Ca­mi­nho de Fer­ro de Lu­an­da faz his­tó­ria

AN­GO­LA A CRES­CER No­vo ci­clo de ex­pan­são pre­vê a cri­a­ção de um ra­mal en­tre o no­vo Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal e o cen­tro da ci­da­de

Jornal de Angola - - DESTAQUE - AN­DRÉ DOS AN­JOS |

O Ca­mi­nho de Fer­ro de Lu­an­da (CFL) fez 128 anos na se­gun­da­fei­ra. Pa­ra trás fi­cam memórias de um per­cur­so com al­tos e bai­xos, que vem de 31 de Ou­tu­bro de 1888, da­ta em que é lan­ça­da so­bre os car­ris, pe­la pri­mei­ra vez, uma lo­co­mo­ti­va em so­lo an­go­la­no que mar­ca o ins­tan­te inau­gu­ral da epo­peia fer­ro­viá­ria no país.

Nas lem­bran­ças, fi­ca ain­da a ges­ta de um pu­nha­do de ho­mens, a mai­o­ria dos qu­ais anó­ni­mos, que co­lo­ca­ram pe­dras sob o tri­lho do com­boio que li­ga Lu­an­da a Ma­lan­je.

Per­de-se na po­ei­ra do tem­po o nú­me­ro de vi­a­gens re­a­li­za­das pe­la com­pa­nhia des­de o api­to da pri­mei­ra lo­co­mo­ti­va. Na re­ti­na cons­tam ape­nas as efec­tu­a­das (ver in­fo­gra­fia), des­de a re­to­ma­da do com­boio no tro­ço Lu­an­da-Ma­lan­je, em 2010, de­pois de um pe­río­do de pa­ra­li­sa­ção de 18 anos, o mai­or in­ter­reg­no de sem­pre da sua his­tó­ria e o que mais cor­ro­eu as su­as in­fra-es­tru­tu­ras de lés a lés.

É des­te per­cur­so, que vem de 2010, de que se re­por­ta Cel­so Ro­sa, pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção do CFL, em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la. A bor­do do com­boio, no tro­ço Lu­an­da-Ma­lan­je, o ges­tor re­ve­la que é nu­ma con­jun­tu­ra de “aper­tos fi­nan­cei­ros” que Em­pre­sa do Ca­mi­nho de Fer­ro de Lu­an­da as­si­na­lou o 128.º ani­ver­sá­rio.

Ain­da as­sim, quan­do fal­tam dois me­ses pa­ra o fim do ano, os in­di­ca­do­res ope­ra­ci­o­nais apon­tam pa­ra a pro­ba­bi­li­da­de de a com­pa­nhia vir a atin­gir as ci­fras de 2015 re­la­ti­vas ao trans­por­te de pas­sa­gei­ros. Ape­sar da cri­se, a em­pre­sa as­se­gu­ra di­a­ri­a­men­te 20 frequên­ci­as en­tre Vi­a­na e Lu­an­da e du­as se­ma­nais de e pa­ra Ma­lan­je, com es­ca­la no Don­do e Nda­la­tan­do.

Com du­as das no­ve lo­co­mo­ti­vas em es­ta­lei­ro, com as des­pe­sas efec­tu­a­das no país en­ca­re­ci­das pe­la de­pre­ci­a­ção da mo­e­da na­ci­o­nal, com as di­fi­cul­da­des de aces­so a di­vi­sas pa­ra aqui­si­ção de con­su­mí­veis e pe­ças so­bres­sa­len­tes e com a em­pre­sa a pra­ti­car os mes­mos pre­ços de há seis anos, é obra man­ter uma fo­lha de ser­vi­ço aos ní­veis al­can­ça­dos em tem­po de abo­nan­ça, su­bli­nha o ges­tor do CFL.

Co­mo mos­tra a in­fo­gra­fia, des­de 2013, as quan­ti­da­des anu­ais de pas­sa­gei­ros an­dam na ca­sa dos três mi­lhões. Por aí se vê que a em­pre­sa já con­quis­tou a sua cli­en­te­la. Fa­ça chu­va ou fa­ça Sol, há já pes­so­as pa­ra quem o seu trans­por­te de elei­ção é o com­boio.

De­sas­sis­ti­da de au­to­no­mia pa­ra ac­tu­a­li­zar as ta­ri­fas pra­ti­ca­das à flu­tu­a­ção do câm­bio de di­vi­sas no mer­ca­do, a em­pre­sa vem ob­ten­do qua­se o mes­mo vo­lu­me de re­cei­tas no­mi­nais de há três anos, mas com um va­lor re­al em cons­tan­te en­fra­que­ci­men­to, em con­sequên­cia da de­pre­ci­a­ção da mo­e­da na­ci­o­nal fa­ce ao dó­lar.

De­ti­da a cem por cen­to pe­lo Es­ta­do, a em­pre­sa pra­ti­ca pre­ços sub­ven­ci­o­na­dos pe­lo ac­ci­o­nis­ta. Mas a con­tra­par­ti­da fi­nan­cei­ra que lhe che­ga aos co­fres só dá pa­ra co­brir 79 por cen­to da mas­sa sa­la­ri­al, dei­xan­do-a, per­ma­nen­te­men­te, à bei­ra da in­ca­pa­ci­da­de de co­brir al­gu­mas des­pe­sas co­mo lu­bri­fi­can­tes, com­bus­tí­vel e pe­ças so­bres­sa­len­tes. Ac­tu­a­li­za­ção das ta­ri­fas

Do Bun­go a Ca­te­te, num per­cur­so de 64 qui­ló­me­tros, o pas­sa­gei­ro que vi­a­ja nu­ma car­ru­a­gem "tramway", as mais usa­das, e que che­gam a co­brir 55 por cen­to do trá­fe­go, pa­ga uma ta­ri­fa úni­ca de 30 kwan­zas, inal­te­rá­vel des­de 2007, quan­do de lá pa­ra cá os cus­tos dos com­bus­tí­veis e con­su­mí­veis du­pli­ca­ram e em al­guns ca­sos tri­pli­ca­ram.

É de um dé­fi­ce acu­mu­la­do, que vem da da­ta da re­to­ma­da do com­boio, que se Cel­so Ro­sa se quei­xa. As di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras re­sul­tan­tes do acu­mu­lar des­te di­fe­ren­ci­al fo­ram agra­va­das pe­la re­du­ção do pre­ço do pe­tró­leo, que in­ter­rom­peu o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co que o país vi­nha re­gis­tan­do, acen­tu­an­do de for­ma bru­tal as di­fi­cul­da­des da em­pre­sa em sa­tis­fa­zer a pro­cu­ra dos seus ser­vi­ços.

Pa­ra o seu nor­mal fun­ci­o­na­men­to, diz Cel­so Ro­sa, a em­pre­sa ne­ces­si­ta men­sal­men­te de 288 mi­lhões de kwan­zas, quan­do o sub­sí­dio ope­ra­ci­o­nal que re­ce­be não pas­sa de pou­co mais de 102 mi­lhões, o que di­fi­cul­ta as con­tas. Ain­da as­sim, o ges­tor vê na ma­nu­ten­ção des­te sub­sí­dio da par­te do Es­ta­do um es­for­ço a ter em con­si­de­ra­ção na ac­tu­al con­jun­tu­ra. Es­te ano, em con­sequên­cia das di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras que atra­ves­sa, a em­pre­sa viu-se obri­ga­da a con­fi­nar a ce­le­bra­ção do seu ani­ver­sá­rio a uma fei­ra de amos­tra das ac­ti­vi­da­des que ca­da uni­da­de or­gâ­ni­ca de­sen­vol­ve e um de­ba­te so­bre os pro­ble­mas que mais pre­o­cu­pam a co­mu­ni­da­de de tra­ba­lha­do­res, mas com o “en­tu­si­as­mo de sem­pre”.

A agra­var os cons­tran­gi­men­tos es­tão pe­que­nos pro­ble­mas que co­me­çam a ve­ri­fi­car-se no tro­ço que li­ga as lo­ca­li­da­des do Zen­za do Itom­be a Ca­nho­ca, on­de o com­boio só já cir­cu­la a uma ve­lo­ci­da­de de 25-40 qui­ló­me­tros por ho­ra.

Nos úl­ti­mos dois anos, as for­tes chu­vas que caí­ram na re­gião afec­ta­ram al­guns tro­ços da li­nha, so­bre­tu­do on­de os ta­lu­des apre­sen­tam in­cli­na­ções su­pe­ri­o­res a 45 por cen­to, si­tu­a­ção que já es­tá a ser in­ter­ven­ci­o­na­da, en­quan­to se aguar­da pe­la apro­va­ção de um pla­no de emer­gên­cia, ela­bo­ra­do em co­or­de­na­ção com o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal dos Ca­mi­nhos de Fer­ro de An­go­la (INCFA).

Cel­so Ro­sa re­ve­la que a si­tu­a­ção nes­se tro­ço “re­ves­te-se de al­gu­ma gra­vi­da­de” e põem em cau­sa os pa­drões de se­gu­ran­ça. A au­sên­cia de mei­os de trans­por­te ade­qua­dos pa­ra o pes­so­al as­sis­ten­te da via che­gar a lo­ca­li­da­des ina­ces­sí­veis por car­ro, di­fi­cul­ta os tra­ba­lhos de ma­nu­ten­ção. O

Jor­nal de An­go­la apu­rou que en­tre os pro­ble­mas que afli­gem a co­mu­ni­da­de fer­ro­viá­ria em Lu­an­da es­tá o fac­to de ain­da se as­sis­tir a ac­tos de van­da­lis­mo con­tra o com­boio, tra­du­zi­dos no ape­dre­ja­men­to das car­ru­a­gens e lo­co­mo­ti­vas ou ain­da na co­lo­ca­ção so­bre a via de ob­jec­tos sus­cep­tí­veis de po­rem em ris­co a se­gu­ran­ça do apa­re­lho e dos ocu­pan­tes. Con­tra­to-pro­gra­ma

Com um mes­tra­do em Trans­por­tes, Cel­so Ro­sa apon­ta os ca­mi­nhos pa­ra a saí­da da cri­se. Lem­bra, no en­tan­to, que não exis­tem em­pre­sas fer­ro­viá­ri­as, quer pú­bli­cas ou pri­va­das, cu­jo trans­por­te de pas­sa­gei­ros co­bre os cus­tos ope­ra­ci­o­nais. O que ga­ran­te a sus­ten­ta­bi­li­da­de das em­pre­sas do sec­tor é o trans­por­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.