A chu­va em Lu­an­da é ma­ka an­ti­ga

Jornal de Angola - - PARTADA - LUCIANO RO­CHA |

A chu­va que co­me­çou ago­ra a cair na ca­pi­tal do país, qua­se há-de in­ten­si­fi­car até Abril, fez sur­gir, co­mo é há­bi­to nes­ta al­tu­ra do ano des­de que Lu­an­da é ci­da­de, la­men­tos e pro­tes­tos de qu­em a ha­bi­ta.

O pro­ble­ma é cí­cli­co, bem co­mo as quei­xas que com frequên­cia se re­ves­tem, pe­la gra­vi­da­de de si­tu­a­ções, de de­ses­pe­ran­ça e in­dig­na­ção, a par de crí­ti­cas, mui­tas ve­zes le­vi­a­nas, de qu­em pa­re­ce ter nas­ci­do com o in­di­ca­dor apon­ta­do a cul­pa­dos es­ta­be­le­ci­dos.

Os la­men­tos, os cho­ros, até as rai­vas, de qu­em vê a chu­va inun­dar-lhes a ca­sa, des­truir tu­do o que en­con­tra no ca­mi­nho, “la­vras de quin­tal”, par­tir a ár­vo­re que lhe dá a som­bra dos al­mo­ços de sábado e de do­min­go são en­ten­dí­veis e me­re­cem so­li­da­ri­e­da­de. Do mes­mo mo­do, é com­pre­en­sí­vel o de­ses­pe­ro de qu­em pa­ra sair de ca­sa tem de re­cor­rer à ima­gi­na­ção e ma­la­ba­ris­mo ou a ca­mi­nho do tra­ba­lho e no do re­gres­so per­ce­be que o car­ro es­tá imo­bi­li­za­do num bu­ra­co ou pe­la for­ça da água. In­com­pre­en­sí­vel não sur­pre­en­den­te - é a ati­tu­de dos “es­pe­ci­a­lis­tas em tu­do” que, por ig­no­rân­cia ou má-fé, en­con­tram nos efei­tos da chu­va - co­mo nos da se­ca… - pa­ra cul­pa­rem o Go­ver­no Pro­vin­ci­al e o Exe­cu­ti­vo. Co­mo se o pro­ble­ma fos­se de ho­je, co­mo se Lu­an­da, mes­mo com uma po­pu­la­ção mui­tís­si­mo me­nos nu­me­ro­sa, não os ti­ves­se, não os vi­ves­se des­de os tem­pos mais re­mo­tos.

Nes­tas al­tu­ras, lem­bro-me com frequên­cia de uma noi­te de ju­ven­tu­de, na pri­mei­ra me­ta­de da dé­ca­da de 60, que co­me­çou ra­di­o­sa, cheia de pers­pec­ti­va da “aven­tu­ra do des­co­nhe­ci­do”, e ter­mi­nou em tor­men­ta. Eu, o Me­ni­no, que é o Jo­sé Ri­bei­ro, tio do ac­tu­al director des­te jor­nal, e o Ni­ni, que ain­da não era Ngon­go, mui­to me­nos ge­ne­ral, de­pu­ta­do, ex-mi­nis­tro. Se­quer guer­ri­lhei­ro, em­bo­ra já nes­sa al­tu­ra bor­bu­lhas­se em nós o fer­vor na­ci­o­na­lis­ta. Em par­te por in­fluên­cia de li­vros que me che­ga­vam às es­con­di­das da Ca­sa dos Es­tu­dan­tes do Im­pé­rio, em Lis­boa, que lia e da­va a ler, da Co­lec­ção Im­bon­dei­ro, que ti­nha se­de no Lubango, mas tam­bém do pri­mei­ro “Jor­nal de Angola”, edi­ta­do pe­la As­so­ci­a­ção dos Na­tu­rais de Angola (Anan­go­la), no qual co­la­bo­ra­vam vá­ri­os in­te­lec­tu­ais, que aca­bou en­cer­ra­do pe­la po­lí­cia po­lí­ti­ca do re­gi­me sa­la­za­ris­ta.

Na­que­le dia, que co­me­çou ra­di­o­so e ter­mi­nou em tem­po­ral, ves­ti­mos os três as me­lho­res cal­ças e ca­mi­sas, pu­xá­mos lus­tro aos sa­pa­tos, es­que­ce­mos as nos­sas far­ras de quin­tal e par­ti­mos à aven­tu­ra da no­va noi­te pe­que­no­bur­gue­sa de Lu­an­da, ins­ta­la­da no cu­me de um ar­ra­nha-céus da Mar­gi­nal, ex­plo­ra­da por uma fa­mí­lia bel­ga que vi­e­ra re­cen­te­men­te da ac­tu­al Kinsha­sa. À en­tra­da, olha­ram-nos des­con­fi­a­dos. Mas ía­mos “lim­pos e bem ves­ti­dos”. Além dis­so, já co­me­ça­ra em Angola a lu­ta ar­ma­da de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal e eles ti­nham vi­vi­do os “acon­te­ci­men­tos do Con­go”. Com di­nhei­ro con­ta­do e re­con­ta­do, fi­cá­mo-nos pe­los su­mos. Bem nos ar­re­pen­de­mos. As “be­je­cas” não eram mais ca­ras, nem le­va­vam ge­lo a en­cher os co­pos. O “con­su­mo mí­ni­mo”, pa­go à en­tra­da, per­mi­tia-nos es­co­lher en­tre cer­ve­ja, su­mo ou ga­so­sa. Não nos avi­sa­ram. Da me­sa do can­to on­de nos sen­ta­ram, po­día­mos ver a ave­ni­da, ain­da um ar­re­me­do do que é ho­je, com as lu­zes dos re­cla­mes re­flec­ti­das na baía. Mas, a vis­ta que mais nos in­te­res­sa­va era da sa­la sal­pi­ca­da de tons psi­ca­dé­li­cos, on­de pa­res dan­ça­vam ao som de uma ban­da. De re­pen­te, um es­tron­do, o pré­dio a pa­re­cer que ia de­sa­bar, a es­cu­ri­dão ab­so­lu­ta, a fa­la da chu­va zan­ga­da, gri­tos his­té­ri­cos. A se­guir, si­lên­cio re­cor­ta­do por con­ver­sas sur­di­na­das, ge­mi­dos, ais. Mais tro­vões, re­lâm­pa­gos a per­mi­tir-nos ver pa­res abra­ça­dos em pé ou so­bre as me­sas. Não es­tá­va­mos ali a fa­zer na­da. Saí­mos. Os ele­va­do­res não fun­ci­o­na­vam. Des­ce­mos agar­ra­dos às pa­re­des, jul­go que do­ze an­da­res. Cá em bai­xo, a água pa­re­cia saí­da de uma bar­ra­gem. A caí­da das nu­vens e a do mar abra­ça­das na fú­ria des­trui­do­ra.

Com água pe­los jo­e­lhos, se­gui­mos pa­ra ca­sa. Sem sa­ber­mos que as ru­as es­ta­vam chei­as de bu­ra­cos, fi­os eléc­tri­cos sol­tos. Mas, ao che­gar­mos à Mu­tam­ba, pa­rá­mos de olhos ar­re­ga­la­dos e de “bo­ca pa­ra a nu­ca”. Ha­via vi­a­tu­ras so­ter­ra­das pe­la la­ma, que co­bria tam­bém os ban­cos dos pas­sa­gei­ros se sen­ta­rem à es­pe­ra dos ma­chim­bom­bos, can­de­ei­ros e ár­vo­res por ter­ra.

Os jor­nais diá­ri­os do dia se­guin­te en­che­ram pá­gi­nas e pá­gi­nas com o ba­lan­ço dos es­tra­gos e fo­tos da si­tu­a­ção. Lu­an­da era um mar de la­ma. Na ac­tu­al rua Rai­nha Gin­ga, ain­da eram vi­sí­veis ar­ti­gos ar­ras­ta­dos dos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais pe­la for­ça das águas: rou­pas, ca­ne­tas, re­ló­gi­os, elec­tro­do­més­ti­cos, pe­ças de ar­te­sa­na­to.

As bar­ro­cas que li­ga­vam o Bun­go ao Qui­na­xi­xe de­sa­pa­re­ce­ram. O Co­lé­gio das Ir­mã­zi­nhas, que per­ma­ne­ce no mes­mo sí­tio, fi­cou pen­du­ra­do, é o ter­mo, e foi mo­ti­vo de ro­ma­ri­as.

As zonas su­bur­ba­nas, co­mo é evi­den­te, fo­ram as mais cas­ti­ga­das pe­lo tem­po­ral. Ma­tu­ti­nos e ves­per­ti­nos cen­tra­ram as aten­ções na ci­da­de as­fal­ta­da, tal co­mo fi­ze­ram pos­te­ri­or­men­te os se­ma­ná­ri­os. O “Jor­nal de Angola”, da Anan­go­la, co­or­de­na­do en­tão por Fer­nan­do Nor­ber­to de Cas­tro, ti­tu­lou a to­da a lar­gu­ra da pri­mei­ra pá­gi­na: “No mus­se­que tam­bém cho­veu”. O pe­rió­di­co foi re­ti­ra­do de cir­cu­la­ção.

Es­ta chu­va­da, das mai­o­res, por­ven­tu­ra a mai­or, do úl­ti­mo sé­cu­lo caí­da em Lu­an­da, ocor­reu quan­do a ci­da­de ti­nha, no má­xi­mo, meio mi­lhão de ha­bi­tan­tes. O pro­ble­ma que con­ti­nua a afec­tar a ca­pi­tal tem so­lu­ção? De cer­te­za que sim, mas não é fá­cil de exe­cu­tar. E nun­ca por qu­em acor­da to­dos os di­as com von­ta­de de mal­di­zer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.