Co­mis­são de­nun­cia re­ni­tên­cia na de­vo­lu­ção de ar­mas de fo­go

Jornal de Angola - - PARTADA -

Ain­da há mui­tos ca­sos de re­ni­tên­cia ao pro­gra­ma de de­sar­ma­men­to, o que tem le­va­do à per­cep­ção de que ain­da pro­li­fe­ra um cer­to nú­me­ro de ar­mas de gu­er­ra em pos­se ile­gal dos ci­da­dãos, dis­se on­tem a Co­mis­são Na­ci­o­nal de De­sar­ma­men­to da Po­pu­la­ção Ci­vil.

Em co­mu­ni­ca­do tor­na­do pú­bli­co por oca­sião da Se­ma­na In­ter­na­ci­o­nal do De­sar­ma­men­to da Po­pu­la­ção, de­cor­ri­do des­de o dia 23 de Ou­tu­bro até se­gun­da-fei­ra úl­ti­ma, a Co­mis­são diz ter cons­ta­ta­do que es­tas ar­mas têm si­do um dos mei­os uti­li­za­dos no co­me­ti­men­to dos cri­mes vi­o­len­tos que ocor­rem um pou­co por to­do o país, com mai­or re­al­ce pa­ra Lu­an­da.

No do­cu­men­to, a Co­mis­são Na­ci­o­nal de De­sa­ma­men­to da Po­pu­la­ção Ci­vil re­a­fir­ma que vai con­ti­nu­ar a en­vi­dar es­for­ços na ma­te­ri­a­li­za­ção e exe­cu­ção do pro­gra­ma do Go­ver­no so­bre o de­sar­ma­men­to da po­pu­la­ção ci­vil, exor­tan­do e ape­lan­do a po­pu­la­ção, as en­ti­da­des pú­bli­cas e pri­va­das, ecle­siás­ti­cas, cul­tu­rais e aca­dé­mi­cas no sen­ti­do de da­rem o seu con­tri­bu­to a es­ta cam­pa­nha.

Em en­tre­vis­ta re­cen­te ao Jor­nal de Angola, o co­or­de­na­dor da co­mis­são téc­ni­ca exe­cu­ti­va pa­ra o de­sar­ma­men­to da po­pu­la­ção ci­vil, co­mis­sá­rio-che­fe Pau­lo de Al­mei­da, afir­mou que fo­ram re­co­lhi­das até ao mo­men­to mais de 103 mil ar­mas de fo­go em to­do o país. A co­mis­são téc­ni­ca pa­ra o de­sar­ma­men­to da po­pu­la­ção re­a­li­za pa­les­tras nas quais ape­la pa­ra a entrega das ar­mas. A mais re­cen­te foi com a ju­ven­tu­de, es­tan­do agen­da­da, pa­ra es­te mês, uma ou­tra com as mu­lhe­res. A Se­ma­na In­ter­na­ci­o­nal do De­sar­ma­men­to da Po­pu­la­ção foi ins­ti­tuí­da pe­las Na­ções Uni­das, que re­co­men­da aos Es­ta­dos-mem­bros a re­a­li­za­ção de ac­tos de sen­si­bi­li­za­ção, re­co­lha e des­trui­ção de ar­mas de fo­go.

De acor­do com a ONU, a pro­li­fe­ra­ção de ar­mas ou a sua pos­se ilí­ci­ta pe­los ci­da­dãos tem si­do uma das cau­sas da de­ses­ta­bi­li­za­ção dos paí­ses, do au­men­to da cri­mi­na­li­da­de, do suporte de ac­ções ter­ro­ris­tas e fac­tor im­pe­di­ti­vo do de­sen­vol­vi­men­to dos paí­ses. O Exe­cu­ti­vo an­go­la­no as­so­ci­ou-se à efe­mé­ri­de re­a­li­zan­do ac­ti­vi­da­des de sen­si­bi­li­za­ção e mo­bi­li­za­ção da po­pu­la­ção e par­cei­ros. Es­ta mo­bi­li­za­ção tem co­mo ob­jec­ti­vo a re­du­ção do nú­me­ro de ar­mas de fo­go que ain­da es­tão ile­gal­men­te na pos­se de ci­da­dãos.

O Go­ver­no an­go­la­no de­sen­vol­ve, des­de 2008, em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, um pro­gra­ma es­tru­tu­ra­do de de­sar­ma­men­to da po­pu­la­ção ci­vil que con­sis­te na sen­si­bi­li­za­ção, re­co­lha, cus­tó­dia e des­trui­ção de ar­mas na pos­se ilí­ci­ta de ci­da­dãos.

KINDALA MANUEL

Ar­mas em pos­se ile­gal da po­pu­la­ção ci­vil con­ti­nua a pre­o­cu­par Co­mis­são de De­sar­ma­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.