Re­for­ço da se­gu­ran­ça es­co­lar

Ins­ti­tui­ção tra­ba­lha com psi­có­lo­gos no acom­pa­nha­men­to de alu­nos en­vol­vi­dos

Jornal de Angola - - PARTADA -

A Bri­ga­da de Se­gu­ran­ça Es­co­lar (BSE) do Co­man­do Pro­vin­ci­al de Lu­an­da da Po­lí­cia Na­ci­o­nal pre­ten­de au­men­tar a vi­gi­lân­cia en­tre pro­fes­so­res e di­rec­ções dos di­ver­sos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no pa­ra pre­ve­nir o con­su­mo de dro­gas e com­ba­ter a cri­mi­na­li­da­de nos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no da ca­pi­tal.

O ano lec­ti­vo es­tá a ter­mi­nar. As pro­vas co­me­çam na se­gun­da-fei­ra. To­dos os es­for­ços es­tão a ser fei­tos pe­la Po­lí­cia Na­ci­o­nal pa­ra pre­ve­nir ac­tos cri­mi­no­sos. O mu­ni­cí­pio de Lu­an­da tem sob sua al­ça­da 250 es­co­las e pre­ci­sa de mais de mil pro­fes­so­res pa­ra pre­en­cher as va­gas exis­ten­tes. A BSE con­tro­la um gru­po de me­ni­nas que pra­ti­cam ri­xas com gru­pos ri­vais.

A sa­la de reu­niões do Ins­ti­tu­to Mé­dio In­dus­tri­al de Lu­an­da foi pal­co de um en­con­tro de con­cer­ta­ção en­tre efec­ti­vos da BSE e di­rec­to­res de di­ver­sas es­co­las do mu­ni­cí­pio. O en­con­tro vi­sou tam­bém apre­sen­tar aos res­pon­sá­veis das es­co­las, o no­vo co­man­dan­te da bri­ga­da, su­per in­ten­den­te-che­fe An­tó­nio Do­min­gos dos San­tos.

A pre­ven­ção e com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de nas es­co­las é um dos gran­des de­sa­fi­os do no­vo res­pon­sá­vel da BSE. Uma das ca­rac­te­rís­ti­cas da se­gu­ran­ça es­co­lar é o po­li­ci­a­men­to de pro­xi­mi­da­de, jun­to das co­mu­ni­da­des es­tu­dan­tis e os res­pon­sá­veis das ins­ti­tui­ções es­co­la­res, pa­ra pre­ve­nir o cri­me.

A Po­lí­cia Na­ci­o­nal tem in­te­ra­gi­do com es­tu­dan­tes de vá­ri­as es­co­las. O co­lé­gio San­ta Ana es­tá en­tre as pre­o­cu­pa­ções da BSE. Re­gis­tam-se ali muitos ac­tos de in­dis­ci­pli­na por par­te dos alu­nos.

“As si­tu­a­ções mais fre­quen­tes cons­ta­ta­das pe­la BSE re­fe­rem-se a ofen­sas cor­po­rais, fur­tos de mei­os es­co­la­res e te­le­fo­nes no in­te­ri­or da es­co­la”, afir­mou o co­man­dan­te. Fo­ram de­tec­ta­dos ca­sos de alu­nos que con­so­mem ál­co­ol du­ran­te as au­las, acres­cen­tou. Ou­tro ca­so co­men­ta­do por An­tó­nio Do­min­gos dos San­tos foi o de dois alu­nos que saí­ram da sa­la de au­las, no co­lé­gio Al­pe­ga, pa­ra irem be­ber.

Com o apro­xi­mar do en­cer­ra­men­to do ano lec­ti­vo, Do­min­gos San­tos acon­se­lhou os pro­fes­so­res a evi­ta­rem a co­bran­ça de va­lo­res mo­ne­tá­ri­os pa­ra apro­var alu­nos. O co­man­dan­te pe­diu-lhes que se pau­tem por um com­por­ta­men­to exem­plar, so­bre­tu­do, no que diz res­pei­to ao as­sé­dio se­xu­al a me­ni­nas em tro­ca de no­tas. Mais gra­ves são os ca­sos de vi­o­la­ção. “To­do o pro­fes­sor que for apa­nha­do ou de­nun­ci­a­do de ter co­me­ti­do um des­ses cri­mes con­tra as alu­nas vai ser de­ti­dos e pre­sen­te ao Ministério Pú­bli­co pa­ra jul­ga­men­to”, ad­ver­tiu o res­pon­sá­vel.

Ga­bi­ne­te de acon­se­lha­men­to

A BSE do Co­man­do Pro­vin­ci­al de Lu­an­da dis­põe, des­de o iní­cio, de um ga­bi­ne­te de acon­se­lha­men­to e apoio à pre­ven­ção cri­mi­nal. Fun­ci­o­na com três psi­có­lo­gos, uma so­ció­lo­ga e al­guns as­sis­ten­tes so­ci­ais. A mis­são é acom­pa­nhar os alu­nos em ris­co ou en­vol­vi­dos em cri­mes.

O ga­bi­ne­te re­ce­be ca­sos de es­tu­dan­tes en­vol­vi­dos em as­so­ci­a­ções de mal­fei­to­res, rou­bos, fur­tos e ou­tras prá­ti­cas. Os téc­ni­cos des­lo­cam­se às es­co­las pa­ra acon­se­lha­rem os alu­nos iden­ti­fi­ca­dos a mu­da­rem de com­por­ta­men­to.

O che­fe de ope­ra­ções da BSE, in­ten­den­te Bar­to­lo­meu Cam­pos, dis­se que o aten­di­men­to a al­gu­mas es­co­las é fei­to me­di­an­te so­li­ci­ta­ção das di­rec­ções, pre­o­cu­pa­das.

Ofen­sas cor­po­rais

No ano lec­ti­vo de 2015, a BSE re­gis­tou 214 cri­mes de na­tu­re­za di­ver­sa. Até Ou­tu­bro des­te ano, a bri­ga­da ano­tou 115 ocor­rên­ci­as de na­tu­re­za di­ver­sa, com re­al­ce pa­ra ofen­sas cor­po­rais, rou­bos e fur­tos, as­so­ci­a­ção de mal­fei­to­res e vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca.

A pro­vín­cia de Lu­an­da tem 2.825 es­co­las, en­tre pú­bli­cas, pri­va­das e com­par­ti­ci­pa­das. Em fa­ce da im­pos­si­bi­li­da­de de as uni­da­des po­li­ci­ais fa­ze­rem o pa­tru­lha­men­to em to­dos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no, a cor­po­ra­ção pro­cu­ra pas­sar a pa­la­vra atra­vés dos con­se­lhos co­mu­ni­tá­ri­os.

Os me­no­res de 15 anos em si­tu­a­ção de de­li­to, por es­ta­rem su­jei­tos a me­di­das cau­te­la­res, são en­ca­mi­nha­dos ao Jul­ga­do de Me­no­res pa­ra a to­ma­da de me­di­das, ao pas­so que os mai­o­res de 16 anos, são en­ca­mi­nha­dos pa­ra o Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal, on­de são aber­tos pro­ces­sos cri­mes, dis­se o che­fe de ope­ra­ções e se­gun­do co­man­dan­te em exer­cí­cio da BSE.

Me­ni­nas en­vol­vi­das no cri­me

A BSE con­tro­la um gru­po de me­ni­nas ado­les­cen­tes, dos 13 aos 16 anos de ida­de, que pra­ti­cam ac­tos cri­mi­no­sos, co­mo ri­xas e agres­sões por ques­tões pas­si­o­nais. O gru­po al­vo des­tas me­ni­nas são ban­dos ri­vais e co­le­gas de es­co­la mais pró­xi­mas. Há no­ta de ce­nas de van­da­lis­mo na via pú­bli­ca. Os gru­pos es­tão iden­ti­fi­ca­dos co­mo as “Dro­ga­di­nhas”, “Bar­ra Ge­ral”, “Lin­das” e as “Mi­ni Cat­cho­bo”.

Bar­to­lo­meu Cam­pos re­fe­riu que BSE pre­ten­de es­tar per­to da co­mu­ni­da­de es­co­lar e de­fen­de a cons­ti­tui­ção dos con­se­lhos dis­tri­tais de se­gu­ran­ça es­co­lar pa­ra que as es­co­las es­te­jam mais tran­qui­las e se­gu­ras.

Edu­ca­ção em Lu­an­da

A di­rec­to­ra da Edu­ca­ção do mu­ni­cí­pio de Lu­an­da, Joana Tor­res, re­co­nhe­ceu o em­pe­nho dos efec­ti­vos da BSE na pre­ven­ção e com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de nas 250 es­co­las con­tro­la­dos pe­lo mu­ni­cí­pio de Lu­an­da atra­vés dos dis­tri­tos ur­ba­nos do Sam­bi­zan­ga, Ran­gel,Sam­ba, Maianga, in­gom­bo­ta e Ki­lam­ba Ki­a­xi. A par­ce­ria com a Po­lí­cia Na­ci­o­nal é im­por­tan­te, so­bre­tu­do, nes­ta fa­se de pro­vas, em que sur­gem muitos con­fli­tos en­tre alu­nos. Joana Tor­res fri­sou que al­guns alu­nos usam ar­mas bran­cas, be­bi­das al­coó­li­cas e o cha­ma­do fe­nó­me­no “ma­ta-au­la”. O tra­ba­lho da Po­lí­cia tem aju­da­do a di­ri­mir es­sas si­tu­a­ções, o que dei­xa os cor­pos di­rec­ti­vos e do­cen­tes mais des­can­sa­dos.

As es­co­las mais vi­sa­das são as do I Ci­clo e do En­si­no Mé­dio e al­gu­mas es­co­las afec­tas à Igre­ja Ca­tó­li­ca. “Es­te ano, ti­ve­mos na Sam­ba du­as es­co­las, on­de ocor­re­ram des­mai­os, e o mais ca­ri­ca­to é que só são me­ni­nas que des­mai­am”, dis­se.

O nú­me­ro de des­mai­os es­te ano de­cres­ceu, dis­se, mas, es­te fe­nó­me­no con­ti­nua a pre­o­cu­par a Po­lí­cia, que quer pre­ve­nir ca­sos do gé­ne­ro nas es­co­las do mu­ni­cí­pio de Lu­an­da.O mu­ni­cí­pio de Lu­an­da con­ta com 250 es­co­las e 10.050 pro­fes­so­res, dis­tri­buí­dos pe­los vá­ri­os ní­veis. Até ao se­gun­do tri­mes­tre des­te ano, só o mu­ni­cí­pio de Lu­an­da pre­ci­sa­va de 1.433 pro­fes­so­res pa­ra co­brir as va­gas em aber­to nas di­ver­sas dis­ci­pli­nas.

O nú­me­ro po­de ter au­men­ta­do, pois já se pas­sa­ram mais de três me­ses e exis­tem ca­sos de fa­le­ci­men­to de pro­fes­so­res, bem co­mo a re­for­ma a que muitos es­tão su­jei­tos de­pois de 35 anos de ser­vi­ço.

Con­se­lhos aos pais

Joana Tor­res acon­se­lhou os pais e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção a con­ver­sa­rem mais com os fi­lhos e a vi­si­tá­los nas es­co­las. Os pais dei­xam to­da a res­pon­sa­bi­li­da­de dos fi­lhos pa­ra os pro­fes­so­res, o que a di­rec­to­ra da edu­ca­ção do mu­ni­cí­pio de Lu­an­da con­si­de­ra um ges­to ne­ga­ti­vo.

Pe­los com­por­ta­men­tos des­vi­an­tes de al­guns alu­nos, os pais e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção de­vem con­tro­lar as ami­za­des dos fi­lhos pa­ra pre­ve­nir des­vi­os de com­por­ta­men­tos que po­dem re­sul­tar na cri­mi­na­li­da­de.

DO­MIN­GOS CADENCIA

As bri­ga­das es­co­la­res têm in­te­ra­gi­do com es­tu­dan­tes de vá­ri­as es­co­las de Lu­an­da pa­ra con­ter os ac­tos de in­dis­ci­pli­na e pre­ve­nir ac­ções de­li­tu­o­sas por par­te dos alu­nos

MO­TA AMBRÓSIO

O Co­man­do Pro­vin­ci­al dis­põe de um ga­bi­ne­te de acon­se­lha­men­to e apoio à pre­ven­ção cri­mi­nal e tem co­mo mis­são acom­pa­nhar os alu­nos em ris­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.