Re­ve­la­dos re­sul­ta­dos de ac­ções so­ci­ais

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - MA­NU­E­LA GO­MES |

O Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Lo­ca­li­za­ção e Reu­ni­fi­ca­ção Fa­mi­li­ar do Mi­nis­té­rio da As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al apoi­ou 123 mil cri­an­ças, com a in­te­gra­ção nas fa­mí­li­as nu­cle­a­res e alar­ga­das, em fa­mí­li­as subs­ti­tu­tas e em la­res de aco­lhi­men­to.

Da­dos do Mi­nis­té­rio da As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al re­fe­rem que, em 2002, co­mo re­sul­ta­do da as­sis­tên­cia hu­ma­ni­tá­ria, dos mais de qua­tro mi­lhões de des­lo­ca­dos que exis­ti­am, cer­ca de 1,9 mi­lhões re­ce­be­ram as­sis­tên­cia ali­men­tar di­rec­ta e 1,8 mi­lhões fo­ram be­ne­fi­ciá­ri­os de pro­gra­mas vol­ta­dos pa­ra a saú­de, edu­ca­ção, água e sa­ne­a­men­to, nu­tri­ção e ac­ção con­tra mi­nas.

Em 2003, o Pro­gra­ma Ali­men­tar Mun­di­al (PAM) as­sis­tiu cer­ca de 1.482 pes­so­as, com 65 mil to­ne­la­das de bens ali­men­ta­res, o que cor­res­pon­de a 52,6 por cen­to do pre­vis­to pe­lo Pro­gra­ma de Emer­gên­cia e Re­cu­pe­ra­ção. No mes­mo ano, o Co­mi­té In­ter­na­ci­o­nal da Cruz Ver­me­lha (CICV) apoi­ou com aju­da ali­men­tar 68 mil des­lo­ca­dos e re­gres­sa­dos no Hu­am­bo, en­quan­to a Ac­ção Agrá­ria Ale­mã dis­tri­buiu aju­da ali­men­tar a 133 mil pes­so­as nas su­as áre­as de des­ti­no fi­nal, o Ben­go, on­de fo­ram aten­di­das 45 mil pes­so­as, Ben­gue­la, 52 mil, e Cu­an­za Sul, 36 mil pes­so­as. Ain­da em 2003, o Mi­nis­té­rio da As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al dis­tri­buiu 16.809,09 to­ne­la­das de bens ali­men­ta­res e não-ali­men­ta­res às po­pu­la­ções ca­ren­ci­a­das, in­cluin­do o apoio a ex-mi­li­ta­res e seus fa­mi­li­a­res nas áre­as de aco­lhi­men­to e de des­ti­no fi­nal, ten­do be­ne­fi­ci­a­do um to­tal de 5.165.518 ci­da­dãos. Ain­da em 2003, hou­ve uma re­du­ção do ín­di­ce de ca­sos de des­nu­tri­ção se­ve­ra de cri­an­ças de 25 pa­ra dez por cen­to.

De 2002 a 2006, o nú­me­ro de des­lo­ca­do re­du­ziu de qua­tro­cen­tos mil pa­ra cer­ca de 40.031, no âm­bi­to do Pro­gra­ma de Re­gres­so e Re­as­sen­ta­men­to da Po­pu­la­ção Des­lo­ca­da às su­as Áre­as de Ori­gem ou Pre­fe­rên­cia.

O Pro­gra­ma de Re­pa­tri­a­men­to Vo­lun­tá­rio e Or­ga­ni­za­do de Re­fu­gi­a­dos An­go­la­nos, no pe­río­do 2002-2015, re­pa­tri­ou 525.871 ci­da­dãos, sen­do 183.046 atra­vés do re­pa­tri­a­men­to vo­lun­tá­rio e or­ga­ni­za­do, 287.428 de for­ma es­pon­tâ­nea e 55.397 de for­ma com­pul­si­va.

A mai­or par­te dos re­fu­gi­a­dos re­gres­sou da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, cor­res­pon­den­do a 58 por cen­to do to­tal de pes­so­as que re­gres­sa­ram ao país. Os res­tan­tes ci­da­dãos re­gres­sa­dos ao país vi­vi­am na Zâm­bia, de on­de saí­ram 37 por cen­to, Na­mí­bia, qua­tro por cen­to, e Áfri­ca do Sul, Botswa­na e Re­pú­bli­ca do Con­go, ca­da um des­tes paí­ses com um por cen­to. Do rol de re­fu­gi­a­dos, 54 por cen­to são cri­an­ças do ze­ro aos 17 anos, 41 por cen­to es­tão na fai­xa etá­ria dos 18 aos 59 anos e cin­co por cen­to têm mais de 60 anos. Até ago­ra o pro­gra­ma de des­mi­na­gem des­truiu mais de 478.362 mi­nas, sen­do 452.014 mi­nas an­ti­pes­so­al e 26.348 mi­nas an­ti­tan­que e 5.934.965 ou­tros en­ge­nhos ex­plo­si­vos.

MAVITIDI MULAZA

De­vi­do à paz efec­ti­va mi­lha­res de re­fu­gi­a­dos já re­gres­sa­ram de for­ma vo­lun­tá­ria ao país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.