ra, ar­re­ba­tou uma me­da­lha de ou­ro.

Tra­ta-se de um gran­de fei­to na me­di­da em que po­de ter um efei­to de gran­de di­men­são no tra­ta­men­to de mor­de­du­ras de co­bras. Afi­nal, vi­ve­mos num país que pos­sui vas­tas áre­as ru­ra­li­za­das em que as co­mu­ni­da­des se en­con­tram mui­to pró­xi­mas do ha­bi­tat na­tu­ral de uma va­ri­e­da­de de ser­pen­tes.

A ex­po­si­ção das pes­so­as e ani­mais às ser­pen­tes cons­ti­tui um pe­ri­go ele­va­do so­bre­tu­do na au­sên­cia de an­tí­do­tos que se adap­tem aos ti­pos de ser­pen­tes e res­pec­ti­vos ve­ne­nos. Co­mo se sa­be, gran­de par­te dos an­tí­do­tos im­por­ta­dos pa­ra tra­tar de mor­de­du­ras de co­bras nem sem­pre ser­vem com a pre­ci­são e efi­cá­cia que se es­pe­ra pre­ci­sa­men­te por­que se tra­ta de re­mé­di­os “des­fa­sa­dos” da re­a­li­da­de angolana. Co­mo pro­va a ex­pe­ri­ên­cia, na­da me­lhor do que fa­zer um an­tí­do­to a par­tir dos com­po­nen­tes do ve­ne­no que se pre­ten­de “imo­bi­li­zar” ou tra­tar. O so­ro Mu­ri­no tem es­sa im­por­tan­te ca­rac­te­rís­ti­ca por­que é fei­to com ba­se em amos­tras de ve­ne­no de ser­pen­tes da fau­na angolana.

Es­pe­ro que es­se so­ro ga­nhe a pro­jec­ção de que pre­ci­sa e que se trans­for­me num re­mé­dio in­ter­na­ci­o­nal­men­te re­co­nhe­ci­do e com lar­ga cir­cu­la­ção em Áfri­ca em ge­ral e em Angola em par­ti­cu­lar.

In­clu­são fi­nan­cei­ra

Na aber­tu­ra da quar­ta edi­ção do Fó­rum In­ter­na­ci­o­nal so­bre in­clu­são fi­nan­cei­ra, fi­cou as­sen­te que o sis­te­ma de pa­ga­men­tos mó­veis e o cor­res­pon­den­te ban­cá­rio po­dem ter um im­pac­to di­rec­to na pro­mo­ção do aces­so aos ser­vi­ços fi­nan­cei­ros ban­cá­ri­os. No fun­do, pre­ten­deu-se ava­li­ar um con­jun­to de fer­ra­men­tas que aju­dem o país a ca­mi­nhar pa­ra efec­ti­var a in­clu­são fi­nan­cei­ra.

Se­gun­do um al­to fun­ci­o­ná­rio ban­cá­rio, a uti­li­za­ção dos ser­vi­ços e pro­du­tos fi­nan­cei­ros, por par­te dos ci­da­dãos, no qua­dro da in­clu­são fi­nan­cei­ra, em to­da a sua ex­ten­são e pro­fun­di­da­de, é um pro­jec­to es­tra­té­gi­co do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, in­se­ri­do no Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to 2013-2017.

Acho que fa­lou mui­to bem quan­do de­fen­deu o pa­pel e a im­por­tân­cia do aces­so aos ser­vi­ços fi­nan­cei­ros no com­ba­te à po­bre­za, na me­lho­ria da qua­li­da­de de vi­da e no es­tí­mu­lo à pou­pan­ça fi­nan­cei­ra, ao fi­nan­ci­a­men­to da eco­no­mia. So­bre o sis­te­ma de pa­ga­men­tos mó­veis no mun­do, aque­la au­to­ri­da­de ban­cá­ria dis­se que o cres­ci­men­to ex­po­nen­ci­al dos mer­ca­dos de smartpho­nes, ta­blets e as res­pec­ti­vas apli­ca­ções mó­veis con­du­zi­ram a uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma nos mé­to­dos de pa­ga­men­to.

Ma­te­ri­al eléc­tri­co

Ou­vi que são no to­tal 14 im­pli­ca­dos na des­trui­ção e rou­bo de ma­te­ri­ais eléc­tri­cos na zo­na do Camama e en­tre os im­pli­ca­dos cons­tam um con­go­lês de­mo­crá­ti­co, um cos­ta­mar­fi­nen­se e um gui­ne­en­se. Se­gun­do as au­to­ri­da­des po­li­ci­ais, tra­ta-se de um gru­po que vem van­da­li­zan­do in­fra-es­tru­tu­ras eléc­tri­cas em Lu­an­da. De se­gui­da ven­di­am o es­pó­lio re­sul­tan­te das su­as ac­ções em pon­tos bem lo­ca­li­za­dos, ha­bi­tu­al­men­te em Vi­a­na, on­de os ma­te­ri­ais eram fun­di­dos e de­pois ven­di­dos a ou­tro gru­po de in­te­res­sa­dos no ne­gó­cio.

Em pos­se dos de­ti­dos fo­ram en­con­tra­das 98 ti­ras de 50 cen­tí­me­tros de ca­bo eléc­tri­co usa­do na cons­tru­ção das li­nhas de al­ta ten­são, três ro­los de ca­bos de se­te me­tros e uma ba­lan­ça.

É mui­ta des­trui­ção e tra­ta-se de um pre­ce­den­te que se não for de­vi­da­men­te in­ver­ti­do, po­de­mos ter sé­ri­os pro­ble­mas. En­quan­to o Es­ta­do se es­for­ça pa­ra pro­por­ci­o­nar bo­as con­di­ções em ma­té­ria de for­ne­ci­men­to de água e ener­gia, não fal­tam com­pa­tri­o­tas que se de­di­cam a fa­zer o con­trá­rio.

CASIMIRO PEDRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.