Acor­do do cli­ma em vi­gor

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Acor­do de Paris so­bre as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas, adop­ta­do em De­zem­bro do ano pas­sa­do em Paris, du­ran­te a Con­fe­rên­cia das Na­ções Uni­das co­nhe­ci­da co­mo COP 21, en­trou ofi­ci­al­men­te on­tem em vi­gor. O do­cu­men­to, con­si­de­ra­do um mar­co, en­trou em vi­gor pou­co an­tes da COP 22, que co­me­ça na se­gun­da-fei­ra, em Mar­ra­kesh, Mar­ro­cos.

O Acor­do de Paris so­bre as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas, adop­ta­do em De­zem­bro do ano pas­sa­do du­ran­te a Con­fe­rên­cia das Na­ções Uni­das co­nhe­ci­da co­mo COP 21, en­trou on­tem ofi­ci­al­men­te em vi­gor.

O do­cu­men­to, con­si­de­ra­do um mar­co, en­tra em vi­gor pou­co an­tes da COP 22, que co­me­ça na se­gun­da-fei­ra, em Mar­ra­kesh (Mar­ro­cos).

O acor­do es­ta­be­le­ce um ca­mi­nho pa­ra que to­dos os paí­ses li­mi­tem o au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra e for­ta­le­çam a re­si­li­ên­cia aos “im­pac­tos ine­vi­tá­veis”da mu­dan­ça cli­má­ti­ca.

Pa­ra a ONU, a en­tra­da em vi­gor do Acor­do de Paris mar­ca o iní­cio de um “no­vo ca­pí­tu­lo pa­ra a hu­ma­ni­da­de” e de­mons­tra que paí­ses le­vam a sé­rio a sua abor­da­gem à mu­dan­ça cli­má­ti­ca.

Um to­tal de 92 paí­ses já ra­ti­fi­cou (apro­vou in­ter­na­men­te) o Acor­do de Paris. O li­mi­te mí­ni­mo de 55 paí­ses que re­pre­sen­tam 55 por cen­to das emis­sões mun­di­ais de ga­ses do efei­to es­tu­fa - ne­ces­sá­rio pa­ra que o acor­do en­tras­se em vi­gor - foi atin­gi­do an­tes do que os es­pe­ci­a­lis­tas es­pe­ra­vam.

A ONU ad­ver­tiu na quin­ta-fei­ra que o pla­ne­ta de­ve re­du­zir “de ma­nei­ra ur­gen­te e ra­di­cal” as su­as emis­sões de ga­ses do efei­to es­tu­fa, pa­ra evi­tar uma tra­gé­dia hu­ma­na.

“Se não co­me­ça­mos a adop­tar me­di­das adi­ci­o­nais a par­tir de ago­ra, a par­tir da con­fe­rên­cia de Mar­ra­kesh, ter­mi­na­re­mos cho­ran­do an­te uma tra­gé­dia hu­ma­na evi­tá­vel”, de­cla­rou Erik So­lheim, di­rec­tor do Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o Meio Am­bi­en­te (PNU­MA), que pu­bli­cou o seu re­la­tó­rio anu­al so­bre a ac­ção cli­má­ti­ca glo­bal.

En­tre os prin­ci­pais paí­ses emis­so­res, a Rús­sia ain­da não in­di­cou quan­do ra­ti­fi­ca­rá o acor­do. Na Aus­trá­lia e no Ja­pão, o pro­ces­so es­tá em an­da­men­to e, na Eu­ro­pa, Po­ló­nia, Bél­gi­ca, Itá­lia e Es­pa­nha ain­da de­vem ra­ti­fi­cá-lo a ní­vel na­ci­o­nal. Na Amé­ri­ca La­ti­na, Ar­gen­ti­na, Bra­sil, Mé­xi­co, Pe­ru, Cos­ta Ri­ca, Bo­lí­via, Hon­du­ras e Uru­guai tam­bém ra­ti­fi­ca­ram o acor­do, en­tre ou­tros.

“É im­por­tan­te man­ter a di­nâ­mi­ca de Paris e não se li­mi­tar a se fe­li­ci­tar pe­la sua me­ra en­tra­da em vi­gor”, aler­tou Al­den Meyer, es­pe­ci­a­lis­ta da or­ga­ni­za­ção ame­ri­ca­na Uni­on of Con­cer­ned Sci­en­tists.

Os ne­go­ci­a­do­res ain­da têm tra­ba­lho pe­la fren­te, por­que o tex­to acor­da­do por con­sen­so em Paris tem mui­tas im­pre­ci­sões que de­vem fi­car cla­ras.

“A COP22 de­ve ser uma con­fe­rên­cia de ac­ção e im­ple­men­ta­ção”, afir­ma To­si Mpa­nu-Mpa­nu, por­ta-voz do gru­po de paí­ses me­nos de­sen­vol­vi­dos. En­tre os te­mas que de­vem avan­çar, es­tão a de­fi­ni­ção das re­gras de trans­pa­rên­cia (ve­ri­fi­ca­ção dos com­pro­mis­sos na­ci­o­nais), o au­men­to da aju­da fi­nan­cei­ra aos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, a as­sis­tên­cia téc­ni­ca pa­ra a cri­a­ção de po­lí­ti­cas de de­sen­vol­vi­men­to “lim­po” (ener­gi­as re­no­vá­veis, trans­por­tes e re­si­dên­ci­as que con­so­mem me­nos ener­gia, no­vas prá­ti­cas agrí­co­las, etc) e a apre­sen­ta­ção de me­tas pa­ra 2050.

“O mais im­por­tan­te que es­ta­rá em jo­go em Mar­ra­kesh é che­gar a um acor­do so­bre uma da­ta li­mi­te pa­ra de­ci­dir as re­gras de apli­ca­ção do acor­do, es­pe­ci­al­men­te as re­gras de trans­pa­rên­cia”, afir­ma Lau­ren­ce Tu­bi­a­na, a ne­go­ci­a­do­ra fran­ce­sa, acres­cen­tan­do que “2017 não se­ria re­a­lis­ta, mas 2018 é pos­sí­vel.”

As re­gras de trans­pa­rên­cia re­fe­rem-se às in­for­ma­ções que os paí­ses de­ve­rão for­ne­cer so­bre as me­di­das adop­ta­das pa­ra li­mi­tar as su­as emis­sões, as­sim co­mo o avan­ço das aju­das fi­nan­cei­ras pú­bli­cas.

Pa­ra­le­la­men­te a uma mai­or trans­pa­rên­cia, o acor­do ba­seia-se no re­for­ço dos pla­nos de ac­ção de ca­da país, que vão até 2025 ou 2030.

Aju­da aos mais po­bres

O con­jun­to dos com­pro­mis­sos ac­tu­ais co­lo­ca o pla­ne­ta nu­ma tra­jec­tó­ria de +3°C, um li­mi­ar que im­pli­ca con­sequên­ci­as mais gra­ves que o au­men­to de 2ºC (me­ta pre­vis­ta no acor­do), já em si cau­sa­dor de uma agu­di­za­ção dos fe­nó­me­nos cli­má­ti­cos ex­tre­mos, co­mo on­das de ca­lor, se­cas, inun­da­ções e ele­va­ção do ní­vel do mar. “Ca­da país de­ve fa­zer mais, não se po­de es­pe­rar até 2025 ou 2030", ad­ver­te Lau­ren­ce Tu­bi­a­na que, co­mo ou­tros es­pe­ci­a­lis­tas, de­fen­de que ha­ja ob­jec­ti­vos na­ci­o­nais mais am­bi­ci­o­sos até 2020.

A ques­tão da aju­da aos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to con­ti­nua a ser um as­sun­to de­li­ca­do. Dos 100 mil mi­lhões de dó­la­res pro­me­ti­dos anu­al­men­te até 2020, 67 mil mi­lhões de fun­dos pú­bli­cos já fo­ram anun­ci­a­dos, se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co (OCDE).

Es­pe­ra-se no­vos anún­ci­os des­ti­na­dos aos paí­ses mais po­bres, "que ca­re­cem de re­cur­sos e co­nhe­ci­men­tos pa­ra se pro­te­ge­rem de ma­nei­ra ade­qua­da dos efei­tos de­vas­ta­do­res", des­ta­ca To­si Mpa­nu-Mpa­nu.

Em Mar­ra­kesh, vão ser ana­li­sa­dos a par­tir de se­gun­da-fei­ra, os avan­ços re­a­li­za­dos por al­gu­mas das 70 co­a­li­zões lan­ça­das na COP21 (ali­an­ça so­lar, ino­va­ção, prá­ti­cas agrí­co­las e sis­te­mas de aler­ta).

Os paí­ses afri­ca­nos es­pe­ram mui­to da Ini­ci­a­ti­va pa­ra as ener­gi­as re­no­vá­veis e dos 10 mil mi­lhões pro­me­ti­dos pa­ra pro­mo­ver ener­gi­as ver­des no con­ti­nen­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.