Im­por­ta­ções caí­ram no pri­mei­ro tri­mes­tre

Jornal de Angola - - MUNDO - MA­DA­LE­NA JO­SÉ |

O mer­ca­do na­ci­o­nal re­du­ziu de for­ma con­si­de­rá­vel, em 34,7 por cen­to, as su­as im­por­ta­ções, no pri­mei­ro tri­mes­tre, pe­río­do em que as ex­por­ta­ções re­gis­ta­ram uma que­da de ape­nas 1,3 por cen­to.

A in­for­ma­ção foi pres­ta­da on­tem, em Lu­an­da, pe­lo mi­nis­tro do Co­mér­cio, quan­do dis­cur­sa­va na ce­ri­mó­nia de aber­tu­ra da se­gun­da edi­ção do “Fó­rum In­ter­na­ci­o­na­li­zar é Cres­cer”.

Fi­el Cons­tan­ti­no, que ci­tou da­dos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE), re­fe­riu que os prin­ci­pais mer­ca­dos pa­ra a ex­por­ta­ção dos pro­du­tos na­ci­o­nais fo­ram a Chi­na (49 por cen­to), a Ín­dia (7,5 por cen­to), os Es­ta­dos Uni­dos de Amé­ri­ca (5,7 por cen­to), Por­tu­gal (4,4 por cen­to) e a Áfri­ca do Sul (4,3 por cen­to).

Em re­la­ção às im­por­ta­ções, a Chi­na, com 15,4 por cen­to, foi a prin­ci­pal for­ne­ce­do­ra. Por­tu­gal, com 14,4 por cen­to, vem em se­gun­do lu­gar, se­guin­do-se os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca com 9,4 por cen­to, Bra­sil com cin­co por cen­to, Áfri­ca do Sul e Sin­ga­pu­ra com 4,2 por cen­to ca­da.

Mais ar­ro­jo

O mo­men­to ac­tu­al da eco­no­mia an­go­la­na re­quer em­pre­sas com ele­va­da ca­pa­ci­da­de pro­du­ti­va e de ino­va­ção, co­nhe­ci­men­to e que am­pli­em as opor­tu­ni­da­des e a von­ta­de de se in­ter­na­ci­o­na­li­za­rem, ex­por­tan­do ser­vi­ços e pro­du­tos que com­pi­tam com os de ou­tros mer­ca­dos.

Fren­te ao ac­tu­al pro­ces­so da eco­no­mia na­ci­o­nal, o go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la, Val­ter da Silva, dis­se que a efec­ti­va­ção da es­tra­té­gia apro­va­da pe­lo Exe­cu­ti­vo pa­ra a saí­da da cri­se - a in­ten­si­fi­ca­ção da pro­du­ção in­ter­na e das ex­por­ta­ções - só é pos­sí­vel com em­pre­sas cre­dí­veis.

“As em­pre­sas de­vem con­tri­buir pa­ra que se cri­em ex­por­ta­ções pe­la via da pro­du­ção na­ci­o­nal e se per­mi­ta a en­tra­da de di­vi­sas, evi­tan­do a for­te de­pen­dên­cia das re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais”, dis­se.

Sa­li­mo Ab­du­la, re­pre­sen­tan­te da Co­mis­são Eu­ro­peia (CECPLP), no even­to, ape­lou pa­ra An­go­la dei­xar de de­pen­der for­te­men­te do sec­tor ener­gé­ti­co e apos­tar na diversificação de ne­gó­ci­os den­tro da CPLP, in­ves­tin­do nas ter­ras ará­veis em blo­co e, ao mes­mo tem­po, bus­car ex­pe­ri­ên­ci­as tec­no­ló­gi­cas do Bra­sil e de Por­tu­gal.

Ao dis­ser­tar so­bre “Plan­tar a Bandeira Na­ci­o­nal nos Ne­gó­ci­os do Mun­do”, Sa­li­mo Ab­du­la des­ta­cou as po­ten­ci­a­li­da­des dos re­cur­sos na­tu­rais que An­go­la pos­sui, com uma po­pu­la­ção mai­o­ri­ta­ri­a­men­te jo­vem e ter­ras ará­veis.

En­qua­dra­do nas co­me­mo­ra­ções do ter­cei­ro ani­ver­sá­rio da or­ga­ni­za­ção, o fó­rum foi or­ga­ni­za­do pe­la Co­mu­ni­da­de de Em­pre­sas Ex­por­ta­do­ras e In­ter­na­ci­o­na­li­za­das de An­go­la.

O pre­si­den­te da Co­mu­ni­da­de de Em­pre­sas Ex­por­ta­do­ras e In­ter­na­ci­o­na­li­za­das de An­go­la, Agos­ti­nho Ca­paia, ga­ran­tiu que o Exe­cu­ti­vo es­tá de­ter­mi­na­do a au­men­tar a pro­du­ção e fo­men­tar as ex­por­ta­ções, ge­ra­do­ras de mais di­vi­sas pa­ra a eco­no­mia na­ci­o­nal.

A Co­mu­ni­da­de de Em­pre­sas Ex­por­ta­do­ras e In­ter­na­ci­o­na­li­za­das de An­go­la con­ta com 33 em­pre­sas ins­cri­tas e tem uma agen­da vi­ra­da pa­ra o fo­men­to de pro­ces­sos de ca­pi­ta­li­za­ção e ino­va­ção nas em­pre­sas na­ci­o­nais.

PIPAS CONTREIRAS

Mi­nis­tro do Co­mér­cio na aber­tu­ra da reu­nião

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.