Pre­si­den­te da Libéria em Bis­sau pa­ra me­di­ar a cri­se ins­ti­tu­ci­o­nal

Pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia de lí­de­res da Cedeao tem en­con­tros com par­ti­dos e com o Che­fe de Es­ta­do gui­ne­en­se

Jornal de Angola - - PARTADA - PIMENTA KAJOCOLO |*

A pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da Cedeao e Pre­si­den­te da Libéria, El­len Jo­nh­son Si­er­le­af, é es­pe­ra­da ho­je em Bis­sau, pa­ra a pro­cu­ra de no­vas saí­das pa­ra se ul­tra­pas­sar a cri­se política e ins­ti­tu­ci­o­nal que pre­va­le­ce na Gui­né-Bis­sau.

O im­pas­se que se re­gis­ta na im­ple­men­ta­ção dos acor­dos de Co­na­cri, de acor­do com o te­or de um co­mu­ni­ca­do tor­na­do pú­bli­co na quin­ta-fei­ra, pe­la Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Paí­ses da Áfri­ca Oci­den­tal (Cedeao), es­ta­rá no cen­tro das aten­ções de El­len Jo­nh­son e da im­por­tan­te de­le­ga­ção que a acom­pa­nha.

El­len Jo­nh­son faz-se acom­pa­nhar na sua des­lo­ca­ção a Bis­sau do mi­nis­tro de Es­ta­do e se­cre­tá­rio-ge­ral da Pre­si­dên­cia da Gui­né Co­na­cri, Naby Ban­gou­ra, que se des­lo­ca a Bis­sau em re­pre­sen­ta­ção do Pre­si­den­te Alpha Con­dé, da mi­nis­tra dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros da Libéria, Mar­jon Ka­ma­ra, do mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros da Ser­ra Le­oa, Sa­mu­ra Ka­ma­ra e do pre­si­den­te da Co­mis­são da Cedeao, Mar­cel de Sou­sa. Du­ran­te a sua es­ta­dia em Bis­sau, es­tão pre­vis­tos en­con­tros se­pa­ra­dos com o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca da Gui­né-Bis­sau, Jo­sé Má­rio Vaz, e com os ac­to­res­cha­ve do pro­ces­so de ne­go­ci­a­ções pa­ra a es­ta­bi­li­da­de política no país.

Go­ver­no in­clu­si­vo

En­quan­to se aguar­da por mais es­te es­for­ço de me­di­a­ção da Cedeao, além-fron­tei­ras con­ti­nua a pres­são pa­ra a no­me­a­ção de um no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro e a for­ma­ção de um Go­ver­no gui­ne­en­se “in­clu­si­vo e po­li­ti­ca­men­te sus­ten­tá­vel.” Num en­con­tro bi­la­te­ral re­a­li­za­do es­ta se­ma­na em Bra­sí­lia, Por­tu­gal e o Bra­sil “de­fen­de­ram a ne­ces­si­da­de de no­me­a­ção de um no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro e a for­ma­ção de um Go­ver­no in­clu­si­vo e po­li­ti­ca­men­te sus­ten­tá­vel.”

À mar­gem da XI Ci­mei­ra de Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da Co­mu­ni­da­de de Paí­ses de Lín­gua ofi­ci­al Por­tu­gue­sa (CPLP), o Pre­si­den­te do Bra­sil, Mi­chel Te­mer, e o pri­mei­ro-mi­nis­tro de Por­tu­gal, An­tó­nio Cos­ta, ti­ve­ram um en­con­tro de con­cer­ta­ção pa­ra abor­da­gem de di­ver­sos as­pec­tos li­ga­dos à or­ga­ni­za­ção, on­de pas­sa­ram em re­vis­ta a si­tu­a­ção na Gui­né-Bis­sau. De acor­do com o co­mu­ni­ca­do fi­nal, os dois paí­ses “con­gra­tu­la­ram-se com o ro­tei­ro de seis pon­tos pa­ra a re­so­lu­ção da cri­se”, con­cluí­do a 10 de Se­tem­bro úl­ti­mo, sob os aus­pí­ci­os da Cedeao e com “as sub­se­quen­tes con­ver­sa­ções que con­du­zi­ram à as­si­na­tu­ra dos acor­dos de Co­na­cri, en­tre 11 e 14 de Ou­tu­bro.”

Pa­ra os dois di­ri­gen­tes, es­tes con­sen­sos “re­pre­sen­tam um pas­so sig­ni­fi­ca­ti­vo no sen­ti­do de se ul­tra­pas­sar a si­tu­a­ção de ins­ta­bi­li­da­de política que se vi­ve na Gui­né-Bis­sau.”

Por­tu­gal e o Bra­sil rei­te­ra­ram o ape­lo pa­ra que “to­dos os ac­to­res po­lí­ti­cos gui­ne­en­ses se em­pe­nhem” na con­cre­ti­za­ção dos con­sen­sos, “num es­pí­ri­to de diá­lo­go, con­fi­an­ça e com­pro­mis­so.” A re­so­lu­ção apro­va­da quin­ta-fei­ra pe­los Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da CPLP, em Bra­sí­lia, de­fen­de o diá­lo­go per­ma­nen­te e cons­tru­ti­vo co­mo o ca­mi­nho pa­ra se en­con­trar uma so­lu­ção du­rá­vel pa­ra a paz e es­ta­bi­li­da­de na Gui­né-Bis­sau e rei­te­ra a con­vic­ção da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa de que “só atra­vés do diá­lo­go per­ma­nen­te e cons­tru­ti­vo en­tre os ac­to­res po­lí­ti­cos gui­ne­en­ses, se­rá pos­sí­vel uma so­lu­ção du­rá­vel” pa­ra a Gui­né-Bis­sau.

A CPLP en­co­ra­ja “as for­ças po­lí­ti­cas da Gui­né-Bis­sau a en­con­tra­rem so­lu­ções po­lí­ti­cas du­ra­dou­ras que ga­ran­tam a es­ta­bi­li­da­de go­ver­na­ti­va e que pro­mo­vam a ma­nu­ten­ção do apoio da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal à Gui­né-Bis­sau.”

A re­so­lu­ção foi re­co­men­da­da pe­lo Con­se­lho de Mi­nis­tros da CPLP e apro­va­da pe­los al­tos res­pon­sá­veis po­lí­ti­cos do blo­co lu­só­fo­no na XII Con­fe­rên­cia dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da CPLP, que en­cer­rou quin­ta-fei­ra na ca­pi­tal bra­si­lei­ra.

Crí­ti­cas de Se­ri­fo Nha­mad­jo

O an­ti­go Pre­si­den­te de tran­si­ção da Gui­né-Bis­sau, Se­ri­fo Nha­ma­do, con­si­de­rou quin­ta-fei­ra que o ac­tu­al Che­fe do Es­ta­do gui­ne­en­se, Jo­sé Má­rio Vaz, “dei­xou-se en­vol­ver” no jo­go po­lí­ti­co e que ago­ra “pas­sou a ser par­te do pro­ble­ma.”

Em en­tre­vis­ta ao jor­nal O De­mo­cra­ta, pu­bli­ca­do em Bis­sau, Se­ri­fo Nha­mad­jo, que li­de­rou a Gui­néBis­sau na sequên­cia do gol­pe mi­li­tar de 2012, con­si­de­rou que o ac­tu­al Pre­si­den­te gui­ne­en­se no lu­gar de ser ár­bi­tro faz par­te do jo­go e já tem di­fi­cul­da­des em ar­ran­jar so­lu­ções pa­ra o pro­ble­ma. “Qual­quer ci­da­dão que se pre­o­cu­pa di­rá que ele faz par­te do pro­ble­ma. In­fe­liz­men­te, ele se en­vol­veu de tal for­ma que ago­ra faz par­te, quan­do de­via ser a pes­soa que di­ri­me os con­fli­tos en­tre pes­so­as de­sa­vin­das”, ob­ser­vou Nha­mad­jo. Pa­ra o ex-pre­si­den­te de tran­si­ção, no lu­gar de re­ser­va, Jo­sé Má­rio Vaz “ves­tiu uma ca­mi­so­la.”

“Ele tem que se afas­tar des­se jo­go e ten­tar ser um ele­men­to aci­ma de to­dos os gru­pos pa­ra po­der ter a ca­pa­ci­da­de de jun­tar to­dos a bem do país”, acres­cen­tou Se­ri­fo Nha­mad­jo.O an­te­ri­or di­ri­gen­te con­si­de­ra que Jo­sé Má­rio Vaz não es­te­ve bem na for­ma co­mo de­mi­tiu o pri­mei­ro Go­ver­no saí­do das elei­ções de 2014.

Se­ri­fo Nha­mad­jo en­ten­de que, em vez de jus­ti­fi­car a sua de­ci­são com a ne­ces­si­da­de de com­ba­ter a ale­ga­da cor­rup­ção dos mem­bros do Go­ver­no, o Pre­si­den­te gui­ne­en­se de­via an­tes de­nun­ci­ar os ca­sos à jus­ti­ça e es­pe­rar pe­la sua ac­tu­a­ção.

Nha­mad­jo tam­bém é de opinião que o ac­tu­al Che­fe do Es­ta­do não sou­be “gal­va­ni­zar a ava­lan­che” de apoio que o país co­nhe­ceu após as elei­ções ge­rais, con­si­de­ra­das um su­ces­so. Co­mo saí­da, Nha­mad­jo acon­se­lha Má­rio Vaz a de­vol­ver o po­der ao Par­ti­do Afri­ca­no da In­de­pen­dên­cia da Gui­né e Ca­bo Ver­de (PAIGC), na qua­li­da­de de ven­ce­dor das úl­ti­mas elei­ções le­gis­la­ti­vas, lem­bran­do que a Cons­ti­tui­ção não dá di­rei­to ao pre­si­den­te de in­di­car um pri­mei­ro-mi­nis­tro do país. Ao PAIGC, par­ti­do a que Nha­mad­jo per­ten­ce, em­bo­ra se man­te­nha afas­ta­do das li­des par­ti­dá­ri­as, o ex-di­ri­gen­te exor­ta no sen­ti­do de uma re­con­ci­li­a­ção ver­da­dei­ra pa­ra que se pos­sa fa­zer va­ler a mai­o­ria ab­so­lu­ta con­quis­ta­da nas elei­ções de 2004.

AFP

Es­ta­dis­ta li­be­ri­a­na en­ca­be­ça mis­são de me­di­a­ção da or­ga­ni­za­ção re­gi­o­nal a Bis­sau

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.