CAR­TAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - CAR­LOS AMA­RAL AN­TÓ­NIO PE­REI­RA AR­TUR MAR­TINS VE­NÂN­CIO LI­MA

Sa­cer­dó­cio na Igre­ja

As pa­la­vras do Pa­pa Fran­cis­co, pa­ra quem o sa­cer­dó­cio na Igre­ja Ca­tó­li­ca es­ta­rá “pa­ra sem­pre” en­tre­gue aos ho­mens, pa­re­cem ter en­cer­ra­do um as­sun­to que já as­su­mia con­tor­nos exa­ge­ra­dos.

Co­mo ca­tó­li­co, con­cor­do com o Pa­pa Fran­cis­co quan­do de­fen­deu a ma­nu­ten­ção do pos­tu­la­do se­cu­lar se­gun­do o qual são os ho­mens que de­vem pre­si­dir às ce­ri­mó­ni­as re­li­gi­o­sas e não as mu­lhe­res. Em­bo­ra mui­tas de­no­mi­na­ções re­li­gi­o­sas co­me­cem a abrir por­tas pa­ra que as mu­lhe­res gal­guem ter­re­no in­ter­na­men­te, a Igre­ja Ca­tó­li­ca pre­ten­de man­ter-se fi­el aos seus dog­mas.

Ve­ló­rio mi­li­o­ná­rio

Na vi­da, não se po­de es­pe­rar ter tu­do ou pas­sar por to­das as si­tu­a­ções sem pro­ble­mas, co­mo pre­ten­dem muitos. Mas aten­den­do ao prin­cí­pio da igual­da­de, de­ter­mi­na­das coi­sas têm de es­tar aces­sí­veis pa­ra a gran­de mai­o­ria, in­de­pen­den­te­men­te de uma pe­que­na fran­ja não ter o me­re­ci­do ou de­se­ja­do aces­so.

A cons­tru­ção do ve­ló­rio cons­truí­do pe­lo Go­ver­no Pro­vin­ci­al de Lu­an­da trou­xe es­pe­ran­ça no sen­ti­do de que as fa­mí­li­as te­ri­am al­ter­na­ti­vas em ter­mos de es­pa­ço e de lu­gar pa­ra a re­a­li­za­ção do ve­ló­rio. Mas muitos de­sis­tem quan­do ou­vem fa­lar que pa­ra ve­lar o cor­po por 6 ou 12 ho­ras são co­bra­dos 250 a 350 mil kwan­zas, um va­lor mui­to aci­ma do sa­lá­rio mé­dio do an­go­la­no. É ver­da­de que o es­pa­ço di­fi­cil­men­te es­ta­ria aber­to pa­ra to­das as fa­mí­li­as, mas ain­da as­sim fi­ca mui­to aquém das ex­pec­ta­ti­vas da po­pu­la­ção aquan­do da sua apre­sen­ta­ção pú­bli­ca. Gran­de par­te do pú­bli­co con­si­de­ra exor­bi­tan­tes os pre­ços pra­ti­ca­dos pa­ra se ter o cor­po dos seus en­tes nes­te lo­cal, apa­ren­te­men­te, er­gui­do pa­ra o ser­vir, co­mo se dis­se.

Iné­di­tas de Ban­gão

Em tem­pos, ou­vi que o can­tor Bernardo Jor­ge Mar­tins Cor­reia, mais co­nhe­ci­do co­mo Ban­gão, dei­xou mú­si­cas iné­di­tas, al­gu­mas já em fa­se avan­ça­da de edi­ção pós­tu­ma por par­te de uma edi­to­ra. Uma des­sas pro­du­ções fez par­te da úl­ti­ma edi­ção do “Top dos Mais Que­ri­dos”, ga­nha pe­la can­to­ra Ary, mas que me­re­ceu lar­gos vo­tos, fac­to que ser­viu pa­ra com­pro­var a po­pu­la­ri­da­de “post-mor­tem” de Ban­gão.

Jul­go que de­vem es­tar por de­trás da não pu­bli­ca­ção ou edi­ção em dis­co das can­ções ques­tões de na­tu­re­za le­gal, em que re­pre­sen­tan­tes da fa­mí­lia e das edi­to­ras, se­gu­ra­men­te, na­ve­gam em águas dis­tin­tas.

O pú­bli­co, que guar­da bo­as me­mó­ri­as do can­tor Ban­gão e que foi sem­pre fi­el na ad­mi­ra­ção e no acom­pa­nha­men­to da car­rei­ra do can­tor, es­pe­ra que es­ses di­le­mas le­gais e fa­mi­li­a­res se­jam su­pe­ra­dos pa­ra que as mú­si­cas iné­di­tas de Ban­gão che­guem às ban­cas.

Acre­di­to que as edi­to­ras e a fa­mí­lia vão che­gar a en­ten­di­men­to quan­to ao me­lhor des­ti­no a ser da­do ao ma­te­ri­al so­no­ro pro­du­zi­do por Ban­gão em vi­da. Tal co­mo acon­te­ce lá fo­ra, tam­bém te­mos es­tre­las que mes­mo de­fun­tas con­ti­nu­am a ge­rar re­cei­tas, se olhar­mos pa­ra có­pi­as de mú­si­cas de Ar­tur Nu­nes, Tony do Fu­mo, Day Doy, muitos dos nos­sos can­to­res já fa­le­ci­dos, e é pe­na que não te­nha­mos da­dos es­ta­tís­ti­cos pa­ra afe­rir so­bre os va­lo­res em cau­sa. Em to­do o ca­so, es­pe­ro que par­te sig­ni­fi­ca­ti­va das re­cei­tas se­jam re­ver­ti­das pa­ra a fa­mí­lia, en­quan­to her­dei­ra na­tu­ral e tam­bém le­gal do can­tor Ban­gão.

Fim do Girabola

O Girabola ter­mi­na bem com a con­sa­gra­ção do 1º de Agos­to co­mo cam­peão, aten­den­do que se tra­ta da equi­pa que mais fez pa­ra ar­re­ba­tar o tí­tu­lo. Sem des­pri­mor pa­ra as ou­tras que sou­be­ram, igual­men­te, dar o seu me­lhor pa­ra se sa­gra­rem cam­peãs, acho que a equi­pa cen­tral das For­ças Ar­ma­das, co­mo tam­bém é de­sig­na­do o 1 º de Agos­to, fez por me­re­cer o tí­tu­lo.

Os adep­tos têm to­da a ra­zão pa­ra con­ti­nu­a­rem a fes­te­jar, mas, em mi­nha opinião, o ac­tu­al mo­men­to de for­ma da equi­pa po­de ter­mi­nar, ra­pi­da­men­te, tão lo­go al­gu­mas das su­as prin­ci­pais es­tre­las abra­cem o fu­te­bol nou­tras la­ti­tu­des. Mui­tas es­tre­las po­de­rão sair do clu­be mi­li­tar, co­mo Ary e Gel­son, ape­nas pa­ra men­ci­o­nar es­tes, nu­ma al­tu­ra em que vai ser pre­ci­so com­pen­sar a sua saí­da.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.