Co­o­pe­ra­ção es­tra­té­gi­ca é mo­de­lo pa­ra Áfri­ca

Em­bai­xa­dor Nelson Cos­me afas­ta sus­pen­são do fi­nan­ci­a­men­to bra­si­lei­ro a pro­jec­tos no país

Jornal de Angola - - POLÍTICA - JOÃO DI­AS |

O em­bai­xa­dor de An­go­la no Bra­sil, Nelson Cos­me, con­si­de­ra que a co­o­pe­ra­ção es­tra­té­gi­ca en­tre os dois paí­ses é mo­de­lo pa­ra Áfri­ca e que ape­sar dos tem­pos de di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas e fi­nan­cei­ras as re­la­ções con­ti­nu­am ex­ce­len­tes e di­nâ­mi­cas.

O di­plo­ma­ta fez es­ta afir­ma­ção na sex­ta-fei­ra nas vés­pe­ras da 11ª Ci­mei­ra dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da CPLP que de­cor­re, a par­tir de ama­nhã, em Brasília e su­bli­nhou que a co­o­pe­ra­ção en­tre os dois paí­ses, que com­ple­ta 41 anos, es­tão fun­da­das nos la­ços his­tó­ri­cos de ami­za­de e par­ce­ria.

“An­go­la não tem mui­tas par­ce­ri­as es­tra­té­gi­cas. Es­ta re­la­ção com o Bra­sil é es­pe­ci­al e só­li­da. Va­mos co­me­mo­rar o 41º ani­ver­sá­rio da nos­sa In­de­pen­dên­cia e o Bra­sil foi o pri­mei­ro país a re­co­nhe­cê-la e ho­je con­ti­nua re­gu­lar na ma­nu­ten­ção des­ta re­la­ção”, con­si­de­rou Nelson Cos­me, que lem­brou que as tran­sac­ções co­mer­ci­ais en­tre os dois paí­ses atin­gi­ram no ano pas­sa­do cer­ca de dois mil mi­lhões de dó­la­res.

O di­plo­ma­ta fa­lou do con­tex­to di­fí­cil que as eco­no­mi­as atra­ves­sam, no mun­do em ge­ral e o quan­to es­tas si­tu­a­ções re­du­zem as tro­cas co­mer­ci­ais e o in­ves­ti­men­to, tal co­mo ocor­re com o Bra­sil. “Mas é im­por­tan­te sa­li­en­tar que as ba­ses con­ti­nu­am só­li­das e que a nos­sa co­o­pe­ra­ção con­ti­nua di­nâ­mi­ca nas vá­ri­as ver­ten­tes”.

Ao re­fe­rir-se ain­da ao es­ta­do da co­o­pe­ra­ção, o em­bai­xa­dor dis­se não exis­ti­rem in­ter­mi­tên­ci­as nas re­la­ções bi­la­te­rais en­tre os dois paí­ses e lem­brou que tem pre­va­le­ci­do até ago­ra o es­cru­pu­lo­so res­pei­to pe­los ins­tru­men­tos que a re­gu­lam, des­ta­can­do o Acor­do Ge­ral de Co­o­pe­ra­ção Téc­ni­ca e Ci­en­tí­fi­ca, con­si­de­ra­do o es­teio de to­da a re­la­ção de co­o­pe­ra­ção com o Bra­sil. “A par­tir de­le, ra­di­cam os Pro­to­co­los de En­ten­di­men­to Bi­la­te­rais, que res­pon­dem aos ob­jec­ti­vos e ne­ces­si­da­des que An­go­la tem de­fi­ni­das, tal co­mo o Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to (PND) e o Pla­no Na­ci­o­nal de In­ves­ti­men­to (PNI) que têm si­do de­sen­vol­vi­dos atra­vés de fa­ci­li­da­des de fi­nan­ci­a­men­tos dis­po­ni­bi­li­za­dos pe­lo Bra­sil”, dis­se.

Além dis­so, lem­brou que o Bra­sil fi­nan­cia tam­bém os pro­gra­mas de ex­por­ta­ção de bens, ser­vi­ços e equi­pa­men­tos, bem co­mo as fa­ci­li­da­des de fi­nan­ci­a­men­to à im­plan­ta­ção de clus­ters pri­o­ri­tá­ri­os: ener­gia e águas, in­dús­tria agro-ali­men­tar, trans­por­tes e lo­gís­ti­ca, te­le­co­mu­ni­ca­ções e tec­no­lo­gi­as ide in­for­ma­ção.

O em­bai­xa­dor en­ten­de que vol­vi­dos 41 anos, é ne­ces­sá­rio ex­plo­rar e di­ver­si­fi­car mais a co­o­pe­ra­ção, não só com o Bra­sil, mas tam­bém com paí­ses da Amé­ri­ca do Sul, co­mo o Chi­le, Equa­dor, Uru­guai, Pa­ra­guai, Colôm­bia e Ve­ne­zu­e­la. Es­tes anos de co­o­pe­ra­ção re­sul­tam num ba­lan­ço po­si­ti­vo. “Co­me­mo­ra-se o 41º ani­ver­sá­rio num pe­río­do de gran­des de­sa­fi­os, mas é em pe­río­dos de di­fi­cul­da­des e de­sa­fi­os que se afir­mam as gran­des na­ções. E An­go­la é uma gran­de na­ção”, afir­mou.

Bar­ra­gem de Laú­ca

O em­bai­xa­dor Nelson Cos­me es­cla­re­ceu que o fi­nan­ci­a­men­to dos pro­jec­tos re­la­ci­o­na­dos com a cons­tru­ção da Bar­ra­gem de Laú­ca não so­freu quais­quer al­te­ra­ções, nem tão pou­co foi sus­pen­so pe­las au­to­ri­da­des bra­si­lei­ras co­mo tem si­do vei­cu­la­do pe­la im­pren­sa nos úl­ti­mos me­ses.

O que acon­te­ceu, es­cla­re­ceu ain­da, é que hou­ve um atra­so no de­sem­bol­so que de­via ter si­do fei­to no de­cur­so des­te ano, su­bli­nhan­do: “to­dos nós acom­pa­nha­mos a si­tu­a­ção que o Bra­sil tem vi­vi­do. Por is­so, o diá­lo­go en­tre a par­te bra­si­lei­ra e an­go­la­na con­ti­nua. O que pos­so ga­ran­tir é que den­tro da nos­sa co­o­pe­ra­ção bi­la­te­ral es­ta ques­tão tem si­do ma­té­ria de dis­cus­são. Com­pre­en­de­mos que atra­sos exis­tam den­tro da con­jun­tu­ra ac­tu­al”.

Em fa­ce dis­so, o em­bai­xa­dor sus­ten­tou que o fun­da­men­tal é a exis­tên­cia e ma­nu­ten­ção do prin­cí­pio da con­ti­nui­da­de do Es­ta­do. “Na­da nos diz que hou­ve pe­la par­te bra­si­lei­ra, pe­lo me­nos não fo­mos no­ti­fi­ca­dos, uma sus­pen­são dos acor­dos que os dois Es­ta­dos so­be­ra­na­men­te fir­ma­ram”, dis­se Nelson Cos­me que as­se­gu­rou não ha­ver um vi­rar de cos­tas en­tre o Go­ver­no bra­si­lei­ro e an­go­la­no, pois “as re­la­ções são re­gu­la­res, só­li­das, de ami­za­de e as­sen­tes nu­ma par­ce­ria es­tra­té­gi­ca. Não se vi­ra as cos­tas a um par­cei­ro es­tra­té­gi­co”.

No do­mí­nio da ener­gia e água, ex­pli­cou, o fi­nan­ci­a­men­to é su­por­ta­do pe­la sex­ta fa­ci­li­da­de, a úl­ti­ma apro­va­da em De­zem­bro de 2015 pe­lo Co­mi­té de Fi­nan­ci­a­men­to e Ga­ran­tia das Ex­por­ta­ções e ra­ti­fi­ca­da pe­lo Con­se­lho de Mi­nis­tros, ór­gão que apro­va pro­jec­tos de fi­nan­ci­a­men­tos bra­si­lei­ros, num pro­ces­so re­a­li­za­do ao abri­go do Pro­to­co­lo de En­ten­di­men­to en­tre os dois Es­ta­dos. “Es­ta sex­ta fa­ci­li­da­de de fi­nan­ci­a­men­to foi in­tei­ra­men­te di­ri­gi­da pa­ra a exe­cu­ção do pro­jec­to hi­dro­e­léc­tri­co de Laú­ca que de­ve ge­rar dois mil megawatts em 2017. Es­te é um pro­jec­to es­tru­tu­ran­te e im­por­tan­te”, des­ta­cou, afir­man­do que os re­cur­sos são pro­ve­ni­en­tes do Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co e So­ci­al do Bra­sil.

“É pre­ci­so ter em aten­ção que são fun­dos pos­tos à dis­po­si­ção no qua­dro da ga­ran­tia que An­go­la dá ao Bra­sil. Te­mos acor­dos que ao abri­go do Pro­to­co­lo de En­ten­di­men­to es­tão em vi­gor des­de 1990 e que du­ran­te es­te tem­po de fun­ci­o­na­men­to des­te me­ca­nis­mo nun­ca hou­ve fal­ta de pa­ga­men­to, o que de­mons­tra a so­li­dez des­te ti­po de acor­dos”, dis­se.

An­go­la­nos no Bra­sil

O em­bai­xa­dor dis­se exis­ti­rem ac­tu­al­men­te 20 mil an­go­la­nos a re­si­dir no Bra­sil e que é ga­ran­tir a as­sis­tên­cia e pro­tec­ção dos ci­da­dãos. Lem­brou que há três anos en­trou em vi­gor o acor­do so­bre o Au­xí­lio Mú­tuo em ma­té­ria Pe­nal e o Acor­do so­bre a Trans­fe­rên­cia de Pes­so­as Con­de­na­das, que con­du­ziu à re­du­ção subs­tan­ci­al da po­pu­la­ção car­ce­rá­ria de 400 pes­so­as pa­ra 18, em São Pau­lo, e se­te no Rio de Ja­nei­ro.

A Em­bai­xa­da re­a­li­zou on­tem o en­con­tro anu­al da co­mu­ni­da­de es­tu­dan­til an­go­la­na no Bra­sil. O en­con­tro per­mi­te uma mai­or in­te­rac­ção e dis­cus­são dos de­sa­fi­os e pro­ble­mas que en­fren­tam ao lon­go da for­ma­ção. En­con­tram-se a es­tu­dar no Bra­sil cer­ca de dois mil es­tu­dan­tes, al­guns con­tro­la­dos pe­lo INABE e ou­tros por con­ta pró­pria.

MO­TA AMBRÓSIO|BRASÍLIA

O di­plo­ma­ta an­go­la­no na Re­pú­bli­ca Fe­de­ra­ti­va do Bra­sil afir­mou que a co­o­pe­ra­ção bi­la­te­ral con­ti­nua di­nâ­mi­ca nos vá­ri­os do­mí­ni­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.