A ho­ra da Es­pa­nha de­ci­dir en­tre con­ti­nui­da­de e rup­tu­ra

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LUIS AL­BER­TO FER­REI­RA |*

Ma­ri­a­no Ra­joy, na sequên­cia de em­ba­ra­ço­sas tor­men­tas ins­ti­tu­ci­o­nais, vol­ta a che­fi­ar o Go­ver­no mo­nár­qui­co-cons­ti­tu­ci­o­nal da Es­pa­nha. Foi evi­ta­do o re­cur­so, que te­ria si­do pe­no­so, a ter­cei­ras elei­ções. Gra­ças à tão al­me­ja­da abs­ten­ção dos so­ci­a­lis­tas na der­ra­dei­ra vo­ta­ção par­la­men­tar. O no­vo Exe­cu­ti­vo apre­sen­ta-se au­re­o­la­do por um mui­to va­go e tré­mu­lo sen­ti­do de nor­ma­li­da­de. A in­se­gu­ran­ça e as in­cer­te­zas de Ra­joy são enor­mes. No Par­ti­do Po­pu­lar (PP), Ma­ri­a­no Ra­joy en­fren­ta vá­ri­os di­ri­gen­tes em­pe­nha­dos na “re­no­va­ção ge­ra­ci­o­nal”. Par­te pa­ra um ma­gis­té­rio que po­de­rá ser-lhe fa­tal. As evi­dên­ci­as da sua fra­gi­li­da­de co­me­çam já a in­si­nu­ar-se. Em Ma­drid sa­be-se que o PP ten­ci­o­na optar, no Par­la­men­to, por um “por­ta­voz du­ro”.Ten­do em con­si­de­ra­ção, ar­gu­men­ta-se, a es­pe­ra­da agres­si­vi­da­de dos ho­mó­lo­gos do ra­di­cal Po­de­mos e da Es­quer­da Re­pu­bli­ca­na da Ca­ta­lu­nha (ERC). Es­te par­ti­do, o ERC, fun­da­do em 1931 na his­tó­ri­ca Bar­ce­lo­na, po­de pa­re­cer um cor­pús­cu­lo ine­fi­ci­en­te ou me­nor no no­vo es­pec­tro con­fi­gu­ra­do pe­lo PP, PSOE, Po­de­mos e Ciu­da­da­nos. No en­tan­to, a Es­quer­da Re­pu­bli­ca­na da Ca­ta­lu­nha po­de sig­ni­fi­car, no Con­gres­so dos De­pu­ta­dos, em Ma­drid, um ele­men­to a ter em con­ta na “pla­ca­gem” a Ra­joy. Tem três de­pu­ta­dos no Con­gres­so e um no Par­la­men­to Eu­ro­peu. Em Abril des­te ano, Car­les Puig­de­mont, o pre­si­den­te da au­to­no­mia da Ca­ta­lu­nha, a cha­ma­da Ge­ne­ra­li­tat, co­me­çou a pres­si­o­nar Ma­ri­a­no Ra­joy. Apre­sen­tou-lhe na­da me­nos de 46 me­di­das “im­por­tan­tes pa­ra a Ca­ta­lu­nha”. E ago­ra que Ra­joy dá iní­cio em Es­pa­nha a no­vo ci­clo go­ver­na­ti­vo, Puig­de­mont vol­ta à car­ga exi­gin­do-lhe que co­me­ce já a pro­nun­ci­ar­se so­bre a ques­tão do ple­bis­ci­to re­cla­ma­do pe­los in­de­pen­den­tis­tas…

É cer­to que, ao cons­ti­tuir fi­nal­men­te no­vo Go­ver­no - no ter­mo de uma pa­rá­li­se de 316 di­as - a Es­pa­nha re­sol­ve, pa­ra já, um pro­ble­ma que su­a­vi­za a ex­ci­ta­ção nos cor­re­do­res de Bru­xe­las e do Ban­co Mun­di­al. Ao mes­mo tem­po, o país vê abrir-se uma vas­tís­si­ma área es­pe­cu­la­ti­va de dú­vi­das, de des­con­fi­an­ças - e tam­bém de no­vas pos­si­bi­li­da­des pa­ra a re­no­va­ção da clas­se po­lí­ti­ca. Pro­ces­so que cons­ti­tui pa­ra os so­ci­a­lis­tas um gran­de e de­ci­si­vo de­sa­fio. O “gol­pe ma­gis­tral” des­fe­ri­do há pou­co pe­lo so­ci­a­lis­ta Pe­dro Sán­chez - ao for­çar a sua re­ti­ra­da do car­go de se­cre­tá­rio-ge­ral do PSOE - é pre­am­bu­lar da no­va at­mos­fe­ra do­mi­nan­te no par­ti­do. Os so­ci­a­lis­tas, di­vi­di­dos, dis­põem ago­ra de uma in­ve­já­vel opor­tu­ni­da­de de co­e­são e coerência afir­ma­ti­vas do seu ideá­rio. No mo­men­to da “pro­cla­ma­ção” de Ra­joy co­mo Pre­si­den­te do Go­ver­no o por­ta-voz so­ci­a­lis­ta foi as­saz ca­te­gó­ri­co: “Não é o Pre­si­den­te que a Es­pa­nha me­re­ce”. Pe­dro Sán­chez, por seu tur­no, fez mais do que man­ter até ao fim a sua ca­te­gó­ri­ca re­cu­sa de qual­quer con­ces­são a um Go­ver­no de no­vo pre­si­di­do por Ra­joy. Num ras­go que ape­nas con­fir­ma o que vem sen­do uma evi­dên­cia cla­mo­ro­sa, Sán­chez aca­ba de de­cla­rar que a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e os em­pre­sá­ri­os “im­pe­dem que a Es­pa­nha se­ja go­ver­na­da por for­ças pro­gres­sis­tas”. (Os ce­ná­ri­os em cres­cen­do não ga­ran­tem que a Es­pa­nha não caia, a cur­to pra­zo, em no­vo im­pas­se). No Par­la­men­to, o PSOE ou “es­quer­da mo­de­ra­da” não es­ta­rá so­zi­nho nas pre­ten­sões de li­de­ran­ça da opo­si­ção. Jun­tos, o Po­de­mos e a Es­quer­da Uni­da - ge­mi­na­dos na si­gla Uni­dos Po­de­mos - tu­do fa­rão pa­ra cha­mar a si o mai­or pro­ta­go­nis­mo na re­jei­ção e crí­ti­ca de to­da e qual­quer me­di­da le­si­va do cam­po so­ci­al. Nes­ta al­tu­ra 6,7 mi­lhões de ju­bi­la­dos es­tão no cen­tro de um sis­te­ma pú­bli­co de pen­sões à bei­ra do co­lap­so. Os so­ci­a­lis­tas se­rão, em tal con­jun­tu­ra, sub­me­ti­dos tam­bém a du­ro exa­me. Até por­que Pe­dro Sán­chez, o até há pou­co lí­der do PSOE, de­ci­diu re­nun­ci­ar à sua con­di­ção de de­pu­ta­do. Es­ta ma­ni­fes­ta­ção de coerência de Pe­dro Sán­chez po­de re­pre­sen­tar, do pon­to de vis­ta éti­co, do pon­to de vis­ta po­lí­ti­co, do pon­to de vis­ta mo­ral, um ines­ti­má­vel ser­vi­ço pres­ta­do à Es­pa­nha e à Eu­ro­pa. E sur­ge num mo­men­to su­per­la­ti­vo de cri­se ge­ne­ra­li­za­da nes­sas ver­ten­tes. Em Es­pa­nha co­mo no res­to da Eu­ro­pa. A seu tem­po os ré­di­tos da ati­tu­de vi­rão. Ra­joy, na ver­da­de, foi elei­to à cus­ta da abs­ten­ção “ofe­re­ci­da” pe­los so­ci­a­lis­tas (PSOE). Ra­zões de Es­ta­do pe­sa­ram nes­ta de­ci­são, que não só não ob­te­ve o aplau­so de to­dos os so­ci­a­lis­tas co­mo ori­gi­nou o afas­ta­men­to de Sán­chez e abriu as por­tas ao ex­tre­mar de po­si­ções. Co­me­ça des­te mo­do a re­cons­tru­ção e a re­de­fi­ni­ção no in­te­ri­or do PSOE. E tam­bém a de­pu­ra­ção. Os cha­ma­dos “ba­rões” do PSOE cons­ti­tu­em o pe­ri­go­so nú­cleo con­ser­va­dor do par­ti­do cu­ja fun­da­ção da­ta do século XIX. To­dos eles ocu­pan­do car­gos nas au­to­no­mi­as re­gi­o­nais ou nas re­pre­sen­ta­ções fe­de­ra­ti­vas do PSOE na Es­pa­nha pro­fun­da. Não pou­cos des­ses po­lí­ti­cos es­pa­nhóis são, de fac­to, res­tau­ra­ci­o­nis­tas que de­pois da fal­sa “Tran­si­ção be­nig­na” vi­ram frus­tra­dos os seus pla­nos de in­gres­so no ul­tra­con­ser­va­dor PP (Par­ti­do Po­pu­lar). Co­me­ça aqui a re­le­vân­cia da cla­ri­fi­ca­ção que a re­nún­cia de Pe­dro Sán­chez pro­pi­cia. A ”ou­tra” Es­pa­nha, a Es­pa­nha crí­ti­ca e ane­lan­te de um ver­da­dei­ro PSOE - co­mo ver­da­dei­ra alternativa ao con­ser­va­do­ris­mo ne­o­fran­quis­ta - exi­ge es­sa cla­ri­fi­ca­ção. Sán­chez se­pa­ra-se da ban­ca­da par­la­men­tar do PSOE e in­ves­te nos pre­pa­ra­ti­vos da sua can­di­da­tu­ra in­ter­na - a pen­sar nas “pri­má­ri­as” e no pró­xi­mo con­gres­so dos so­ci­a­lis­tas. O di­le­ma es­pa­nhol tem um re­gis­to ina­pe­lá­vel - con­ti­nui­da­de ou rup­tu­ra. O pró­prio Ma­ri­a­no Ra­joy, con­ser­va­dor até à me­du­la, per­ce­be o re­gis­to: pas­sou a di­zer que en­ten­deu o su­ce­di­do na sequên­cia das elei­ções de De­zem­bro de 2015 e de Ju­lho de 2016. E ma­ni­fes­ta o que de­ve­ria ter fei­to há mais de 4 anos: “dis­pos­to a tra­ba­lhar de ou­tra ma­nei­ra, com mais fle­xi­bi­li­da­de e diá­lo­go, so­bre­tu­do no Par­la­men­to”. É ma­ni­fes­to que ele não irá ter vi­da fá­cil na go­ver­na­ção. O rei Fe­li­pe VI, que no ac­tu­al re­gi­me mo­nár­qui­co-cons­ti­tu­ci­o­nal sem­pre te­rá a úl­ti­ma pa­la­vra, em­ble­ma­ti­za a pre­o­cu­pa­ção cau­sa­da pe­los mais de 300 di­as sem Go­ver­no: dis­põe-se a “re­cu­pe­rar a pro­jec­ção da Es­pa­nha na ce­na in­ter­na­ci­o­nal”. Al­go ali­ci­an­te num mun­do agi­ta­dís­si­mo. Com Mar­ro­cos, im­pre­vi­sí­vel, e a Sí­ria, trá­gi­ca, ali tão per­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.