Di­ver­gên­ci­as na in­di­ca­ção de pri­mei­ro-mi­nis­tro

NEGOCIAÇÕES PA­RA SU­PE­RAR A CRI­SE NA GUI­NÉ-BIS­SAU VOL­TA­RAM À FOR­MA INICIAL Acor­dos de Co­na­cri fo­ram re­jei­ta­dos por apre­sen­tar in­con­gruên­ci­as na for­ma­ção do Exe­cu­ti­vo

Jornal de Angola - - MUNDO - PI­MEN­TA KAJOCOLO |

Ain­da não foi des­ta que as par­tes di­ver­gen­tes con­se­gui­ram che­gar a um acor­do que po­nha ter­mo à cri­se po­lí­ti­ca que, há já al­gum tem­po, gras­sa na Gui­né-Bis­sau. O país con­ti­nua pa­ra­li­sa­do à es­pe­ra das saí­das pa­ra a cri­se, en­quan­to os po­lí­ti­cos se vão di­gla­di­an­do, ten­tan­do, ca­da um a seu mo­do, fa­zer pas­sar as su­as te­ses.

Os acor­dos as­si­na­dos há cer­ca de du­as se­ma­nas na ca­pi­tal da Gui­né Co­na­cri pa­re­cem apre­sen­tar al­gu­mas in­con­gruên­ci­as que, em prin­cí­pio, tor­nam pra­ti­ca­men­te in­viá­vel a sua exe­cu­ção, so­bre­tu­do no as­pec­to con­cer­nen­te à fi­gu­ra que de­ve­rá li­de­rar o go­ver­no de in­clu­são a ser for­ma­do em bre­ve com ba­se nos pos­tu­la­dos de Co­na­cri, que no fun­do re­pre­sen­ta uma das par­tes mais ne­vrál­gi­cas dos acor­dos.

Con­tra­ri­a­men­te ao que se es­pe­ra­va, à luz dos acor­dos de Co­na­cri, os po­de­res atri­buí­dos ao Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz pa­re­cem ter con­tri­buí­do pa­ra o ex­tre­mar de po­si­ções en­tre as par­tes en­vol­vi­das no pro­ces­so, dei­xan­do in­di­ci­ar um even­tu­al re­tor­no do pro­ces­so à fa­se inicial, com o Che­fe de Es­ta­do a apa­re­cer co­mo o prin­ci­pal cul­pa­do.

Fon­tes ge­ral­men­te bem in­for­ma­das mos­tram a gran­de com­ple­xi­da­de do pro­ces­so gui­ne­en­se, on­de o fac­tor ho­mem apa­re­ce co­mo a prin­ci­pal cau­sa do “de­sai­re” po­lí­ti­co que exi­ge mui­to mais de to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes no pro­ces­so, sem des­pri­mor pa­ra as in­ter­fe­rên­ci­as ex­ter­nas que gra­vi­tam à vol­ta da Gui­né-Bis­sau, em de­fe­sa dos seus in­te­res­ses.

Os re­sul­ta­dos de um cír­cu­lo de con­fe­rên­ci­as re­gi­o­nais so­bre a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal le­va­da a ca­bo em me­a­dos do ano em cur­so na Gui­né-Bis­sau, tor­na­dos pú­bli­cos pe­los es­cri­tó­ri­os das Na­ções Uni­das no país, apon­tam a cor­rup­ção e a fal­ta de éti­ca na po­lí­ti­ca co­mo um dos prin­ci­pais tra­vões pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da Gui­né-Bis­sau. Na sua de­cla­ra­ção, a ONU apon­ta igual­men­te o egoís­mo e a fal­ta de to­le­rân­cia co­mo uma das prin­ci­pais pre­o­cu­pa­ção do país. Is­so pa­ra di­zer que qual­quer que ve­nha a ser a so­lu­ção pa­ra a cri­se po­lí­ti­ca em cur­so na Gui­né-Bis­sau, a mes­ma tem ine­vi­ta­vel­men­te que pas­sar por es­tu­dos apro­fun­da­dos so­bre a si­tu­a­ção no país, pas­san­do pe­la for­mu­la­ção de um mo­de­lo ade­qua­do de re­con­ci­li­a­ção, sus­ten­ta­do por um diá­lo­go fran­co, aber­to e trans­pa­ren­te e per­do­ar as má­go­as do pas­sa­do.

Ao atri­buir ao Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz po­de­res ex­cep­ci­o­nais pa­ra a es­co­lha das três in­di­vi­du­a­li­da­des que iri­am dis­pu­tar a li­de­ran­ça do po­der exe­cu­ti­vo e com po­de­res de de­ci­são pa­ra de­ter­mi­nar a pes­soa cer­ta que de­ve ou não ocu­par o car­go, o Pre­si­den­te Alpha Con­dé po­de ter fa­lha­do por ex­ces­so de ze­lo ou mes­mo con­fi­an­ça.

E as ra­zões pa­ra tais afir­ma­ções são so­be­ja­men­te co­nhe­ci­das por to­dos, quer se­ja a ní­vel da Gui­né- Bis­sau co­mo da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal e dis­pen­sam aqui qual­quer ti­po de apre­sen­ta­ções.

O im­pas­se re­gis­ta­do na ron­da ne­go­ci­al que, du­ran­te cer­ca de du­as se­ma­nas, de­cor­reu em Co­na­cri, te­rá, na opi­nião de mui­tos, di­ta­do a as­si­na­tu­ra dos acor­dos no for­ma­to em que o mes­mo foi fei­to. O PAIGC, a mai­or for­ça po­lí­ti­ca da Gui­né-Bis­sau, e o PRS, a se­gun­da mai­or for­ça po­lí­ti­ca da opo­si­ção, par­ti­dos com as­sen­to par­la­men­tar, re­pre­sen­tan­tes da so­ci­e­da­de ci­vil, igre­jas e da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal re­pre­sen­ta­das em Bis­sau, não con­se­gui­ram che­gar a um con­sen­so após uma mo­ra­tó­ria de du­as se­ma­nas de negociações.

Em fun­ção dos po­de­res que lhe fo­ram con­sa­gra­dos, o Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz as­su­miu a res­pon­sa­bi­li­da­de de in­di­car, atra­vés do “con­sen­so” (as as­pas são pro­po­si­ta­das), to­das as for­ças en­vol­vi­das no diá­lo­go, três in­di­vi­du­a­li­da­des que, em prin­cí­pio, um de­ve­ria ser es­co­lhi­do, tam­bém por con­sen­so, pa­ra ocu­par o tão dis­pu­ta­do car­go. O PAIGC de­fen­deu nu­ma car­ta tor­na­da pú­bli­ca no fim de se­ma­na pas­sa­do em Bis­sau, que, nos acor­dos de Co­na­cri, fi­cou de­ci­di­do, por con­sen­so, o no­me da in­di­vi­du­a­li­da­de que, em prin­cí­pio, de­ve ocu­par o car­go e que aguar­dam ape­nas pe­la de­ci­são do Che­fe de Es­ta­do pa­ra o tor­nar pú­bli­co.

O par­ti­do li­de­ra­do por Do­min­gos Si­mões Pe­rei­ra acu­sou o Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz de mi­ni­mi­zar a de­ci­são do PAIGC e ali­a­dos, dan­do iní­cio a uma ron­da de con­sul­tas pa­ra pro­cu­ra de uma in­di­vi­du­a­li­da­de que, se­gun­do acu­sa a mai­or for­ça po­lí­ti­ca gui­ne­en­se, cor­res­pon­da aos seus in­te­res­ses.

Mas es­sas acu­sa­ções do PAIGC fo­ram des­men­ti­das tan­to pe­lo PRS co­mo pe­lo PND. Iaia Dja­lo, lí­der do Par­ti­do Na­ci­o­nal pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (PND), que ocu­pa igual­men­te a fun­ção de con­se­lhei­ro do Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz, ne­gou que te­nha si­do acor­da­do, na reu­nião de Co­na­cri, uma pro­pos­ta de in­di­ca­ção de três no­mes pa­ra li­de­rar o pró­xi­mo exe­cu­ti­vo até ao fi­nal da pre­sen­te le­gis­la­tu­ra.

“Não foi as­si­na­do ne­nhum do­cu­men­to em Co­na­cri, ou qual­quer acor­do que pre­ve­ja a no­me­a­ção de um Go­ver­no de tran­si­ção e o con­se­quen­te pri­mei­ro-mi­nis­tro pa­ra con­du­zir os pró­xi­mos me­ses, bem di­zer, até ao fi­nal da ac­tu­al le­gis­la­tu­ra”, afir­mou Iaia Dja­lo.

Po­si­ci­o­na­men­to idên­ti­co foi as­su­mi­do pe­lo se­cre­tá­rio-ge­ral do PRS, Flo­ren­ti­no Men­des, que ne­gou igual­men­te ter ha­vi­do al­gum con­sen­so em re­la­ção ao no­me da pes­soa que vai li­de­rar o go­ver­no in­clu­si­vo, pa­ra que o país pos­sa sair da cri­se po­lí­ti­ca. As con­sul­tas do Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz fo­ram sus­pen­sas no fi­nal da se­ma­na pas­sa­da de­vi­do à sua des­lo­ca­ção ao Bra­sil on­de par­ti­ci­pa na Ci­mei­ra dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da CPLP. Mas não se acre­di­ta mui­to que, no seu re­gres­so, ele ve­nha a re­cu­ar nas su­as po­si­ções de in­di­car uma pes­soa de sua “con­fi­an­ça”.

FRANCISCO BERNARDO

Pre­si­den­te da Gui­né-Bis­sau Jo­sé Má­rio Vaz foi apon­ta­do por par­te da clas­se po­lí­ti­ca co­mo prin­ci­pal cul­pa­do do ac­tu­al im­pas­se

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.