Al­tas ta­xas de in­fla­ção pre­o­cu­pam o Exe­cu­ti­vo

INÍ­CIO DE MIS­SÃO DO FUN­DO MO­NE­TÁ­RIO IN­TER­NA­CI­O­NAL Res­pos­ta do re­pre­sen­tan­te do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças às in­qui­e­ta­ções da ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra

Jornal de Angola - - MUNDO - ADELINA INÁ­CIO |

As ta­xas de in­fla­ção ve­ri­fi­ca­das es­te ano na eco­no­mia an­go­la­na são “uma pre­o­cu­pa­ção pri­má­ria do Exe­cu­ti­vo”, por afec­ta­rem o po­der de com­pra da po­pu­la­ção, de­cla­rou on­tem, em Lu­an­da, o di­rec­tor do Ga­bi­ne­te de Es­tu­dos e Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças.

Emí­lio Lon­da fa­la­va nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa con­jun­ta com Ri­car­do Vel­lo­so, che­fe da mis­são do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) que on­tem se en­con­trou com a Equi­pa Eco­nó­mi­ca do Go­ver­no no iní­cio das con­sul­tas do Artigo IV, uma ava­li­a­ção eco­nó­mi­ca anu­al pre­vis­ta nos es­ta­tu­tos da ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra que vai até ao dia 17.

Ri­car­do Vel­lo­so de­cla­rou aos jor­na­lis­tas que as du­as mai­o­res pre­o­cu­pa­ções do FMI fa­ce à eco­no­mia an­go­la­na re­si­dem nas ele­va­das ta­xas de in­fla­ção e bai­xo cres­ci­men­to eco­nó­mi­co.

Emí­lio Lon­da con­si­de­rou que uma com­pa­ra­ção en­tre a ta­xa ac­tu­al e a que cons­ta no re­la­tó­rio de fun­da­men­ta­ção do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do de 2017 evi­den­cia que a in­fla­ção é uma pri­o­ri­da­de na po­lí­ti­ca do Exe­cu­ti­vo.

Nú­me­ros dis­po­ní­veis no Jor­nal de An­go­la apon­tam pa­ra uma ta­xa acu­mu­la­da da in­fla­ção de 39,44 por cen­to em Se­tem­bro, em Lu­an­da, e a pre­vi­são or­ça­men­tal de uma ta­xa de 15 cen­to no côm­pu­to de 2017.

“As me­tas não são fá­ceis de atin­gir, mas se­rão as que vão con­du­zir to­da po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca no sen­ti­do de se ter uma ace­le­ra­ção me­nor do ní­vel ge­ral dos pre­ços e pre­ser­var o po­der de com­pra da po­pu­la­ção”, apon­tou o res­pon­sá­vel.

Emí­lio Lon­da de­fen­deu a ace­le­ra­ção dos pro­ces­sos de in­dus­tri­a­li­za­ção e ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas fis­cais, pa­ra que as des­pe­sas pú­bli­cas se­jam uma ala­van­ca pa­ra o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co, re­cu­pe­ra­ção e equi­lí­brio de to­das as va­riá­veis ma­cro­e­co­nó­mi­cas do país.

Ri­car­do Vel­lo­so con­si­de­rou po­si­ti­vo que, des­de a úl­ti­ma mis­são en­vi­a­da pe­lo FMI a An­go­la, em Ju­nho, é ve­ri­fi­ca­da “uma cer­ta es­ta­bi­li­da­de do pre­ço do pe­tró­leo”, que apon­ta a ní­veis mé­di­os de en­tre 45 e 50 dó­la­res por bar­ril. O pro­ces­so de diversificação da eco­no­mia é fun­da­men­tal pa­ra o cres­ci­men­to da eco­no­mia an­go­la­na, con­si­de­rou o che­fe da mis­são do FMI, pre­ven­do “um pro­ces­so que vai le­var al­gum tem­po, nun­ca da noi­te pa­ra o dia e tem de se co­me­çar ago­ra pa­ra se co­lhe­rem os fru­tos ao lon­gos dos pró­xi­mos anos”.

Evo­lu­ção das dis­cus­sões

O Jor­nal de An­go­la apu­rou que as au­to­ri­da­des en­tre­ga­ram à mis­são in­for­ma­ções so­bre a evo­lu­ção da eco­no­mia, o que in­clui a exe­cu­ção da po­lí­ti­ca fis­cal do país pa­ra es­te ano e uma có­pia da pro­pos­ta do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017. A mis­são ava­lia tam­bém os úl­ti­mos desenvolvimentos do sec­tor ban­cá­rio, as ope­ra­ções do Go­ver­no no mer­ca­do mo­ne­tá­rio e cam­bi­al, ges­tão das re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais lí­qui­das e a ges­tão da te­sou­ra­ria - in­cluin­do a evo­lu­ção das con­tas a pa­gar e pa­ga­men­tos atra­sa­dos.

As pro­jec­ções da ba­lan­ça de pa­ga­men­tos, desenvolvimentos nos im­pos­tos não-pe­tro­lí­fe­ros, me­di­das re­cen­tes, pers­pec­ti­vas e pla­nos de mé­dio pra­zo e a im­ple­men­ta­ção do Pro­gra­mas de In­ves­ti­men­tos Pú­bli­cos (PIP) são ou­tras ques­tões que a mis­são ava­lia du­ran­te a sua per­ma­nên­cia em An­go­la.

Nes­se pe­río­do, são man­ti­dos en­con­tros com res­pon­sá­veis do Exe­cu­ti­vo, As­sem­bleia Na­ci­o­nal, So­nan­gol, Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA), Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria (AGT), Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca, Fun­do So­be­ra­no de An­go­la, Agên­cia de Re­gu­la­ção e Su­per­vi­são de Se­gu­ros, Mi­nis­té­rio da Cons­tru­ção, ban­cos co­mer­ci­ais, en­ti­da­des do sec­tor em­pre­sa­ri­al pri­va­do e im­pren­sa es­pe­ci­a­li­za­da.

Ao abri­go do Artigo IV do seu Con­vé­nio Cons­ti­tu­ti­vo, o FMI man­tém dis­cus­sões bi­la­te­rais com os paí­ses mem­bros, nor­mal­men­te com uma pe­ri­o­di­ci­da­de anu­al. Co­mo pro­ce­di­men­to, uma equi­pa de es­pe­ci­a­lis­tas vi­si­ta o país, re­co­lhe in­for­ma­ções de na­tu­re­za eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra e dis­cu­te com as au­to­ri­da­des e ou­tras par­tes in­te­res­sa­das na evo­lu­ção da eco­no­mia e as po­lí­ti­cas eco­nó­mi­cas. Es­ses es­pe­ci­a­lis­tas ela­bo­ram de­pois um re­la­tó­rio que é sub­me­ti­do ao Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da or­ga­ni­za­ção.

A úl­ti­ma ava­li­a­ção do de­sem­pe­nho ma­cro­e­co­nó­mi­co de­cor­reu de 12 a 25 de Agos­to de 2015, no fim da qual Ri­car­do Vel­lo­so de­cla­rou que o FMI con­cor­da com o Exe­cu­ti­vo quan­to à ne­ces­si­da­de de diversificação da eco­no­mia co­mo apos­ta pa­ra alar­gar as fon­tes de re­cei­tas.

O Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal tam­bém re­co­men­dou, na­que­la al­tu­ra, a adap­ta­ção das des­pe­sas pú­bli­cas aos bai­xos ní­veis das re­cei­tas fis­cais e um equi­lí­brio do mer­ca­do de câm­bi­os ba­se­a­do na des­va­lo­ri­za­ção do kwan­za. A mis­são tam­bém con­si­de­rou fun­da­men­tal que o BNA con­so­li­de a sua ca­pa­ci­da­de de su­per­vi­são, pa­ra que os ban­cos co­mer­ci­ais se man­te­nham só­li­dos.

JOÃO GO­MES

Che­fe da mis­são do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal Ri­car­do Vel­lo­so (se­gun­do à es­quer­da) di­an­te do mi­nis­tro da Fi­nan­ças Ar­cher Man­guei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.