A vi­da não pá­ra

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A mor­te acom­pa­nhou sem­pre os se­res hu­ma­nos des­de os pri­mór­di­os, ten­do si­do on­tem, sen­do ho­je e se­gu­ra­men­te ama­nhã, con­ti­nu­a­men­te, uma re­a­li­da­de ine­vi­tá­vel.

Os pri­mei­ros di­as do mês de No­vem­bro, no­me­a­da­men­te o dia 1, Dia de To­dos os San­tos, e o se­gun­do, Dia dos Fiéis De­fun­tos ou Dia dos Mor­tos, re­pre­sen­tam pa­ra o mun­do cris­tão mo­men­tos de lem­bran­ça, de res­pei­to e de ho­me­na­gem me­re­ci­das a to­dos quan­tos fa­le­ce­ram. É as­sim, pe­lo me­nos no mun­do cris­tão, in­clu­si­ve no seio de al­gu­mas ci­vi­li­za­ções não cris­tãs, dis­tin­guin­do-se mui­tas ve­zes nas da­tas e prá­ti­cas, fac­to que tor­na qua­se uni­ver­sal a ob­ser­vân­cia das re­fe­ri­das da­tas.

No fun­do, ser­vem igual­men­te pa­ra lem­brar a di­men­são efé­me­ra da vi­da hu­ma­na, a ideia de que es­pe­ra­mos to­dos e ca­da um de nós pe­la nos­sa vez, bem co­mo lem­brar o res­pei­to que de­ve­mos ter pe­lo lu­gar pa­ra on­de to­dos ire­mos.

On­tem, Angola in­tei­ra ren­deu ho­me­na­gem a to­dos quan­tos, por va­ri­a­das cau­sas, dei­xa­ram de fa­zer par­te do mun­do dos vi­vos, con­ti­nu­an­do a me­re­cer da par­te dos vi­ven­tes lem­bran­ça, apren­di­za­gem dos en­si­na­men­tos e sau­da­de.

Tra­ta-se de uma ce­le­bra­ção ob­ser­va­da na mai­o­ria dos paí­ses cris­tãos em to­do o mun­do, sen­do nal­guns paí­ses co­me­mo­ra­do co­mo fe­ri­a­do na­ci­o­nal, tal co­mo su­ce­de em Angola. No dia de on­tem, as fa­mí­li­as e pes­so­as sin­gu­la­res, de con­fis­são cris­tã, de­di­ca­ram tem­po e es­pa­ço pa­ra uma ob­ser­vân­cia con­dig­na do Dia dos Fi­na­dos.

Na pro­cis­são, as igre­jas não fi­ca­ram atrás na me­di­da em que pro­mo­ve­ram, um pou­co por to­do o país, ac­tos re­li­gi­o­sos li­ga­dos ao Dia dos Mor­tos. Acre­di­ta­mos que a mai­o­ria das igre­jas apro­vei­tou o dia de on­tem pa­ra a re­a­li­za­ção de cul­tos e de ou­tras ac­ções em que pro­cu­ra­ram sa­li­en­tar o res­pei­to pe­los mor­tos.

Assistiu-se um pou­co por to­do o país a ac­ções de ro­ma­ria pa­ra os ce­mi­té­ri­os, a aqui­si­ção de co­ro­as de flo­res e lim­pe­za de cam­pas, en­tre ou­tras prá­ti­cas que tra­du­zem a di­men­são cris­tã do po­vo an­go­la­no nes­ta da­ta.

Nes­te dia, é im­por­tan­te não ape­nas lem­brar to­dos quan­tos dei­xa­ram de fa­zer par­te do con­ví­vio hu­ma­no, mas igual­men­te re­flec­tir so­bre prá­ti­cas fu­ne­rá­ri­as que aten­tam con­tra as tra­di­ções, va­lo­res e leis an­go­la­nas e so­bre o van­da­lis­mo nos cam­pos san­tos, en­tre ou­tras prá­ti­cas.

Há prá­ti­cas fu­ne­rá­ri­as que, além de es­tra­nhas à cul­tu­ra e va­lo­res angolanos, cons­ti­tu­em de­mons­tra­ção de fal­ta de res­pei­to ao fi­na­do e fa­mí­lia, bem co­mo pre­ci­sam de ser re­pen­sa­das pe­los pro­po­nen­tes e fa­mi­li­a­res.

Em­bo­ra se­ja am­pla­men­te acei­te a ideia de que os mor­tos não de­vem con­di­ci­o­nar os vi­vos, na ver­da­de, es­tes pre­ci­sam de fa­zer pro­va do res­pei­to pe­lo lu­gar pa­ra on­de vão os que par­tem pri­mei­ro.

Lo­go, o van­da­lis­mo, a pro­fa­na­ção dos tú­mu­los e a re­a­li­za­ção de prá­ti­cas que con­tra­ri­am o pres­su­pos­to do des­can­so eter­no a que os mor­tos têm di­rei­to de­vem ser de­nun­ci­a­dos e com­ba­ti­dos.

É pre­ci­so que as au­to­ri­da­des con­ti­nu­em a tra­ba­lhar pa­ra que os nos­sos ce­mi­té­ri­os te­nham es­pa­ço su­fi­ci­en­te pa­ra que os fi­na­dos go­zem do me­re­ci­do e dig­no des­can­so. Mui­to se tem di­to re­la­ti­va­men­te à exi­gui­da­de de es­pa­ço em mui­tos cam­pos san­tos, nas gran­des ci­da­des co­mo Lu­an­da, que, ape­sar da cons­tru­ção e alar­ga­men­to de al­guns ce­mi­té­ri­os, ain­da es­tão aquém da cres­cen­te de­man­da.

Es­pe­ra­mos que ha­ja sen­si­bi­li­da­de pa­ra se dar mai­or dig­ni­da­de ao es­pa­ço em que se en­con­tram os que mais ce­do dei­xa­ram de fa­zer par­te do con­ví­vio hu­ma­no e que os pro­fa­na­do­res mu­dem de com­por­ta­men­to.

Num mo­men­to co­mo o vi­vi­do on­tem, não faz sen­ti­do a co­mer­ci­a­li­za­ção de be­bi­das al­coó­li­cas à por­ta dos ce­mi­té­ri­os, a des­lo­ca­ção pa­ra o seu in­te­ri­or de pes­so­as com­ple­ta­men­te em­bri­a­ga­das, cu­jo com­por­ta­men­to den­tro do ce­mi­té­rio, jun­to às cam­pas, cons­ti­tui um ac­to ver­da­dei­ro de pro­fa­na­ção.

“É ta­re­fa de to­dos nós ci­da­dãos, cren­tes e não cren­tes, pro­te­ger e cui­dar dos ce­mi­té­ri­os on­de re­pou­sam aque­les que par­ti­ram an­tes de nós e que nos aguar­dam a qual­quer mo­men­to. É o des­ti­no de to­dos, nin­guém tem co­mo es­ca­par da mor­te. Se­ja na ju­ven­tu­de, se­ja na ve­lhi­ce, a mor­te é um da­do exis­ten­ci­al ine­vi­tá­vel”, dis­se o pa­dre Cor­reia Hi­lá­rio, se­cre­tá­rio da Co­mis­são Epis­co­pal do Cle­ro da Con­fe­rên­cia Epis­co­pal de Angola e São To­mé (CEAST).

Em­bo­ra a ob­ser­vân­cia do Dia dos Fi­na­dos nos lem­bre a fra­gi­li­da­de da con­di­ção hu­ma­na pe­ran­te a mor­te, ur­ge pon­de­rar­mos ati­tu­des e com­por­ta­men­tos que, mui­tas ve­zes, aca­bam por acen­tu­ar a vul­ne­ra­bi­li­da­de. Tal co­mo pos­tu­la o Li­vro Sa­gra­do, se­gun­do o qual “os vi­vos sa­bem que vão mor­rer, mas os mor­tos não sa­bem de coi­sa al­gu­ma”, a vi­da não pá­ra. Se­guir em fren­te, car­re­gan­do as bo­as re­cor­da­ções e en­si­na­men­tos dos en­tes fa­le­ci­dos, cons­ti­tui a ati­tu­de cer­ta, por­que, co­mo se es­cre­veu atrás, os vi­vos têm de con­ti­nu­ar a vi­ver.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.