Ar­ce­bis­po ca­tó­li­co ape­la às bo­as obras

Jornal de Angola - - PARTADA - VICTORINO JOAQUIM |

O Ar­ce­bis­po de Lu­an­da, Dom Filomeno Vi­ei­ra Di­as, de­cla­rou on­tem, na mis­sa que ce­le­brou no Ce­mi­té­rio do Al­to das Cru­zes, em me­mó­ria dos fiéis de­fun­tos, que nin­guém de­ve vi­ver de mo­do im­pro­du­ti­vo. O tam­bém ad­mi­nis­tra­dor apos­tó­li­co da Di­o­ce­se de Ca­bin­da, dis­se que, du­ran­te a vi­da, as pes­so­as de­vem re­a­li­zar mui­tas bo­as obras e es­tar aber­tas pa­ra a be­le­za da vi­da. “As pes­so­as não de­vem vi­ver fe­cha­das, de mo­do iso­la­do”, sa­li­en­tou o pre­la­do, pa­ra qu­em as pes­so­as de­vem vi­ver a vi­da com ac­tos po­si­ti­vos, fa­zen­do ges­tos de jus­ti­ça, de mi­se­ri­cór­dia e de com­pai­xão.

O Ar­ce­bis­po de Lu­an­da, Dom Filomeno Vi­ei­ra Di­as, de­cla­rou on­tem, na mis­sa que ce­le­brou no Ce­mi­té­rio do Al­to das Cru­zes, em me­mó­ria dos fiéis de­fun­tos, que nin­guém de­ve vi­ver de mo­do im­pro­du­ti­vo.

O Ar­ce­bis­po dis­se que, du­ran­te a vi­da, as pes­so­as de­vem re­a­li­zar mui­tas bo­as obras e es­tar aber­tas pa­ra a be­le­za da vi­da.

“As pes­so­as não de­vem vi­ver fe­cha­das, de mo­do iso­la­do”, sa­li­en­tou o pre­la­do, pa­ra qu­em as pes­so­as de­vem vi­ver a vi­da com ac­tos po­si­ti­vos, fa­zen­do ges­tos de jus­ti­ça, de mi­se­ri­cór­dia e de com­pai­xão.

O Ar­ce­bis­po de Lu­an­da fri­sou que as pes­so­as de­vem acre­di­tar em Deus e ser cha­ma­das a cons­truir a his­tó­ria da fra­ter­ni­da­de e da sã con­vi­vên­cia. O en­con­tro de ho­je, acen­tu­ou o pre­la­do, é tam­bém o mo­men­to do tes­te­mu­nho, da sau­da­de e da me­mó­ria. É um mo­men­to em que ca­da um po­de per­cor­rer a sua me­mó­ria, pen­san­do nos ami­gos, fa­mi­li­a­res, co­le­gas, es­po­sa, ma­ri­do, vi­zi­nhos e fi­lhos já fa­le­ci­dos.

Ape­sar da mor­te, acen­tu­ou Dom Filomeno Vi­ei­ra Di­as, os ho­mens ca­mi­nham jun­tos da­que­les que já par­ti­ram e de­di­cam uma união es­pi­ri­tu­al per­ma­nen­te em que os vi­vos olham pa­ra os mor­tos e es­tes tam­bém olham pa­ra os vi­vos.

On­tem, no ce­mi­té­rio do Al­to das Cru­zes, um gru­po de ofi­ci­ais das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, che­fi­a­do pe­lo ge­ne­ral Egí­dio de Sou­sa e San­tos “Dis­ci­pli­na”, pro­ce­deu à de­po­si­ção de uma co­roa de flo­res no tú­mu­lo do sol­da­do des­co­nhe­ci­do.

O ge­ne­ral Egí­dio de Sou­sa e San­tos dis­se ao Jor­nal de Angola que o Dia dos Fi­na­dos é apro­vei­ta­do pa­ra ho­me­na­ge­ar os mi­li­ta­res mor­tos em com­ba­te, es­pe­ci­al­men­te os que de­ram iní­cio à lu­ta ar­ma­da.

Com­ba­te ao van­da­lis­mo

A uma per­gun­ta so­bre o van­da­lis­mo re­gis­ta­do em ce­mi­té­ri­os do país, o ge­ne­ral afir­mou que os seus au­to­res de­vem ser exem­plar­men­te pu­ni­dos. “Os mor­tos de­vem ser res­pei­ta­dos”, de­cla­rou o ge­ne­ral “Dis­ci­pli­na”, pa­ra qu­em as au­to­ri­da­des de­vem exer­cer o po­der que têm pa­ra aca­bar com a si­tu­a­ção. O mi­nis­tro do In­te­ri­or, Ân­ge­lo da Vei­ga Ta­va­res, dis­se que de­ve ser fei­to um tra­ba­lho de sen­si­bi­li­za­ção no sen­ti­do de trans­mi­tir às pes­so­as a im­por­tân­cia da pre­ser­va­ção e res­pei­to pe­los es­pa­ços sa­gra­dos. Co­mo nos anos an­te­ri­o­res, os ce­mi­té­ri­os de Lu­an­da re­gis­ta­ram on­tem uma afluên­cia de pes­so­as des­de as pri­mei­ras ho­ras da ma­nhã. O Al­to das Cru­zes é o mais an­ti­go ce­mi­té­rio de Lu­an­da.

O Dia dos Fi­na­dos é um dia de­di­ca­do à lem­bran­ça da­que­les que já mor­re­ram. Uma tra­di­ção mi­le­nar con­si­de­ra­da Pa­tri­mó­nio da Hu­ma­ni­da­de pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra a Edu­ca­ção e Ci­ên­cia (UNESCO) e co­me­mo­ra­da de di­fe­ren­tes for­mas no mun­do.

JOÃO GO­MES

Ar­ce­bis­po de Lu­an­da de­cla­rou on­tem que as pes­so­as de­vem vi­ver a vi­da com ac­tos po­si­ti­vos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.