No­vos ru­mos pa­ra a CPLP

Jornal de Angola - - PARTADA - BE­LAR­MI­NO VAN-DÚ­NEM

A CPLP (Co­mu­ni­da­de de Paí­ses de Lín­gua Ofi­ci­al Por­tu­gue­sa) re­a­li­zou a sua XI Con­fe­rên­cia de Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no no Bra­sil num con­tex­to con­jun­tu­ral sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra os paí­ses mem­bros mais in­flu­en­tes, no­me­a­da­men­te An­go­la, Bra­sil e Por­tu­gal.

An­go­la en­con­tra-se no pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral ofi­ci­o­so que an­te­ci­pa o ano de elei­ções ge­rais em 2017. Por ou­tro la­do, a cri­se eco­nó­mi­ca ou fi­nan­cei­ra al­te­rou os pro­ce­di­men­tos da política ex­ter­na na­ci­o­nal. É ne­ces­sá­rio lem­brar que An­go­la é um dos Es­ta­do mem­bros, pa­ra não afir­mar que é o Es­ta­do mem­bro que mais con­tri­bui­ções fi­nan­cei­ras deu pa­ra a or­ga­ni­za­ção, tan­to do pon­to de vis­ta es­ta­tu­tá­rio co­mo ao ní­vel das con­tri­bui­ções pa­ra pro­jec­tos es­pe­cí­fi­cos. Por­tan­to, não es­tá dis­po­ní­vel pa­ra au­men­tar as des­pe­sas da or­ga­ni­za­ção.

O Bra­sil atra­ves­sa uma cri­se política in­ter­na que afec­ta to­da a eli­te política do país. Até ao mo­men­to es­tá sob um go­ver­no cons­ti­tu­ci­o­nal, mas sem le­gi­ti­mi­da­de po­pu­lar. Es­se fac­to cria al­gu­ma apa­tia na política ex­ter­na por­que os pro­gra­mas do ac­tu­al go­ver­no não so­fre­ram o es­cru­tí­nio po­pu­lar. O go­ver­no li­de­ra­do por Mi­chel Te­mer não tem gran­des mar­gens pa­ra to­mar de­ci­sões es­tru­tu­ran­tes e vin­cu­la­ti­vas.

No ca­so de Por­tu­gal, que po­de ser con­si­de­ra­do co­mo o prin­ci­pal in­te­res­sa­do no im­pul­si­o­na­men­to da CPLP, por ra­zões ób­vi­as, tam­bém es­tá sob um or­ça­men­to de con­ten­ção im­pos­to pe­la Troi­ka e pe­la pró­pria con­di­ção da co­li­ga­ção que go­ver­na o país com o cha­péu de uma cláu­su­la cons­ti­tu­ci­o­nal que foi in­vo­ca­da pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria da de­mo­cra­cia por­tu­gue­sa. Por­tan­to, o país que tem a pa­ter­ni­da­de da lín­gua por­tu­gue­sa, tam­bém es­tá de bra­ços ata­dos no que con­cer­ne aos mei­os pa­ra di­na­mi­zar a or­ga­ni­za­ção.

Os res­tan­tes Es­ta­dos mem­bros tam­bém en­fren­tam si­tu­a­ções in­ter­nas me­nos bo­as. São To­mé e Prín­ci­pe aca­ba de fa­zer uma re­for­ma go­ver­na­men­tal, ten­do di­mi­nuí­do o nú­me­ro de mi­nis­té­ri­os e ad­vi­nham­se mais al­guns cor­tes. Se in­ter­na­men­te as des­pe­sas fo­ram min­gua­das, ao ní­vel da política ex­ter­na as coi­sas não se­rão di­fe­ren­tes.

O ou­tro Ar­qui­pé­la­go de lín­gua ofi­ci­al por­tu­gue­sa, no ca­so Ca­bo Ver­de, tem um go­ver­no elei­to há me­nos de um ano, de­pois de quin­ze anos sob di­rec­ção do PAICV. Pa­ra além das li­mi­ta­ções fi­nan­cei­ras na­tu­rais, acre­di­to que o go­ver­no li­de­ra­do por Ulis­ses Cor­reia es­ta­rá ain­da a apal­par o ter­re­no pa­ra fa­zer me­lho­res op­ções, já que Ca­bo Ver­de pri­vi­le­gi­ou sem­pre as re­la­ções bi­la­te­rais com o ex­te­ri­or do que o cor­po­ra­ti­vis­mo in­ter­na­ci­o­nal. Ca­so se quei­ra con­tar com es­se ar­qui­pé­la­go, só mes­mo pa­ra os bons ofí­ci­os di­plo­má­ti­cos e nas ques­tões que não en­trem em co­li­são com os in­te­res­ses in­ter­nos, Ca­bo Ver­de tem de­mons­tra­do pre­fe­rên­cia por uma di­plo­ma­cia prag­má­ti­ca.

O Es­ta­do mem­bro no Ín­di­co, que é Mo­çam­bi­que, tam­bém en­fren­ta uma cri­se in­ter­na pre­o­cu­pan­te. Es­tá tam­bém sob o es­cru­tí­nio das ins­ti­tui­ções in­ter­na­ci­o­nais por ter omi­ti­do a re­al si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra do país. Sen­do um Es­ta­do que de­pen­de do fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no pa­ra exe­cu­ção do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do, o aper­to não po­de­ria ser mai­or. Por ou­tro la­do, a RE­NA­MO, mai­or par­ti­do da opo­si­ção, de­cla­rou guer­ra ofi­ci­al­men­te, e o exér­ci­to na­ci­o­nal não con­se­guiu até à da­ta con­tro­lar a si­tu­a­ção.

A Gui­né-Bis­sau con­ti­nua no ma­ras­mo ins­ti­tu­ci­o­nal. O Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz in­com­pa­ti­bi­li­zou­se com o lí­der do PAIGC que ha­via ga­nho as úl­ti­mas elei­ções le­gis­la­ti­vas. Na sequên­cia, de­mi­tiu o go­ver­no e até à da­ta as ins­ti­tui­ções não en­con­tra­ram o nor­mal fun­ci­o­na­men­to, ape­sar de exis­tir um pri­mei­ro-mi­nis­tro in­di­gi­ta­do. Es­tá na forja a in­di­ca­ção de um no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro mais con­sen­su­al, em­bo­ra me pa­re­ça que es­sa so­lu­ção tam­bém é in­su­fi­ci­en­te já que o go­ver­no de­ve­ria ser for­ma­do pe­lo PAIGC. Por­tan­to qual­quer que se­ja a so­lu­ção as ac­ções nun­ca te­rão gran­de am­pli­tu­de na­ci­o­nal, mui­to me­nos in­ter­na­ci­o­nal.

O Es­ta­do de Ti­mor-Les­te en­con­tra-se nu­ma si­tu­a­ção es­tá­vel, mas so­zi­nho não po­de­rá fa­zer gran­de di­fe­ren­ça. Por ou­tro la­do, a lín­gua por­tu­gue­sa e os Es­ta­dos mem­bros da CPLP es­tão dis­tan­tes do po­vo ti­mo­ren­se. A ju­ven­tu­de pre­fe­re fa­lar in­glês a par do té­tum que tal co­mo a lín­gua por­tu­gue­sa são as lín­guas ofi­ci­ais no país. Não é ne­nhum pes­si­mis­mo di­zer que a con­ti­nui­da­de da lín­gua por­tu­gue­sa em Ti­mor-Les­te es­tá com­pro­me­ti­da de for­ma na­tu­ral por­que ela é ape­nas uma lín­gua de iden­ti­da­de de lu­ta con­tra a opres­são e ocu­pa­ção da In­do­né­sia. As pró­xi­mas ge­ra­ções po­dem ab­di­car e fa­zer do por­tu­guês uma lín­gua erudita, ape­nas pa­ra os in­te­lec­tu­ais in­te­res­sa­dos.

A Gui­né Equa­to­ri­al par­ti­ci­pou co­mo mem­bro efec­ti­vo nu­ma Ci­mei­ra da CPLP pe­la pri­mei­ra vez. Pa­ra além de ser um país que tem a va­ri­an­te “por­tu­nhol”, não co­lhe con­sen­sos, so­bre­tu­do de Por­tu­gal. As ques­tões in­ter­nas fa­zem com que a even­tu­a­li­da­de de ini­ci­a­ti­vas por par­te da­que­le país não te­nham ade­são de to­dos.

O mais ad­mi­rá­vel é o au­men­to de Es­ta­dos in­te­res­sa­dos em ter o Es­ta­tu­to de mem­bro ob­ser­va­dor da CPLP. As can­di­da­tu­ras da Hun­gria, Uru­guai, Es­lo­vá­quia e Re­pú­bli­ca Che­ca fo­ram acei­tes, afir­mou o Pre­si­den­te do Bra­sil, Mi­chel Te­mer, no dis­cur­so de aber­tu­ra da Con­fe­rên­cia. Es­ses paí­ses jun­tam-se ao Ja­pão, Se­ne­gal, Na­mí­bia, Geór­gia, Ilhas Mau­rí­ci­as e Tur­quia que já ti­nham o es­ta­tu­to de ob­ser­va­dor.

É in­te­res­san­te que são dez mem­bros com o es­ta­tu­to de ob­ser­va­dor e no­ve de ple­no di­rei­to. Há ne­ces­si­da­de de re­fun­dar a or­ga­ni­za­ção, cri­ar no­vos fo­cos e apro­vei­tar as van­ta­gens com­ple­men­ta­res e com­pa­ra­ti­vas em prol do bem-es­tar dos ci­da­dãos.

A lín­gua por­tu­gue­sa no cen­tro de tu­do e as ques­tões la­cu­na­res pa­ra a di­plo­ma­cia bi­la­te­ral. Mai­or flui­dez pa­ra de­ter­mi­na­das ca­te­go­ri­as de pes­so­as, tais co­mo aca­dé­mi­cos, po­lí­ti­cos, ar­tis­tas, em­pre­sá­ri­os e o tu­ris­mo es­pe­ci­a­li­za­do não me pa­re­cem su­fi­ci­en­tes pa­ra ti­rar a or­ga­ni­za­ção do ma­ras­mo caqué­ti­co em que se en­con­tra com a mor­te qua­se anun­ci­a­da.

MO­TA AMBRÓSIO

Vi­ce-Pre­si­den­te de An­go­la em Bra­sí­lia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.